quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Transcarioca: prefeitura publica nesta quinta-feira edital de licitação da segunda etapa

29/12/2010 - O Globo - Natanael Damasceno


RIO - A prefeitura do Rio publica nesta quinta-feira no Diário Oficial o edital de licitação para o segundo lote da Transcarioca, o corredor expresso para ônibus que ligará a Barra ao Aeroporto Internacional Tom Jobim. As obras, que vão mudar a paisagem da Zona Norte, preveem a construção de três viadutos e duas pontes. Uma delas, no Fundão, será a primeira ponte estaiada (suspensa por cabos de aço presos a um grande pilar) da cidade. De acordo com a prefeitura, o custo da implantação do corredor exclusivo está estimado em R$ 548,3 milhões. O vencedor da concorrência deve ser conhecido em março, e as obras devem começar, segundo o Secretaria municipal de Obras, em maio.

- A Transcarioca é um compromisso da prefeitura e, por isso, há um esforço para que seja tudo feito segundo o cronograma estipulado. Tivemos inclusive uma reunião com representantes do Comitê Olímpico Internacional, que se mostraram muito satisfeitos com o andamento do projeto - contou o secretário Alexandre Pinto.

O segundo lote do corredor expresso tem 11 quilômetros de extensão e, segundo Alexandre, tem o projeto mais simples do que o primeiro por ter menos desapropriações. Seu trajeto começa no Largo da Penha, seguindo pelas Rua Monsenhor Alves Rocha, Rua Ibiapina, Rua Uranos, Estrada Engenho da Pedra, Rua Ismael Rocha, Rua Sargento Peixoto, e Avenida Brigadeiro Trompovski. Na Ilha do Fundão, o corredor passa pelas avenidas Um e Vinte e Quatro (formando um sistema binário neste pequeno trecho), segue pela Avenida Vinte e Nove até a Ilha do Governador, passa pela Estrada do Galeão e segue a Rua 20 de Janeiro até o aeroporto internacional.

- Apesar de este lote ter mais obras de grande porte, o primeiro era mais complexo, pois atravessa uma rea com uma densidade populacional mais alta, o que obriga a um número muito maior de desapropriações - diz o secretário.

De acordo com o edital, os viadutos serão erguidos sobre a estação de trem de Olaria, a Avenida Brasil (em Ramos) e a Estrada do Galeão (na Ilha). Já as pontes ficarão sobre o Canal do Cunha (na entrada da Ilha do Fundão) e sobre a Baía da Guanabara (ligando as ilhas do Governador e do Fundão).

Alexandre contou que as obras do primeiro lote, que terá 28 quilômetros e o custo estimado em R$ 730,4 milhões, começam em janeiro pelo mergulhão da Avenida Intendente Magalhães e pelo Viaduto de Madureira. Serão quatro frentes de obras e, além da ampliação da via, a obra inclui dois mergulhões, quatro viadutos, uma passagem inferior e a urbanização da área adjacente.

Investimento total será de R$ 1,3 bilhão

O investimento total nas obras para a Transcarioca será de R$ 1,3 bilhão, sendo R$ 1,1 bilhão financiado pelo Governo Federal. Segundo a prefeitura, a construção dos dois lotes deve ser concluída em três anos. Com 39 quilômetros de extensão, a Transcarioca terá uma faixa segregada ao corredor expresso que vai se integrar aos outros modais (trem, metrô e ciclovias) ao longo da via. Segundo a prefeitura, vai reduzir em mais de 60% o tempo gasto no trajeto entre a Barra e a Ilha do Governador. Junto com a a Transolímpica, a Transbrasil, e a Transoeste - cujo canteiro de obras deve ser visitado hoje pelo o presidente do Comitê Olímpico Internacional, Jacques Rogge -, a Transcarioca integra o conjunto de obras viárias planejadas pela prefeitura para viabilizar a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

http://oglobo.globo.com/rio/transito/mat/2010/12/29/transcarioca-prefeitura-publica-nesta-quinta-feira-edital-de-licitacao-da-segunda-etapa-923390207.asp

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Cai liminar e Prefeitura derruba casas no Recreio

18/12/2010 - O Globo Ruben Berta

Após conseguir revogar uma liminar na Justiça, a prefeitura retomou ontem a derrubada de imóveis da comunidade da Restinga, no Recreio dos Bandeirantes. Os trabalhos fazem parte do processo de implementação do BRT Transoeste (corredor expresso de ônibus articulados que ligará a Barra da Tijuca a Santa Cruz e Campo Grande), primeira grande obra viária a ser construída na cidade para os Jogos Olímpicos de 2016. A resistência de alguns moradores e a retirada dos objetos causaram lentidão: foram demolidas apenas cinco construções.

A comunidade da Restinga fica na altura do Km 18.830 da Avenida das Américas, próximo ao Recreio Shopping. A remoção de ontem contou com o apoio de cerca de 50 homens de Guarda Municipal, Comlurb, Coordenadoria de Controle Urbano, secretarias municipais de Habitação e de Conservação, polícias Civil e Militar e Light. As equipes chegaram por volta das 11h, com caminhões para a retirada dos objetos. Na demolição, foi usada uma retroescavadeira.

Defensoria reclama de operação e recorre

A revogação da liminar que impedia a derrubada das casas ocorreu na noite de anteontem e libera a retirada de cerca de 50 imóveis. A defensora pública Marília Farias, uma das advogadas que representam os moradores, disse ontem que já recorreu da decisão. Ela reclamou do modo como foi feita a operação da prefeitura.

- Houve a revogação da liminar, mas os moradores sequer foram intimados oficialmente por um oficial de Justiça. A prefeitura já chegou com todo o maquinário para a derrubada - disse ela. 

Durante a operação, houve momentos de tensão, mas sem confronto entre agentes e moradores. Uma senhora chegou a se acorrentar ao portão da casa durante boa parte do dia, mas acabou sendo convencida a se retirar no fim da tarde. Houve protestos com cartazes contra a prefeitura.

Algumas pessoas que perderam as casas se queixaram da falta de indenizações adequadas. A Secretaria municipal de Habitação informou que foram cadastradas na Restinga 94 famílias: 18 aceitaram ir para um imóvel do programa Minha Casa Minha Vida, em Campo Grande; 38 concordaram com os valores de ressarcimento; e outras 38 não concordaram até agora com nenhuma das duas formas de restituição. Ao todo, 523 famílias de cinco comunidades (quatro no Recreio e uma em Guaratiba) terão de ser removidas para as obras do BRT.

O Transoeste custará R$800 milhões à prefeitura. A previsão é que 220 mil passageiros sejam transportados diariamente quando as obras terminarem, em junho de 2012.

Terminais de ônibus no Rio ganharão biblioteca gratuita

19/12/10 - Agência Brasil

RIO DE JANEIRO - A experiência bem sucedida da biblioteca que há quatro anos empresta livros aos usuários do metrô do Rio de Janeiro deverá ser estendida em 2011 ao sistema de ônibus da cidade, responsável pela maior parte dos deslocamentos de passageiros na capital fluminense. A informação é do Instituto Brasil Leitor (IBL), que comemora este mês o quarto aniversário da Biblioteca Livros & Trilhos, instalada na Estação Central do metrô carioca, com resultados expressivos: quase 8 mil sócios e quase 80 mil livros emprestados.

“Nós temos no Rio de Janeiro um dos melhores índices de leitura por sócio, uma média de 1,5 livro por mês, ou seja, 14 a 15 livros por ano”, informou William Nacked, diretor-geral do IBL, organização responsável pela criação e gestão de bibliotecas em estações de metrô e de trem e terminais de ônibus em todo o país.

Além do Rio, o instituto mantém unidades em São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife e Piracicaba, no interior paulista. Segundo Nacked, a meta do IBL é implantar cinco bibliotecas no Rio de Janeiro até 2014.

Na biblioteca que funciona no metrô do Rio, chama a atenção o respeito do usuário ao livro que pega emprestado. “Em todas as nossas bibliotecas, é baixo o índice de não devolução, mas, no Rio, a taxa de não retorno é quase zero”, diz Nacked. A inscrição na Livros & Trilhos é gratuita, bastando ao interessado apresentar comprovante de residência, carteira de identidade, CPF e uma foto 3x4.

O diretor do IBL ressalta o fato de que dois terços dos leitores são mulheres, não apenas no Rio, mas em todas as unidades mantidas pelo instituto. “O perfil da usuária é o da mulher que trabalha, leitora de todos os gêneros de livros, e não só de autoajuda e poesia”.

Para William Nacked, um dos mais importantes êxitos da iniciativa é a incorporação de novos leitores, principalmente de menor poder aquisitivo, que não compram livros nem frequentam bibliotecas convencionais. “No início, quem vem é o já leitor, aquela pessoa ávida de leitura, mas que não está podendo comprar livros”, diz, lembrando que as bibliotecas do IBL contam com um acervo de alto padrão, formado por livros que podem ser encontrados nas vitrines das livrarias comerciais.

“Aos poucos, porém, começam a chegar pessoas de origem mais humilde, que percebem que podem tirar dúvidas sobre o que ler, escolher o livro pela vitrine, pelo catálogo ou com a ajuda do bibliotecário”.

Segundo Nacked, pesquisas feitas pelo IBL mostram que, após seis meses como sócio da biblioteca, esses novos leitores dobram seu índice de leitura. Considerada um dos maiores projetos do mundo de leitura gratuita, a iniciativa do IBL, que conta com patrocínios e parcerias de empresas privadas e de todos os níveis de governo, já contabiliza 1 milhão de livros emprestados em todo o país.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Linhas de ônibus do Rio ganham telas com as notícias do Globo

17/12/2010 - O Globo 

RIO - As notícias do jornal O GLOBO chegam este mês aos passageiros de 150 ônibus de 14 linhas do consórcio Intersul. As telas foram instaladas nos coletivos, exibindo reportagens que deixam os leitores em dia com sua cidade, com o Brasil e o mundo. O sucesso já pôde ser comprovado. Estudante de design, Miguel Leite, de 19 anos, gostou da concepção do projeto noticioso.

- O design dos monitores ficou leve, facilitando a leitura - disse ele.

As notícias são apresentadas em textos curtos para facilitar a leitura dentro do ônibus. Segundo Ana Lucia Selvatici, coordenadora da área de Novos Negócios, a linguagem é própria.

- Somos os únicos com conteúdo atualizado ao longo de todo o dia - afirma.

Tudo foi feito criteriosamente. O Ibope Inteligência, uma empresa do Ibope, realizou pesquisa na qual foram ouvidas 600 pessoas, 300 da Zona Sul e 300 da Zona Norte, que utilizam ônibus pelo menos três vezes por semana.

Uma das questões era relativa ao design. Foram mostrados quatro tipos, e o que mais agradou aos entrevistados foi o que tinha figuras geométricas.

- Eles preferiram o design mais original - diz Marcelo Casé, responsável pelo desenho do site junto com Richard Vignais.

A bancária Anaile Cardoso leu com atenção as notícias.

- A ideia é muito boa. E faz o tempo de viagem passar bem mais rápido - atestou ela, que ressaltou o fato de o conteúdo dos monitores ter espaço para o horóscopo.

Na pesquisa do Ibope, as pessoas destacaram ainda como positivo o fato de o design não recorrer a muitas animações, no intuito de facilitar a leitura das notícias.

Foram testados também o tempo de leitura (15 segundos) e as diferentes distâncias entre o monitor e as pessoas dentro do ônibus.

A previsão é que, até o fim de 2011, sejam 500 ônibus com as notícias em tempo real.

O GLOBO tem uma parceria com a Onbus para implantação da nova mídia nos ônibus. Segundo Kleber Hollinger, sócio da Onbus, foram investidos R$ 3 milhões na operacionalização.

- É uma tecnologia inédita no Brasil, e a Infoglobo representa uma parceria de qualidade - afirma.

Uma das metas futuras é incorporar o uso do georreferenciamento para prover informações relativas ao local em que o ônibus está passando no momento.

- Será a segmentação total - prevê Kleber Hollinger.

Ana Lucia completa:

- Para isso, precisamos que as empresas instalem GPS nos ônibus, o que não deverá demorar muito pra acontecer, em função de uma exigência da própria prefeitura.

O objetivo do projeto é expandir o serviço para outros locais, como aeroportos, farmácias e outros ambientes nos quais se pode ler uma notícia. Cada local vai exigir adaptações pontuais.

Anunciantes têm opções para falar com clientes

A expectativa é que o novo produto, chamado Geomídia, chegue a três milhões de passageiros por mês.

- O projeto Geomídia reforça a meta de deixar o leitor com acesso cada vez mais facilitado ao conteúdo do GLOBO, que já conta com site, celular, iPad, Kindle e redes sociais. Além disso, oferece aos nossos anunciantes alternativas para falar com seus clientes de forma georreferenciada - afirma Carla Esteves, gerente geral de Novos Negocios da Infoglobo.

Transoeste: liminares impedem demolição de 210 casas e lojas em favelas na Avenida das Américas no traçado do BRT

17/12/2010 - O Globo - Luiz Ernesto Magalhães


RIO - O BRT Transoeste (corredor expresso de ônibus articulados que ligará a Barra da Tijuca a Santa Cruz e Campo Grande), primeira grande obra viária que começou a ser construída na cidade para os Jogos Olímpicos de 2016, está na Justiça. Quatro liminares obtidas nas últimas semanas pelo Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria Pública impedem a demolição de 210 casas e lojas comerciais (como bares e borracharias) em três favelas na Avenida das Américas, no Recreio, que estão no traçado da via. A última liminar foi obtida no plantão do Judiciário no fim da noite de anteontem para impedir a demolição de 30 imóveis que restaram na Vila Harmonia, localizada atrás do Recreio Shopping.

Assim como nas outras três ações, os moradores alegam pertencer a famílias estabelecidas há décadas nessas comunidades. Eles reivindicam acesso ao projeto do Transoeste para se convencerem a deixar suas casas. Segundo a prefeitura, ao todo 119 famílias (sem contar os comerciantes) viviam na Vila Harmonia e nas demais comunidades, e a resistência seria de uma minoria. Desse total, 95 famílias escolheram entre viver em casas de um condomínio do programa Minha Casa Minha Vida na Estrada dos Caboclos, em Campo Grande, ou receber indenizações da Secretaria municipal de Habitação.Bittar lembra compromisso firmado com COI

O secretário municipal de Habitação, Jorge Bittar, disse que as remoções atendem ao interesse público e são um compromisso com o Comitê Olímpico Internacional (COI). Ele lembra que o BRT Transoeste faz parte dos projetos de reorganização e racionalização do transporte público de massa. O Transoeste custará R$ 800 milhões à prefeitura. A previsão é que 220 mil passageiros sejam transportados diariamente quando as obras terminarem, em junho de 2012.

- Nós oferecemos opções para os moradores e estamos sempre dispostos a negociar. No caso de indenizações, chegamos a pagar 40% a mais pelo que os imóveis valem. Mas obviamente, ninguém se sente satisfeito de ter que sair do local onde mora. Isso acontece não apenas nas áreas informais, mas também nas formais. Em boa parte das obras viárias previstas até os Jogos de 2016 também haverá demolições de casas no asfalto - disse Bittar.

A defensora pública Adriana Britto, por sua vez, argumenta que, sem que as comunidades tenham acesso ao projeto, não pode confirmar que as remoções são necessárias. Segundo ela, uma audiência pública chegou a ser convocada na Câmara dos Vereadores para a apresentação do projeto, mas os técnicos do município não enviaram representantes. Além disso, observou a defensora, a prefeitura não prevê indenização para os comerciantes.

Adriana acrescentou que outras duas liminares impedem a demolição de 150 imóveis na Favela da Restinga e 30 na Vila Recreio 2, no sentido Barra-Guaratiba. A quarta liminar também protege a Vila Harmonia.

- A lei garante o direito à moradia. A solução ideal para essas comunidades é que não houvesse remoções. E, caso as remoções sejam indispensáveis, que os valores pagos pelos imóveis sejam justos. Ao avaliar os imóveis, a prefeitura toma como base uma regra geral para a cidade. Não leva em conta que as casas foram construídas numa área valorizada - diz a defensora.

Segundo a Secretaria de Habitação, sem contar o comércio informal, o Transoeste prevê a remoção de 523 famílias de cinco comunidades (quatro no Recreio e uma em Guaratiba), já que há necessidade de duplicar as avenidas das Américas e Dom João VI (Guaratiba). Deste total, 210 famílias concordaram em ser transferidos para dois condomínios do Minha Casa Minha Vida na Zona Oeste. Cerca de R$ 2,9 milhões foram pagos a 148 famílias que optaram por serem indenizadas (média de R$ 19.594 por imóvel). As 165 famílias restantes nas comunidades não fizeram suas escolhas.

- É muita pressão. Eu desisti de brigar porque a corda sempre arrebenta do lado mais fraco e aceitei R$ 19.150 de indenização - disse o pedreiro João Várzea da Cruz, de 45 anos, que na segunda-feira se mudará da Vila Harmonia para Pedra de Guaratiba.Com impasses judiciais, demolições a conta-gotas

A enfermeira Suely Afonso da Costa, de 53 anos, resiste a sair da Vila Harmonia:

- Os imóveis oferecidos pela prefeitura ficam muito longe de onde moramos hoje. E as indenizações são irrisórias.

Com os impasses judiciais, as demolições no Recreio passaram a ocorrer a conta-gotas. Em todas as comunidades existem casas demolidas total ou parcialmente e outras intactas. Na tarde da última quarta-feira, por exemplo, a subprefeitura da Barra da Tijuca conseguiu demolir apenas uma casa no Recreio 2.

Numa tentativa de conseguir a liberação do terreno da Vila Harmonia, funcionários da subprefeitura da Barra entregaram intimações aos moradores na tarde de quarta-feira exigindo que deixassem os imóveis até a meia-noite. Pela manhã, quando os fiscais da prefeitura chegaram com reforço policial e retroescavadeiras para demolir os imóveis, encontraram os moradores amparados pela liminar. Moradores de outras favelas da região como Vila Autódromo e Vila Taboinhas acompanhavam a movimentação.

Apesar do impasse, a Secretaria de Obras informou ontem que o cronograma do Transoeste, que inclui a construção de túnel na Grota Funda e a duplicação da Avenida das Américas, está sendo cumprido. Uma das intervenções importantes iniciadas esta semana é a instalação das primeiras vigas do novo viaduto que que ligará a Avenida Salvador Allende à Baltazar da Silveira.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Vila Cruzeiro ganha três linhas de transporte alternativo

12/12/2010 - R7 RJ

Ao todo, serão seis linhas com cerca de 120 kombis

O prefeito Eduardo Paes entregou três das seis linhas de transporte complementar nos complexos do Alemão e na Vila Cruzeiro, ambos na zona norte do Rio de Janeiro, na manhã deste domingo (12). Ao todo, as seis linhas, com uma frota de cerca de 120 kombis, podem transportar 10.600 passageiros por semana, percorrendo cerca de 34 Km de ida e volta.

Duas linhas vão circular no Complexo do Alemão: uma opera no trecho Nova Brasília/Alvorada, com frota de 11 veículos; e a outra, também com 11 kombis, fará o itinerário Canitá/Piancó, no morro do Adeus.

Uma terceira linha fará o trecho Penha/Vila Cruzeiro, com uma frota de nove veículos. De acordo com a Secretaria Municipal de Transportes, em um mês, as outras três linhas estarão circulando no Alemão.

As viagens estão estimadas em 10 minutos, na Vila Cruzeiro, e 30 minutos, nas comunidades do Alemão.

Consórcios: a nova realidade do Transporte CariocaEscrito por Fetranspor

30/11/2010 - Fetranspor

Cidade do Rio é dividida em regiões e empresas de ônibus são agrupadas em consórcios para operar o sistema de transportes

Após a assinatura do contrato, em 17 de setembro, com os vencedores da licitação para operar os ônibus municipais do Rio nos próximos 20 anos, as empresas de ônibus cariocas terão, pela primeira vez, status de concessionárias, com obrigações legais e passíveis de sanções por parte do poder concedente em caso de descumprimento de regras.

Os quatro consórcios, que representam 41 empresas de ônibus que já operam no Rio de Janeiro, entrarão em operação em até 60 dias, após aquela data. De acordo com o edital, em 20 anos de concessão das linhas, as passagens pagas pelos usuários somarão R$ 15,9 bilhões.

Nesse período, os concessionários deverão investir R$ 1,8 bilhão na melhoria do serviço. O edital inclui os três corredores expressos (Bus Rapid Transit ou BRTs): Transcarioca, ligando a Barra à Penha; Transoeste, entre Barra e Guaratiba; e Trans Olímpica, entre Barra e Deodoro.

Assim, serão feitos acordos entre os vencedores para operar Consórcios: a nova realidade do os BRTs que interligarão áreas distintas da licitação. Os consórcios assumem também a remodelação e a manutenção dos terminais, bem como a implantação de novos pontos de ônibus.

Há cronogramas a serem cumpridos para todas as mudanças, fixando as metas anuais de renovação da frota, com a obrigação de chegar a 2016 com cem por cento dos veículos dentro do novo padrão. Até as Olimpíadas, os ônibus terão de ter direção hidráulica, suspensão a ar, escadas de acesso rebaixadas, elevador para pessoas com deficiência, motor traseiro (para reduzir a poluição sonora dentro dos coletivos) e carroceria dupla articulada.

Dentre as mudanças que já serão percebidas pelos usuários, logo nos primeiros meses de operação, estão: a nova identificação dos veículos (com cores padronizadas por região de exploração); o uso de GPS, que permite acessar em tempo real a movimentação da frota; e a instalação de dispositivos de segurança como câmeras de vídeo. Outra novidade que também já poderá ser usufruída pelos passageiros é o Bilhete Único Carioca, no valor de R$ 2,40, que permite a utilização de duas viagens num intervalo de duas horas entre os embarques, proporcionando economia de R$ 2,30 para cada segunda viagem realizada.


MARCO HISTÓRICO

De acordo com o secretário Municipal de Transportes, Alexandre Sansão, “agora nós não temos mais de 40 empresas. Temos apenas quatro, que serão as responsáveis por operar as áreas e isso facilita o processo de racionalização.

Como são concessionárias, não concorrem mais umas com as outras. Elas vão dar mais eficiência à operação. Isso vai melhorar o trânsito, diminuir a quantidade de ônibus e racionalizar o sistema. Nossa previsão é de que, em no máximo um ano, todos os ônibus da cidade estejam padronizados”.

Para o prefeito do Rio, Eduardo Paes, depois de 50 anos com o mesmo sistema de transportes, a cidade do Rio vive um de seus momentos mais importantes. “É um marco fundamental de algo que nunca tinha acontecido na cidade: uma concessão para a operação dos ônibus municipais, um contrato estabelecendo regras claras de quais são os direitos e as obrigações do concessionário. Isso é uma mudança no marco regulatório”, afirmou.

Para o presidente da Rio Ônibus, Lélis Teixeira, a assinatura do contrato vai ficar na história do Rio. “Esse fato é histórico, não só para o setor de transportes, mas para a cidade. A Prefeitura está criando um grande marco para o setor e está se posicionando sobre a situação do transporte coletivo”, disse.

Para aumentar o poder de fiscalização do município, a Secretaria Municipal de Transportes criou o novo Código Disciplinar do Serviço Público de Transporte de Passageiros por Ônibus, que prevê penalidades ainda mais rígidas às concessionárias em caso de não cumprimento das exigências.


PAPÉIS BEM DEFINIDOS

A SMTR
O poder público tem a obrigação de fiscalizar o funcionamento do sistema. Quando alguma atividade não estiver dentro das normas de operação, a Secretaria deverá prover medidas e investimentos, caso o problema esteja relacionado à falta de recurso.

Os Consórcios
Ficarão encarregados de fazer os ajustes junto às operadoras de uma determinada Rede de Transportes Regionais e administrarão os terminais, modernizando e oferecendo maior conforto aos passageiros e aos profissionais que trabalham nesses locais.

As Empresas
Têm a obrigação de respeitar o contrato e tratar bem o passageiro. Elas deverão investir em melhorias, como: modernização de seus equipamentos; implantação de câmeras de vídeo e GPS em todos os ônibus; adaptação às normas de acessibilidade na frota e nos terminais; treinamento dos motoristas; operação dos corredores de BRT; inclusão do Bilhete Único; aquisição de novos veículos equipados com suspensão a ar, motor traseiro, câmbio automático, direção hidráulica e piso baixo. Para aumentar o poder de fiscalização do município, em breve, será anunciado o novo Código Disciplinar do Serviço Público de Transporte de Passageiros por Ônibus, que prevê penalidades mais rígidas aos operadores – maus serviços prestados, por exemplo, podem levar até a anulação da concessão.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Ônibus híbrido elétrico é apresentado no Rio

06/12/2010 - O Globo - Ronaldo Braga

RIO - Com o objetivo de incentivar a adoção pelo mercado de transporte coletivo urbano, de tecnologias limpas, capazes de reduzir a emissão de gases do efeito estufa em mais de 30%, foi apresentado, nesta segunda-feira, no Restaurante Porcão Rio's, no Aterro do Flamengo, um ônibus híbrido elétrico, financiado pela Fundação Clinton, do ex-presidente dos EUA Bill Clinton, com recursos de US$ 1,5 milhão do Banco Interamericano de Desenvolvimento. O coletivo da Volvo será testado na linha 172 (Rodoviária - Leblon), operada pelo Consórcio Intersul.

A parceria, inédita no campo do desenvolvimento sustentável, é da Prefeitura do Rio de Janeiro, da Federação das Empresas de transportes de passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), da Volvo e da Fundação Clinton, através da Clinton Climate Initiative.

Foi assinado também no encontro, um convênio de cooperação técnica entre a Prefeitura do Rio de Janeiro, através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e da Fetranspor. O convênio visa à elevação do desempenho ambiental do setor de transportes; à promoção de experiências com combustíveis alternativos e de tecnologias mais limpas. Além disso, o acordo vai tratar de temas como o monitoramento e controle da poluição sonora; o licenciamento ambiental das empresas de ônibus e o apoio à implantação de um núcleo de educação ambiental no Parque Municipal da Catacumba.

Segundo a Volvo, testes na Europa revelaram economia de 35% no consumo e corte de 80% a 90% no lançamento de gases poluentes no ar. As negociações entre a Fetranspor e a Fundação Clinton duraram cerca de um ano. Segundo o diretor de operações da Fetranspor, Guilherme Wilson, o teste deve durar, no mínimo, dez semanas, período em que serão avaliados emissão de gases poluentes, consumo e performance do veículo. Os ônibus híbridos são 40% mais caros do que os comuns, porém a sua vida útil pode ultrapassar os 25 anos.

Metrô Rio: ônibus acessível para todos

29/09/2010 - Postado por Rede de Mobilização Social


O Metrô Rio oferece nas linhas do Metrô na Superfície dois novos ônibus totalmente adaptados com rampa reclinável para pessoas com deficiência motora. Os novos ônibus dispõem do balaústre táctil, um instrumento que auxilia o deficiente visual a se localizar durante todo o percurso. 

Além disso, os ônibus contam com suspensão de ar, câmbio eletrônico e motor traseiro para proporcionar ao usuário um baixo nível de ruído em seu interior e maior conforto durante o trajeto. 

A frota das linhas do Metrô na Superfície já conta com 32 ônibus, sendo 4 com rampas reclináveis e com balaústre táctil. Ate o final do ano todos os outros veículos receberão também balaústre táctil. Para saber mais acesse o site Metrô Rio.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Impacto profundo

01/12/2010 - O Globo Barra

Iniciadas em 8 de julho deste ano, as obras do corredor Transoeste avançam paulatinamente sobre a Avenida das Américas. Em quase cinco meses, máquinas pesadas e um batalhão de funcionários transformaram a paisagem do Recreio, onde um viaduto está sendo construído a toque de caixa para o verão. Com a multiplicação dos canteiros de obra, no entanto, vieram também os transtornos. Além do impacto no trânsito e da poeira, dois acidentes se sucederam em apenas cinco dias. No mais grave, em 14 de setembro, uma retroescavadeira rompeu a tubulação de gás natural em frente ao condomíno San Remo, próximo ao supermercado Mundial, onde será construída a pista lateral.

Desde então, segundo moradores, o movimento de operários no local é pouco ou nenhum. Ao mesmo tempo em que deixam claro que a obra é fundamental e o incômodo, inevitável, moradores temem que novas falhas comprometam sua segurança, durante os dois anos necessários para a conclusão do trabalho.

O gerente administrativo Flávio Senedo estava em casa com a mulher e os dois filhos, de 4 e 9 anos, às 16h45m do dia 14 se setembro, quando ouviu um forte estrondo. Pela varanda do apartamento, no sétimo andar do condomínio San Remo, avistou um jato de gás subindo aos céus.

— O gás começou a vir na nossa direção — conta. — Descemos e fomos para a rua, por temermos uma explosão e porque não conseguíamos respirar dentro de casa. Deu até uma certa ardência nos olhos.


Ao lado de vizinhos que também haviam saído de casa, Senedo filmou o vazamento (veja o vídeo ao final do post). Quase uma hora depois, apareceu um supervisor da CEG, que, sem um caminhão para fechar a tubulação, nada pôde fazer. Três horas e meia mais tarde, o problema foi finalmente resolvido. O abastecimento, porém, só foi restabelecido durante a madrugada. 

Síndico do condomínio Sea Coast, que fica ao lado do San Remo, Mauro Araújo (foto) também testemunhou o acidente:

— O despreparo era tamanho que, quando a tubulação estourou, os operários saíram correndo e deixaram a retroescavadeira ligada, em cima do local onde o gás estava vazando.