sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Bilhete Único Carioca sofrerá reajuste a partir de segunda-feira

30/12/2011 - O Globo

Ônibus circulam pelas ruas do Centro do Rio. A partir da segunda-feira, o Bilhete Único Carioca sofrerá um reajuste Hudson Pontes / O Globo (Arquivo)
RIO - A partir da próxima segunda-feira, primeiro dia útil do ano, a tarifa do Bilhete Único Carioca (BUC) será reajustada, e passará de R$ 2,50 para R$ 2,75. O reajuste foi publicado na edição desta sexta-feira do Diário Oficial do Município.

Em nota, a Secretaria Municipal de Transportes afirma que a revisão tarifária cumpre a cláusula 12 dos contratos de concessão firmados com os consórcios que representam as empresas operadoras.A resolução estabelece ainda que as revisões tarifárias serão feitas sempre no primeiro dia útil de cada ano, ou seja, após a correção que entra em vigor no próximo dia 02, somente haverá outra revisão tarifária em janeiro de 2013.

O último reajuste do BUC aconteceu em maio deste ano. Antes disso, em novembro de 2010, a passagem dos ônibus já havia subido, com a adoção do BUC, de R$ 2,35 para R$ 2,40. O edital de licitação previa que as concessionárias poderiam ter reajustes a partir de maio.

Prefeitura coloca terceira faixa só para ônibus no BRS da Rio Branco

30/12/2011 - O Globo

No primeiro dia do novo sistema, houve engarrafamento de coletivos

TAIS MENDES
RONALDO BRAGA
RENATA LEITE

RIO - Devido aos problemas enfrentados no primeiro dia de funcionamento do sistema de Bus Rapid Service (BRS) da Avenida Rio Branco, no Centro, nesta sexta-feira estão disponibilizadas três faixas para ônibus, entre a Avenida Presidente Vargas e a Rua da Assembleia. A medida visa a diminuir a fila de ônibus que se formou na via na quinta-feira. A prefeitura colocou cones para delimitar essa terceira faixa. Segundo a Secretaria municipal de Transportes, a nova faixa funcionará como teste, ainda não podendo ser considerada uma medida definitiva.
Na avaliação do secretário Alexandre Sansão, nas primeiras horas de funcionamento, o trânsito da Avenida Presidente Vargas, sofreu os reflexos dos ônibus que entravam numa operação desajustada.

“Neste primeiro trecho do BRS, os motoristas estavam se adaptando e alguns acreditavam que poderiam parar em todos os pontos, o que não é mais possível. Mudanças no trânsito, na forma de embarque e desembarque, sempre causam dúvida e a dúvida no trânsito sempre gera alguma retenção. Há muita coisa para ser ajustada e esse trabalho será feito para que o corredor da Rio Branco esteja funcionando bem nos próximos dias”, disse, em nota, o secretário.

Ainda de acordo com Sansão, a operação no corredor BRS está sob monitoramento constante tanto da rua quanto das câmeras do Centro de Operações Rio. Além disso, foram promovidas reuniões de ajustes com técnicos da prefeitura e representantes dos consórcios. Segundo ele, a CET-Rio está avaliando os tempos dos sinais de trânsito na Rio Branco e ruas próximas.
No início da manhã e durante a tarde, a grande fila de ônibus que se formou causou um verdadeiro caos. O congestionamento fez com que alguns ônibus não conseguissem encostar no ponto. Os motoristas tiveram que abrir as portas na fila dupla para embarque e desembarque de passageiros, que tiveram que passar em meio aos outros coletivos para chegar à calçada. Por causa da longa fila do BRS, a pista lateral da Presidente Vargas, sentido Candelária, também apresentou trânsito congestionado. Por outro lado, as duas pistas reservadas aos veículos estavam vazias e lembravam até a pequena movimentação de um fim de semana.

Na esquina das avenidas Presidente Vargas e Rio Branco, cinco agentes de trânsito e um guarda municipal fizeram o controle do tráfego. Nesse trecho, eles instalaram cones e os ônibus usaram uma terceira faixa da Rio Branco (até a altura da Rua Buenos Aires) para diminuir a retenção.O tempo de viagem para cruzar toda a avenida, contudo, está bem maior quando comparado com o fluxo de quarta-feira, segundo os motoristas de ônibus. Há 14 anos fazendo a linha 217 (Carioca-Andaraí), o motorista Aluísio Matias relata que, mesmo quando a avenida estava congestionada, ele demorava, no máximo, sete minutos para percorrer toda a extensão da Rio Branco. Nesta quinta, o trajeto foi concluído em dez minutos.

— Estou na terceira viagem do dia. A segunda, às 7h da manhã, definitivamente foi a pior, a mais congestionada — reclama Matias.

Os motoristas de ônibus, no entanto, continuaram enfrentando congestionamentos desde a Avenida Presidente Vargas, na altura do prédio dos Correios. Aquele trecho é o mais complicado, na medida em que os ônibus precisam se posicionar lado a lado para acessar o corredor, dando um nó no trânsito.

Em alguns pontos da Rio Branco os motoristas enfrentaram retenções nas pistas fora do BRS por conta de carros-fortes e vans que estavam parando do lado esquerdo da avenida. Guardas municipais e operadores da CET-Rio tentam ordenar o trânsito.

Alguns passageiros disseram também estar confusos com o funcionamento do BRS e não sabem ao certo onde podem embarcar e desembarcar. A professora Márcia Ribeiro, por exemplo, conta que ficou mais de 15 minutos andando de um lado para o outro, procurando o ponto para embarcar em um ônibus para Copacabana.

— Está muito mal sinalizado, só hoje vi a distribuição de panfletos indicando os pontos. Mas isso deveria ter sido feito preventivamente, antes do início do BRS — protesta.
A secretária Virgínia Braga, que mora na Penha e trabalha na Cinelândia, contou que levou uma hora entre a Leopoldina e o final da Rio Branco:

— Espero que melhorem este sistema para os próximos dias porque do jeito que está hoje ficará insuportável.

O casal Maria Lúcia Sousa e Durval de Oliveira Paes reclamou da disposição dos pontos de ônibus. Eles desembarcaram do ônibus da Linha 322, vindos de Bonsucesso, no ponto da Rio Branco na altura da Rua Sete de Setembro e tiveram que caminhar de volta até a Presidente Vargas:

— Ele vem pela rodoviária e depois do Cais do Porto só tem este ponto na Rio Branco. O endereço que vou é no início da Presidente Vargas, e agora tenho que caminhar até lá. A viagem foi estressante, com todos os passageiros brigando com o motorista, que argumentou que se parasse no ponto errado teria que pagar uma multa alta.

Nos pontos de ônibus, além dos operadores que distribuem panfletos informativos sobre o BRS, há também duplas de PMs que participam do Programa Estadual de Integração na Segurança. São 20, ao todo, fazendo levantamento sobre as linhas e horários que passam na Rio Branco. Eles disseram que a ordem agora não é multar e sim orientar os motoristas.

O BRS da Rio Branco começou às 6h desta quinta-feira, em pleno rush de fim de ano — que já deixou os acessos ao Rio congestionados na quarta-feira. Os itinerários de 61 linhas intermunicipais sofreram alterações. Essas linhas, que transportam 3,6 milhões de passageiros por mês e têm frota de 772 veículos, não poderão mais parar ao longo da Rio Branco. Esses coletivos só vão ser autorizados a desembarcar e pegar passageiros na Avenida Presidente Vargas, na Rua Araújo Porto Alegre e nos seus terminais.

A mão da Rua Senador Dantas e de outras três vias — Avenida Luis de Vasconcelos; Rua Lelio Gama (trecho entre a Avenida Chile e Senador Dantas) e Rua do Carmo (trecho da São José para Rua da Assembleia) — foram invertidas. Desde a madrugada de terça, a prefeitura faz as adaptações necessárias nessas vias, o que ocasionou congestionamentos na quarta. Também foram alterados os itinerários de todas as linhas que dobravam à esquerda na Avenida Rio Branco, que passarão a circular pela Rua Senador Dantas.

O BRS funcionará nos dias úteis até as 21h e, nos sábados, até as 14h. Nos domingos e feriados a passagem de automóveis no corredor ficará liberada.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Após problemas no trânsito, BRS da Rio Branco passará por ajustes Favoritar

28/12/2011 - O Globo

CET-Rio vai avaliar os tempos de sinais de trânsito na avenida e ruas próximas

Primeiro dia de funcionamento do BRS da Avenida Rio Branco, no Centro, causou um congestionamento no corredor de ônibus Márcia Foletto / Agência O Globo
RIO - O primeiro dia de Bus Rapid Service (BRS) na Avenida Rio Branco provocou uma fila de ônibus em toda a extensão da via durante vários períodos do dia, o que levou a secretaria municipal de Transportes a anunciar que o novo corredor viário sofrerá reajustes. Na avaliação do secretário Alexandre Sansão, nas primeiras horas de funcionamento, o trânsito da Avenida Presidente Vargas, sofreu os reflexos dos ônibus que entravam numa operação desajustada.

Neste primeiro trecho do BRS, os motoristas estavam se adaptando e alguns acreditavam que poderiam parar em todos os pontos, o que não é mais possível. Mudanças no trânsito, na forma de embarque e desembarque, sempre causam dúvida e a dúvida no trânsito sempre gera alguma retenção. Há muita coisa para ser ajustada e esse trabalho será feito para que o corredor da Rio Branco esteja funcionando bem nos próximos dias, disse em nota o secretário.

Ainda de acordo com Sansão, a operação no corredor BRS está sob monitoramento constante tanto da rua quanto das câmeras do Centro de Operações Rio. Além disso, foram promovidas reuniões de ajustes com técnicos da Prefeitura e representantes dos consórcios. Segundo ele, a CET-Rio está avaliando os tempos dos sinais de trânsito na Rio Branco e ruas próximas.

No início da manhã e e durante a tarde, a grande fila de ônibus que se formou causou um verdadeiro caos. O congestionamento fez com que alguns ônibus não conseguissem encostar no ponto. Os motoristas tiveram que abrir as portas na fila dupla para embarque e desembarque de passageiros, que tiveram que passar em meio aos outros coletivos para chegar à calçada. Por causa da longa fila do BRS, a pista lateral da Presidente Vargas, sentido Candelária, também apresentou trânsito congestionado. Por outro lado, as duas pistas reservadas aos veículos estavam vazias e lembravam até a pequena movimentação de um fim de semana.

Na esquina das avenidas Presidente Vargas e Rio Branco, cinco agentes de trânsito e um guarda municipal fizeram o controle do tráfego. Nesse trecho, eles instalaram cones e os ônibus usaram uma terceira faixa da Rio Branco (até a altura da Rua Buenos Aires) para diminuir a retenção.O tempo de viagem para cruzar toda a avenida, contudo, está bem maior quando comparado com o fluxo de quarta-feira, segundo os motoristas de ônibus. Há 14 anos fazendo a linha 217 (Carioca-Andaraí), o motorista Aluísio Matias relata que, mesmo quando a avenida estava congestionada, ele demorava, no máximo, sete minutos para percorrer toda a extensão da Rio Branco. Nesta quinta, o trajeto foi concluído em dez minutos.

Estou na terceira viagem do dia. A segunda, às 7h da manhã, definitivamente foi a pior, a mais congestionada reclama Matias.

Os motoristas de ônibus, no entanto, continuaram enfrentando congestionamentos desde a Avenida Presidente Vargas, na altura do prédio dos Correios. Aquele trecho é o mais complicado, na medida em que os ônibus precisam se posicionar lado a lado para acessar o corredor, dando um nó no trânsito.

Em alguns pontos da Rio Branco os motoristas enfrentaram retenções nas pistas fora do BRS por conta de carros-fortes e vans que estavam parando do lado esquerdo da avenida. Guardas municipais e operadores da CET-Rio tentam ordenar o trânsito.

Alguns passageiros disseram também estar confusos com o funcionamento do BRS e não sabem ao certo onde podem embarcar e desembarcar. A professora Márcia Ribeiro, por exemplo, conta que ficou mais de 15 minutos andando de um lado para o outro, procurando o ponto para embarcar em um ônibus para Copacabana.

Está muito mal sinalizado, só hoje vi a distribuição de panfletos indicando os pontos. Mas isso deveria ter sido feito preventivamente, antes do início do BRS protesta.

A secretária Virgínia Braga, que mora na Penha e trabalha na Cinelândia, contou que levou uma hora entre a Leopoldina e o final da Rio Branco:

Espero que melhorem este sistema para os próximos dias porque do jeito que está hoje ficará insuportável.

O casal Maria Lúcia Sousa e Durval de Oliveira Paes reclamou da disposição dos pontos de ônibus. Eles desembarcaram do ônibus da Linha 322, vindos de Bonsucesso, no ponto da Rio Branco na altura da Rua Sete de Setembro e tiveram que caminhar de volta até a Presidente Vargas:

Ele vem pela rodoviária e depois do Cais do Porto só tem este ponto na Rio Branco. O endereço que vou é no início da Presidente Vargas, e agora tenho que caminhar até lá. A viagem foi estressante, com todos os passageiros brigando com o motorista, que argumentou que se parasse no ponto errado teria que pagar uma multa alta.

Nos pontos de ônibus, além dos operadores que distribuem panfletos informativos sobre o BRS, há também duplas de PMs que participam do Programa Estadual de Integração na Segurança. São 20, ao todo, fazendo levantamento sobre as linhas e horários que passam na Rio Branco. Eles disseram que a ordem agora não é multar e sim orientar os motoristas.

O BRS da Rio Branco começou às 6h desta quinta-feira, em pleno rush de fim de ano que já deixou os acessos ao Rio congestionados na quarta-feira. Os itinerários de 61 linhas intermunicipais sofreram alterações. Essas linhas, que transportam 3,6 milhões de passageiros por mês e têm frota de 772 veículos, não poderão mais parar ao longo da Rio Branco. Esses coletivos só vão ser autorizados a desembarcar e pegar passageiros na Avenida Presidente Vargas, na Rua Araújo Porto Alegre e nos seus terminais.

Veja também

A mão da Rua Senador Dantas e de outras três vias Avenida Luis de Vasconcelos; Rua Lelio Gama (trecho entre a Avenida Chile e Senador Dantas) e Rua do Carmo (trecho da São José para Rua da Assembleia) foram invertidas. Desde a madrugada de terça, a prefeitura faz as adaptações necessárias nessas vias, o que ocasionou congestionamentos na quarta. Também foram alterados os itinerários de todas as linhas que dobravam à esquerda na Avenida Rio Branco, que passarão a circular pela Rua Senador Dantas.

O BRS funcionará nos dias úteis até as 21h e, nos sábados, até as 14h. Nos domingos e feriados a passagem de automóveis no corredor ficará liberada. A Secretaria municipal de Transportes estima que, com o novo corredor exclusivo para ônibus, haverá redução de cerca de 45% do total de coletivos que trafegam pela avenida. O tempo total gasto para percorrer a via, num coletivo, será reduzido em 30%.

As mudanças já foram feitas e tudo funcionará positivamente. Os ônibus não poderão virar à esquerda na Avenida Rio Branco disse o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão.

Segundo Sansão, o principal problema da Rio Branco eram os giro à esquerda que alguns ônibus faziam para entrar na Avenida Almirante Barroso. O movimento atrapalhava o fluxo. Com as mudanças de mão, os coletivos serão obrigados a entrar na Rua Senador Dantas.

A maior dificuldade que enfrentaremos será a adaptação dos ônibus intermunicipais. O carioca tem o hábito de atravessar fora da faixa e no meio da pista. Com implantação do BRS fica arriscado porque os coletivos ganham velocidade e aumentam os riscos de atropelamentos disse ele.

As mudanças no tráfego da região já começaram no início da semana, com seis linhas de ônibus (107, 136, 157, 158, 176 e 184) que circulavam pela Rua Senador Dantas tendo seus itinerários alterados para a Avenida Rio Branco. O Centro vai ganhar cinco pontos diferentes de BRS (BRS 1, BRS 2, BRS 3, BRS 4 e BRS 5).

Próximo BRS será na Avenida Presidente Vargas

Na quarta-feira foram transferidos os pontos terminais localizados na Rua Araújo Porto Alegre para o Terminal Misericórdia (na Praça Quinze), com alterações nos itinerários das linhas 348, 352 e 368. Os terminais localizados na Avenida Almirante Barroso na pista sentido Antônio Carlos-Rio Branco foram transferidos para a Avenida Nilo Peçanha, entre as Avenidas Presidente Antônio Carlos e Graça Aranha, com mudanças nos itinerários das linhas 2295, 2302 e 2305.

Com o novo BRS da Avenida Rio Branco, os usuários das linhas intermunicipais, vindas em sua maior parte da Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo, terão que desembarcar na Rio Branco somente entre a Praça Mauá e a Avenida Presidente Vargas ou nas paradas do Mergulhão da Praça Quinze e do trecho entre este e os pontos finais de cada trajeto nos terminais Augusto Severo, Menezes Cortes, Passeio e Misericórdia.

Apesar do otimismo, a rápida implementação do sistema foi criticada pelo Departamento de Transportes Rodoviários (Detro), responsável pela fiscalização das linhas intermunicipais. Segundo o presidente em exercício do órgão, Alcino Carvalho, as mudanças foram repassadas ao Detro às vésperas de serem feitas:

Isso dificultou a adequação da operação da frota intermunicipal e a comunicação antecipada aos usuários.

Este é o segundo BRS no Centro do Rio, onde já opera o da Rua Primeiro de Março/ Avenida Presidente Antônio Carlos. A prefeitura anunciou que o próximo BRS será o da Avenida Presidente Vargas, já em janeiro.

Primeiro dia de BRS provoca fila de ônibus na Avenida Rio Branco

29/12/11 - O Globo

Senador Dantas e outras ruas do Centro têm mão invertida

TAIS MENDES
RONALDO BRAGA

MÁRCIA FOLETTO / AGÊNCIA O GLOBO

RIO - O primeiro dia de Bus Rapid Service (BRS) na Avenida Rio Branco provocou uma fila de ônibus em toda a extensão da via no início da manhã. Por outro lado, as duas pistas reservadas aos veículos estavam vazias e lembravam até a pequena movimentação de um fim de semana. O congestionamento fez com que alguns ônibus não conseguissem encostar no ponto. Os motoristas tiveram que abrir as portas na fila dupla para embarque e desembarque de passageiros, que tiveram que passar em meio aos outros coletivos para chegar à calçada. Por causa da longa fila do BRS, a pista lateral da Presidente Vargas, sentido Candelária, também apresentou trânsito congestionado.

O congestionamento de ônibus no BRS da Rio Branco começou a reduzir pouco antes das 10h desta quinta-feira. O tempo de viagem para cruzar toda a avenida, contudo, está bem maior quando comparado com o fluxo de quarta-feira, segundo os motoristas de ônibus. Há 14 anos fazendo a linha 217 (Carioca-Andaraí), o motorista Aluísio Matias relata que, mesmo quando a avenida estava congestionada, ele demorava, no máximo, sete minutos para percorrer toda a extensão da Rio Branco. Nesta quinta, o trajeto foi concluído em dez minutos.
— Estou na terceira viagem do dia. A segunda, às 7h da manhã, definitivamente foi a pior, a mais congestionada — reclama Matias.

Os motoristas de ônibus, no entanto, continuam enfrentando congestionamentos desde a Avenida Presidente Vargas, na altura do prédio dos Correios. Aquele trecho é o mais complicado, na medida em que os ônibus precisam se posicionar lado a lado para acessar o corredor, dando um nó no trânsito.

Em alguns pontos da Rio Branco os motoristas enfrentam retenções nas pistas fora do BRS por conta de carros-fortes e vans que estão parando do lado esquerdo da avenida. Guardas municipais e operadores da CET-Rio tentam ordenar o trânsito.

Alguns passageiros disseram também estar confusos com o funcionamento do BRS e não sabem ao certo onde podem embarcar e desembarcar. A professora Márcia Ribeiro, por exemplo, conta que ficou mais de 15 minutos andando de um lado para o outro, procurando o ponto para embarcar em um ônibus para Copacabana.

— Está muito mal sinalizado, só hoje vi a distribuição de panfletos indicando os pontos. Mas isso deveria ter sido feito preventivamente, antes do início do BRS — protesta.
A secretária Virgínia Braga, que mora na Penha e trabalha na Cinelândia, contou que levou uma hora entre a Leopoldina e o final da Rio Branco:

— Espero que melhorem este sistema para os próximos dias porque do jeito que está hoje ficará insuportável.

O casal Maria Lúcia Sousa e Durval de Oliveira Paes reclamou da disposição dos pontos de ônibus. Eles desembarcaram do ônibus da Linha 322, vindos de Bonsucesso, no ponto da Rio Branco na altura da Rua Sete de Setembro e tiveram que caminhar de volta até a Presidente Vargas:

— Ele vem pela rodoviária e depois do Cais do Porto só tem este ponto na Rio Branco. O endereço que vou é no início da Presidente Vargas, e agora tenho que caminhar até lá. A viagem foi estressante, com todos os passageiros brigando com o motorista, que argumentou que se parasse no ponto errado teria que pagar uma multa alta.

Nos pontos de ônibus, além dos operadores que distribuem panfletos informatiuvos sobre o BRS, há também duplas de PMs que participam do Programa Estadual de Integração na Segurança. São 20, ao todo, fazendo levantamento sobre as linhas e horários que passam na Rio Branco. Eles disseram que a ordem agora não é multar e sim orientar os motoristas.

O BRS da Rio Branco começou às 6h desta quinta-feira, em pleno rush de fim de ano — que já deixou os acessos ao Rio congestionados na quarta-feira. Os itinerários de 61 linhas intermunicipais sofreram alterações. Essas linhas, que transportam 3,6 milhões de passageiros por mês e têm frota de 772 veículos, não poderão mais parar ao longo da Rio Branco. Esses coletivos só vão ser autorizados a desembarcar e pegar passageiros na Avenida Presidente Vargas, na Rua Araújo Porto Alegre e nos seus terminais

A mão da Rua Senador Dantas e de outras três vias — Avenida Luis de Vasconcelos; Rua Lelio Gama (trecho entre a Avenida Chile e Senador Dantas) e Rua do Carmo (trecho da São José para Rua da Assembleia) — foram invertidas. Desde a madrugada de terça, a prefeitura faz as adaptações necessárias nessas vias, o que ocasionou congestionamentos na quarta. Também foram alterados os itinerários de todas as linhas que dobravam à esquerda na Avenida Rio Branco, que passarão a circular pela Rua Senador Dantas.

O BRS funcionará nos dias úteis até as 21h e, nos sábados, até as 14h. Nos domingos e feriados a passagem de automóveis no corredor ficará liberada. A Secretaria municipal de Transportes estima que, com o novo corredor exclusivo para ônibus, haverá redução de cerca de 45% do total de coletivos que trafegam pela avenida. O tempo total gasto para percorrer a via, num coletivo, será reduzido em 30%.

— As mudanças já foram feitas e tudo funcionará positivamente. Os ônibus não poderão virar à esquerda na Avenida Rio Branco — disse o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão.

Segundo Sansão, o principal problema da Rio Branco eram os giro à esquerda que alguns ônibus faziam para entrar na Avenida Almirante Barroso. O movimento atrapalhava o fluxo. Com as mudanças de mão, os coletivos serão obrigados a entrar na Rua Senador Dantas.

— A maior dificuldade que enfrentaremos será a adaptação dos ônibus intermunicipais. O carioca tem o hábito de atravessar fora da faixa e no meio da pista. Com implantação do BRS fica arriscado porque os coletivos ganham velocidade e aumentam os riscos de atropelamentos — disse ele.

As mudanças no tráfego da região já começaram no início da semana, com seis linhas de ônibus (107, 136, 157, 158, 176 e 184) que circulavam pela Rua Senador Dantas tendo seus itinerários alterados para a Avenida Rio Branco. O Centro vai ganhar cinco pontos diferentes de BRS (BRS 1, BRS 2, BRS 3, BRS 4 e BRS 5).

Próximo BRS será na Avenida Presidente Vargas

Na quarta-feira foram transferidos os pontos terminais localizados na Rua Araújo Porto Alegre para o Terminal Misericórdia (na Praça Quinze), com alterações nos itinerários das linhas 348, 352 e 368. Os terminais localizados na Avenida Almirante Barroso — na pista sentido Antônio Carlos-Rio Branco — foram transferidos para a Avenida Nilo Peçanha, entre as Avenidas Presidente Antônio Carlos e Graça Aranha, com mudanças nos itinerários das linhas 2295, 2302 e 2305.

Com o novo BRS da Avenida Rio Branco, os usuários das linhas intermunicipais, vindas em sua maior parte da Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo, terão que desembarcar na Rio Branco somente entre a Praça Mauá e a Avenida Presidente Vargas ou nas paradas do Mergulhão da Praça Quinze e do trecho entre este e os pontos finais de cada trajeto nos terminais Augusto Severo, Menezes Cortes, Passeio e Misericórdia.

Apesar do otimismo, a rápida implementação do sistema foi criticada pelo Departamento de Transportes Rodoviários (Detro), responsável pela fiscalização das linhas intermunicipais. Segundo o presidente em exercício do órgão, Alcino Carvalho, as mudanças foram repassadas ao Detro às vésperas de serem feitas:

— Isso dificultou a adequação da operação da frota intermunicipal e a comunicação antecipada
aos usuários.

Este é o segundo BRS no Centro do Rio, onde já opera o da Rua Primeiro de Março/ Avenida Presidente Antônio Carlos. A prefeitura anunciou que o próximo BRS será o da Avenida Presidente Vargas, já em janeiro.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Faixa exclusiva para ônibus começa a funcionar na Avenida Rio Branco

28/12/2011 - O Globo

Senador Dantas e outras ruas do Centro têm mão invertida

RONALDO BRAGA

Marcação do BRS da Avenida Rio Branco, que começa a funcionar nesta quinta-feira
MARCOS TRISTÃO / O GLOBO

RIO - Começa às 6h desta quinta-feira, em pleno rush de fim de ano — que já deixou os acessos ao Rio congestionados na quarta-feira — o sistema Bus Rapid Service (BRS) da Avenida Rio Branco, no Centro. Os itinerários de 61 linhas intermunicipais sofrerão alterações. Essas linhas, que transportam 3,6 milhões de passageiros por mês e têm frota de 772 veículos, não poderão mais parar ao longo da Rio Branco. Esses coletivos só vão ser autorizados a desembarcar e pegar passageiros na Avenida Presidente Vargas, na Rua Araújo Porto Alegre e nos seus terminais.

VEJA TAMBÉM
Entenda como funciona o BRS da Rio Branco
Linhas intermunicipais sofrerão alterações com BRS do Centro
Implantação do BRS provoca mudanças de itinerários no Centro
Ônibus fretados não vão poder passar pelo BRS do Centro

A mão da Rua Senador Dantas e de outras três vias — Avenida Luis de Vasconcelos; Rua Lelio Gama (trecho entre a Avenida Chile e Senador Dantas) e Rua do Carmo (trecho da São José para Rua da Assembleia) — serão invertidas. Desde a madrugada de anteontem a prefeitura faz as adaptações necessárias nessas vias, o que ocasionou congestionamentos na quarta. Também foram alterados os itinerários de todas as linhas que dobravam à esquerda na Avenida Rio Branco, que passarão a circular pela Rua Senador Dantas.

O BRS funcionará nos dias úteis até as 21h e, nos sábados, até as 14h. Nos domingos e feriados a passagem de automóveis no corredor ficará liberada. A Secretaria municipal de Transportes estima que, com o novo corredor exclusivo para ônibus, haverá redução de cerca de 45% do total de coletivos que trafegam pela avenida. O tempo total gasto para percorrer a via, num coletivo, será reduzido em 30%.

— As mudanças já foram feitas e tudo funcionará positivamente. Os ônibus não poderão virar à esquerda na Avenida Rio Branco — disse o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão.

Segundo Sansão, o principal problema da Rio Branco eram os giro à esquerda que alguns ônibus faziam para entrar na Avenida Almirante Barroso. O movimento atrapalhava o fluxo. Com as mudanças de mão, os coletivos serão obrigados a entrar na Rua Senador Dantas.

— A maior dificuldade que enfrentaremos será a adaptação dos ônibus intermunicipais. O carioca tem o hábito de atravessar fora da faixa e no meio da pista. Com implantação do BRS fica arriscado porque os coletivos ganham velocidade e aumentam os riscos de atropelamentos — disse ele.

As mudanças no tráfego da região já começaram no início da semana, com seis linhas de ônibus (107, 136, 157, 158, 176 e 184) que circulavam pela Rua Senador Dantas tendo seus itinerários alterados para a Avenida Rio Branco. O Centro vai ganhar cinco pontos diferentes de BRS (BRS 1, BRS 2, BRS 3, BRS 4 e BRS 5).

Próximo BRS será na Avenida Presidente Vargas

Na quarta-feira foram transferidos os pontos terminais localizados na Rua Araújo Porto Alegre para o Terminal Misericórdia (na Praça Quinze), com alterações nos itinerários das linhas 348, 352 e 368. Os terminais localizados na Avenida Almirante Barroso — na pista sentido Antônio Carlos-Rio Branco — foram transferidos para a Avenida Nilo Peçanha, entre as Avenidas Presidente Antônio Carlos e Graça Aranha, com mudanças nos itinerários das linhas 2295, 2302 e 2305.

Com o novo BRS da Avenida Rio Branco, os usuários das linhas intermunicipais, vindas em sua maior parte da Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo, terão que desembarcar na Rio Branco somente entre a Praça Mauá e a Avenida Presidente Vargas ou nas paradas do Mergulhão da Praça Quinze e do trecho entre este e os pontos finais de cada trajeto nos terminais Augusto Severo, Menezes Cortes, Passeio e Misericórdia.
Apesar do otimismo, a rápida implementação do sistema foi criticada pelo Departamento de Transportes Rodoviários (Detro), responsável pela fiscalização das linhas intermunicipais. Segundo o presidente em exercício do órgão, Alcino Carvalho, as mudanças foram repassadas ao Detro às vésperas de serem feitas:

— Isso dificultou a adequação da operação da frota intermunicipal e a comunicação antecipada aos usuários.

Este é o segundo BRS no Centro do Rio, onde já opera o da Rua Primeiro de Março/ Avenida Presidente Antônio Carlos. A prefeitura anunciou que o próximo BRS será o da Avenida Presidente Vargas, já em janeiro.

Avenida Rio Branco ganha BRS nesta quinta-feira

28/12/2011 - Agência Rio

O segundo corredor exclusivo de ônibus no Centro da cidade, BRS (Bus Rapid Service), começa a funcionar na manhã desta quinta-feira (29) na Avenida Rio Branco, no trecho entre a Candelária e a Cinelândia. O novo sistema já foi implantado pela Prefeitura do Rio em Copacabana, Ipanema e Leblon, e desde o dia 17 na Avenida Presidente Antônio Carlos e na Rua Primeiro de Março, no Centro do Rio.

De acordo com a Prefeitura, o corredor exclusivo de ônibus vai organizar a circulação e pontos de parada, com a nova identificação BRS (1,3,4 e 5), de 91 linhas municipais que passam pela Rio Branco, ao mesmo tempo remanejar para outros locais 65 linhas intermunicipais que circulavam por esse mesmo corredor.

Segundo o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, no próximo ano o sistema deve chegar na Zona Norte. "O BRS da Avenida Rio Branco e da Rua Araújo Porto Alegre é mais uma etapa do processo de racionalização das linhas municipais de ônibus. Em janeiro, o sistema chegará à Avenida Presidente Vargas e depois a Prefeitura vai levar os corredores preferenciais para ônibus a bairros da Zona Norte", avisa.

O secretário acrescenta que a implantação dos corredores BRS, além de priorizar o transporte público de passageiros, contribui para o trânsito em geral porque organiza a circulação dos veículos. "Conseguimos bons resultados nos corredores de bairros da Zona Sul e temos certeza de que eles serão positivos na região central da cidade.", disse.

Para não comprometer a fluidez do BRS Rio Branco, a Prefeitura alterou o sentido de direção da Rua Senador Dantas, que agora passa a ser no sentido Rua do Passeio / Av. Almirante Barroso. Essa medida de engenharia de tráfego elimina o gargalho de trânsito provocado pelos ônibus que precisavam cruzar a Rio Branco da direita para a esquerda para acesar as ruas Almirante Barroso, Aráujo Porto Alegre e Santa Luzia.

As linhas intermunicipais que não passam mais na Rio Branco foram distribuídas para seis pontos: Av. Graça Aranha (13 linhas); Rua Araújo Porto Alegre (9 linhas); Rua do México, próximo à Rua Pedro Lessa (12 linhas ); Rua do México próximos à Rua Araújo Porto Alegre e Av. Nilo Peçanha (9 linhas); Av. Marechal Aguinaldo Caiado de Castro (15 linhas ) e Rua Evaristo da Veiga (6 linhas).

A exemplo dos demais BRS implantados, o horário de funcionamento do corredor da Rio Branco será das 6h às 21h, nos dias úteis; das 6h às 14h, aos sábados, não funcionando nos domingos e feriados. No período estabelecido para o BRS, veículos particulares ou outros que não estejam autorizados, serão, numa primeira etapa, advertidos por agentes da Guarda Municipal e operadores da CET-Rio, e multados, após o período de tolerância.

PB

Linhas intermunicipais sofrerão alterações com BRS do Centro

28/12/2011 - O Globo

Trajetos só sofrerão modificações na área central do Rio

RIO - O sistema de BRS para ônibus na Avenida Rio Branco, no Centro do Rio, começa a funcionar a partir das 6h desta quinta-feira. Além das alterações de itinerários das linhas de ônibus municipais - que já foram divulgadas -, 61 linhas intermunicipais sofrerão alterações já que não poderão mais trafegar por algumas ruas da região. Segundo o Detro, essas linhas transportam em média 3.688.445 passageiros por mês, com uma frota de 772 veículos.

Embora a administração municipal alegue ter negociado as mudanças com todos os órgãos envolvidos, na verdade, estas foram repassadas ao Detro às vésperas de sua implantação, o que dificulta a adequação da operação da frota intermunicipal e a comunicação antecipada aos usuários. Neste primeiro momento, o serviço prestado àqueles que vêm de outros municípios foi prejudicado, mas a Prefeitura do Rio, a partir de nossas ponderações, já se dispôs a analisar novas alternativas na tentativa de minimizar este impacto negativo afirma, em nota, o presidente em exercício do Detro, Alcino Carvalho.

Os usuários, vindos em sua maior parte da Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo, terão que desembarcar na Rio Branco somente entre a Praça Mauá e a Avenida Presidente Vargas. Outra opção são as paradas do Mergulhão da Praça Quinze e do trecho entre o mergulhão e os pontos finais de cada trajeto nos terminais Augusto Severo, Menezes Cortes, Passeio e Misericórdia.

O Detro ressalta que os itinerários só sofreram modificações em sua passagem pela área central do Rio, mantendo o antigo trajeto nas demais áreas. Fiscais do Detro estarão na região, a fim de orientar os passageiros.

Nos itinerários entre Niterói e Rio terão alteração nos itinerários as linhas:

- Auto Viação 1001: Charitas-Castelo, Charitas-Castelo (AC) e Itaipu-Castelo;

- Garcia: Charitas-Castelo e Santa Rosa-Passeio;

- Viação Mauá: Niterói-Praça XV (SA), Niterói-Praça XV (AC) e Niterói-Castelo

- Auto Lotação Ingá: Charitas-Castelo (Fonseca-SA), Charitas-Castelo (Fonseca-SAC) e Charitas-Castelo (Fonseca-A);

- Viação Pendotiba: Itaipu-Castelo, Pendotiba-Castelo (SA) e Pendotiba-Castelo (A).

Entre Rio Bonito, São Gonçalo e Rio, sofrerão alteração as linhas:

- Auto Ônibus Fagundes: Alcântara-Castelo, Alcântara-Castelo (521D), Apolo III-Castelo e Santa Isabel-Castelo;

- Coesa: São Gonçalo Passeio (110D), São Gonçalo-Passeio, Alcântara-Passeio (SA) e Alcântara-Passeio (AC);

- Rio Ita: Rio-Bonito-Praça XV, Venda das Pedras- Praça XV, Venda das Pedras Castelo, Rio Bonito-Castelo e Manilha- Praça XV;

Nos trajetos entre Maricá e Rio, mudam o itinerário:

- Viação Nossa Senhora do Amparo: Maricá-Castelo (SA), Maricá-Castelo (AC), Ponta Negra-Castelo e Itaipuaçu-Castelo.

Vindas da Baixada Fluminense, terão itinerários alterados as linhas:

- Auto Viação Reginas: Vilar dos Teles Praça XV (427C), Guapimirim-Castelo, Magé-Castelo e Magé-Castelo (AC);

- Viação Jurema: Duque de Caxias- Praça XV (SAC) e Duque de Caxias-Praça XV (AC);

- Flores: Coelho da Rocha-Praça XV (SA) e Coelho Branco - Central;

- Limousine Carioca: Duque de Caxias Passeio (Vigário Geral), Duque de Caxias Castelo (25 de Agosto) e Duque de Caxias Castelo (25 de Agosto/Itatiaia);

- Evanil: Nova Iguaçu-Praça XV, Nova Iguaçu-Castelo (Plínio Salgado), Cabuçu-Castelo e Nova Iguaçu- Castelo (Vila Nova);

- Real Rio: Itaguaí-Castelo;

- Transmil: Mesquita-Passeio e Nilópolis-Passeio;

- Rei: Santa Cruz da Serra- Passeio, Xerém- Passeio (SA), Xerém-Passeio (AC) e Taquara-Praça Mauá;

- Mageli: Vilar dos Teles-Castelo e Éden-Castelo;

- União: Saracuruna-Passeio (SA), Saracuruna-Passeio (A), Piabetá-Passeio (SA) e Piabetá-Passeio (AC), Parque São Vicente Passeio.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

No Rio, Mais 87 ônibus articulados são comprados para os corredores exclusivos de ônibus

23/12/2011 - Diário do Grande ABC

Todos estes veículos já contam com a tecnologia BlueTec 5, que se destaca por motores mais potentes, econômicos e ecológicos, atendendo ao Proconve P-7, legislação que entra em vigor no País a partir do próximo dia 1º de janeiro e que exige menor emissão de poluição veicular.

A Jabur e a Pégaso irão atuar no BRT (termo Transoeste, primeiro projeto de corredores exclusivos do Rio de Janeiro, que já tem duas estações em atividade, devendo ser concluído no primeiro semestre de 2012, com 64 estações.

Segundo Gilson Mansur, diretor de Vendas e Marketing de Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil, a Empresa está orgulhosa de poder entregar os primeiros veículos que irão operar no BRT do Rio de Janeiro. "Isso reforça a confiança e a liderança da nossa marca na região e no mercado brasileiro como um todo. Os ônibus articulados escolhidos, modelo O 500, são os lideres absolutos de vendas no País desde seu lançamento, em 2006, com mais de 1.000 unidades vendidas e mais de 70% de participação em seu segmento".

Copa do Mundo
"A maioria das cidades que receberão os jogos da Copa do Mundo de 2014 já optou pelo sistema BRT. Elas se apoiam em vantagens como custos de implantação até dez vezes menores e um prazo até dois terços menor em comparação com outros modais, como trem e metrô, para transportar a mesma quantidade de passageiros", diz Gustavo Nogueira, especialista em Sistemas BRT da área de Marketing de Produto - Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil. "Esses benefícios também são válidos para quaisquer outras cidades que queiram prestar um serviço de transporte coletivo de maior qualidade para a população".

A Mercedes-Benz tem conhecimento e experiência mundial e local para a implantação desse tipo de sistema. A marca está presente hoje em todos os principais BRTs no mundo, como os de São Paulo e Curitiba no Brasil, Bogotá na Colômbia, Santiago do Chile, México, Turquia e África do Sul. Os sistemas desses países figuram entre os que mais transportam passageiros por ônibus urbanos no mundo.

Prefeitura do Rio proíbe tráfego de frescões intermunicipais no BRS da Primeiro de Março, no Centro

22/12/2012 - Extra Online

A Secretaria municipal de Transportes publica na edição desta quarta-feira do Diário Oficial do Município resolução que proíbe o tráfego de ônibus de linhas intermunicipais do tipo rodoviário (frescões) que circulam na Rua Primeiro de Março. Como alternativa à restrição, os veículos deverão cumprir o seguinte itinerário a partir da Av. Presidente Antônio Carlos: ... Rua Marechal Aguinaldo Caiado de Castro; Rua Alfredo Agache; Av. Presidente Vargas...

A medida tem como objetivo garantir o pleno funcionamento do corredor preferencial de ônibus (BRS) na Rua Primeiro de Março, que registrou saturação nos primeiros dias de funcionamento. Depois de cinco dias monitorando a operação do BRS na Antônio Carlos / Primeiro de Março, o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, constatou que tanto os ônibus de fretamento (condomínios, empresas e turismo) quanto os frescões intermunicipais comprometem a fluidez do corredor.

— Os ônibus do tipo rodoviário das linhas intermunicipais partiam do Terminal Menezes Cortes e já não paravam na Primeiro de Março. Essa alteração de itinerário desafoga o fluxo do corredor BRS em 18% — justifica o secretário.

sábado, 17 de dezembro de 2011

Centro do Rio já tem corredor exclusivo para ônibus

17/12/2011 - Agência Rio

Da Redação

Entrou em funcionamento neste sábado (17) o novo Bus Rapid Service (BRS) da prefeitura, no Centro da cidade. Uma faixa exclusiva para ônibus foi implantada na Avenida Presidente Antônio Carlos e seguirá até a Rua Primeiro de Março.

Segundo informou a prefeitura, 71 linhas circularão pelo corredor de 1,2 km de extensão e os pontos serão organizados da seguinte forma: BRS 1, BRS 2, BRS 3, BRS 4 e BRS 5. A frota será reduzida em 15% e oito linhas terão os trajetos modificados.

O secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, aproveitou a oprtunidade para informar que no dia 27 deste mês de dezembro será implantado o BRS (corredor preferencial para ônibus) da Avenida Rio Branco, que irá percorrer toda a via, da Candelária até a Cinelândia.

Uma faixa azul foi implantada na pista lateral da Avenida Presidente Antônio Carlos e na Rua. Primeiro de Março. Haverá pontos na Antonio Carlos (pistas lateral e central), na Rua Primeiro de Março e na Avenida Beira-Mar. Os pontos de parada das linhas intermunicipais estarão localizados nas vias transversais. Estas linhas não farão paradas ao longo do BRS. Apenas ônibus e táxis embarcados podem circular na faixa azul por toda a sua extensão.

Táxis estão autorizados a efetuar embarque e desembarque no lado esquerdo das ruas com BRS. Táxis especiais adaptados poderão efetuar embarque e desembarque de passageiros e veículos particulares poderão utilizar a faixa para efetuar giro à direita e acessar estacionamentos. Os horários de funcionamento são os seguintes: 6h às 21h (dias úteis), 6h às 14h (sábados) e Livre aos domingos e feriados.

MS

Ônibus intermunicipais deixam de circular pelo BRS do Centro

16/12/2011 - O Globo

Corredor será implantando neste sábado, na Presidente Antonio Carlos e na Primeiro de Março

RIO - Devido à implantação do BRS no Centro do Rio, neste sábado, os ônibus intermunicipais que circulam pela Avenida Presidente Antonio Carlos e pela Rua Primeiro de Março deixarão de embarcar e desembarcar passageiros nestas vias. A mudança é uma determinação da prefeitura. Hoje, 14 linhas intermunicipais trafegam no trajeto completo do corredor, transportando 39.608 passageiros por dia. Outras, 41 linhas passam por trechos do BRS.
Veja as linhas intermunicipais que mudarão o ponto de parada
A partir deste sábado, os coletivos que saem de diversos municípios do estado com destino ao Centro poderão parar apenas na Avenida Presidente Vargas, na altura da Candelária, e no ponto final das linhas. Neste primeiro dia de operação, fiscais do Detro estarão nas duas vias para orientar os passageiros sobre as mudanças.

VEJA TAMBÉM

Veja as linhas intermunicipais que mudarão o ponto de parada
Ipanema e Leblon ganham novo BRS
Copacabana ganha corredor expresso para ônibus
O novo BRS (corredor preferencial para ônibus) da Presidente Antônio Carlos e da Primeiro de Março, no Centro, deveria ter começado a funcionar no dia 10, mas a sua implantação foi adiada por causa da realização de um evento gospel, no mesmo dia.
No corredor, vão circular 71 linhas, com pontos organizados em cinco grupos (BRS 1, BRS 2, BRS 3, BRS 4 e BRS 5). O sistema visa a melhorar o transporte e o trânsito na cidade.

A prefeitura informou que o novo corredor terá 1,2 km de extensão, entre a Avenida Presidente Antônio Carlos e a Rua Primeiro de Março. Segundo o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, o BRS é uma ação de ordenamento, uma solução de engenharia de tráfego, cujo objetivo principal é dar prioridade ao transporte coletivo, racionalizando o uso da via — afirmou o , ao G1.

A meta da secretaria é reduzir o tempo de viagem em pelo menos 30%. De acordo com o secretário, haverá uma redução de 15% das frotas que passam pelo local. Atualmente, a via recebe cerca de 350 ônibus municipais e 150 intermunicipais por hora. O secretário ressaltou que o número de linhas, no entanto, não será alterado.

— Cada BRS tem o seu ganho. Em Copacabana, houve uma redução pela metade do seu percurso. Algo semelhante aconteceu no Leblon e em Ipanema. No Centro, a gente gostaria de chegar ao mesmo grau de redução. Mas se a gente conseguir uma redução de 30% já está bom, porque no Centro a confusão é maior — disse o secretário.

BRS da Avenida Rio Branco será implantado no dia 27 de dezembro

17/12/2011 - O Globo

RIO - O secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, anunciou, na manhã deste sábado, durante a inauguração do BRS Centro, na Avenida Primeiro de Março, que no dia 27 de dezembro será implantado o BRS (corredor preferencial para ônibus) da Avenida Rio Branco, que irá percorrer toda a via, da Praça Mauá até a Cinelândia. De acordo com Sansão, o corredor exclusivo para ônibus também terá duas faixas exclusivas para coletivos e provocará uma inversão de mão na Rua Senador Dantas. Essa mudança será feita na véspera, no dia 26 de dezembro.

Segundo Sansão, o principal problema da Avenida Rio Branco é que alguns ônibus fazem um giro à esqueda para entrar na Avenida Almirante Barroso, atrapalhando o fluxo. Com essa mudança de mão, os coletivos serão obrigados a entrar na Rua Senado Dantas. O secretário também anunciou a instalação do próximo BRS, o da Avenida Presidente Vargas em janeiro e disse que o próxima região a receber um corredor será a Zona Norte.
Na avaliação de Sansão, a implantação dos BRS no Centro terá uma grande dificuldade: a adaptação dos pedestres.

— A maior dificuldade será a adaptação dos ônibus intermunicipais porque eles não terão mais paradas na Primeiro de Março. Eles só vão parar na Avenida Presidente Vargas, na Rua Araújo Porto Alegre e nos seus terminais. Um outro problema que precisamos trabalhar é a educação da travessia dos pedestres. O carioca tem o hábito de atravessar fora da faixa e no meio da pista, por entre os carros e, com implantação do BRS fica arriscado porque os ônibus ganham velocidade e aumentam os riscos de atropelamentos - disse Sansão.
Trânsito fluiu sem problemas

O trânsito no Centro do Rio fluiu sem problemas no primeiro dia do BRS Centro. Ao longo do 1,2 quilômetro de extensão do novo corredor, agentes da CET-Rio e guardas municipais ocuparam cada cruzamento para prestar orientação aos motorista de carros de passeio. Fiscais de transportes
também estão espalhados pelo corredor para orientarem os motoristas de ônibus e fiscalizarem quaisquer irregularidades. De acordo com as regras, taxistas somente têm permissão para trafegar nas faixas exclusivas quando estiverem transportando passageiros. É proibido que táxis entrem no corredor para pegar passageiros. Carros de passeios flagrados circulando no corredor são multados. A infração é leve e custa R$ 53.

- Já estamos desde os últimos dois meses panfletando na cidade, informando aos motoristas e passageiros de ônibus sobre as alterações. Vamos manter o trabalho educativo pelas próximas semanas. Além disso, instalamos radares em cada cruzamento. No caso de carros de passeio que precisarem entrar à direita, os equipamentos foram programados para multar apenas os veículos que percorrerem dois cruzamentos - frisa o secretário Sansão.

O BRS funciona nos dias úteis entre 6h e 21h; nos sábados das 6h às 14h; e domingos e feriados a passagem no corredor é liberada.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Bilhete único terá três viagens com início de funcionamento dos BRTs

08/12/2011 - Extra


Os passageiros de ônibus que utilizarem o Bilhete Único Carioca (BUC) poderão fazer uma baldeação a mais sempre que o segundo embarque for feito nos corredores exclusivos de ônibus, os BRTs. O benefício passa a valer em maio do próximo ano, quando está previsto o início da operação do corredor TransOeste, que ligará a Barra da Tijuca a Santa Cruz e Campo Grande. Ou seja, em vez de dois embarques, esses usuários terão direito a três, desde que a viagem tenha seu primeiro transbordo nos BRTs.

A medida consta do Decreto Municipal 34.337, publicado no dia 16 de setembro. De acordo com o documento, o tempo de transbordo será de duas horas, "compreendido entre a passagem pelo primeiro e o terceiro validadores do(s) modal(is) eleito(s)". Em outras palavras, o texto permite o uso do cartão em diferentes meios de transporte, como trens e vans — que também serão integradas ao sistema.

Assim, será possível pegar um ônibus regular em Vargem Grande, por exemplo, embarcando em seguida no TransOeste na Avenida das Américas, e subir depois em outro ônibus, numa van ou num trem em Santa Cruz, no fim da viagem na Zona Oeste.

— É uma medida importante, pois os BRTs vão eliminar algumas linhas de ônibus que têm o mesmo trajeto, para evitar concorrência — disse Humberto Mygard, coordenador operacional do Bilhete Único.

Mudança nos terminais

A prefeitura também planeja transferir para o Terminal Américo Fontenelle, na Central do Brasil, todas as linhas que saem da Zona Sul e da Baixada Fluminense em direção ao Centro. Segundo o presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Rio (Fetranspor), Lélis Teixeira, o motivo para a mudança é a desativação da rodoviária da Praça Mauá e o provável fim do Largo da Misericórdia, na Praça Quinze.

— Vamos reformular o Américo Fontenelle, e as linhas da Baixada e da Zona Sul irão todas para lá. Negociamos com a prefeitura um novo local para o terminal da Praça Quinze. Sugerimos a Avenida Beira-Mar, mas o tombamento do Aterro do Flamengo é um empecilho — disse Lélis Teixeira.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Rio quer conectar transportes até a Olimpíada 2016

05/12/2011 - Portal 2014

Intenção do governo é interligar trem, metrô e ônibus para facilitar acesso aos locais de eventos

Estrada dos Bandeirantes: parte do trajeto do BRT Transolímpica (crédito: Divulgação)
ampliar

Diego Salgado

Palco da finalíssima da Copa de 2014 e também da Olimpíada de 2016, o Rio de Janeiro planeja uma ampla reformulação em seu sistema de transporte para suportar o fluxo dos milhares de turistas que circularão pela cidade durante os megaeventos, e também o crescimento econômico esperado para os próximos anos.

O principal projeto de transporte para a Copa é o corredor de ônibus Transcarioca, um dos BRTs (Bus Rapid Transit) planejados para a cidade, em construção desde março. A linha de 39 km ligará a Barra da Tijuca ao Aeroporto do Galeão, passando pelo setor hoteleiro e pelas áreas mais nobres da capital fluminense.

Para melhorar o acesso à zona sul e à Barra da Tijuca, bairro que concentrará grande parte dos equipamentos olímpicos e também o Centro de Mídia da Copa (International Broadcast Center, IBC), mais três linhas de BRT e uma de metrô serão construídas até 2015.

A intenção do governo é interligar os três modais de transporte (trem, metrô e ônibus) para facilitar o acesso aos principais locais dos eventos esportivos, como o Maracanã.

Dessa forma, a Secretaria Municipal de Transportes do Rio planejou a construção de um “anel de alta performance” (veja imagem). Além de facilitar o acesso dos torcedores, o anel será conectado aos principais hotéis da capital fluminense.

Tratado como prioridade pela secretaria, o anel só terá uma obra concluída até junho de 2013, quando o Rio recebe seu primeiro grande evento, a Copa das Confederações. O BRT Transoeste (Barra da Tijuca-Campo Grande) terá 56 km e deve estar pronto em junho de 2012. Até o momento, a prefeitura inaugurou duas das 64 estações.

Desapropriações
A linha da Copa, a Transcarioca, deve ser concluída somente em outubro de 2013. Com orçamento de R$ 1,88 bilhão, a linha terá financiamento de R$ 1,18 bilhão do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) por estar incluída na Matriz de Responsabilidades da Copa, documento assinado entre a União e os estados e municípios que receberão o Mundial.

Mas a prefeitura carioca enfrenta graves denúncias na desapropriação total ou parcial dos 3.630 imóveis que a Transcarioca demandará. Em abril deste ano, a relatora especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Moradia Adequada, Raquel Rolnik, divulgou um boletim sobre casos de violação de direitos humanos ocorridos durante as remoções.

A prefeitura, até meados de abril, já havia finalizado 63 processos de desapropriação. Em 37, as famílias ganharam casas do programa federal Minha Casa, Minha Vida. O restante passou a receber aluguel social.

Na construção da Transoeste, 268 famílias de oito comunidades foram indenizadas. De acordo com as lideranças comunitárias dos locais afetados, o valor das indenizações é insuficiente. Para o secretário municipal de Habitação, Jorge Bittar, o valor depende do orçamento da prefeitura e é necessário seguir o limite estabelecido em decreto.

Linhas
Mais dois BRTs estão previsto até os Jogos Olímpicos. O Transolímpica teve edital lançado em meados de setembro. A obra deve ser iniciada em 2012, com prazo de conclusão de 40 meses e custo de R$ 1,6 bilhão. O trecho terá 26 km e ligará o Recreio dos Bandeirantes a Deodoro, com 18 estações e dois terminais.

O Transbrasil vai percorrer os 20 km de extensão da avenida Brasil. Segundo o governo, a conclusão do projeto básico deve ocorrer dentro de cinco meses, mas ainda não há valor definido para a obra.

Além dos corredores de ônibus, o Rio de Janeiro também terá uma nova linha de metrô até a Olimpíada. Na última sexta-feira (18), o secretário estadual da Casa Civil, Regis Fichtner, anunciou a construção da linha 4. O trecho terá seis estações (Nossa Senhora da Paz, Jardim de Alah, Antero de Quental, Gávea, São Conrado, Jardim Oceânico), ligando a praça General Osório, em Ipanema, à Barra da Tijuca.

Orçada em R$ 5 bilhões, a linha deve transportar 300 mil passageiros por dia. Com isso, segundo a FGV (Fundação Getúlio Vargas), dois mil veículos devem deixar de circular nas avenidas Vieira Souto, Delfim Moreira e Niemeyer.


Anel de alta performance ligará os principais pontos da cidade (crédito: Divulgação)
ampliar
BRT Transcarioca
O que é: Corredor expresso de ônibus articulado, com 39 km. Ligação da Barra da Tijuca ao aeroporto internacional do Galeão. O trecho passará por Jacarepaguá, Curicica, Taquara, Tanque, Praça Seca, Campinho, Madureira, Vaz Lobo, Vicente de Carvalho, Vila da Penha e Penha.
Estágio: obra iniciada em março de 2011. Conclusão prevista para outubro de 2013.
Valor: R$ 1,88 bilhão 

BRT Transoeste
O que é: corredor expresso de ônibus articulado, com 56 km de extensão e 64 estações. Linha ligará a Barra da Tijuca a Santa Cruz e Campo Grande, passando pelos bairros do Recreio, Guaratiba, Barra de Guaratiba, Sepetiba.
Estágio: Após abertura do túnel da Grota Funda e término do viaduto da Salvado Allende, prefeitura inaugurou duas estações. Conclusão prevista para junho de 2012.
Valor: R$ 1,27 bilhão 

BRT Transolímpica
O que é: corredor expresso de ônibus articulado, com 26 km de extensão, 18 estações e dois terminais. Linha vai conectar o Recreio dos Bandeirantes, na Barra da Tijuca, à avenida Brasil, na zona norte.
Estágio: projeto básico concluído em março de 2010 e edital de licitação lançado em setembro deste ano. Obras em 2012 e conclusão em 40 meses.
Valor: R$ 1,6 bilhão. 

BRT Transbrasil
O que é: corredor expresso de ônibus articulado, com 40 km de extensão e cinco terminais. Trecho liga o bairro de Deodoro, na zona norte, ao centro da cidade.
Estágio: projeto básico deve ser concluído em abril de 2012.
Valor: indefinido.

Metrô Linha 4
O que é: extensão da rede metroviária até a Barra da Tijuca. A nova linha de seis estações terá conexão com a linha 1, na Praça General Osório, em Ipanema. Trecho terá capacidade de 300 mil passageiros por dia.
Estágio: início das obras em 2012 e conclusão em dezembro de 2015.
Valor: R$ 5 bilhões.

Siga o Portal Copa 2014 no twitter: http://www.twitter.com/portalcopa2014
 

Prefeitura anuncia a implantação do primeiro BRS do Centro do Rio

02/12/2011 - Agência Rio

A Prefeitura do Rio anunciou na tarde desta sexta-feira a implantação do Bus Rapid System (BRS) Antônio Carlos/Primeiro de Março, o primeiro corredor preferencial para ônibus do Centro, que entrará em operação no próximo dia 10. A partir desta data, 71 linhas circularão pelo corredor de 1,2 km de extensão e os pontos serão organizados da seguinte forma: BRS 1, BRS 2, BRS 3, BRS 4 e BRS 5. A redução da frota em 15% aumentará a velocidade operacional dos ônibus. Ao todo, oito linhas terão os trajetos modificados.

O secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, falou sobre os benefícios do BRS na cidade. “Com a implantação do BRS a quantidade de paradas cai pela metade. Nós vamos reduzir a frota da Presidente na Antônio Carlos e da Primeiro de Março em 15%. É um número significativo. Vamos melhorar o trânsito com isso, sem deixar de atender os passageiros, que são muitos”, disse.

De acordo com Sansão, a expectativa da prefeitura é reduzir significativamente o tempo de viagem neste trajeto. “Pretendemos reduzir sim o tempo de viagem. Hoje levamos cerca de 10 minutos para atravessar e queremos reduzir isso. O objetivo do BRS é esse: dar mais velocidade aos ônibus, ao transporte coletivo, arrumando a via, organizando e fazendo o trânsito ficar melhor de uma forma geral”, disse.

A faixa azul, onde apenas ônibus e táxis embarcados podem circular, será implantada na pista lateral da Avenida Presidente Antônio Carlos e na Rua Primeiro de Março. Haverá pontos seletivados na Antônio Carlos (pistas lateral e central), na Rua Primeiro de Março e na Avenida Beira-Mar. Os pontos de parada das linhas intermunicipais estarão localizados nas vias transversais. Estas linhas não farão paradas ao longo do BRS. Jás os veículos particulares poderão utilizar a faixa para efetuar giro à direita e acessar estacionamentos.

A partir da próxima segunda-feira, a Prefeitura do Rio inicia o trabalho de informação ao público com distribuição de material impresso e presença de promotores nos pontos e nas principais empresas da região.