sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Bilhete Único Carioca sofrerá reajuste a partir de segunda-feira

30/12/2011 - O Globo

Ônibus circulam pelas ruas do Centro do Rio. A partir da segunda-feira, o Bilhete Único Carioca sofrerá um reajuste Hudson Pontes / O Globo (Arquivo)
RIO - A partir da próxima segunda-feira, primeiro dia útil do ano, a tarifa do Bilhete Único Carioca (BUC) será reajustada, e passará de R$ 2,50 para R$ 2,75. O reajuste foi publicado na edição desta sexta-feira do Diário Oficial do Município.

Em nota, a Secretaria Municipal de Transportes afirma que a revisão tarifária cumpre a cláusula 12 dos contratos de concessão firmados com os consórcios que representam as empresas operadoras.A resolução estabelece ainda que as revisões tarifárias serão feitas sempre no primeiro dia útil de cada ano, ou seja, após a correção que entra em vigor no próximo dia 02, somente haverá outra revisão tarifária em janeiro de 2013.

O último reajuste do BUC aconteceu em maio deste ano. Antes disso, em novembro de 2010, a passagem dos ônibus já havia subido, com a adoção do BUC, de R$ 2,35 para R$ 2,40. O edital de licitação previa que as concessionárias poderiam ter reajustes a partir de maio.

Prefeitura coloca terceira faixa só para ônibus no BRS da Rio Branco

30/12/2011 - O Globo

No primeiro dia do novo sistema, houve engarrafamento de coletivos

TAIS MENDES
RONALDO BRAGA
RENATA LEITE

RIO - Devido aos problemas enfrentados no primeiro dia de funcionamento do sistema de Bus Rapid Service (BRS) da Avenida Rio Branco, no Centro, nesta sexta-feira estão disponibilizadas três faixas para ônibus, entre a Avenida Presidente Vargas e a Rua da Assembleia. A medida visa a diminuir a fila de ônibus que se formou na via na quinta-feira. A prefeitura colocou cones para delimitar essa terceira faixa. Segundo a Secretaria municipal de Transportes, a nova faixa funcionará como teste, ainda não podendo ser considerada uma medida definitiva.
Na avaliação do secretário Alexandre Sansão, nas primeiras horas de funcionamento, o trânsito da Avenida Presidente Vargas, sofreu os reflexos dos ônibus que entravam numa operação desajustada.

“Neste primeiro trecho do BRS, os motoristas estavam se adaptando e alguns acreditavam que poderiam parar em todos os pontos, o que não é mais possível. Mudanças no trânsito, na forma de embarque e desembarque, sempre causam dúvida e a dúvida no trânsito sempre gera alguma retenção. Há muita coisa para ser ajustada e esse trabalho será feito para que o corredor da Rio Branco esteja funcionando bem nos próximos dias”, disse, em nota, o secretário.

Ainda de acordo com Sansão, a operação no corredor BRS está sob monitoramento constante tanto da rua quanto das câmeras do Centro de Operações Rio. Além disso, foram promovidas reuniões de ajustes com técnicos da prefeitura e representantes dos consórcios. Segundo ele, a CET-Rio está avaliando os tempos dos sinais de trânsito na Rio Branco e ruas próximas.
No início da manhã e durante a tarde, a grande fila de ônibus que se formou causou um verdadeiro caos. O congestionamento fez com que alguns ônibus não conseguissem encostar no ponto. Os motoristas tiveram que abrir as portas na fila dupla para embarque e desembarque de passageiros, que tiveram que passar em meio aos outros coletivos para chegar à calçada. Por causa da longa fila do BRS, a pista lateral da Presidente Vargas, sentido Candelária, também apresentou trânsito congestionado. Por outro lado, as duas pistas reservadas aos veículos estavam vazias e lembravam até a pequena movimentação de um fim de semana.

Na esquina das avenidas Presidente Vargas e Rio Branco, cinco agentes de trânsito e um guarda municipal fizeram o controle do tráfego. Nesse trecho, eles instalaram cones e os ônibus usaram uma terceira faixa da Rio Branco (até a altura da Rua Buenos Aires) para diminuir a retenção.O tempo de viagem para cruzar toda a avenida, contudo, está bem maior quando comparado com o fluxo de quarta-feira, segundo os motoristas de ônibus. Há 14 anos fazendo a linha 217 (Carioca-Andaraí), o motorista Aluísio Matias relata que, mesmo quando a avenida estava congestionada, ele demorava, no máximo, sete minutos para percorrer toda a extensão da Rio Branco. Nesta quinta, o trajeto foi concluído em dez minutos.

— Estou na terceira viagem do dia. A segunda, às 7h da manhã, definitivamente foi a pior, a mais congestionada — reclama Matias.

Os motoristas de ônibus, no entanto, continuaram enfrentando congestionamentos desde a Avenida Presidente Vargas, na altura do prédio dos Correios. Aquele trecho é o mais complicado, na medida em que os ônibus precisam se posicionar lado a lado para acessar o corredor, dando um nó no trânsito.

Em alguns pontos da Rio Branco os motoristas enfrentaram retenções nas pistas fora do BRS por conta de carros-fortes e vans que estavam parando do lado esquerdo da avenida. Guardas municipais e operadores da CET-Rio tentam ordenar o trânsito.

Alguns passageiros disseram também estar confusos com o funcionamento do BRS e não sabem ao certo onde podem embarcar e desembarcar. A professora Márcia Ribeiro, por exemplo, conta que ficou mais de 15 minutos andando de um lado para o outro, procurando o ponto para embarcar em um ônibus para Copacabana.

— Está muito mal sinalizado, só hoje vi a distribuição de panfletos indicando os pontos. Mas isso deveria ter sido feito preventivamente, antes do início do BRS — protesta.
A secretária Virgínia Braga, que mora na Penha e trabalha na Cinelândia, contou que levou uma hora entre a Leopoldina e o final da Rio Branco:

— Espero que melhorem este sistema para os próximos dias porque do jeito que está hoje ficará insuportável.

O casal Maria Lúcia Sousa e Durval de Oliveira Paes reclamou da disposição dos pontos de ônibus. Eles desembarcaram do ônibus da Linha 322, vindos de Bonsucesso, no ponto da Rio Branco na altura da Rua Sete de Setembro e tiveram que caminhar de volta até a Presidente Vargas:

— Ele vem pela rodoviária e depois do Cais do Porto só tem este ponto na Rio Branco. O endereço que vou é no início da Presidente Vargas, e agora tenho que caminhar até lá. A viagem foi estressante, com todos os passageiros brigando com o motorista, que argumentou que se parasse no ponto errado teria que pagar uma multa alta.

Nos pontos de ônibus, além dos operadores que distribuem panfletos informativos sobre o BRS, há também duplas de PMs que participam do Programa Estadual de Integração na Segurança. São 20, ao todo, fazendo levantamento sobre as linhas e horários que passam na Rio Branco. Eles disseram que a ordem agora não é multar e sim orientar os motoristas.

O BRS da Rio Branco começou às 6h desta quinta-feira, em pleno rush de fim de ano — que já deixou os acessos ao Rio congestionados na quarta-feira. Os itinerários de 61 linhas intermunicipais sofreram alterações. Essas linhas, que transportam 3,6 milhões de passageiros por mês e têm frota de 772 veículos, não poderão mais parar ao longo da Rio Branco. Esses coletivos só vão ser autorizados a desembarcar e pegar passageiros na Avenida Presidente Vargas, na Rua Araújo Porto Alegre e nos seus terminais.

A mão da Rua Senador Dantas e de outras três vias — Avenida Luis de Vasconcelos; Rua Lelio Gama (trecho entre a Avenida Chile e Senador Dantas) e Rua do Carmo (trecho da São José para Rua da Assembleia) — foram invertidas. Desde a madrugada de terça, a prefeitura faz as adaptações necessárias nessas vias, o que ocasionou congestionamentos na quarta. Também foram alterados os itinerários de todas as linhas que dobravam à esquerda na Avenida Rio Branco, que passarão a circular pela Rua Senador Dantas.

O BRS funcionará nos dias úteis até as 21h e, nos sábados, até as 14h. Nos domingos e feriados a passagem de automóveis no corredor ficará liberada.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Após problemas no trânsito, BRS da Rio Branco passará por ajustes Favoritar

28/12/2011 - O Globo

CET-Rio vai avaliar os tempos de sinais de trânsito na avenida e ruas próximas

Primeiro dia de funcionamento do BRS da Avenida Rio Branco, no Centro, causou um congestionamento no corredor de ônibus Márcia Foletto / Agência O Globo
RIO - O primeiro dia de Bus Rapid Service (BRS) na Avenida Rio Branco provocou uma fila de ônibus em toda a extensão da via durante vários períodos do dia, o que levou a secretaria municipal de Transportes a anunciar que o novo corredor viário sofrerá reajustes. Na avaliação do secretário Alexandre Sansão, nas primeiras horas de funcionamento, o trânsito da Avenida Presidente Vargas, sofreu os reflexos dos ônibus que entravam numa operação desajustada.

Neste primeiro trecho do BRS, os motoristas estavam se adaptando e alguns acreditavam que poderiam parar em todos os pontos, o que não é mais possível. Mudanças no trânsito, na forma de embarque e desembarque, sempre causam dúvida e a dúvida no trânsito sempre gera alguma retenção. Há muita coisa para ser ajustada e esse trabalho será feito para que o corredor da Rio Branco esteja funcionando bem nos próximos dias, disse em nota o secretário.

Ainda de acordo com Sansão, a operação no corredor BRS está sob monitoramento constante tanto da rua quanto das câmeras do Centro de Operações Rio. Além disso, foram promovidas reuniões de ajustes com técnicos da Prefeitura e representantes dos consórcios. Segundo ele, a CET-Rio está avaliando os tempos dos sinais de trânsito na Rio Branco e ruas próximas.

No início da manhã e e durante a tarde, a grande fila de ônibus que se formou causou um verdadeiro caos. O congestionamento fez com que alguns ônibus não conseguissem encostar no ponto. Os motoristas tiveram que abrir as portas na fila dupla para embarque e desembarque de passageiros, que tiveram que passar em meio aos outros coletivos para chegar à calçada. Por causa da longa fila do BRS, a pista lateral da Presidente Vargas, sentido Candelária, também apresentou trânsito congestionado. Por outro lado, as duas pistas reservadas aos veículos estavam vazias e lembravam até a pequena movimentação de um fim de semana.

Na esquina das avenidas Presidente Vargas e Rio Branco, cinco agentes de trânsito e um guarda municipal fizeram o controle do tráfego. Nesse trecho, eles instalaram cones e os ônibus usaram uma terceira faixa da Rio Branco (até a altura da Rua Buenos Aires) para diminuir a retenção.O tempo de viagem para cruzar toda a avenida, contudo, está bem maior quando comparado com o fluxo de quarta-feira, segundo os motoristas de ônibus. Há 14 anos fazendo a linha 217 (Carioca-Andaraí), o motorista Aluísio Matias relata que, mesmo quando a avenida estava congestionada, ele demorava, no máximo, sete minutos para percorrer toda a extensão da Rio Branco. Nesta quinta, o trajeto foi concluído em dez minutos.

Estou na terceira viagem do dia. A segunda, às 7h da manhã, definitivamente foi a pior, a mais congestionada reclama Matias.

Os motoristas de ônibus, no entanto, continuaram enfrentando congestionamentos desde a Avenida Presidente Vargas, na altura do prédio dos Correios. Aquele trecho é o mais complicado, na medida em que os ônibus precisam se posicionar lado a lado para acessar o corredor, dando um nó no trânsito.

Em alguns pontos da Rio Branco os motoristas enfrentaram retenções nas pistas fora do BRS por conta de carros-fortes e vans que estavam parando do lado esquerdo da avenida. Guardas municipais e operadores da CET-Rio tentam ordenar o trânsito.

Alguns passageiros disseram também estar confusos com o funcionamento do BRS e não sabem ao certo onde podem embarcar e desembarcar. A professora Márcia Ribeiro, por exemplo, conta que ficou mais de 15 minutos andando de um lado para o outro, procurando o ponto para embarcar em um ônibus para Copacabana.

Está muito mal sinalizado, só hoje vi a distribuição de panfletos indicando os pontos. Mas isso deveria ter sido feito preventivamente, antes do início do BRS protesta.

A secretária Virgínia Braga, que mora na Penha e trabalha na Cinelândia, contou que levou uma hora entre a Leopoldina e o final da Rio Branco:

Espero que melhorem este sistema para os próximos dias porque do jeito que está hoje ficará insuportável.

O casal Maria Lúcia Sousa e Durval de Oliveira Paes reclamou da disposição dos pontos de ônibus. Eles desembarcaram do ônibus da Linha 322, vindos de Bonsucesso, no ponto da Rio Branco na altura da Rua Sete de Setembro e tiveram que caminhar de volta até a Presidente Vargas:

Ele vem pela rodoviária e depois do Cais do Porto só tem este ponto na Rio Branco. O endereço que vou é no início da Presidente Vargas, e agora tenho que caminhar até lá. A viagem foi estressante, com todos os passageiros brigando com o motorista, que argumentou que se parasse no ponto errado teria que pagar uma multa alta.

Nos pontos de ônibus, além dos operadores que distribuem panfletos informativos sobre o BRS, há também duplas de PMs que participam do Programa Estadual de Integração na Segurança. São 20, ao todo, fazendo levantamento sobre as linhas e horários que passam na Rio Branco. Eles disseram que a ordem agora não é multar e sim orientar os motoristas.

O BRS da Rio Branco começou às 6h desta quinta-feira, em pleno rush de fim de ano que já deixou os acessos ao Rio congestionados na quarta-feira. Os itinerários de 61 linhas intermunicipais sofreram alterações. Essas linhas, que transportam 3,6 milhões de passageiros por mês e têm frota de 772 veículos, não poderão mais parar ao longo da Rio Branco. Esses coletivos só vão ser autorizados a desembarcar e pegar passageiros na Avenida Presidente Vargas, na Rua Araújo Porto Alegre e nos seus terminais.

Veja também

A mão da Rua Senador Dantas e de outras três vias Avenida Luis de Vasconcelos; Rua Lelio Gama (trecho entre a Avenida Chile e Senador Dantas) e Rua do Carmo (trecho da São José para Rua da Assembleia) foram invertidas. Desde a madrugada de terça, a prefeitura faz as adaptações necessárias nessas vias, o que ocasionou congestionamentos na quarta. Também foram alterados os itinerários de todas as linhas que dobravam à esquerda na Avenida Rio Branco, que passarão a circular pela Rua Senador Dantas.

O BRS funcionará nos dias úteis até as 21h e, nos sábados, até as 14h. Nos domingos e feriados a passagem de automóveis no corredor ficará liberada. A Secretaria municipal de Transportes estima que, com o novo corredor exclusivo para ônibus, haverá redução de cerca de 45% do total de coletivos que trafegam pela avenida. O tempo total gasto para percorrer a via, num coletivo, será reduzido em 30%.

As mudanças já foram feitas e tudo funcionará positivamente. Os ônibus não poderão virar à esquerda na Avenida Rio Branco disse o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão.

Segundo Sansão, o principal problema da Rio Branco eram os giro à esquerda que alguns ônibus faziam para entrar na Avenida Almirante Barroso. O movimento atrapalhava o fluxo. Com as mudanças de mão, os coletivos serão obrigados a entrar na Rua Senador Dantas.

A maior dificuldade que enfrentaremos será a adaptação dos ônibus intermunicipais. O carioca tem o hábito de atravessar fora da faixa e no meio da pista. Com implantação do BRS fica arriscado porque os coletivos ganham velocidade e aumentam os riscos de atropelamentos disse ele.

As mudanças no tráfego da região já começaram no início da semana, com seis linhas de ônibus (107, 136, 157, 158, 176 e 184) que circulavam pela Rua Senador Dantas tendo seus itinerários alterados para a Avenida Rio Branco. O Centro vai ganhar cinco pontos diferentes de BRS (BRS 1, BRS 2, BRS 3, BRS 4 e BRS 5).

Próximo BRS será na Avenida Presidente Vargas

Na quarta-feira foram transferidos os pontos terminais localizados na Rua Araújo Porto Alegre para o Terminal Misericórdia (na Praça Quinze), com alterações nos itinerários das linhas 348, 352 e 368. Os terminais localizados na Avenida Almirante Barroso na pista sentido Antônio Carlos-Rio Branco foram transferidos para a Avenida Nilo Peçanha, entre as Avenidas Presidente Antônio Carlos e Graça Aranha, com mudanças nos itinerários das linhas 2295, 2302 e 2305.

Com o novo BRS da Avenida Rio Branco, os usuários das linhas intermunicipais, vindas em sua maior parte da Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo, terão que desembarcar na Rio Branco somente entre a Praça Mauá e a Avenida Presidente Vargas ou nas paradas do Mergulhão da Praça Quinze e do trecho entre este e os pontos finais de cada trajeto nos terminais Augusto Severo, Menezes Cortes, Passeio e Misericórdia.

Apesar do otimismo, a rápida implementação do sistema foi criticada pelo Departamento de Transportes Rodoviários (Detro), responsável pela fiscalização das linhas intermunicipais. Segundo o presidente em exercício do órgão, Alcino Carvalho, as mudanças foram repassadas ao Detro às vésperas de serem feitas:

Isso dificultou a adequação da operação da frota intermunicipal e a comunicação antecipada aos usuários.

Este é o segundo BRS no Centro do Rio, onde já opera o da Rua Primeiro de Março/ Avenida Presidente Antônio Carlos. A prefeitura anunciou que o próximo BRS será o da Avenida Presidente Vargas, já em janeiro.

Primeiro dia de BRS provoca fila de ônibus na Avenida Rio Branco

29/12/11 - O Globo

Senador Dantas e outras ruas do Centro têm mão invertida

TAIS MENDES
RONALDO BRAGA

MÁRCIA FOLETTO / AGÊNCIA O GLOBO

RIO - O primeiro dia de Bus Rapid Service (BRS) na Avenida Rio Branco provocou uma fila de ônibus em toda a extensão da via no início da manhã. Por outro lado, as duas pistas reservadas aos veículos estavam vazias e lembravam até a pequena movimentação de um fim de semana. O congestionamento fez com que alguns ônibus não conseguissem encostar no ponto. Os motoristas tiveram que abrir as portas na fila dupla para embarque e desembarque de passageiros, que tiveram que passar em meio aos outros coletivos para chegar à calçada. Por causa da longa fila do BRS, a pista lateral da Presidente Vargas, sentido Candelária, também apresentou trânsito congestionado.

O congestionamento de ônibus no BRS da Rio Branco começou a reduzir pouco antes das 10h desta quinta-feira. O tempo de viagem para cruzar toda a avenida, contudo, está bem maior quando comparado com o fluxo de quarta-feira, segundo os motoristas de ônibus. Há 14 anos fazendo a linha 217 (Carioca-Andaraí), o motorista Aluísio Matias relata que, mesmo quando a avenida estava congestionada, ele demorava, no máximo, sete minutos para percorrer toda a extensão da Rio Branco. Nesta quinta, o trajeto foi concluído em dez minutos.
— Estou na terceira viagem do dia. A segunda, às 7h da manhã, definitivamente foi a pior, a mais congestionada — reclama Matias.

Os motoristas de ônibus, no entanto, continuam enfrentando congestionamentos desde a Avenida Presidente Vargas, na altura do prédio dos Correios. Aquele trecho é o mais complicado, na medida em que os ônibus precisam se posicionar lado a lado para acessar o corredor, dando um nó no trânsito.

Em alguns pontos da Rio Branco os motoristas enfrentam retenções nas pistas fora do BRS por conta de carros-fortes e vans que estão parando do lado esquerdo da avenida. Guardas municipais e operadores da CET-Rio tentam ordenar o trânsito.

Alguns passageiros disseram também estar confusos com o funcionamento do BRS e não sabem ao certo onde podem embarcar e desembarcar. A professora Márcia Ribeiro, por exemplo, conta que ficou mais de 15 minutos andando de um lado para o outro, procurando o ponto para embarcar em um ônibus para Copacabana.

— Está muito mal sinalizado, só hoje vi a distribuição de panfletos indicando os pontos. Mas isso deveria ter sido feito preventivamente, antes do início do BRS — protesta.
A secretária Virgínia Braga, que mora na Penha e trabalha na Cinelândia, contou que levou uma hora entre a Leopoldina e o final da Rio Branco:

— Espero que melhorem este sistema para os próximos dias porque do jeito que está hoje ficará insuportável.

O casal Maria Lúcia Sousa e Durval de Oliveira Paes reclamou da disposição dos pontos de ônibus. Eles desembarcaram do ônibus da Linha 322, vindos de Bonsucesso, no ponto da Rio Branco na altura da Rua Sete de Setembro e tiveram que caminhar de volta até a Presidente Vargas:

— Ele vem pela rodoviária e depois do Cais do Porto só tem este ponto na Rio Branco. O endereço que vou é no início da Presidente Vargas, e agora tenho que caminhar até lá. A viagem foi estressante, com todos os passageiros brigando com o motorista, que argumentou que se parasse no ponto errado teria que pagar uma multa alta.

Nos pontos de ônibus, além dos operadores que distribuem panfletos informatiuvos sobre o BRS, há também duplas de PMs que participam do Programa Estadual de Integração na Segurança. São 20, ao todo, fazendo levantamento sobre as linhas e horários que passam na Rio Branco. Eles disseram que a ordem agora não é multar e sim orientar os motoristas.

O BRS da Rio Branco começou às 6h desta quinta-feira, em pleno rush de fim de ano — que já deixou os acessos ao Rio congestionados na quarta-feira. Os itinerários de 61 linhas intermunicipais sofreram alterações. Essas linhas, que transportam 3,6 milhões de passageiros por mês e têm frota de 772 veículos, não poderão mais parar ao longo da Rio Branco. Esses coletivos só vão ser autorizados a desembarcar e pegar passageiros na Avenida Presidente Vargas, na Rua Araújo Porto Alegre e nos seus terminais

A mão da Rua Senador Dantas e de outras três vias — Avenida Luis de Vasconcelos; Rua Lelio Gama (trecho entre a Avenida Chile e Senador Dantas) e Rua do Carmo (trecho da São José para Rua da Assembleia) — foram invertidas. Desde a madrugada de terça, a prefeitura faz as adaptações necessárias nessas vias, o que ocasionou congestionamentos na quarta. Também foram alterados os itinerários de todas as linhas que dobravam à esquerda na Avenida Rio Branco, que passarão a circular pela Rua Senador Dantas.

O BRS funcionará nos dias úteis até as 21h e, nos sábados, até as 14h. Nos domingos e feriados a passagem de automóveis no corredor ficará liberada. A Secretaria municipal de Transportes estima que, com o novo corredor exclusivo para ônibus, haverá redução de cerca de 45% do total de coletivos que trafegam pela avenida. O tempo total gasto para percorrer a via, num coletivo, será reduzido em 30%.

— As mudanças já foram feitas e tudo funcionará positivamente. Os ônibus não poderão virar à esquerda na Avenida Rio Branco — disse o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão.

Segundo Sansão, o principal problema da Rio Branco eram os giro à esquerda que alguns ônibus faziam para entrar na Avenida Almirante Barroso. O movimento atrapalhava o fluxo. Com as mudanças de mão, os coletivos serão obrigados a entrar na Rua Senador Dantas.

— A maior dificuldade que enfrentaremos será a adaptação dos ônibus intermunicipais. O carioca tem o hábito de atravessar fora da faixa e no meio da pista. Com implantação do BRS fica arriscado porque os coletivos ganham velocidade e aumentam os riscos de atropelamentos — disse ele.

As mudanças no tráfego da região já começaram no início da semana, com seis linhas de ônibus (107, 136, 157, 158, 176 e 184) que circulavam pela Rua Senador Dantas tendo seus itinerários alterados para a Avenida Rio Branco. O Centro vai ganhar cinco pontos diferentes de BRS (BRS 1, BRS 2, BRS 3, BRS 4 e BRS 5).

Próximo BRS será na Avenida Presidente Vargas

Na quarta-feira foram transferidos os pontos terminais localizados na Rua Araújo Porto Alegre para o Terminal Misericórdia (na Praça Quinze), com alterações nos itinerários das linhas 348, 352 e 368. Os terminais localizados na Avenida Almirante Barroso — na pista sentido Antônio Carlos-Rio Branco — foram transferidos para a Avenida Nilo Peçanha, entre as Avenidas Presidente Antônio Carlos e Graça Aranha, com mudanças nos itinerários das linhas 2295, 2302 e 2305.

Com o novo BRS da Avenida Rio Branco, os usuários das linhas intermunicipais, vindas em sua maior parte da Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo, terão que desembarcar na Rio Branco somente entre a Praça Mauá e a Avenida Presidente Vargas ou nas paradas do Mergulhão da Praça Quinze e do trecho entre este e os pontos finais de cada trajeto nos terminais Augusto Severo, Menezes Cortes, Passeio e Misericórdia.

Apesar do otimismo, a rápida implementação do sistema foi criticada pelo Departamento de Transportes Rodoviários (Detro), responsável pela fiscalização das linhas intermunicipais. Segundo o presidente em exercício do órgão, Alcino Carvalho, as mudanças foram repassadas ao Detro às vésperas de serem feitas:

— Isso dificultou a adequação da operação da frota intermunicipal e a comunicação antecipada
aos usuários.

Este é o segundo BRS no Centro do Rio, onde já opera o da Rua Primeiro de Março/ Avenida Presidente Antônio Carlos. A prefeitura anunciou que o próximo BRS será o da Avenida Presidente Vargas, já em janeiro.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Faixa exclusiva para ônibus começa a funcionar na Avenida Rio Branco

28/12/2011 - O Globo

Senador Dantas e outras ruas do Centro têm mão invertida

RONALDO BRAGA

Marcação do BRS da Avenida Rio Branco, que começa a funcionar nesta quinta-feira
MARCOS TRISTÃO / O GLOBO

RIO - Começa às 6h desta quinta-feira, em pleno rush de fim de ano — que já deixou os acessos ao Rio congestionados na quarta-feira — o sistema Bus Rapid Service (BRS) da Avenida Rio Branco, no Centro. Os itinerários de 61 linhas intermunicipais sofrerão alterações. Essas linhas, que transportam 3,6 milhões de passageiros por mês e têm frota de 772 veículos, não poderão mais parar ao longo da Rio Branco. Esses coletivos só vão ser autorizados a desembarcar e pegar passageiros na Avenida Presidente Vargas, na Rua Araújo Porto Alegre e nos seus terminais.

VEJA TAMBÉM
Entenda como funciona o BRS da Rio Branco
Linhas intermunicipais sofrerão alterações com BRS do Centro
Implantação do BRS provoca mudanças de itinerários no Centro
Ônibus fretados não vão poder passar pelo BRS do Centro

A mão da Rua Senador Dantas e de outras três vias — Avenida Luis de Vasconcelos; Rua Lelio Gama (trecho entre a Avenida Chile e Senador Dantas) e Rua do Carmo (trecho da São José para Rua da Assembleia) — serão invertidas. Desde a madrugada de anteontem a prefeitura faz as adaptações necessárias nessas vias, o que ocasionou congestionamentos na quarta. Também foram alterados os itinerários de todas as linhas que dobravam à esquerda na Avenida Rio Branco, que passarão a circular pela Rua Senador Dantas.

O BRS funcionará nos dias úteis até as 21h e, nos sábados, até as 14h. Nos domingos e feriados a passagem de automóveis no corredor ficará liberada. A Secretaria municipal de Transportes estima que, com o novo corredor exclusivo para ônibus, haverá redução de cerca de 45% do total de coletivos que trafegam pela avenida. O tempo total gasto para percorrer a via, num coletivo, será reduzido em 30%.

— As mudanças já foram feitas e tudo funcionará positivamente. Os ônibus não poderão virar à esquerda na Avenida Rio Branco — disse o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão.

Segundo Sansão, o principal problema da Rio Branco eram os giro à esquerda que alguns ônibus faziam para entrar na Avenida Almirante Barroso. O movimento atrapalhava o fluxo. Com as mudanças de mão, os coletivos serão obrigados a entrar na Rua Senador Dantas.

— A maior dificuldade que enfrentaremos será a adaptação dos ônibus intermunicipais. O carioca tem o hábito de atravessar fora da faixa e no meio da pista. Com implantação do BRS fica arriscado porque os coletivos ganham velocidade e aumentam os riscos de atropelamentos — disse ele.

As mudanças no tráfego da região já começaram no início da semana, com seis linhas de ônibus (107, 136, 157, 158, 176 e 184) que circulavam pela Rua Senador Dantas tendo seus itinerários alterados para a Avenida Rio Branco. O Centro vai ganhar cinco pontos diferentes de BRS (BRS 1, BRS 2, BRS 3, BRS 4 e BRS 5).

Próximo BRS será na Avenida Presidente Vargas

Na quarta-feira foram transferidos os pontos terminais localizados na Rua Araújo Porto Alegre para o Terminal Misericórdia (na Praça Quinze), com alterações nos itinerários das linhas 348, 352 e 368. Os terminais localizados na Avenida Almirante Barroso — na pista sentido Antônio Carlos-Rio Branco — foram transferidos para a Avenida Nilo Peçanha, entre as Avenidas Presidente Antônio Carlos e Graça Aranha, com mudanças nos itinerários das linhas 2295, 2302 e 2305.

Com o novo BRS da Avenida Rio Branco, os usuários das linhas intermunicipais, vindas em sua maior parte da Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo, terão que desembarcar na Rio Branco somente entre a Praça Mauá e a Avenida Presidente Vargas ou nas paradas do Mergulhão da Praça Quinze e do trecho entre este e os pontos finais de cada trajeto nos terminais Augusto Severo, Menezes Cortes, Passeio e Misericórdia.
Apesar do otimismo, a rápida implementação do sistema foi criticada pelo Departamento de Transportes Rodoviários (Detro), responsável pela fiscalização das linhas intermunicipais. Segundo o presidente em exercício do órgão, Alcino Carvalho, as mudanças foram repassadas ao Detro às vésperas de serem feitas:

— Isso dificultou a adequação da operação da frota intermunicipal e a comunicação antecipada aos usuários.

Este é o segundo BRS no Centro do Rio, onde já opera o da Rua Primeiro de Março/ Avenida Presidente Antônio Carlos. A prefeitura anunciou que o próximo BRS será o da Avenida Presidente Vargas, já em janeiro.

Avenida Rio Branco ganha BRS nesta quinta-feira

28/12/2011 - Agência Rio

O segundo corredor exclusivo de ônibus no Centro da cidade, BRS (Bus Rapid Service), começa a funcionar na manhã desta quinta-feira (29) na Avenida Rio Branco, no trecho entre a Candelária e a Cinelândia. O novo sistema já foi implantado pela Prefeitura do Rio em Copacabana, Ipanema e Leblon, e desde o dia 17 na Avenida Presidente Antônio Carlos e na Rua Primeiro de Março, no Centro do Rio.

De acordo com a Prefeitura, o corredor exclusivo de ônibus vai organizar a circulação e pontos de parada, com a nova identificação BRS (1,3,4 e 5), de 91 linhas municipais que passam pela Rio Branco, ao mesmo tempo remanejar para outros locais 65 linhas intermunicipais que circulavam por esse mesmo corredor.

Segundo o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, no próximo ano o sistema deve chegar na Zona Norte. "O BRS da Avenida Rio Branco e da Rua Araújo Porto Alegre é mais uma etapa do processo de racionalização das linhas municipais de ônibus. Em janeiro, o sistema chegará à Avenida Presidente Vargas e depois a Prefeitura vai levar os corredores preferenciais para ônibus a bairros da Zona Norte", avisa.

O secretário acrescenta que a implantação dos corredores BRS, além de priorizar o transporte público de passageiros, contribui para o trânsito em geral porque organiza a circulação dos veículos. "Conseguimos bons resultados nos corredores de bairros da Zona Sul e temos certeza de que eles serão positivos na região central da cidade.", disse.

Para não comprometer a fluidez do BRS Rio Branco, a Prefeitura alterou o sentido de direção da Rua Senador Dantas, que agora passa a ser no sentido Rua do Passeio / Av. Almirante Barroso. Essa medida de engenharia de tráfego elimina o gargalho de trânsito provocado pelos ônibus que precisavam cruzar a Rio Branco da direita para a esquerda para acesar as ruas Almirante Barroso, Aráujo Porto Alegre e Santa Luzia.

As linhas intermunicipais que não passam mais na Rio Branco foram distribuídas para seis pontos: Av. Graça Aranha (13 linhas); Rua Araújo Porto Alegre (9 linhas); Rua do México, próximo à Rua Pedro Lessa (12 linhas ); Rua do México próximos à Rua Araújo Porto Alegre e Av. Nilo Peçanha (9 linhas); Av. Marechal Aguinaldo Caiado de Castro (15 linhas ) e Rua Evaristo da Veiga (6 linhas).

A exemplo dos demais BRS implantados, o horário de funcionamento do corredor da Rio Branco será das 6h às 21h, nos dias úteis; das 6h às 14h, aos sábados, não funcionando nos domingos e feriados. No período estabelecido para o BRS, veículos particulares ou outros que não estejam autorizados, serão, numa primeira etapa, advertidos por agentes da Guarda Municipal e operadores da CET-Rio, e multados, após o período de tolerância.

PB

Linhas intermunicipais sofrerão alterações com BRS do Centro

28/12/2011 - O Globo

Trajetos só sofrerão modificações na área central do Rio

RIO - O sistema de BRS para ônibus na Avenida Rio Branco, no Centro do Rio, começa a funcionar a partir das 6h desta quinta-feira. Além das alterações de itinerários das linhas de ônibus municipais - que já foram divulgadas -, 61 linhas intermunicipais sofrerão alterações já que não poderão mais trafegar por algumas ruas da região. Segundo o Detro, essas linhas transportam em média 3.688.445 passageiros por mês, com uma frota de 772 veículos.

Embora a administração municipal alegue ter negociado as mudanças com todos os órgãos envolvidos, na verdade, estas foram repassadas ao Detro às vésperas de sua implantação, o que dificulta a adequação da operação da frota intermunicipal e a comunicação antecipada aos usuários. Neste primeiro momento, o serviço prestado àqueles que vêm de outros municípios foi prejudicado, mas a Prefeitura do Rio, a partir de nossas ponderações, já se dispôs a analisar novas alternativas na tentativa de minimizar este impacto negativo afirma, em nota, o presidente em exercício do Detro, Alcino Carvalho.

Os usuários, vindos em sua maior parte da Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo, terão que desembarcar na Rio Branco somente entre a Praça Mauá e a Avenida Presidente Vargas. Outra opção são as paradas do Mergulhão da Praça Quinze e do trecho entre o mergulhão e os pontos finais de cada trajeto nos terminais Augusto Severo, Menezes Cortes, Passeio e Misericórdia.

O Detro ressalta que os itinerários só sofreram modificações em sua passagem pela área central do Rio, mantendo o antigo trajeto nas demais áreas. Fiscais do Detro estarão na região, a fim de orientar os passageiros.

Nos itinerários entre Niterói e Rio terão alteração nos itinerários as linhas:

- Auto Viação 1001: Charitas-Castelo, Charitas-Castelo (AC) e Itaipu-Castelo;

- Garcia: Charitas-Castelo e Santa Rosa-Passeio;

- Viação Mauá: Niterói-Praça XV (SA), Niterói-Praça XV (AC) e Niterói-Castelo

- Auto Lotação Ingá: Charitas-Castelo (Fonseca-SA), Charitas-Castelo (Fonseca-SAC) e Charitas-Castelo (Fonseca-A);

- Viação Pendotiba: Itaipu-Castelo, Pendotiba-Castelo (SA) e Pendotiba-Castelo (A).

Entre Rio Bonito, São Gonçalo e Rio, sofrerão alteração as linhas:

- Auto Ônibus Fagundes: Alcântara-Castelo, Alcântara-Castelo (521D), Apolo III-Castelo e Santa Isabel-Castelo;

- Coesa: São Gonçalo Passeio (110D), São Gonçalo-Passeio, Alcântara-Passeio (SA) e Alcântara-Passeio (AC);

- Rio Ita: Rio-Bonito-Praça XV, Venda das Pedras- Praça XV, Venda das Pedras Castelo, Rio Bonito-Castelo e Manilha- Praça XV;

Nos trajetos entre Maricá e Rio, mudam o itinerário:

- Viação Nossa Senhora do Amparo: Maricá-Castelo (SA), Maricá-Castelo (AC), Ponta Negra-Castelo e Itaipuaçu-Castelo.

Vindas da Baixada Fluminense, terão itinerários alterados as linhas:

- Auto Viação Reginas: Vilar dos Teles Praça XV (427C), Guapimirim-Castelo, Magé-Castelo e Magé-Castelo (AC);

- Viação Jurema: Duque de Caxias- Praça XV (SAC) e Duque de Caxias-Praça XV (AC);

- Flores: Coelho da Rocha-Praça XV (SA) e Coelho Branco - Central;

- Limousine Carioca: Duque de Caxias Passeio (Vigário Geral), Duque de Caxias Castelo (25 de Agosto) e Duque de Caxias Castelo (25 de Agosto/Itatiaia);

- Evanil: Nova Iguaçu-Praça XV, Nova Iguaçu-Castelo (Plínio Salgado), Cabuçu-Castelo e Nova Iguaçu- Castelo (Vila Nova);

- Real Rio: Itaguaí-Castelo;

- Transmil: Mesquita-Passeio e Nilópolis-Passeio;

- Rei: Santa Cruz da Serra- Passeio, Xerém- Passeio (SA), Xerém-Passeio (AC) e Taquara-Praça Mauá;

- Mageli: Vilar dos Teles-Castelo e Éden-Castelo;

- União: Saracuruna-Passeio (SA), Saracuruna-Passeio (A), Piabetá-Passeio (SA) e Piabetá-Passeio (AC), Parque São Vicente Passeio.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

No Rio, Mais 87 ônibus articulados são comprados para os corredores exclusivos de ônibus

23/12/2011 - Diário do Grande ABC

Todos estes veículos já contam com a tecnologia BlueTec 5, que se destaca por motores mais potentes, econômicos e ecológicos, atendendo ao Proconve P-7, legislação que entra em vigor no País a partir do próximo dia 1º de janeiro e que exige menor emissão de poluição veicular.

A Jabur e a Pégaso irão atuar no BRT (termo Transoeste, primeiro projeto de corredores exclusivos do Rio de Janeiro, que já tem duas estações em atividade, devendo ser concluído no primeiro semestre de 2012, com 64 estações.

Segundo Gilson Mansur, diretor de Vendas e Marketing de Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil, a Empresa está orgulhosa de poder entregar os primeiros veículos que irão operar no BRT do Rio de Janeiro. "Isso reforça a confiança e a liderança da nossa marca na região e no mercado brasileiro como um todo. Os ônibus articulados escolhidos, modelo O 500, são os lideres absolutos de vendas no País desde seu lançamento, em 2006, com mais de 1.000 unidades vendidas e mais de 70% de participação em seu segmento".

Copa do Mundo
"A maioria das cidades que receberão os jogos da Copa do Mundo de 2014 já optou pelo sistema BRT. Elas se apoiam em vantagens como custos de implantação até dez vezes menores e um prazo até dois terços menor em comparação com outros modais, como trem e metrô, para transportar a mesma quantidade de passageiros", diz Gustavo Nogueira, especialista em Sistemas BRT da área de Marketing de Produto - Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil. "Esses benefícios também são válidos para quaisquer outras cidades que queiram prestar um serviço de transporte coletivo de maior qualidade para a população".

A Mercedes-Benz tem conhecimento e experiência mundial e local para a implantação desse tipo de sistema. A marca está presente hoje em todos os principais BRTs no mundo, como os de São Paulo e Curitiba no Brasil, Bogotá na Colômbia, Santiago do Chile, México, Turquia e África do Sul. Os sistemas desses países figuram entre os que mais transportam passageiros por ônibus urbanos no mundo.

Prefeitura do Rio proíbe tráfego de frescões intermunicipais no BRS da Primeiro de Março, no Centro

22/12/2012 - Extra Online

A Secretaria municipal de Transportes publica na edição desta quarta-feira do Diário Oficial do Município resolução que proíbe o tráfego de ônibus de linhas intermunicipais do tipo rodoviário (frescões) que circulam na Rua Primeiro de Março. Como alternativa à restrição, os veículos deverão cumprir o seguinte itinerário a partir da Av. Presidente Antônio Carlos: ... Rua Marechal Aguinaldo Caiado de Castro; Rua Alfredo Agache; Av. Presidente Vargas...

A medida tem como objetivo garantir o pleno funcionamento do corredor preferencial de ônibus (BRS) na Rua Primeiro de Março, que registrou saturação nos primeiros dias de funcionamento. Depois de cinco dias monitorando a operação do BRS na Antônio Carlos / Primeiro de Março, o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, constatou que tanto os ônibus de fretamento (condomínios, empresas e turismo) quanto os frescões intermunicipais comprometem a fluidez do corredor.

— Os ônibus do tipo rodoviário das linhas intermunicipais partiam do Terminal Menezes Cortes e já não paravam na Primeiro de Março. Essa alteração de itinerário desafoga o fluxo do corredor BRS em 18% — justifica o secretário.

sábado, 17 de dezembro de 2011

Centro do Rio já tem corredor exclusivo para ônibus

17/12/2011 - Agência Rio

Da Redação

Entrou em funcionamento neste sábado (17) o novo Bus Rapid Service (BRS) da prefeitura, no Centro da cidade. Uma faixa exclusiva para ônibus foi implantada na Avenida Presidente Antônio Carlos e seguirá até a Rua Primeiro de Março.

Segundo informou a prefeitura, 71 linhas circularão pelo corredor de 1,2 km de extensão e os pontos serão organizados da seguinte forma: BRS 1, BRS 2, BRS 3, BRS 4 e BRS 5. A frota será reduzida em 15% e oito linhas terão os trajetos modificados.

O secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, aproveitou a oprtunidade para informar que no dia 27 deste mês de dezembro será implantado o BRS (corredor preferencial para ônibus) da Avenida Rio Branco, que irá percorrer toda a via, da Candelária até a Cinelândia.

Uma faixa azul foi implantada na pista lateral da Avenida Presidente Antônio Carlos e na Rua. Primeiro de Março. Haverá pontos na Antonio Carlos (pistas lateral e central), na Rua Primeiro de Março e na Avenida Beira-Mar. Os pontos de parada das linhas intermunicipais estarão localizados nas vias transversais. Estas linhas não farão paradas ao longo do BRS. Apenas ônibus e táxis embarcados podem circular na faixa azul por toda a sua extensão.

Táxis estão autorizados a efetuar embarque e desembarque no lado esquerdo das ruas com BRS. Táxis especiais adaptados poderão efetuar embarque e desembarque de passageiros e veículos particulares poderão utilizar a faixa para efetuar giro à direita e acessar estacionamentos. Os horários de funcionamento são os seguintes: 6h às 21h (dias úteis), 6h às 14h (sábados) e Livre aos domingos e feriados.

MS

Ônibus intermunicipais deixam de circular pelo BRS do Centro

16/12/2011 - O Globo

Corredor será implantando neste sábado, na Presidente Antonio Carlos e na Primeiro de Março

RIO - Devido à implantação do BRS no Centro do Rio, neste sábado, os ônibus intermunicipais que circulam pela Avenida Presidente Antonio Carlos e pela Rua Primeiro de Março deixarão de embarcar e desembarcar passageiros nestas vias. A mudança é uma determinação da prefeitura. Hoje, 14 linhas intermunicipais trafegam no trajeto completo do corredor, transportando 39.608 passageiros por dia. Outras, 41 linhas passam por trechos do BRS.
Veja as linhas intermunicipais que mudarão o ponto de parada
A partir deste sábado, os coletivos que saem de diversos municípios do estado com destino ao Centro poderão parar apenas na Avenida Presidente Vargas, na altura da Candelária, e no ponto final das linhas. Neste primeiro dia de operação, fiscais do Detro estarão nas duas vias para orientar os passageiros sobre as mudanças.

VEJA TAMBÉM

Veja as linhas intermunicipais que mudarão o ponto de parada
Ipanema e Leblon ganham novo BRS
Copacabana ganha corredor expresso para ônibus
O novo BRS (corredor preferencial para ônibus) da Presidente Antônio Carlos e da Primeiro de Março, no Centro, deveria ter começado a funcionar no dia 10, mas a sua implantação foi adiada por causa da realização de um evento gospel, no mesmo dia.
No corredor, vão circular 71 linhas, com pontos organizados em cinco grupos (BRS 1, BRS 2, BRS 3, BRS 4 e BRS 5). O sistema visa a melhorar o transporte e o trânsito na cidade.

A prefeitura informou que o novo corredor terá 1,2 km de extensão, entre a Avenida Presidente Antônio Carlos e a Rua Primeiro de Março. Segundo o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, o BRS é uma ação de ordenamento, uma solução de engenharia de tráfego, cujo objetivo principal é dar prioridade ao transporte coletivo, racionalizando o uso da via — afirmou o , ao G1.

A meta da secretaria é reduzir o tempo de viagem em pelo menos 30%. De acordo com o secretário, haverá uma redução de 15% das frotas que passam pelo local. Atualmente, a via recebe cerca de 350 ônibus municipais e 150 intermunicipais por hora. O secretário ressaltou que o número de linhas, no entanto, não será alterado.

— Cada BRS tem o seu ganho. Em Copacabana, houve uma redução pela metade do seu percurso. Algo semelhante aconteceu no Leblon e em Ipanema. No Centro, a gente gostaria de chegar ao mesmo grau de redução. Mas se a gente conseguir uma redução de 30% já está bom, porque no Centro a confusão é maior — disse o secretário.

BRS da Avenida Rio Branco será implantado no dia 27 de dezembro

17/12/2011 - O Globo

RIO - O secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, anunciou, na manhã deste sábado, durante a inauguração do BRS Centro, na Avenida Primeiro de Março, que no dia 27 de dezembro será implantado o BRS (corredor preferencial para ônibus) da Avenida Rio Branco, que irá percorrer toda a via, da Praça Mauá até a Cinelândia. De acordo com Sansão, o corredor exclusivo para ônibus também terá duas faixas exclusivas para coletivos e provocará uma inversão de mão na Rua Senador Dantas. Essa mudança será feita na véspera, no dia 26 de dezembro.

Segundo Sansão, o principal problema da Avenida Rio Branco é que alguns ônibus fazem um giro à esqueda para entrar na Avenida Almirante Barroso, atrapalhando o fluxo. Com essa mudança de mão, os coletivos serão obrigados a entrar na Rua Senado Dantas. O secretário também anunciou a instalação do próximo BRS, o da Avenida Presidente Vargas em janeiro e disse que o próxima região a receber um corredor será a Zona Norte.
Na avaliação de Sansão, a implantação dos BRS no Centro terá uma grande dificuldade: a adaptação dos pedestres.

— A maior dificuldade será a adaptação dos ônibus intermunicipais porque eles não terão mais paradas na Primeiro de Março. Eles só vão parar na Avenida Presidente Vargas, na Rua Araújo Porto Alegre e nos seus terminais. Um outro problema que precisamos trabalhar é a educação da travessia dos pedestres. O carioca tem o hábito de atravessar fora da faixa e no meio da pista, por entre os carros e, com implantação do BRS fica arriscado porque os ônibus ganham velocidade e aumentam os riscos de atropelamentos - disse Sansão.
Trânsito fluiu sem problemas

O trânsito no Centro do Rio fluiu sem problemas no primeiro dia do BRS Centro. Ao longo do 1,2 quilômetro de extensão do novo corredor, agentes da CET-Rio e guardas municipais ocuparam cada cruzamento para prestar orientação aos motorista de carros de passeio. Fiscais de transportes
também estão espalhados pelo corredor para orientarem os motoristas de ônibus e fiscalizarem quaisquer irregularidades. De acordo com as regras, taxistas somente têm permissão para trafegar nas faixas exclusivas quando estiverem transportando passageiros. É proibido que táxis entrem no corredor para pegar passageiros. Carros de passeios flagrados circulando no corredor são multados. A infração é leve e custa R$ 53.

- Já estamos desde os últimos dois meses panfletando na cidade, informando aos motoristas e passageiros de ônibus sobre as alterações. Vamos manter o trabalho educativo pelas próximas semanas. Além disso, instalamos radares em cada cruzamento. No caso de carros de passeio que precisarem entrar à direita, os equipamentos foram programados para multar apenas os veículos que percorrerem dois cruzamentos - frisa o secretário Sansão.

O BRS funciona nos dias úteis entre 6h e 21h; nos sábados das 6h às 14h; e domingos e feriados a passagem no corredor é liberada.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Bilhete único terá três viagens com início de funcionamento dos BRTs

08/12/2011 - Extra


Os passageiros de ônibus que utilizarem o Bilhete Único Carioca (BUC) poderão fazer uma baldeação a mais sempre que o segundo embarque for feito nos corredores exclusivos de ônibus, os BRTs. O benefício passa a valer em maio do próximo ano, quando está previsto o início da operação do corredor TransOeste, que ligará a Barra da Tijuca a Santa Cruz e Campo Grande. Ou seja, em vez de dois embarques, esses usuários terão direito a três, desde que a viagem tenha seu primeiro transbordo nos BRTs.

A medida consta do Decreto Municipal 34.337, publicado no dia 16 de setembro. De acordo com o documento, o tempo de transbordo será de duas horas, "compreendido entre a passagem pelo primeiro e o terceiro validadores do(s) modal(is) eleito(s)". Em outras palavras, o texto permite o uso do cartão em diferentes meios de transporte, como trens e vans — que também serão integradas ao sistema.

Assim, será possível pegar um ônibus regular em Vargem Grande, por exemplo, embarcando em seguida no TransOeste na Avenida das Américas, e subir depois em outro ônibus, numa van ou num trem em Santa Cruz, no fim da viagem na Zona Oeste.

— É uma medida importante, pois os BRTs vão eliminar algumas linhas de ônibus que têm o mesmo trajeto, para evitar concorrência — disse Humberto Mygard, coordenador operacional do Bilhete Único.

Mudança nos terminais

A prefeitura também planeja transferir para o Terminal Américo Fontenelle, na Central do Brasil, todas as linhas que saem da Zona Sul e da Baixada Fluminense em direção ao Centro. Segundo o presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Rio (Fetranspor), Lélis Teixeira, o motivo para a mudança é a desativação da rodoviária da Praça Mauá e o provável fim do Largo da Misericórdia, na Praça Quinze.

— Vamos reformular o Américo Fontenelle, e as linhas da Baixada e da Zona Sul irão todas para lá. Negociamos com a prefeitura um novo local para o terminal da Praça Quinze. Sugerimos a Avenida Beira-Mar, mas o tombamento do Aterro do Flamengo é um empecilho — disse Lélis Teixeira.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Rio quer conectar transportes até a Olimpíada 2016

05/12/2011 - Portal 2014

Intenção do governo é interligar trem, metrô e ônibus para facilitar acesso aos locais de eventos

Estrada dos Bandeirantes: parte do trajeto do BRT Transolímpica (crédito: Divulgação)
ampliar

Diego Salgado

Palco da finalíssima da Copa de 2014 e também da Olimpíada de 2016, o Rio de Janeiro planeja uma ampla reformulação em seu sistema de transporte para suportar o fluxo dos milhares de turistas que circularão pela cidade durante os megaeventos, e também o crescimento econômico esperado para os próximos anos.

O principal projeto de transporte para a Copa é o corredor de ônibus Transcarioca, um dos BRTs (Bus Rapid Transit) planejados para a cidade, em construção desde março. A linha de 39 km ligará a Barra da Tijuca ao Aeroporto do Galeão, passando pelo setor hoteleiro e pelas áreas mais nobres da capital fluminense.

Para melhorar o acesso à zona sul e à Barra da Tijuca, bairro que concentrará grande parte dos equipamentos olímpicos e também o Centro de Mídia da Copa (International Broadcast Center, IBC), mais três linhas de BRT e uma de metrô serão construídas até 2015.

A intenção do governo é interligar os três modais de transporte (trem, metrô e ônibus) para facilitar o acesso aos principais locais dos eventos esportivos, como o Maracanã.

Dessa forma, a Secretaria Municipal de Transportes do Rio planejou a construção de um “anel de alta performance” (veja imagem). Além de facilitar o acesso dos torcedores, o anel será conectado aos principais hotéis da capital fluminense.

Tratado como prioridade pela secretaria, o anel só terá uma obra concluída até junho de 2013, quando o Rio recebe seu primeiro grande evento, a Copa das Confederações. O BRT Transoeste (Barra da Tijuca-Campo Grande) terá 56 km e deve estar pronto em junho de 2012. Até o momento, a prefeitura inaugurou duas das 64 estações.

Desapropriações
A linha da Copa, a Transcarioca, deve ser concluída somente em outubro de 2013. Com orçamento de R$ 1,88 bilhão, a linha terá financiamento de R$ 1,18 bilhão do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) por estar incluída na Matriz de Responsabilidades da Copa, documento assinado entre a União e os estados e municípios que receberão o Mundial.

Mas a prefeitura carioca enfrenta graves denúncias na desapropriação total ou parcial dos 3.630 imóveis que a Transcarioca demandará. Em abril deste ano, a relatora especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Moradia Adequada, Raquel Rolnik, divulgou um boletim sobre casos de violação de direitos humanos ocorridos durante as remoções.

A prefeitura, até meados de abril, já havia finalizado 63 processos de desapropriação. Em 37, as famílias ganharam casas do programa federal Minha Casa, Minha Vida. O restante passou a receber aluguel social.

Na construção da Transoeste, 268 famílias de oito comunidades foram indenizadas. De acordo com as lideranças comunitárias dos locais afetados, o valor das indenizações é insuficiente. Para o secretário municipal de Habitação, Jorge Bittar, o valor depende do orçamento da prefeitura e é necessário seguir o limite estabelecido em decreto.

Linhas
Mais dois BRTs estão previsto até os Jogos Olímpicos. O Transolímpica teve edital lançado em meados de setembro. A obra deve ser iniciada em 2012, com prazo de conclusão de 40 meses e custo de R$ 1,6 bilhão. O trecho terá 26 km e ligará o Recreio dos Bandeirantes a Deodoro, com 18 estações e dois terminais.

O Transbrasil vai percorrer os 20 km de extensão da avenida Brasil. Segundo o governo, a conclusão do projeto básico deve ocorrer dentro de cinco meses, mas ainda não há valor definido para a obra.

Além dos corredores de ônibus, o Rio de Janeiro também terá uma nova linha de metrô até a Olimpíada. Na última sexta-feira (18), o secretário estadual da Casa Civil, Regis Fichtner, anunciou a construção da linha 4. O trecho terá seis estações (Nossa Senhora da Paz, Jardim de Alah, Antero de Quental, Gávea, São Conrado, Jardim Oceânico), ligando a praça General Osório, em Ipanema, à Barra da Tijuca.

Orçada em R$ 5 bilhões, a linha deve transportar 300 mil passageiros por dia. Com isso, segundo a FGV (Fundação Getúlio Vargas), dois mil veículos devem deixar de circular nas avenidas Vieira Souto, Delfim Moreira e Niemeyer.


Anel de alta performance ligará os principais pontos da cidade (crédito: Divulgação)
ampliar
BRT Transcarioca
O que é: Corredor expresso de ônibus articulado, com 39 km. Ligação da Barra da Tijuca ao aeroporto internacional do Galeão. O trecho passará por Jacarepaguá, Curicica, Taquara, Tanque, Praça Seca, Campinho, Madureira, Vaz Lobo, Vicente de Carvalho, Vila da Penha e Penha.
Estágio: obra iniciada em março de 2011. Conclusão prevista para outubro de 2013.
Valor: R$ 1,88 bilhão 

BRT Transoeste
O que é: corredor expresso de ônibus articulado, com 56 km de extensão e 64 estações. Linha ligará a Barra da Tijuca a Santa Cruz e Campo Grande, passando pelos bairros do Recreio, Guaratiba, Barra de Guaratiba, Sepetiba.
Estágio: Após abertura do túnel da Grota Funda e término do viaduto da Salvado Allende, prefeitura inaugurou duas estações. Conclusão prevista para junho de 2012.
Valor: R$ 1,27 bilhão 

BRT Transolímpica
O que é: corredor expresso de ônibus articulado, com 26 km de extensão, 18 estações e dois terminais. Linha vai conectar o Recreio dos Bandeirantes, na Barra da Tijuca, à avenida Brasil, na zona norte.
Estágio: projeto básico concluído em março de 2010 e edital de licitação lançado em setembro deste ano. Obras em 2012 e conclusão em 40 meses.
Valor: R$ 1,6 bilhão. 

BRT Transbrasil
O que é: corredor expresso de ônibus articulado, com 40 km de extensão e cinco terminais. Trecho liga o bairro de Deodoro, na zona norte, ao centro da cidade.
Estágio: projeto básico deve ser concluído em abril de 2012.
Valor: indefinido.

Metrô Linha 4
O que é: extensão da rede metroviária até a Barra da Tijuca. A nova linha de seis estações terá conexão com a linha 1, na Praça General Osório, em Ipanema. Trecho terá capacidade de 300 mil passageiros por dia.
Estágio: início das obras em 2012 e conclusão em dezembro de 2015.
Valor: R$ 5 bilhões.

Siga o Portal Copa 2014 no twitter: http://www.twitter.com/portalcopa2014
 

Prefeitura anuncia a implantação do primeiro BRS do Centro do Rio

02/12/2011 - Agência Rio

A Prefeitura do Rio anunciou na tarde desta sexta-feira a implantação do Bus Rapid System (BRS) Antônio Carlos/Primeiro de Março, o primeiro corredor preferencial para ônibus do Centro, que entrará em operação no próximo dia 10. A partir desta data, 71 linhas circularão pelo corredor de 1,2 km de extensão e os pontos serão organizados da seguinte forma: BRS 1, BRS 2, BRS 3, BRS 4 e BRS 5. A redução da frota em 15% aumentará a velocidade operacional dos ônibus. Ao todo, oito linhas terão os trajetos modificados.

O secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, falou sobre os benefícios do BRS na cidade. “Com a implantação do BRS a quantidade de paradas cai pela metade. Nós vamos reduzir a frota da Presidente na Antônio Carlos e da Primeiro de Março em 15%. É um número significativo. Vamos melhorar o trânsito com isso, sem deixar de atender os passageiros, que são muitos”, disse.

De acordo com Sansão, a expectativa da prefeitura é reduzir significativamente o tempo de viagem neste trajeto. “Pretendemos reduzir sim o tempo de viagem. Hoje levamos cerca de 10 minutos para atravessar e queremos reduzir isso. O objetivo do BRS é esse: dar mais velocidade aos ônibus, ao transporte coletivo, arrumando a via, organizando e fazendo o trânsito ficar melhor de uma forma geral”, disse.

A faixa azul, onde apenas ônibus e táxis embarcados podem circular, será implantada na pista lateral da Avenida Presidente Antônio Carlos e na Rua Primeiro de Março. Haverá pontos seletivados na Antônio Carlos (pistas lateral e central), na Rua Primeiro de Março e na Avenida Beira-Mar. Os pontos de parada das linhas intermunicipais estarão localizados nas vias transversais. Estas linhas não farão paradas ao longo do BRS. Jás os veículos particulares poderão utilizar a faixa para efetuar giro à direita e acessar estacionamentos.

A partir da próxima segunda-feira, a Prefeitura do Rio inicia o trabalho de informação ao público com distribuição de material impresso e presença de promotores nos pontos e nas principais empresas da região.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Rio: Cartões do metrô e do RioCard vão fazer integração

24/11/2011 - O Dia Online

Bilhete expresso de papel será extinto até o fim do ano e haverá prazo entre embarques para evitar fraude com tíquete desviado

Até o fim do ano, o tíquete de papel metrô-ônibus Expresso, que garante integração entre coletivo municipal e metrô a R$ 4, será extinto. O benefício será garantido por qualquer cartão RioCard ou do metrô. Um prazo entre os dois embarques ainda será estipulado, assim como já existe no Bilhete Único.
 
Com o acordo entre Metrô Rio e Fetranspor, as empresas pretendem pôr fim à fraude milionária denunciada desde segunda-feira por O DIA, em que bilhetes Expresso desviados ou roubados são vendidos no mercado paralelo.

“Vamos fazer a compatibilização dos sistemas para permitir que cartões do metrô sejam aceitos nos coletivos e também para que os validadores instalados nos ônibus sejam programados para entender a integração e fazer a cobrança em cima do valor (R$ 4)”, disse Homero Quintais, diretor executivo da RioCard.
 
Com os sistemas integrados, a primeira passagem será cobrada a preço comum (R$ 2,50 no ônibus ou R$ 3,10 no metrô), mas a segunda, se o embarque estiver dentro do período estipulado, apenas completará o que falta para chegar a R$ 4. Metrô e viação repartirão a receita.

A integração digitalizada deve representar duro golpe na quadrilha, já que os ‘atravessadores’ teriam que correr contra o tempo para vender cartões válidos. Hoje, os bilhetes fraudados são vendidos sem prazo. Para passageiros, aumenta o risco de comprar no mercado negro bilhete já sem validade.
 
Acesso a informação sobre usuários
 
Com os cartões magnéticos, será possível verificar o número real de usuários do benefício e até mesmo o tamanho do prejuízo que as empresas vinham tendo com a fraude, que rendia para os rodoviários envolvidos no esquema lucro de R$ 0,50 por tíquete negociado. Os integrantes do bando que revendiam os vales faturavam até R$ 1.
 
Ao receber a passagem comum de usuários (R$ 2,50), rodoviários completavam para retirar o tíquete: R$ 1,50. Em seguida, vendiam por R$ 2 para a atravessadores, que o repassavam por até R$ 3 nas estações do metrô. Cinco foram detidos na segunda-feira perto de quatro estações.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

EXTRA lança campanha para encontrar apelido bem carioca para o BRT. Participe!

23/11/2011 - Extra

ônibus, que serão refrigerados, articulados e Os novos coletivos têm capacidade para, pelo menos, 160 pessoas. Viajarão em corredores livres de cruzamentos e sinais fechados, A estimativa é que a viagem se torne duas vezes mais rápida Foto: Divulgação
Clarissa Monteagudo e Marcelo Dias Tamanho do textoA A A
O carioca samba no Terreirão, faz compras no camelódromo, torce no Engenhão, peca na Vila Mimosa, fala no orelhão. Nem o prédio da prefeitura consegue se livrar: é o Piranhão. E os BRTs — corredores expressos para ônibus articulados — não vão escapar. Numa cidade tão fértil em criatividade, cada nova sigla — UPP e UPA — parece extraterrestre, um ET. Para salvar o Rio da sopa de letrinhas, o EXTRA lança uma campanha para batizar o novo coletivo, que já conta com a adesão da apresentadora da "CBN Rio" Lucia Hippolito, que vai pedir sugestões aos ouvintes. "Acho nomes no diminutivo mais a cara do Rio", adianta.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

BRT Transcarioca terá um mergulhão a menos

21/11/2011 - O Globo

Mudança no projeto vai gerar economia de R$ 62 milhões que vai cobrir despesas com obras que custaram mais do que o previsto

LUIZ ERNESTO MAGALHÃES

RIO - Mudanças à vista no projeto do BRT Transcarioca, corredor expresso exclusivo para ônibus articulados que ligará a Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional Tom Jobim. A prefeitura desistiu de construir um dos três mergulhões que estavam previstos na Avenida Ayrton Senna, na Barra, com o objetivo de transformá-la numa via expressa sem sinais. Para reordenar o trânsito nas ruas internas do bairro, a Secretaria municipal de Obras optou por uma solução mais barata no lugar de um mergulhão na faixa lateral sentido Barra, na altura do Shopping Via Parque: ali será construído um viaduto.
Inspeção do TCM constatou mudanças no projeto
O objetivo das mudanças é cortar custos e tentar evitar que o projeto saia mais caro que o planejado. Os recursos economizados serão remanejados para canteiros cujas despesas já estão R$ 62 milhões acima do previsto. As informações sobre alterações no projeto foram levantadas durante visitas técnicas do Tribunal de Contas do Município (TCM).
As mudanças de projeto não são o único problema da Transcarioca. Na Avenida Salvador Allende, o alargamento de um trecho de pouco mais de cem metros da via está paralisado há mais de um mês. O motivo é que a prefeitura tenta remover, sem sucesso, os moradores da favela do Arroio Fundo. A Rio Águas chegou a intimar os donos dos imóveis a demolir suas casas, mas voltou atrás depois de ser notificada pela Defensoria Pública da União. Os moradores recorreram à Defensoria alegando que a comunidade que se originou de uma colônia de pesca tem mais de 80 anos e já solicitara ao governo federal a emissão de títulos de posse.
Previsto para ser inaugurado até a Copa do Mundo de 2014, o Transcarioca tem custo estimado em mais de R$ 1,5 bilhão, entre obras e desapropriações. As revisões de projeto atingiram o chamado Lote 1 (Barra-Penha), onde estão sendo gastos quase R$ 800 milhões. Além do mergulhão da Barra, a prefeitura desistiu de fazer um novo viaduto no bairro de Vicente de Carvalho.
Dos R$ 62 milhões remanejados, quase a metade será para cobrir despesas extras com os dois mergulhões em construção em frente à Cidade da Música, também na Avenida Ayrton Senna. Orçadas inicialmente em R$ 36 milhões, as obras vão custar agora R$ 66,9 milhões (R$ 30,2 milhões a mais). Segundo o TCM, o custo dobrou porque houve uma revisão nas técnicas de engenharia empregadas na construção dos dois mergulhões.
Em Campinho, modificações no projeto de outro mergulhão, entre as ruas Cândido Benício e Domingos Lopes, exigirão gastos extras de R$ 19,5 milhões (de R$ 30,2 milhões para R$ 49,7 milhões). Já o alargamento do Viaduto Negrão de Lima, em Madureira, ficará R$ 11,6 milhões mais caro.

Segundo o TCM, uma das razões para as mudanças na obra pode estar no fato de o projeto básico ter sido concluído antes da concessão da licença ambiental. No caso do Viaduto Negrão de Lima, por exemplo, materiais de obras tiveram que ser substituídos devido a riscos de saúde pública já que o canteiro era muito próximo do Mercadão de Madureira, polo comercial do bairro.
Novo trecho na Via Parque em área de kartódromo
No caso da Barra, o projeto que vai substituir o mergulhão prevê outras intervenções além de um viaduto. Um novo trecho da Avenida Via Parque será construído na área hoje ocupada por um kartódromo. A ideia é que sirva como retorno para os motoristas que seguem em direção à Linha Amarela ou a Jacarepaguá.
O Transcarioca não é o primeiro corredor BRT a ter o projeto modificado. No corredor Transoeste (Barra-Campo Grande-Santa Cruz), a prefeitura desistiu de construir um novo viaduto de acesso entre as avenidas das Américas e Benvindo de Novais. Além disso, adiou por tempo indeterminado a implantação do chamado lote zero da obra, entre o Jardim Oceânico e o shopping Cittá América.

sábado, 12 de novembro de 2011

Novo ônibus à pilha entra em testes no próximo ano

11/11/2011 - Valor

Com intuito de reduzir as emissões de gases poluentes, as montadoras estão investindo no desenvolvimento de ônibus mais ecológicos. A Mercedes-Benz e a Volvo já têm modelos mais sustentáveis. A primeira a linha BlueTec 5, que emite menos partículas. A Volvo anuncia o ônibus híbrido, movido à eletricidade e a diesel, que começa a ser fabricado no Brasil em 2012. 

Em 2012, a Coppe/UFRJ lançará um ônibus elétrico. A Coppe testa há mais de um ano o ônibus H2, um veículo híbrido elétrico, que pode ser alimentado de três formas: por uma tomada ligada à rede elétrica tradicional, por uma pilha a combustível (hidrogênio) ou por meio da regeneração da energia cinética dos freios.



A nova linha de ônibus da Mercedes-Benz foi concebida com o mesmo sistema usado na Europa. Ricardo Silva, vice-presidente de ônibus América Latina da Mercedes-Benz, explica que o motor reduz o volume de emissões de óxidos de nitrogênio por meio da conversão em nitrogênio puro e em vapor de água, inofensivos à natureza. Cerca de 200 veículos já foram vendidos para clientes de São Paulo e 150 para o Rio. 

Outra aposta é um ônibus que usa diesel feito de cana-de-açúcar. O projeto, testado em São Paulo em 2010, em ônibus urbano da empresa Santa Brígida, abastecido com 10% de diesel de cana, mostrou redução de 9% nas emissões. 

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Prefeitura altera projeto de construção da Transoeste

09/11/2011 - O Globo online, Luiz Ernesto Magalhães

A Prefeitura do Rio fez uma revisão nos prazos e no projeto para a construção do corredor BRT Transoeste, que ligará a Barra da Tijuca a Campo Grande e Santa Cruz, pelo corredor central da Avenida das Américas. O trecho original, que vai até o Terminal Alvorada, manteve a prazo para entrar em operação até o fim do primeiro semestre de 2012. Mas o chamado Lote Zero, entre o terminal e o Jardim Oceânico, que devia ter sido licitado no fim de setembro e teve uma previsão de custo de R$ 47 milhões ainda não tem data para sair do papel. O prefeito Eduardo Paes, porém, garantiu que essa extensão ficará pronta até as Olimpíadas para permitir uma integração direta com a linha 4 do metrô.

- Essa fase (do Lote Zero) é a que menos causa preocupação. O elemento mais importante é a ligação com o Terminal Alvorada, isso permitirá a integração do BRT Transoeste com o BRT Transcarioca (Barra da Tijuca - Aeroporto Internacional), que ficará pronta para a Copa de 2014.

O prefeito confirmou também que a prefeitura desistiu de construir um viaduto que criaria um novo retorno entre a Avenida Bem-vindo de Novais e Avenida das Américas, no sentido Barra. O viaduto era previsto no projeto original da Transoeste. Paes, explicou que a causa da desistência foi a preocupação com o impacto ambiental, pois a estrutura ficaria próxima ao parque Chico Mendes.

- Estuda-se agora a construção de um mergulhão, obra que não seria iniciada agora - disse o prefeito.

Os recursos que seriam usados no viaduto serão gastos na construção de estações e terminais dos BRTs, que originalmente seriam alvo de outra concorrência pública. O prefeito fez as declarações ao chegar na sede do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), na Barra da Tijuca. Paes participa de uma reunião com a comissão do Comitê Olímpico Internacional (COI) que acompanha os preparativos do Rio para as Olimpíadas.

À tarde, os membros do COI vão inaugurar uma estação da Transoeste no Estrada da Magarça, em Guaratiba, e visitar as obras da construção do Túnel da Grota Funda.       

Rio de Janeiro inaugura a segunda estação do BRT para Copa

09/11/2011 - Agência T1

A primeira estação-modelo de BRT da Transoeste foi inaugurada pela prefeitura em setembro deste ano

Por Anna Beatriz Cunha - Prefeitura do Rio de Janeiro

O corredor expresso de ônibus articulados Transoeste ligará a Barra da Tijuca a Campo Grande e Santa Cruz. Estação tem 75,40m de extensão e capacidade para até três mil passageiros por hora.

A Prefeitura do Rio inaugurou na tarde desta terça-feira, (08.11), a segunda estação-modelo do BRT (Bus Rapid Transit) Transoeste, corredor expresso de ônibus articulados que ligará a Barra da Tijuca a Campo Grande e Santa Cruz, uma das obras de mobilidade urbana para a Copa do Mundo FIFA Brasil 2014.

Com 75,40 metros de extensão e capacidade para absorver até três mil passageiros por hora, a nova estação está localizada na Estrada do Magarça com Avenida das Américas, em Guaratiba.

Antes da inauguração da segunda estação-modelo do BRT (Bus Rapid Transit) Transoeste, as autoridades visitaram o Túnel da Grota Funda, uma das mais importantes intervenções da obra do corredor expresso de ônibus articulados.

A primeira estação-modelo de BRT da Transoeste foi inaugurada pela prefeitura em setembro deste ano, na Avenida das Américas, altura do condomínio Novo Leblon, na Barra da Tijuca.

Assim como a estação Novo Leblon, o protótipo da Estrada do Magarça ficará disponível para a população conhecer melhor o sistema.

A nova estação conta com 10 catracas normais e duas para cadeirantes e foi projetada para favorecer a ventilação natural, com uma cobertura longa e captadores eólicos, que estarão sempre virados para o Sudoeste e farão uma ventilação forçada dentro da própria estação.

Outro modelo como esse está sendo construído no cruzamento entre a Avenida das Américas e a Estrada da Matriz, em Guaratiba.

Ao longo do traçado da Transoeste estão previstas 64 estações, adaptadas à demanda de cada local, podendo ter entradas com seis ou 12 catracas.

Duas das maiores estações, com capacidade para 15 mil passageiros por hora, serão construídas na Avenida das Américas, na altura do Barrashopping, e em Santa Cruz, na altura do conjunto habitacional conhecido como Cesarão.

Criado em Curitiba e exportado para diversas cidades, tais como Bogotá, Pequim e Johanesburgo, o BRT consiste num sistema de transporte público com ônibus articulados que circulam em vias segregadas e por isso operam em velocidade maior do que uma linha de ônibus comum.

O embarque de passageiros é feito em estações com plataformas compatíveis com o piso dos veículos, reduzindo o tempo de embarque e com bilhetes vendidos antecipadamente.

Para operar de forma troncal, os BRTs contribuem decisivamente para o reordenamento do sistema de transporte de uma cidade.

A estimativa é que o tempo de espera do usuário seja muito curto, de um minuto a um minuto e meio, proporcionando intervalos menores entre os ônibus.

A Transoeste

O corredor expresso de ônibus articulados que ligará a Barra da Tijuca a Campo Grande e Santa Cruz faz parte do pacote de obras viárias de preparação da cidade para receber a Copa do Mundo 2014 e os Jogos Olímpicos 2016.

Esse sistema viário entrará em operação no primeiro semestre de 2012. Com 56 quilômetros, a Transoeste vai diminuir em 50% o tempo gasto no trajeto entre a Barra da Tijuca, Campo Grande e Santa Cruz e beneficiará cerca de 220 mil pessoas diariamente.



Foto: J.P. Engelbrecht

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Prefeitura inaugura segunda estação do BRT da Transoeste

07/11/2011 - Agência Rio

Da Redação

A Prefeitura do Rio inaugura, nesta terça-feira (08), em Guaratiba, a segunda estação do BRT da Transoeste, corredor expresso de ônibus articulados que ligará a Barra da Tijuca a Campo Grande e Santa Cruz. Além do prefeito Eduardo Paes, o evento contará com a presença de representantes do Comitê Olímpico Internacional. Antes da inauguração, o grupo visita o Túnel da Grota Funda, uma das mais importantes intervenções da obra da Transoeste.

A Transoeste, que faz parte do pacote de obras viárias de preparação da cidade para receber a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, entrará em operação no primeiro semestre de 2012. Terá 64 estações de BRT (Bus Rapid Transit), integrando o corredor aos outros modais de transporte. A via, que terá 56 quilômetros, vai diminuir em 50% o tempo gasto no trajeto entre a Barra da Tijuca, Campo Grande e Santa Cruz e beneficiará cerca de 220 mil pessoas por dia.

A primeira estação-modelo de BRT da Transoeste foi inaugurada em setembro deste ano, na Avenida das Américas, altura do condomínio Novo Leblon, na Barra. A estação que será inaugurada nesta terça-feira fica na Estrada do Magarça com Avenida das Américas, em Guaratiba, e terá capacidade para atender até 3 mil passageiros por hora.

 

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Veja a construção de uma das estações do corredor exclusivo de ônibus da TransOeste

01/11/2011 - R7

A Olimpíada promete mudar a "cara" do sistema de transportes da cidade do Rio de Janeiro até 2016. Ao menos 15 projetos devem ampliar a rede e a integração com a região metropolitana. Nesta semana, a prefeitura da cidade entregou a estação BRT (corredor exclusivo de ônibus) do Trevo do Magarça, em Guaratiba, zona oeste do Rio.

Esta é uma das estações da TransOeste, que começará na Barra da Tijuca e terá dois pontos finais: um em Santa Cruz e outro em Campo Grande. Veja vídeo abaixo.

Para aumentar os deslocamentos, a prefeitura e o governo do Rio se comprometeram a construir - em tempo para a Olimpíada de 2016 - BRTs e a linha 4 do metrô - que liga a zona sul à Barra da Tijuca - , que já havia sido prometida para os Jogos Pan-Americanos de 2007, mas não ficou pronta.

Para concretizar os projetos, o setor de transportes públicos no Estado receberá R$ 30 bilhões para desenvolvimento e implantação de modais que conectem todo o sistema, segundo o secretário estadual de Transportes, Júlio Lopes.

Se todos os planos saírem como previsto, o Rio será cortado por quatro BRTs, sendo um na avenida Brasil, que ligará o centro à zona oeste. Em obras, a TransOeste deve ter a etapa Barra-Madureira inaugurada em 2012.

Já o trecho Barra-Santa Cruz da TransCarioca está atrasado, mas a prefeitura quer entregar a obra até a Copa de 2014. A TransOlímpica está prevista também para 2014. Já o BRT da Avenida Brasil não tem cronograma definido, mas a ideia é que esteja pronto até 2016.

Entretanto, enquanto projetos como o da TransOeste já contam com a primeira estação - na avenida das Américas -, há os que ainda não saíram do papel, como o da TransOlímpica, que está na fase de licitação [concorrência entre empresas].

O sistema BRT, segundo estimativas da prefeitura, transportará 900 mil pessoas por dia e tornará as viagens mais rápidas. O trajeto Penha-Barra, por exemplo, poderá ser reduzido em até 49 minutos. De acordo com a prefeitura, o trajeto que é feito atualmente em 1h36 levaria 47 minutos.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Rio recebe ônibus Mega BRT da Neobus

18/10/2011 - Webtranspo

A Neobus participa de 18 a 21 de outubro do 18º Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito no Rio de Janeiro. O tradicional evento carioca é promovido pela Associação Nacional de Transportes Públicos e visa centrar o debate em torno da Mobilidade Urbana como fator decisivo para o desenvolvimento sustentável do Brasil neste momento especial de preparativos para Copa Mundial de Futebol de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.

Desta forma, a Neobus – tradicional encarroçadora de Caxias do Sul (RS) responsável pelo maior ônibus do mundo lançado recentemente – apresenta para o mercado carioca mais uma novidade. Trata-se de um exclusivo modelo Mega BRT articulado de 18,60m direcionado para circular na Transoeste – corredor expresso de ligará a Barra da Tijuca a Campo Grande e Santa Cruz, na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro. A Transoeste vai contar com várias estações de BRTs (sigla em inglês para Transporte Rápido por ônibus) em uma estrutura viária com características específicas, de vias exclusivas para ônibus com configuração para rápido embarque e desembarque.

O Mega BRT da Neobus é um projeto que expressa a evolução do mundo do ônibus no Brasil e oferece um novo conceito em transporte coletivo urbano focado no conforto e prazer de viajar. Com design “100% exclusivo”, aposta na aerodinâmica e no efeito de percepção visual “trem bala”. O veículo da Neobus é produzido para circular no transporte público – e como o nome deixa bem claro – diretamente no sistema BRT.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Cooperativados devem começar a operar as linhas de vans na cidade até o fim do ano, diz Paes

26/10/2011 - O Globo, Isabela Bastos e Luiz Ernesto Magalhães (granderio@oglobo.com.br)

RIO - O prefeito Eduardo Paes disse nesta quarta-feira, em entrevista à rádio CBN, que pretende acelerar o processo para que até o fim do ano, os cooperativados recebam autorizações para operarem as linhas de vans na cidade.

- A partir de agora, a assinatura não se dá mais com as cooperativas e sim com os cooperativados. É importante ter uma associação para organizar o serviço, pois é necessário ter uma coordenação, e nosso objetivo é esse. Todos terão que apresentar o certificado de antecedentes criminais. Não queremos acabar com as vans, mas sim, estabelecer regras - afirmou o prefeito.

Já o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, reconheceu, em entrevista coletiva na tarde desta terça-feira, que há riscos de o processo licitatório das vans do Rio não ser concluído até o final do governo do prefeito Eduardo Paes, em 2012. A regulamentação do transporte alternativo por licitação foi uma das promessas de campanha de Paes.

- Não tem mais prazo de implantação. Temos 541 contratos individuais para fazer, e isso é um processo administrativo bastante demorado. Além disso, os motoristas terão que se organizar para fechar um acordo operacional e firmar um termo de compromisso com a prefeitura - disse. - A gente vai fazer todos os esforços para concluir o que nos comprometemos a fazer na gestão - completou Sansão.

Com a anulação dos contratos já assinados pela Secretaria municipal de Transportes com as cooperativas vencedoras das concorrências realizadas nos últimos dois anos - decretada nesta terça-feira pelo prefeito Eduardo Paes -, a prefeitura irá convocar 541 motoristas para assinar contratos individuais de operação. Nos próximos dias, a SMTR irá publicar uma resolução com as regras da convocação. As mudanças na implantação do Sistema de Transporte Público Local (STPL) acontecem dois dias após reportagem do programa "Fantástico", da TV Globo, mostrar que as cooperativas muitas vezes são controladas por milícias ou traficantes que pagam propina a policiais militares e a fiscais para evitar ações de repressão .

A decisão da Prefeitura do Rio de retirar poder das cooperativas de vans que atuam no transporte público da cidade foi conhecida na manhã desta terça-feira, quando foi publicado um decreto publicado no Diário Oficial em que o prefeito Eduardo Paes declara nulos todos os contratos já firmados entre a prefeitura e as cooperativas para operar o chamado Sistema de Transporte Público Local (STPL), em fase de organização pelo município. No decreto, o prefeito reconhece que os motoristas pré-cadastrados pelas cooperativas é que serão os reais operadores das linhas.

"As recentes notícias veiculadas demonstram que houve um desvirtuamento inadmissível por parte das permissionárias das novas permissões concedidas em razão das licitações realizadas, o que não pode de forma alguma ser permitida pelo poder público" diz um trecho do decreto divulgado no Diário Oficial.

O novo sistema irá operar integrado às linhas de ônibus, mas sem concorrer com elas. Os veículos serão equipados pela Fetranspor com validadores do bilhete único para que levem passageiros de bairros não servidos por linhas de ônibus até os pontos com transporte público disponível.

O decreto foi visto por representantes do Sindvans Rio como resultado positivo das manifestações e encontros realizados durante dois meses junto ao poder legislativo. Para o diretor jurídico do sindicato, Guilherme Biserra, essa decisão só vem comprovar que os decretos 31.052 e 32.246 estavam errados, pois atrelavam o permissionário do Sistema de Transporte Alternativo Público Local (STPL) a cooperativa-empresa, criando um monopólio.

- Esse decreto foi uma vitória não do sindicato, mas sim de todos os trabalhadores autônomos legalizados do transporte alternativo, que muitas vezes eram escravizados e obrigados a pagar taxas a cooperativas ligadas diretamente às milícias e ao trafico para poderem circular em determinados bairros, principalmente na Zona Oeste da cidade - disse.

Segundo o presidente do Sindvans Rio, Adílson Honório, sustar os efeitos desses decretos foi um passo importante para garantir o emprego de milhares de permissionários que hoje operam dentro da legalidade no município, dando assim um tiro certeiro no coração da máfia da pirataria.

- Tínhamos conhecimento de que durante a campanha de 2008 o atual prefeito havia se reunido com cooperativas da Zona Oeste prometendo a realização de licitações, mas sinceramente, não podia acreditar que ele estivesse preso a qualquer tipo de acordo com essas cooperativas de fachada. Prova disso, foi que durante as nossas manifestações, tivemos um grande apoio da população - garantiu.

A regularização do transporte por vans era uma promessa de campanha do prefeito Eduardo Paes. A poucos dias do pleito, em 2008, Paes se reuniu com as cooperativas e prometeu ordenar o serviço. A promessa acabou com um movimento das cooperativas contra a eleição do atual prefeito. Recentemente, motoristas de vans autônomas iniciaram uma campanha para que as linhas não fossem entregues a cooperativas.

No início de agosto, motoristas em cerca de 500 vans e kombis fizeram uma carreata no Centro do Rio para pressionar os vereadores a derrubarem o decreto do prefeito Eduardo Paes que estabeleceu a licitação para o transporte alternativo.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Mercedes demonstra soluções no RJ

20/10/2011 - Webtranspo

Ônibus articulado atende demanda de BRT

A montadora alemã Mercedes-Benz está utilizando a Intrans (Exposição Internacional de Transporte e Trânsito) para demonstrar a autoridades, gestores e operadores públicos e privados o seu plano de desenvolvimento de veículos dedicados a esse setor.


No evento, a fabricante vai expor um ônibus articulado O 500 com carroçaria Viale da Marcopolo, desenvolvida sob medida para as demandas do sistema BRT do Rio de Janeiro.

A equipe de especialistas em BRT da MB atenderá os participantes no estande da marca, prestando informação e assessoria especializada sobre os sistemas de transporte coletivo urbano.

Durante o evento, os visitantes poderão conhecer outras avançadas soluções oferecidas pela montadora, como a tecnologia BlueTec 5 para ônibus e caminhões em atendimento à legislação PROCONVE P-7, o uso de combustíveis alternativos como o diesel de cana e o sistema de gestão de frota FleetBoard.

O Intrans é organizado pela ANTP (Associção Nacional de Transportes Públicos) e acontece no Rio de Janeiro, no Centro de Convenções SulAmerica.

“Parceiro forte e confiável na implantação do BRT, a Mercedes-Benz irá demonstrar aos gestores e operadores que este sistema é a solução mais rápida, eficiente e econômica para transporte coletivo urbano de grande volume de passageiros”, afirma Gilson Mansur, diretor de Vendas e Marketing de Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil.
 

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Scania desenvolve novo conceito de ônibus urbano para cidade do Rio

24/09/2011 - Scania

Montadora sueca fecha a venda de 200 novos veículos focados no maior conforto ao passageiro e na melhoria da mobilidade urbana da malha carioca

A Scania, empresa sueca pioneira na fabricação de veículos pesados, acaba de fechar um acordo para fornecer 200 novos ônibus para o Rio de Janeiro. Os veículos vão integrar o sistema BRS (Bus Rapid Service), em implantação na zona sul da cidade, além de circular em outras regiões. As primeiras unidades do novo conceito de ônibus da Scania já estão em operação na cidade.

Os ônibus, que serão operados pelo Grupo Breda Rio, foram projetados com o objetivo de melhorar a mobilidade urbana no município. “Esses veículos trazem um conceito inédito no Rio de Janeiro para o transporte urbano de passageiros, focado na maximização do conforto e da acessibilidade”, afirma Wilson Pereira, gerente executivo de vendas de ônibus da Scania Brasil.


As unidades que serão incorporadas ao BRS são do modelo K 230 4x2, com 12,5 metros de comprimento e piso baixo, utilizado para facilitar a entrada e saída dos usuários. O veículo possui 35 assentos, além de espaço dedicado para transporte de cadeirantes, e pode comportar até 47 passageiros em pé.

O conforto do novo modelo também se deve à ampliação do espaço interno, viabilizado pela instalação do motor traseiro e de uma carroceria mais larga, além da suspensão pneumática, que torna a viagem mais confortável e silenciosa em relação aos outros ônibus urbanos. O veículo também possui iluminação de LED.

Sistema 

O BRS consiste em uma solução inteligente para o transporte urbano de grandes e médias cidades ao utilizar faixas exclusivas para circulação de veículos e conectar passageiros com outros modais de forma ágil e facilitada. O sistema inclui melhor organização das paradas de ônibus, adequação do tamanho dos veículos em operação, entre outros itens.Hoje, o Rio já conta com três linhas de transporte rápido em circulação na zona sul da cidade, que garantem a economia de até 40% no tempo dos trajetos. Após a implantação, a velocidade média nos deslocamentos da região subiu de 13 km/h para 24 km/h. Segundo a prefeitura, o Rio receberá mais de 20 corredores de BRS nos próximos anos.

Scania também promove melhoria da mobilidade urbana em SP

A Scania sempre foi destaque no desenvolvimento de novas tecnologias para melhorar a mobilidade urbana e oferecer maior qualidade de vida aos usuários do transporte público.

A Scania é um dos principais fabricantes mundiais de caminhões e ônibus para transporte pesado e de motores industriais e marítimos. Os produtos de serviços têm participação crescente nos negócios da empresa, assegurando aos clientes soluções de transporte econômicas e com alta disponibilidade operacional. Com 35 mil colaboradores, a Scania está presente em mais de 100 países e possui operações industriais na Europa e na América do Sul, com possibilidade de intercâmbio global de componentes e veículos completos. Em 2010, as receitas totais da Scania alcançaram 78 bilhões de coroas suecas e o resultado financeiro após a dedução de impostos foi de 9,1 bilhões de coroas suecas.

Acesse www.scania.com.br

Scania – Assessoria de Comunicação
Renata Nascimento
renata.nascimento@scania.com
(11) 4344-9666
S/A Comunicação

Bêni Biston
beni@sacomunicacao.com
(11) 3054-3346

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

BRT na Avenida Brasil

12/10/2011 -


http://3.bp.blogspot.com/-VIWX8Kd0BTw/TpQl-h0M8gI/AAAAAAAAFDM/Nd_HK8oBzeo/s1600/BRT_EXTRA.jpg

Transbrasil: BRT Deodoro-Presidente Vargas prevê construção de mergulhão e viaduto no Centro

12/10/2011 - O Globo, Luiz Ernesto Magalhães (luiz.magalhaes@oglobo.com.br)

RIO - Em fase final de detalhamento, o projeto do BRT Transbrasil trará impactos significativos ao trânsito do Centro do Rio. O corredor expresso para ônibus articulados ao longo da Avenida Brasil, desde Deodoro, irá até a Avenida Presidente Vargas, passando pela Francisco Bicalho. O plano, incluído pela prefeitura no pacote de investimentos para os Jogos Olímpicos de 2016, entrará em operação, até 2015, com uma demanda de mais de 900 mil passageiros por dia - número próximo ao dos usuários do metrô e dos trens (um milhão por dia). Os estudos preveem ainda a construção de um mergulhão próximo à Igreja da Candelária e de um viaduto na região da Leopoldina.

Obra vai se integrar a outros transportes

Na prática, o Transbrasil integrará toda a rede de transporte de massa da cidade. Fazendo baldeações, o usuário poderá chegar a dois aeroportos (Santos Dumont e Tom Jobim) e a outras regiões da cidade. O secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, explica que o Transbrasil terá conexões com outros dois BRTs - o Transcarioca (Barra-Tom Jobim) e Transolímpico (Barra-Deodoro) -, além de se integrar a estações de trens, metrô e ao futuro VLT que poderá ligar a Zona Portuária ao Aeroporto Santos Dumont.

- O Transbrasil vai operar com bilhete único e interligará a rede de transportes de massa. A ideia é termos linhas de ônibus com percursos menores que alimentarão os BRTs - disse Sansão.

LEIA TAMBÉM: Acompanhe mais notícias na página de trânsito do site do GLOBO

O secretário acrescentou que o plano, que prevê a racionalização das linhas de ônibus que passam pela Avenida Brasil, incluirá as intermunicipais. Em vez de seguirem viagem até o Centro, passageiros vindos da Baixada Fluminense desceriam num terminal a ser construído num terreno no Trevo das Margaridas, próximo à Via Dutra.

O Transbrasil vai operar com bilhete único e interligará a rede de transportes de massa. A ideia é termos linhas de ônibus com percursos menores que alimentarão os BRTs
O novo BRT absorverá os passageiros das linhas comuns, que terão seus itinerários entre o Centro e os bairros encurtados. Em lugar de disputarem espaço com os carros de passeio nas vias, os coletivos comuns deixarão os passageiros em pontos da Avenida Brasil, ao lado de passarelas de acesso aos terminais de BRT. Estudos ainda em elaboração vão redimensionar a frota.

O Transbrasil aproveitará toda a seletiva de ônibus hoje existente na avenida. Em alguns trechos, o BRT terá duas faixas para permitir a ultrapassagem dos coletivos.

Alguns detalhes ainda precisam ser fechados em relação ao traçado no Centro. A prefeitura estuda se há possibilidade de, no futuro, fazer uma integração, nas proximidades da Candelária, com a linha de VLT prevista no projeto de reurbanização da Zona Portuária para ligar a Praça Mauá ao Aeroporto Santos Dumont. Uma das ideias é construir um mergulhão no cruzamento da Avenida Presidente Vargas com a Rio Branco. Os ônibus retornariam à Avenida Brasil contornando a Igreja da Candelária.

O custo do projeto é estimado em R$ 1,3 bilhão. Estudos preliminares da prefeitura estimam que o corredor terá cerca de 30km, com pelo menos 26 estações e cinco terminais. A expectativa é que as obras comecem no máximo em 2013. Na segunda-feira, o prefeito Eduardo Paes confirmou que negocia com a União a inclusão do projeto no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) de Mobilidade Urbana:

- O novo BRT fechará o anel viário do Rio. Será um grande ganho para a cidade. A proposta inicial é que a União arque com 40% dos custos, e os outros 60% sejam repassados por financiamento. Mas esses detalhes ainda estão em discussão.

Passageiros terão que usar passarelas
Pelo projeto, pelo menos 21 estações serão implantadas ao longo da Avenida Brasil. O acesso aos terminais será feito por passarelas por meio de rampas. O usuário desembarcará de um ônibus comum na pista lateral e usará as passarelas para chegar ao ponto de embarque.

O tráfego de carros de passeios e caminhões, por exemplo, não será prejudicado com a perda de uma segunda faixa. A implantação do BRT vai reduzir o número de coletivos nas pistas laterais, equilibrando o sistema - explicou o engenheiro Carlos Eduardo Maiolino, que coordena os estudos do BRT.

Ao contrário de outros BRTs, o Transbrasil exigirá menos desapropriações ou reassentamentos, já que aproveitará faixas de trânsito já existentes ou em implantação. Mas nem sempre as soluções serão simples.

- Na Avenida Francisco Bicalho, teremos que construir um novo viaduto, exclusivo para a passagem do BRT. Na chegada à Presidente Vargas, ele ficará entre a via original e o viaduto da linha férrea. Já na Avenida Brasil, teremos que alargar o trecho entre Irajá e Guadalupe, implantando as faixas laterais - detalha o secretário municipal de Obras, Alexandre Pinto.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Linhas de ônibus substituem bondes em Santa Teresa

10/10/2011 - G1

Com a suspensão temporária do serviço de bondes em Santa Teresa, no Centro do Rio, após o acidente ocorrido em agosto, serão criadas duas linhas, Paula Matos - Castelo circular e o Silvestre - Castelo circular. Elas terão dois veículos por cada linha e tarifa de R$0,60, paga somente em espécie. A medida foi decretada pelo prefeito Eduardo Paes, no Diário Oficial do município, na última sexta-feira (7). O serviço terá duração de um ano e seis meses. Em agosto, um bonde tombou matando seis pessoas e deixando mais de 50 feridas no bairro.

De acordo com o decreto, a Prefeitura do Rio, através da Secretaria municipal de Transportes, vai ressarcir a diferença da tarifa cobrada pela linha especial, para manter o equilíbrio financeiro da concessionária escolhida para operar o serviço. O Consórcio Intersul de Transportes foi o escolhido para operar a linha especial.

O decreto informa ainda que “a Secretaria municipal de Transportes tem o prazo máximo de 15 dias, mesmo prazo em que o serviço deverá entrar em operação, para estabelecer os parâmetros operacionais, tais como itinerário e pontos de parada”. Atualmente o bairro de Santa Teresa é atendido por outras duas linhas de ônibus e um serviço noturno.

Diretor exonerado do cargo

O diretor de operações dos bondes que circulavam em Santa Teresa, no Centro do Rio, Fábio Tepedino, será exonerado do cargo. A informação foi confirmada pelo presidente da Central, Eduardo Macedo, nesta segunda-feira (10). A medida acontece após a divulgação do laudo da perícia sobre o bonde que se acidentou. Peritos apontaram que o veículo tinha 23 falhas.

“Em primeiro lugar, eu estou assumindo (a presidência da Central) e tenho que colocar os diretores de minha confiança. Mas o que contribuiu muito foi o relatório (laudo do ICCE), porque ele veio deixar muito claro que houve certa omissão, desleixo com a questão do bonde, que não foi priorizada”, explicou Macedo.Em nota enviada no dia 2 de setembro, Tepedino afirmou considerar tanto os bondes antigos quanto os reformados seguros.

Afastamento de outros funcionários

O resultado da perícia também deve provocar o afastamento de outros funcionários. “O relatório compromete todo o sistema”, afirmou o presidente da Central.Segundo ele, o laudo se refere a vários segmentos como linha férrea, rede aérea, logística. “Outros funcionários que estejam envolvidos no processo do bondinho serão afastados, até que se apure as responsabilidades”, garantiu. Entre as falhas apontadas pelos peritos do ICCE está o problema com o sistema de freio, causado pela falta de manutenção adequada.

De acordo com Macedo, um plano baseado em ações indicadas pelo interventor dos bondes, Rogério Onofre, já foi elaborado. Entre as melhorias previstas pelo Plano de Ações e Investimentos está a instalação de trilhos bilabiados, próprios para o terreno de Santa Teresa. O documento com as melhorias será encaminhado para a Secretaria da Casa Civil.