sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Rio recebe novo conceito de ônibus

26/08/2011 - WEBTRANSPO: MARCO GARCIA - FOTOS: MARCO GARCIa

Scania fornece 200 modelos para o BRS -

Chassi foi encarroçado pela Neobus

Sede da final da Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016, a cidade do Rio de Janeiro iniciou sua preparação para receber pessoas do mundo inteiro, pelo menos no que diz respeito ao transporte de passageiros. Nesta semana, a Scania firmou um acordo com o Grupo Breda Rio para fornecer 200 unidades do ônibus K 230 4x2, para alimentar o sistema BRS (Bus Rapid Service), em implantação na cidade.

De acordo com Wilson Pereira, gerente executivo de vendas de ônibus da Scania Brasil, 100 unidades já foram entregues, custando aproximadamente R$ 400 mil cada. “Esses veículos trazem um conceito inédito no Rio de Janeiro para o transporte urbano de passageiros, focados na maximização do conforto e da acessibilidade”, destacou Pereira.



Segundo as especificações da montadora, o K 230 possui 12,5 metros, piso baixo, e capacidade para transportar 35 pessoas sentadas e 47 em pé, além de espaço para cadeirantes.

Como este anúncio surgiu de última hora, a empresa não teve tempo de colocá-lo em seu estande na 3ª edição da Transpúblico. Mas os visitantes podem acompanhar a novidade, que recebeu carroceria da Neobus, a pouco metros do espaço reservado à Scania.

Modelo possui sistema diferenciado para acesso de cadeirantesAtualmente, a capital fluminense conta com três linhas de transporte rápido em funcionamento na zona sul. Esse sistema opera com uma economia de até 40% no tempo das viagens, cuja velocidade média subiu de 13 km/h para 24 km/h. A prefeitura da cidade afirmou que 20 novos corredores nos próximos anos.

Feira

No evento que acontece no Transamérica Expo Center, em São Paulo, a marca sueca apresenta seus produtos voltados a atender o setores do transporte público e rodoviário. Estão expostos, além do K 230, os modelos K 270 6x2 de 15 metros e o K310 8x2/2 articulado com 20,30 metros de comprimento.

No Brasil, a companhia possui mais de 600 ônibus urbanos em operação. “Hoje, temos como o principal diferencial frente aos concorrentes trabalhamos junto com o cliente, sempre buscando desenvolver as melhores soluções dentro de suas reais necessidades”, concluiu o executivo da Scania.

domingo, 21 de agosto de 2011

Novo corredor de ônibus começa a funcionar no Leblon e em Ipanema

20/08/2011 - Agência Rio

A operação da faixa preferencial para os ônibus em Ipanema e no Leblon começou neste sábado (20). Agentes da Prefeitura estão no local para orientar os motoristas sobre as mudanças. Os corredores BRS (Bus Rapid System) ficam na Avenida Ataulfo de Paiva, no Leblon, e na Rua Visconde de Pirajá, em Ipanema. Agora, as vias têm uma faixa preferencial para ônibus e duas para outros veículos.

Segundo a Prefeitura, as ruas Gomes Carneiro e Francisco Sá também terão faixas exclusivas, integrando-se ao BRS de Copacabana, implantado em fevereiro. O sistema funciona das 6h às 21h (dias úteis) e das 6h às 14h aos sábados, não havendo operações aos domingos e feriados.

Das 55 linhas que passam atualmente nas duas avenidas, 48 permanecerão circulando no BRS e serão separadas em três grupos: BRS1, BRS2 e BRS 3, com 16 pontos, seis no Leblon, dez em Ipanema, distantes cerca de 250 metros entre si no caso de pontos de BRS diferentes. Oito linhas terão parte de seus itinerários modificados e não farão parte do novo sistema de corredor preferencial para o transporte público.

Confira as linhas:

438 (Leblon - Vila Isabel, via Jóquei) e 439 (Vila Isabel - Leblon, via túnel Rebouças/Jóquei) 

Itinerário alterado para Praça Atahualpa, Av. Visconde de Albuquerque, Av. Bartolomeu Mitre, R. Jardim Botânico. Não passarão mais na Av. Ataulfo de Paiva. (Itinerário anterior: Praça Atahualpa, Av. Visconde de Albuquerque, Av. Ataulfo de Paiva, Av.Bartolomeu Mitre, R. Jardim Botânico).

522 (São Conrado - Botafogo, via Jóquei - Circular) - Itinerário alterado para Av. Niemeyer, Av. Visconde de
Albuquerque, Av. Bartolomeu Mitre, R. Jardim Botânico. Não passará mais pela Av. Ataulfo de Paiva. (Itinerário
anterior: Av. Niemeyer, Av. Visconde de Albuquerque, Av. Ataulfo de Paiva, Av. Bartolomeu Mitre, R. Jardim
Botânico).

512 (Urca - Leblon, via Copacabana - Circular) e 574 (Glória - Leblon, via Copacabana - Circular)

Itinerário alterado para R. General San Martin, Av. Bartolomeu Mitre, R. Jardim Botânico. Não passarão mais pela Av. Ataulfo de Paiva. (Itinerário anterior: R. Gal. San Martin, Av. Visconde de Albuquerque, Av. Ataulfo de Paiva, Av. Bartolomeu Mitre, R. Jardim Botânico).
 
591 (São Conrado - Leme, via Copacabana - Circular) e 593 (Leme - São Conrado, via Rocinha - Circular)

Itinerário alterado para R. General San Martin, Av. Bartolomeu Mitre. Não passarão mais pela Av. Ataulfo de Paiva no sentido São Conrado (no sentido Leme vão continuar passando). (Itinerário anterior: R. General San Martin, Av.Visconde de Albuquerque, Av. Ataulfo de Paiva, Av. Bartolomeu Mitre).

503 (Botafogo - Alto Leblon, via Copacabana - Circular) 

Itinerário alterado para R. General San Martin, R. Rainha Guilhermina, Av. Visconde de Albuquerque. Não passará mais pela Av. Ataulfo de Paiva no sentido Alto Leblon. (Itinerário anterior: R. General San Martin, Av. Visconde de Albuquerque, Av. Ataulfo de Paiva, R. Rainha Guilhermina, Av. Visconde de Albuquerque).

PB


 

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

A Secretaria Municipal de Transportes informou nesta quarta-feira (17) que oito linhas que circulam atualmente Leblon e Ipanema terão parte de seus itinerários modificados e não integrarão o novo sistema de corredor preferencial para o transporte público com pontos seletivados. A mudança ocorrerá a partir do próximo sábado (20).

17/08/2011 - Agência Rio

Segundo a Prefeitura, as linhas cujos trajetos incluíam trechos pequenos, de apenas uma quadra, da Avenida Ataulfo de Paiva serão modificadas. A mudança não acarretará aumento de tráfego nas ruas internas dos bairros e não trará prejuízos aos passageiros que as utilizam. O material de divulgação do BRS, que está sendo distribuído à população local, desde o mês passado, inclui essas informações.

Confira as linhas afetadas:

438 (Leblon - Vila Isabel, via Jóquei) e 439 (Vila Isabel - Leblon, via túnel Rebouças/Jóquei) – Itinerário alterado para Praça Atahualpa, Av. Visc. de Albuquerque, Av. Bartolomeu Mitre, R. Jardim Botânico. Não passarão mais na Av. Ataulfo de Paiva. (Itinerário anterior: Praça Atahualpa, Av. Visc. de Albuquerque, Av. Ataulfo de Paiva, Av. Bartolomeu Mitre, R. Jardim Botânico).


522 (São Conrado - Botafogo, via Jóquei - Circular) - Itinerário alterado para Av. Niemeyer, Av. Visc. de Albuquerque, Av. Bartolomeu Mitre, R. Jardim Botânico. Não passará mais pela Av. Ataulfo de Paiva. (Itinerário anterior: Av. Niemeyer, Av. Visc. de Albuquerque, Av. Ataulfo de Paiva, Av. Bartolomeu Mitre, R. Jardim Botânico).

512 (Urca - Leblon, via Copacabana - Circular) e 574 (Glória - Leblon, via Copacabana - Circular) – Itinerário alterado para R. Gal. San Martin, Av. Bartolomeu Mitre, R. Jardim Botânico. Não passarão mais pela Av. Ataulfo de Paiva. (Itinerário anterior: R. Gal. San Martin, Av. Visc. de Albuquerque, Av. Ataulfo de Paiva, Av. Bartolomeu Mitre, R. Jardim Botânico).

591 (São Conrado - Leme, via Copacabana - Circular) e 593 (Leme - São Conrado, via Rocinha - Circular) – Itinerário alterado para R. Gal. San Martin, Av. Bartolomeu Mitre. Não passarão mais pela Av. Ataulfo de Paiva no sentido São Conrado (no sentido leme vão continuar passando). (Itinerário anterior: R. Gal. San Martin, Av. Visc. de Albuquerque, Av. Ataulfo de Paiva, Av. Bartolomeu Mitre).

503 (Botafogo - Alto Leblon, via Copacabana - Circular) – Itinerário alterado para R. Gal. San Martin, R. Rainha Guilhermina, Av. Visc. de Albuquerque. Não passará mais pela Av. Ataulfo de Paiva no sentido Alto Leblon. (Itinerário anterior: R. Gal. San Martin, Av. Visc. de Albuquerque, Av. Ataulfo de Paiva, R. Rainha Guilhermina, Av. Visc. de Albuquerque).

PB

TCU exige licenças ambientais para liberar R$ 500 milhões para construção da Transcarioca

16/08/2011 - O Globo, Luiz Ernesto Magalhães (luiz.magalhaes@oglobo.com.br)

RIO - O Tribunal de Contas da União (TCU) quer que a prefeitura apresente licenças ambientais para liberar cerca de R$ 500 milhões de um empréstimo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a construção do corredor exclusivo para ônibus articulados (BRT) Transcarioca (Barra da Tijuca-Aeroporto Internacional Tom Jobim). O TCU pede, ainda, um cronograma detalhado da execução da segunda etapa da obra (Penha-Aeroporto). O valor equivale a quase a metade do empréstimo de R$ 1,1 bilhão firmado entre o BNDES e o município do Rio.

O projeto tem um custo total estimado em R$1,6 bilhão, incluindo contrapartidas e os gastos com desapropriações, ainda em andamento com recursos municipais. As obras fazem parte do pacote de investimentos da prefeitura para a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016. Iniciada em março deste ano, a primeira etapa (Barra-Penha) já conta com licenciamento do Instituto Estadual do Ambiente (Inea). Mas o licenciamento para a segunda fase da obra, entre a Penha e o Aeroporto Tom Jobim, ainda deverá levar mais 30 dias. Ou seja, após a licitação marcada pela Secretaria municipal de Obras, na próxima semana, para a segunda etapa do projeto.

A Comissão Estadual de Controle Ambiental (Ceca) liberou a prefeitura de contratar um estudo de impacto ambiental (EIA/Rima). Mas concessão da chamada licença simplificada tem rituais a serem cumpridos.

- Mas antes de licenciarmos a obra, temos que realizar uma reunião pública para apresentar oficialmente o projeto à população. Isso faz parte do processo - explicou a presidente do Inea, Marilene Ramos.

A Secretaria municipal de Obras, por sua vez, informou que aguarda apenas a licença de instalação (LI) do Inea para poder iniciar a segunda etapa do projeto após concluída a licitação. E que também já vem realizando audiências públicas para apresentar o projeto.

A construção do Transcarioca vem sendo discutida há décadas na prefeitura, mas sempre priorizando o trecho entre a Barra e a Penha. Em 2010, a então ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, deu sinal verde para o BNDES financiar o projeto. Mas com a condição do traçado ser prolongado até o Aeroporto Tom Jobim.

No relatório sobre o projeto, os técnicos do Tribunal de Contas observaram também que há diferenças no custo de implantação entre os dois trechos. O trecho 1, Barra-Penha tem 27,6 Kms de extensão e 35 estações tem um custo médio de R$ 26 milhões por quilômetro implantado. Embora o Trecho 2 seja menor (10,5 quilômetros) o custo de implantação é bem maior: chega a R$ 68 milhões por quilômetro porque exigirá a construção de dois novos viadutos e uma ponte estaiada sobre o canal do Cunha, ligando ass ilhas do Governador ao do Fundão.

Ao todo, a prefeitura promete entregar quatro linhas de BRTs até as Olimpíadas. Dessas, duas já estão em andamento: o Transcarioca e o corredor Transoeste (Barra-Campo Grande), que está sendo executado com recursos próprios. A terceira linha será o BRT Transolímpico, a ser construída em uma das faixas de uma nova via expressa, com pedágio entre Barra e Deodoro. A construção será feita numa parceria público-privada. O município ainda tenta obter recursos da União pelo PAC da Mobilidade para o Transbrasil, que pretende implantar o serviço na Avenida Brasil.

As quatro linhas de BRTs serão operadas pelos consórcios de empresas que venceram a licitação organizada pela prefeitura no ano passado para reorganizar o sistema. Os veículos serão equipados com ar-condicionado, e terão a mesma tarifa dos ônibus - hoje fixada em R$ 2,50.

Os fiscais do TCU constataram ainda que, quando a prefeitura encaminhou pedido de empréstimo ao BNDES no ano passado, só havia estudos de demanda para o trecho Barra da Tijuca-Penha. E ainda assim os relatórios tomavam como base o ano de 2005. Passado esse prazo, os projetos não foram atualizados.

Como a questão da operação do BRT pelos consórcios das empresas não envolverá recursos federais, o TCU decidiu encaminhar o relatório ao Tribunal de Contas do Município (TCM) com uma sugestão que analise se a tarifa de R$ 2,50 é ou não compatível com o serviço que será prestado.

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Terminal de ônibus e shopping

04/08/2011 - O Globo

Está pronto o projeto do Terminal Rodoviário Pátio Alcântara, em São Gonçalo. Prevê duas praças, uma delas suspensa, duas lojas âncoras, 61 satélites e uma megaloja. Tem ainda seis baias de ônibus. A previsão é que as obras, a cargo da Garda, terminem no segundo semestre de 2012. É investimento de R$ 70 milhões.

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Rio em mutação: nova via expressa já rasga a Zona Oeste

01/08/2011 - O Dia, Christina Nascimento

Transoeste ocupa lugar de cinco favelas e túnel da Grota Funda toma forma. Moradores da Barra da Tijuca e Recreio rejeitam a obra

Primeiro dos quatro corredores de ônibus a ser inaugurado, a Transoeste - que liga a Barra da Tijuca a Santa Cruz - já começou a mudar os bairros que serão cortados pelo BRT. Cinco favelas no Recreio e em Guaratiba deixaram de existir. No lugar onde estavam, começa a aparecer o alargamento da Avenida das Américas e o viaduto no entroncamento com a Avenida Salvador Allende para chegar ao Túnel da Grota Funda.

O corredor vai provocar a racionalização da frota de ônibus na região. A Secretaria Municipal de Transportes adiantou que 40% das linhas, como Barra-Santa Cruz e Barra-Campo Grande, serão transferidas para o sistema BRT. Mas a facilidade que a Transoeste trará para que moradores de outras região cheguem à Barra e ao Recreio preocupa moradores desses bairros. Eles temem a falência do comércio, a favelização e o crescimento da violência.

"Não temos estrutura para suportar esse corredor. Ele é viável para quem vem trabalhar aqui. Essa é uma futura Avenida Brasil: ficará repleta de favelas e degradará a região", desabafou o presidente da Associação de Moradores do Recreio, Dair José Zanoteli.

O secretário municipal de Urbanismo, Sergio Dias, rebate: "Não há desvalorização de área porque você permite o acesso a pessoas de outras classes. É um elitismo atemporal: a melhoria do transporte público é uma evolução numa cidade".

Mais imóveis na região

No passo das mudanças que chegam aos bairros cortados pelo corredor Transoeste está o crescimento imobiliário. No mercado de venda e locação de imóveis, a via expressa já se reflete em procura maior das construtoras pelas regiões onde os ônibus BRT vão circular. A explicação é simples: a falta de um sistema de transporte inviabilizava morar em locais como Campo Grande, Santa Cruz e Recreio.

Dados da Associação de Dirigentes do Mercado Imobiliário (Ademi-RJ) mostra que o aumento de unidades habitacionais é de 30% ao ano na Zona Oeste.

Vizinhos já chamam corredor de Transtorno Oeste

Se o corredor de ônibus que vai ligar Barra a Santa Cruz vai representar rapidez e comodidade para algumas pessoas, para outras, a sua construção é sinônimo de problemas. É o caso da cozinheira Alindonéia Pereira Daniel, 59 anos, que mora no Recreio em terreno que abriga não só a sua casa, como as de três filhos. Seus bisnetos já são a 5ª geração da família que reside no local desde 1958.

"É a 'Transtornoeste'. A minha casa foi avaliada em R$ 280 mil, mas vou receber só R$ 58 mil. E não é o pior: cada um dos filhos vai ter que ir para um canto, porque as indenizações não permitem comprar um terreno grande como este", disse Alindonéia.

Num trecho da Av. das Américas, o único imóvel que sobrou foi o do casal mineiro Yeda Anna da Conceição, 71, e Joelson Jesus, 69. Não há uma decisão da prefeitura sobre o que será feito com a casa onde estão há 35 anos. Os imóveis vizinhos foram desapropriados. "Já disseram que teremos que sair. Mas também falaram que não. Vivemos a incerteza", diz Yeda.

Dono de uma loja de flores ornamentais no Recreio, o comerciante Antonio Jóia, 62, já calcula o prejuízo com o alargamento da via. Sem terem onde estacionar, os clientes sumiram: "Estou esperando o comunicado para sair. Imediatamente terei que demitir os seis funcionários".