quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Prefeitura do Rio divulga traçado de 2º lote do corredor Transcarioca


29/09/2010 19h24 - Atualizado em 29/09/2010 19h24 - RJ TV


Linha de ônibus articulados vai ligar Galeão à Barra da Tijuca.
Trecho divulgado nesta quarta tem 13 km e vai da Penha até o Tom Jobim.

A Prefeitura do Rio divulgou nesta quarta-feira (29) o traçado para o segundo lote do corredor Transcarioca, a linha de ônibus articulados que vai ligar o Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, na Ilha do Governador, à Barra da Tijuca, na Zona Oeste.
O trecho divulgado nesta quarta tem 13 km e vai da Penha até o Aeroporto Tom Jobim.

Do Largo da Penha, onde haverá um terminal, os ônibus – chamados de BRTs – vão passar por doze vias, entre elas a Rua Uranos, um viaduto sobre a Rua Sargento Peixoto, e a Estrada do Galeão.

O primeiro lote, da Penha, no subúrbio da cidade, até a Barra já está em fase de licitação.

O custo total da obra, desde a Barra, é de R$ 1,3 bilhão, e será dividido entre a Prefeitura e o governo federal.

Prefeitura promete melhoria com novo sistema de ônibus


29/9/2010
O Globo

A licitação dos ônibus é apontada pela Secretaria municipal de Transportes como um marco da melhoria da mobilidade no Rio. O transporte público passa a ser operado por apenas quatro consórcios, cada um responsável por uma região. Sem a disputa das empresas por passageiros, a expectativa é que as linhas (hoje são 453) sejam racionalizadas, possibilitando redução do número de ônibus em regiões saturadas, como a Zona Sul, e o aumento da oferta em áreas mal atendidas, como a Zona Oeste. Com isso, estima-se que seja possível reduzir a frota em pelo menos 10% (atualmente são oito mil ônibus).

Caberá também aos consórcios operar os BRTs, que terão 600 ônibus articulados, como anunciou o presidente do Rio Ônibus (sindicato das empresas), Lélis Teixeira. Segundo ele, com a infraestrutura dada pelo município, será finalmente possível melhorar o serviço prestado. A prefeitura, por sua vez, garante fiscalização firme sobre as operadoras, com base no novo Código Disciplinar dos Ônibus, e direcionada às linhas com mais reclamações. O secretário de Transportes, Alexandre Sansão, diz que as mudanças começarão a ser notadas em 30 de outubro, com o início do bilhete único municipal, e em janeiro, com a implantação de corredores de ônibus em Copacabana e Santa Cruz.

- Projetos largados na gaveta por governos anteriores e outros preparados por nós estão sendo postos em prática.

Eles causarão uma transformação no Rio, que terá um sistema inteligente de trânsito - promete Sansão.

Professor de engenharia de transportes da Coppe/UFRJ, Ronaldo Balassiano diz que a reordenação do transporte planejada pela prefeitura é bem-vinda. Ele considera o BRT uma alternativa eficiente, mas faz uma ressalva: de nada adiantará o investimento, se não houver mudança de comportamento da população: - É preciso um trabalho de conscientização. As pessoas têm que ser convencidas de que será vantajoso deixar o carro em casa e usar o transporte público.

Do contrário, ocorrerá como na África do Sul. Lá, inauguraram um BRT para a Copa, mas não houve divulgação e faltaram passageiros. Nem a população, nem os turistas sabiam usá-lo - diz Balassiano, alertando ainda para a importância da integração dos BRTs com os demais meios de transporte e outros serviços, como o comércio.

Outros projetos para melhorar o transporte público antes das Olimpíadas dependem da inauguração, prevista para dezembro de 2015, da Linha 4 do metrô (Zona Sul-Barra). Já as linhas 1 e 2 receberão, entre 2011 e 2012, os 19 novos trens comprados da China. E a SuperVia aguarda a chegada, a partir do ano que vem, do primeiro lote do total de 30 trens encomendados também da China. Mais 60 serão licitados.
Presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil e conselheiro do Rio Como Vamos, o urbanista Sérgio Magalhães afirma que a revitalização do sistema de trens é fundamental para o transporte de massa na Região Metropolitana. Ele diz que é necessário investir na melhoria das estações e na transformação do trem em metrô de superfície.

Vereadores vão ao MP contra lei que reduz o ISS das empresas de ônibus

COBRANÇA SIMBÓLICA


Publicada em 29/09/2010 às 23h27m
Rafael D'Angelo - 29/09/2010 - O Globo
RIO - A cobrança simbólica de 0,01% de ISS para as empresas de ônibus do Rio pode terminar na Justiça. Os vereadores Eliomar Coelho (PSOL), Paulo Pinheiro (PPS), Reimont (PT) e Clarissa Garotinho (PR) entraram, quarta-feira, com uma representação no Ministério Público (MP) questionando a constitucionalidade da lei, aprovada na semana passada. O documento foi entregue ao promotor Horácio Fonseca, assessor do procurador-geral Cláudio Lopes. Segundo os vereadores, a lei fere a Constituição Federal.
- O artigo 88 dos Atos das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT) estabelece que a redução de alíquotas só pode ser de até 2%, valor que já era cobrado das empresas de ônibus. Há exceções, mas o ISS não se enquadra nelas, e a lei é inconstitucional - afirmou Eliomar.
A redução da alíquota já estava prevista no edital da licitação para operar os serviços de ônibus da cidade , que pretende reorganizar o transporte público e implantar o bilhete único municipal até o fim do ano. Porém, segundo os vereadores, a medida não foi incluída na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), aprovada no fim de junho.
- A medida deveria constar da LDO de 2011, como estabelece a Lei de Responsabilidade Fiscal. É no mínimo estranho ela estar prevista no edital de licitação dos ônibus, mas não na LDO. Da forma como está, quem está subsidiando o bilhete único municipal é a população - criticou Reimont.
Segundo cálculos da prefeitura, a medida vai representar uma renúncia fiscal de R$ 33 milhões por ano. O cálculo também é questionado pelos parlamentares, que enviaram um pedido de informações ao Tribunal de Contas do Município (TCM) para avaliar se a estimativa está correta. A prefeitura do Rio informou que só vai se pronunciar caso seja notificada pelo MP.
A licitação para escolha das empresas de ônibus terminou no dia 2 de setembro. Os quatro consórcios que venceram são compostos por 40 das 47 empresas filiadas ao Sindicato das Empresas de Ônibus, que já operam na cidade. Antes da aprovação da lei, as empresas de ônibus já contavam com benefícios fiscais, pois a alíquota de 2% estava abaixo da cobrada de outro setores da economia, de 5%.

Transcarioca deve mudar paisagem da cidade

BARRA-GALEÃO


Publicada em 29/09/2010 às 23h29m
Isabela Bastos - O Globo - 29/09/2010
AVENIDA VINTE de Janeiro, na chegada ao aeroporto: fim do corredor. Foto: Marco Antonio Cavalcanti - O GloboRUA NA PENHA onde o segundo trecho da Transcarioca vai começar. Foto: Marco Antonio Cavalcanti - O Globo

RIO - As obras da Transcarioca - corredor expresso para ônibus, o chamado BRT, ligando a Barra ao Aeroporto Internacional Tom Jobim - deverão mudar a cara da cidade para quem chega ao Rio via Avenida Brasil ou Linha Vermelha. A proposta de trajeto do lote 2 do corredor (Penha-Aeroporto) prevê a construção de três viadutos e duas pontes. Os viadutos seriam erguidos sobre a estação de trem de Olaria, a Avenida Brasil (em Ramos) e a Estrada do Galeão (na Ilha do Governador). Já as pontes ficariam sobre o Canal do Cunha (na entrada da Ilha do Fundão) e sobre a Baía da Guanabara (ligando as ilhas do Governador e do Fundão). Esta última seria a primeira ponte estaiada (suspensa por cabos de aço presos a um grande pilar) do Rio.




O trajeto ainda é conceitual e será detalhado. Em 14 de outubro, a prefeitura licita o projeto básico da obra, orçada em R$ 1,1 milhão. O vencedor da licitação terá seis meses para fazer os estudos de viabilidade do traçado e de impacto ambiental, além de um levantamento do número de desapropriações necessárias. A previsão é que o lote 2 da Transcarioca tenha dez estações, incluindo integrações com trens da SuperVia e o futuro BRT da Avenida Brasil.
Transcarioca terá 13 quilômetros de extensão
Pela proposta, o trecho entre a Penha e o aeroporto terá 13 quilômetros de extensão, começando no Largo da Penha. De lá, a Transcarioca passaria pela Rua Monsenhor Alves Rocha (aos pés da Igreja da Penha) e cortaria parte do bairro de Ramos, passando pelas ruas Ibiapina e Uranos, até a estação de trem de Olaria. Um viaduto levará ao outro lado da linha férrea, até a Estrada Engenho da Pedra, de onde o corredor deverá seguir pela Rua Ismael Rocha até encontrar a Avenida Brasil. Um viaduto sobre a avenida deverá ligar a Transcarioca à Rua Sargento Peixoto e à Avenida Brigadeiro Trompowski, na entrada da Ilha do Fundão.
Uma ponte sobre o Canal do Cunha fará a conexão com o Fundão, de onde a Transcarioca, dividida em duas, circundará o Hospital Universitário Clementino Fraga Filho. Um outro viaduto será construído sobre a Estrada do Galeão, para dar acesso à Avenida Vinte de Janeiro, na chegada ao aeroporto, ao lado do viaduto já existente no local.
A ponte estaiada é considerada a mais importante do projeto:
- A ponte terá um projeto arquitetônico arrojado. A gente prevê a execução de um único pilar em concreto, que vai segurar com cabos de aço toda a estrutura de um vão de 80 metros. Será a ponte de entrada da cidade - disse o secretário municipal de Obras, Alexandre Pinto.
De acordo com o secretário, todos os viadutos e pontes serão de uso exclusivo do BRT e não haverá pistas extras para carros de passeio. Nos trechos de ruas que serão usados no projeto, o corredor terá faixas exclusivas para os ônibus - sempre respeitando a quantidade de faixas de rolamento que já existem hoje para os carros.
- Vamos agregar duas faixas para os ônibus ao longo das ruas. Por isso, se a via tiver duas faixas, passará a ter quatro. Não haverá supressão de espaço - acrescentou ele.
O número de desapropriações necessárias para o lote 2 também será determinado no projeto básico. Segundo Alexandre Pinto, a maior parte das desapropriações deverá ser feita em Ramos e Olaria, uma vez que vias previstas para o traçado - como Monsenhor Alves Rocha e Uranos - são estreitas.
Prefeitura quer número menor de desapropriações
A prefeitura trabalha com a expectativa de um número menor de remoções que o previsto para o lote 1 da Transcarioca, entre a Penha e a Barra. Nesse primeiro trecho, o município vem negociando a desapropriação de cerca de 3.600 imóveis, a um custo estimado em R$ 300 milhões. Para tentar diminuir as despesas, a Procuradoria Geral do Município tem feito $ções com moradores dos imóveis atingidos.
Ainda segundo Alexandre Pinto, o traçado prevê dez estações, mas esse número poderá sofrer modificações, de acordo com o projeto básico. Uma parada será construída no viaduto sobre a estação de trem de Olaria, para garantir integração direta com o ramal da SuperVia por rampas e escadas. O viaduto sobre a Avenida Brasil também terá uma estação, já contando com a integração com o futuro BRT da via expressa. Uma terceira parada, de maiores dimensões, será construída na Estrada do Galeão, para servir de integração com o sistema de ônibus interno da Ilha do Governador. Outras estações previstas seriam Uranos, Nerval Gouveia e Drummond (ambas na Estrada Engenho da Pedra), Brigadeiro Trompowski, Hospital Universitário Clementino Fraga Filho e Ilha do Governador (na entrada).
- O BRT vai passar na frente e atrás do hospital. Com isso, queremos integrar o Fundão a um sistema de transporte de massa para estudantes e funcionários - disse o secretário.
A meta da prefeitura é, uma vez conhecido o vencedor da licitação, ter o projeto arquitetônico do trecho pronto em dois meses. Isso para que o processo de licitação da obra possa ser iniciado. Os demais estudos ficariam prontos no prazo de seis meses.
- Queremos começar a obra do lote 2 ainda no primeiro semestre de 2011 - afirmou o secretário.


terça-feira, 28 de setembro de 2010

Fecomércio-RJ: Rio terá economia diária de R$ 1,7 milhão com Bilhete Único


Sistema causará mudanças no transporte da capital

POR DIEGO BARRETO - 28/09/2010 - O Dia
Rio - O Bilhete Único municipal, que começa a funcionar a partir de 30 outubro, vaibeneficiar mais de 680 mil passageiros. A estimativa faz parte de estudo divulgado ontem pela Fecomércio-RJ. O novo sistema, que seguirá o modelo adotado desde fevereiro em viagens intermunicipais, deve promover uma economia diária de R$ 1,7 milhão para os cariocas e provocar mudanças nos transportes da capital. A prefeitura estuda a racionalização de trajetos de linhas de ônibus, além da integração com trens, metrô e barcas.


A redução média de custos por passagem vai chegar a R$ 1,71. “A implantação deste benefício permitirá a redução no custo para empresários e trabalhadores. O empregador também poderá contratar funcionários que morem longe sem ser onerado por esta escolha”, alega Marcos Neves, superintendente de Relações Institucionais da Fecomércio-RJ.

Foto: Divulgação
O Bilhete Único municipal deve entrar em vigor no dia 30 de outubro | Foto: Divulgação
O tempo médio dos usuários do bilhete foi calculado pelos pesquisadores, que entrevistaram 1.077 cariocas. Para viagens sem baldeação, o tempo varia de 51 a 54 minutos. Já o trajeto com baldeação tem duração estimada em 79 minutos, segundo antecipou a coluna ‘Informe do DIA’, domingo.


Morador de Rocha Miranda, o técnico de informática Márcio Cunha, 32, comemora: “Trabalho na Zona Sul e pego dois ônibus. Com certeza vou aderir ao bilhete, que fará uma diferença boa no orçamento”.


Com a adoção do Bilhete Único, a secretaria municipal de Transportes (SMTR) estuda ainda a reordenação do sistema de transporte público por ônibus no município. A cidade foi dividida em áreas onde as linhas serão racionalizadas.


Integração


Entre as medidas que devem ser implantadas está a integração com metrô, trens e ônibus através da redefinição de trajetos. Outra novidade será a implantação de corredores exclusivos BRS, semelhantes aos BRT’s, mas sem a segregação total de faixas para coletivos. Segundo a SMTR, o primeiro bairro a ter o transporte reordenado será Copa, em janeiro.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Isenção fiscal para empresas de ônibus


O Dia - 24/09/2010 

Vereadores aprovam redução de ISS para 0,01%: menos R$ 33 milhões por ano

Rio - Foi aprovada ontem, em sessão extraordinária da Câmara de Vereadores, lei que altera o Código Tributário do Município do Rio, baixando de 2% para 0,01% a alíquota de Imposto Sobre Serviços  (ISS) cobrada de empresas de ônibus. O projeto polêmico, apresentado pelo prefeito Eduardo Paes no final de julho, conforme antecipou O DIA no dia 24 daquele mês, significará isenção fiscal de R$ 33 milhões por ano, segundo cálculos da prefeitura.

A sessão extraordinária começou ontem às 18h, e a lei foi aprovada com 36 votos a favor e 4 contra, dos vereadores Eliomar Coelho (PSOL), Clarissa Garotinho (PR), Paulo Pinheiro (PPS) e Paulo Messina (PV).

Uma das justificativas para o projeto na época era o “desenvolvimento do transporte coletivo na cidade”, já que a isenção de impostos era considerada fundamental para a implantação do Bilhete Único municipal. “Parece que é um prêmio ao serviço de transporte do Rio, que é da pior qualidade possível para o usuário”, resumiu Coelho. “Só nos resta entrar com ação na Justiça”, prometeu Paulo Pinheiro.

Ontem, o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, informou, em nota, que a redução do ISS estava prevista no edital de licitação das linhas de ônibus e que a secretaria só estava aguardando a confirmação para iniciar o contrato no final de outubro. “Essa aprovação atende um dos requisitos do equilíbrio econômico do contrato previsto nessa licitação”, diz. O prefeito não se pronunciou.

http://odia.terra.com.br/portal/rio/html/2010/9/isencao_fiscal_para_empresas_de_onibus_112190.html 

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Investimentos em transporte no Rio até 2016 devem ultrapassar R$ 9 bi

21/09/2010 20h21 - Atualizado em 21/09/2010 20h21


Prefeitura promete criar 20 corredores com faixas exclusivas para ônibus.


Uma das metas é ter, até 2015, 200 trens novos, com ar-condicionado.

Do RJTV
Até 2016, ano em que serão realizadas as Olimpíadas no Rio, mais de R$ 9 bilhões serão distribuídos para a melhoria da infraestrutura em trens, metrô e ônibus. O setor passou anos sem receber investimentos e prova disso são os engarrafamentos que tomam conta da cidade.

O desafio do governo e dos engenheiros é fazer os transportes funcionarem melhor no prazo de 5 anos. Alguns projetos na área já existem. Em um deles, o Rio vai ser cortado por quatro vias expressas por onde vão circular os BRTs, ônibus articulados e mais rápidos. O investimento foi orçado em R$ 4 bilhões.

A prefeitura também prometeu criar 20 corredores com faixas exclusivas para os ônibus comuns.

O objetivo é diminuir o tempo das viagens e assim reduzir a frota dos ônibus. O estudo prevê que as concessionárias gastem cerca de R$ 1,8 bilhão até 2014 na modernização dos transportes. Atualmente, os ônibus transportam oito milhões de passageiros diariamente.

Investimento de R$ 1 bilhão no metrô
O meio de transporte mais rápido ainda é o menos usado. Apenas 600 mil passageiros por dia andam de metrô. Além de ter apenas 38 quilômetros de extensão, os intervalos são longos e os vagões estão sempre lotados.

Para ultrapassar um milhão de passageiros por dia, a promessa do metrô é aumentar dos atuais 32 trens em circulação para 51. O investimento é de R$ 1 bilhão. No entanto, até as Olimpíadas o metrô não vai muito mais longe, só deve ligar a Gávea, na Zona Sul, até a Barra, na Zona Oeste.

R$ 2 bilhões para os trens
Já os trilhos da SuperVia percorrem 225 quilômetros entre a Baixada e a capital. Alguns trens têm mais de 50 anos e precisam ser tirados de uso. A meta é em 2015 ter 200 trens novos, todos com ar-condicionado, além de estações reformadas. O gasto estimado é de R$ 2 bilhões.

Para o professor de engenharia de transportes, José Eugênio Leal, o governo poderia optar por ônibus não poluentres.

"Eu acho que o Rio terá avanços. Mas, se vai ter ônibus, acho que deveria se usar os ônibus híbridos ou se for possível elétricos", disse.

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2010/09/investimentos-em-transporte-no-rio-ate-2016-devem-ultrapassar-r-9-bi.html

Redistribuição de linhas de ônibus começa por Copa e Santa Cruz

Avenida N. S. de Copacabana estreia corredor exclusivo


O Dia - 22/09/2010


Rio - A redistribuição das linhas de ônibus vai começar por Copacabana e Santa Cruz. O bairro da Zona Sul será o primeiro a ter o número de coletivo e pontos encolhido e o da Zona Oeste será o primeiro a ter a oferta de transporte rodoviário ampliado, conforme noticiou o ‘Informe do DIA’ ontem.


Os dois bairros devem ser ainda os primeiros a receber corredores exclusivos para ônibus, com a Av. Nossa Senhora de Copacabana funcionando como teste a partir de janeiro. A Secretaria Municipal de Transportes conclui até o final do mês levantamento que definirá as mudanças e incrementará a fiscalização.
Foto: Severino Silva / Agência O Dia
Em Campo Grande, intervalo de algumas linhas de ônibus chega a uma hora. Filas são longas e obrigam passageiros a sair muito mais cedo | Foto: Severino Silva / Agência O Dia
Enquanto os projetos não saem do papel, filas intermináveis, coletivos lotados e espera para embarcar continuam a fazer parte da rotina de quem usa o transporte público na Zona Oeste. Para os moradores da região, novas linhas — sobretudo para Centro e Zona Norte — e maior frota resolveriam o problema.


Para chegar às 7h ao Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, no Fundão, a dona de casa Joelma Martins, 39 anos, sai de Campo Grande às 4h30. O motivo da antecedência é a pouca oferta de ônibus e as longas filas. “Para conseguir atendimento, tenho de madrugar. Fico no ponto mais de meia hora”, lamenta.


Já o soldador Alax Pitter, 21, precisa de duas conduções para chegar ao trabalho, porque não há ônibus direto para o Maracanã. “Os pontos não têm cobertura.


Ficamos na fila, no sol ou na chuva, por quase uma hora. Preciso sair três horas antes de pegar no trabalho para não me atrasar”, reclama.


Ontem, das 14h às 15h, apenas um ônibus da linha 871 (Campo Grande-Sepetiba), da Algarve, passou pela Rua Cesário de Melo. O mesmo panorama foi identificado com a linha 859 (Campo Grande-Base Área), da Ocidental.


Em Santa Cruz, a situação é igual. Faltam linhas para o Centro e os coletivos estão malconservados. Segundo o motorista Marcelo Araújo, 40, a linha 380 (Santa Cruz-Tiradentes), da Viação Zona Oeste, apesar de cadastrada, não passa pela Av. João XXIII; outras da empresa só operam na parte da manhã.


Viações líderes de queixas venceram licitação de linhas


Sete empresas dos 4 consórcios vencedores da licitação de ônibus do Município do Rio, que começa a operar em 30 de outubro, lideram a lista de queixas dos usuários, segundo a Subsecretaria de Fiscalização. Nos últimos cinco rankings elaborados pela pasta, Estrela Azul, Campo Grande, Rubanil, Pégaso (líder do consórcio Santa Cruz), Transurb, Madureira Candelária e Vila Isabel são as campeãs de reclamações.


Este ano, a Subsecretaria de Fiscalização abordou 943 coletivos e puniu 473. Anteontem, todos os abordados no Leme, Gávea, São Conrado e Barra foram retirados de circulação: dois deles eram piratas e todos operavam para a Amigos Unidos. Procurado, o Sindicato das Empresas de Ônibus da Cidade do Rio (RioÔnibus) não comentou as estatísticas.
Reportagem de Beatriz Salomão e Thiago Feres

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Fiscalização retira dois ônibus 'piratas' das ruas

O Dia, 20/09/2010

Rio - Doze ônibus da empresa Amigos Unidos avaliados pela Subsecretaria de Fiscalização (SubF) de Transportes foram reprovados e retirados de circulação, nesta segunda-feira, por apresentarem irregularidades que colocavam em risco à segurança dos usuários. A ação dos fiscais aconteceu em pontos nos bairros do Leme, Gávea, São Conrado, na Zona Sul, e Barra da Tijuca, na Zona Oeste.


Entre os ônibus reprovados, dois que faziam o trajeto Central-Gávea (Linha 158) não possuíam autorização junto à Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) para circularem com passageiros com fim remunerado, o que significa que ambos circulavam clandestinamente pelas ruas da cidade, em condição “pirata”.


Além de irregularidades na documentação, alguns dos veículos apresentavam itens em mau estado de conservação, tais como: vidro trincado, bancos soltos, sistema elétrico com falhas, pneus carecas, além de extintor de incêndio vencido. As penalidades geraram o lacre e/ou a remoção de todos os veículos fiscalizados.


No total, em seis meses, 937 ônibus já passaram pela fiscalização da SubF/SMTR.


http://odia.terra.com.br/portal/rio/html/2010/9/fiscalizacao_retira_dois_onibus_piratas_das_ruas_111403.html

Plano de racionalização, com 20 corredores expressos, deve tirar da frota 800 ônibus até 2012


Publicada em 20/09/2010 às 23h42m - O Globo
Luiz Ernesto Magalhães
RIO - A implantação do bilhete único nas linhas municipais de ônibus do Rio (R$ 2,40, podendo o passageiro pegar dois coletivos em até duas horas), a partir do dia 30 de outubro, será o primeiro passo para a prefeitura adotar, com os quatro consórcios que venceram a licitação do setor, um plano de racionalização que pode levar à redução de cerca de 10% da frota em circulação até o fim de 2012. Na prática, seriam 800 ônibus a menos em circulação nas ruas, mesmo com reforços prometidos na frota da Zona Oeste. 

O plano - ainda em fase de estudo por técnicos da prefeitura, que analisam os melhores traçados - consiste em implantar 20 corredores de tráfego (incluindo Barra da Tijuca, Centro, Tijuca e os bairros da Zona Sul), nos quais coletivos teriam prioridade sobre carros, motos, táxis e vans. Um plano de racionalização também está sendo estudado para as linhas intermunicipais, com o objeto de reduzir o número de ônibus no Centro. 

- A estimativa de redução da frota em 10% se baseia em estudos feitos pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas(Ipea) e pela Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) sobre o tempo que os coletivos perdem nos congestionamentos na cidade. Com a racionalização, essa estimativa ainda poderá ser revista - disse o presidente do Sindicato das Empresas de Ônibus da Cidade do Rio (Rio Ônibus), Lelis Marcos Teixeira. 

Projeto piloto será em Copacabana
 
Os detalhes do programa começaram a ser discutidos ontem entre o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, e o presidente do Rio Ônibus. Sansão contou que, na semana que vem, ficam prontos os estudos para implantar o projeto piloto na Avenida Nossa Senhora de Copacabana e na Rua Barata Ribeiro, durante as férias escolares de janeiro de 2011. As vias, que terão duas faixas segregadas do trânsito normal, na verdade farão parte de um corredor maior, com prioridade para ônibus que circulam entre Copacabana e o Centro (via Aterro). 

A faixa reservada aos ônibus no Aterro, por sinal, já está sinalizada em ambos os sentidos desde a última administração do ex-prefeito Cesar Maia. Mas o corredor de tráfego não é fiscalizado, e as invasões nas faixas exclusivas são comuns. 

- As dificuldades para executar o programa piloto vão ditar o ritmo de implantação das mudanças. O sistema deve começar sem cortes de linhas ou da frota - disse Sansão. 

A mudança gradual também se dará em relação ao novo padrão visual dos coletivos. O modelo apresentado na semana passada pelo prefeito Eduardo Paes será adotado à medida que novos veículos entrarem em operação, para substituir veículos mais velhos. Segundo Lelis, alguns desses novos ônibus já devem estar em circulação no dia 30 de outubro. O que ainda será discutido com a prefeitura é como será feita a distribuição da frota nos primeiros dias de operação. 

Transoeste entra em operação em 2012 

Os planos de racionalização empregados no passado não deram certo. Sansão e Lelis argumentam que desta vez o desfecho será diferente, porque a lógica da operação do serviço mudou com a licitação para a concessão dos serviços pelo prazo de 20 anos. No momento em que as empresas se reúnem em consórcios, elas deixam de concorrer entre si por passageiros. Isso permite que ponham à disposição uma frota de acordo com a demanda. 

- A revisão dos roteiros e das linhas também dependerá da entrada em operação dos futuros serviços de BRTs (corredores de tráfego com ônibus articulados, que também serão operados por consórcios). Em 2012, será inaugurado o primeiro deles, ligando Santa Cruz à Barra (Transoeste) - informou Sansão.
O secretário ainda não estabeleceu prazos para integrar o bilhete único com as vans do chamado Sistema de Transporte Público Local (formado por linhas e trajetos já licitados). 

O subsecretário municipal de Transportes, Rômulo Dante Orrico Filho, acrescentou que as soluções de tráfego poderão variar, conforme as vias escolhidas. 

- A solução pode passar pela implantação de novos corredores e pelo reordenamento de pontos, entre outras melhorias, para dar maior fluidez aos coletivos - disse Rômulo. 

Sobre as linhas intermunicipais, ele afirmou que estão sendo estudadas maneiras de integrá-las com as municipais fora do Centro. O objetivo é que apenas as linhas expressas usadas por passageiros que de fato têm a região como destino final parem no Centro: 

- No caso das linhas intermunicipais que circulam pela Avenida Brasil, estudos indicam que 60% dos passageiros descem antes de o veículo chegar à Rodoviária Novo Rio. É muito mais racional que esses ônibus possam retornar ainda na Zona Portuária, deixando a passagem livre apenas para as linhas expressas. 

domingo, 19 de setembro de 2010

Bilhete Único Carioca poderá ser usado em trem, metrô e barca, além de ônibus, a partir de 30 de novembro

INTEGRAÇÃO




Publicada em 09/09/2010 às 23h40m

Selma Schmidt - O Globo - 09/09/2010



Bilhete Único Carioca. Foto: Divulgação

RIO - No dia 30 de novembro, um mês depois de o Bilhete Único Carioca (R$ 2,40 por duas horas) ser implantado nos ônibus municipais do Rio, terá início a integração dos coletivos da cidade com o metrô, os trens e as barcas. A informação é do presidente do Rio Ônibus (sindicato que reúne as empresas da capital), Lélis Teixeira. Até lá, serão feitos os acertos entre o governo do estado e a prefeitura, para estipular os preços das tarifas de integração.


Outra novidade anunciada por Lélis é que quem já tem bilhete único intermunicipal (cerca de 1,2 milhão de usuários) ou vale-transporte (700 mil na capital) não precisará se cadastrar para usufruir dos benefícios do Bilhete Único Carioca. Mais que isso: a partir de 30 de outubro, poderá utilizar seus cartões também nos ônibus municipais. O mesmo vale para os futuros portadores de bilhetes municipais, que poderão usá-los em linhas intermunicipais. Só que, neste caso, pagarão R$ 4,40 para embarcar em dois meios de transporte num intervalo de até duas horas e meia entre a passagem pelas catracas.


- O produto será o mesmo. Só com uma roupa diferente - explica Lélis. - Os usuários poderão ter um só cartão, intermunicipal, municipal ou vale-transporte. Será um cartão por CPF.




Um cartão por CPF, para quem não tem

Como os intermunicipais, os cartões municipais serão confeccionados pela RioCard. Diretor-executivo de negócios da empresa, Edmundo Fornasari, informa que os interessados no Bilhete Único Carioca deverão cadastrar seu CPF. A partir de 10 de outubro isto poderá ser feito pela internet (possivelmente através do site wwwriobilheteunico.com.br ) ou num dos sete postos que serão criados, na Central, no Largo da Carioca, em Copacabana, em Campo Grande, em Bangu, na Barra (Terminal Alvorada) e em Madureira.


- Quem fizer o cadastramento pela internet, receberá o cartão pelos Correios. A vantagem é que poderá acessar o sistema 24 horas. Ao receber o cartão, deverá desbloqueá-lo, pelo site ou por telefone - esclarece Fornasari. - Nos postos de atendimento, o usuário se cadastra e recebe o bilhete na hora.


Para carregar o bilhete, uma opção é usar a internet, imprimir um boleto e pagá-lo em qualquer banco. Há ainda a possibilidade de carregar os bilhetes numa das 12 lojas do Rio Ônibus.


Com a integração de todos os modais em 30 de novembro, será possível um passageiro, usando um único cartão, se beneficiar das vantagens dos bilhetes intermunicipal e municipal embarcando em quatro veículos. Ele poderá, por exemplo, em duas horas e meia, pegar um ônibus de Maricá para o Centro, do Centro para Copacabana (R$ 4,40), de Copacabana para para o Leblon, e do Leblon para São Conrado (R$ 2,40).


Está prevista para o dia 17 a assinatura do contrato da prefeitura com os consórcios vencedores da licitação para o transporte por ônibus da cidade. Os consórcios Internorte, Intersul, Transcarioca e Santa Cruz, porém, assumem a operação do sistema em 30 de outubro, data em que o Bilhete Único Carioca começa a valer.


- O bilhete do Rio é diferente do de São Paulo e do de Belo Horizonte. Aqui as empresas não receberão subsídios e precisarão reduzir seus custos. Como não haverá concorrência, uma forma de diminuir custos é através da racionalização. Ou seja, retirando veículos onde eles estão em excesso, na Zona Sul, e colocando mais onde faltam coletivos, na Zona Oeste. Acredito que, logo no início da implantação do bilhete único municipal, já comece a racionalização dos ônibus - prevê Lélis.

Faixas exclusivas para ônibus serão implantadas em Copacabana



9/9/2010
Extra Online

O secretário de Transportes, Alexandre Sansão, anunciou para o início das férias escolares a implantação das primeiras faixas exclusivas para ônibus, na Avenida Nossa Senhora de Copacabana e Barata Ribeiro. Serão duas faixas para ônibus em cada uma das vias.

Já tem data o início da implantação do Bilhete Único Carioca (o BU municipal). A partir de 30 de outubro, os passageiros que se cadastrarem no sistema poderão pegar, em até duas horas, dois ônibus municipais, pagando R$ 2,40. Quem usar um coletivo apenas desembolsará o mesmo valor, porque a tarifa única (R$ 2,35) deixará de existir. O novo cartão entra em vigor antes do prazo previsto pelo edital de concorrência de permissão das cerca de 900 linhas da cidade, de 60 dias após a assinatura dos contratos com os quatro consórcios vencedores da licitação , previsto para o próximo dia 17. Os consórcios Internorte, Intersul, Transcarioca e Santa Cruz assumem a operação do transporte de passageiros por ônibus na cidade no mesmo dia em que o BU começa a valer.

- O dia 30 de outubro cai num sábado e no início de um feriado prolongado (2 de novembro). Escolhemos essa data para termos quatro dias para implantar o sistema com segurança - disse o secretário de Transportes, Alexandre Sansão. 

O presidente da Rio Ônibus (sindicato que congrega as empresas de ônibus do município), Lélis Teixeira informou que o cadastramento para o BU municipal será simples e deverá começar no dia 10 de outubro. Os usuários que já têm vale transportes ou BU intermunicipal (cerca de 1,5 milhão) não precisarão se cadastrar, devendo tão somente se habilitar através da internet ou de postos.

Hoje, segundo a Secretaria de Transportes, são feitas diariamente 3,5 milhões de viagens em ônibus municipais. Desse total, cerca de 20% (700 mil) representam uma segunda viagem, feita por um mesmo usuário. Ainda de acordo com o secretário, num primeiro momento o BU se limitará a ônibus municipais sem ar condicionado. Numa próxima etapa, poderá haverá integração com outros meios de transporte (metrô, trens, barcas, vans credenciadas e ônibus intermunicipais). 

Sansão explicou que o BU será unidirecional. Isso significa que, mesmo dentro do prazo de duas horas, o cartão não vale para quem usá-lo para retornar. 

A única pendência para a assinatura dos contratos no dia 17 é a Câmara dos Vereadores aprovar projeto reduzindo o ISS das empresas, de 2% do valor das passagens para um valor simbólico (0,01%). Foi pedida urgência na aprovação. 

Lançado em 1 de fevereiro, o Bilhete Único Intermunicipal (R$ 4,40 para duas viagens, sendo uma delas intermunicipal) totaliza hoje 1,2 milhão de usuários, segundo a Secretaria estadual de Transportes. Cerca de 230 mil passageiros, em média, viajam diariamente com o cartão intermunicipal, em 600 mil viagens. São 300 mil usuários/dia, de segunda a sexta-feira, e 180 mil nos fins de semana.

Bilhete Único começa a valer a partir do dia 30 de outubro no Rio de Janeiro




9/9/2010
Extra Online

Começa a valer a partir do dia 30 de outubro o Bilhete Único municipal, que prevê a realização de duas viagens de ônibus, num período de duas horas, por R$ 2,40. Nessa data, os consórcios Internorte, Intersul, Transcarioca e Santa Cruz assumem a operação do transporte de passageiros por ônibus no município do Rio. Os contratos serão assinados no próximo dia 17. O Rio será a única capital do país a ter bilhetes municipal e intermunicipal. 

O usuário terá que fazer um cadastramento pela internet ou em postos para adquirir o bilhete único municipal. A data ainda não foi definida, mas deverá ser divulgada até o dia 17.

O metrô, o trem e a barca só serão integrados posteriormente a esse sistema. Quem tem o intermunicipal poderá ter o municipal também.

No dia 1º deste mês, os quatro consórcios formados por 40 das 47 empresas filiadas ao Sindicato das Empresas do Município (Rio Ônibus) foram declarados vencedores da primeira concorrência da prefeitura para reorganizar o sistema . As linhas serão operadas por 20 anos por empresários de ônibus que já exploram o sistema há décadas sem licitação.
 

Um dos itens do edital de licitação prevê que as empresas recolham um valor simbólico (0,01%) de Imposto Sobre Serviços (ISS). Hoje, as empresas recolhem 2% e teriam abatimento no imposto para se ressarcir dos investimentos que terão que fazer durante a concessão. Isso inclui comprar veículos articulados para os futuros BRTS (corredores de ônibus articulados) que a prefeitura planeja que estejam operando até os Jogos Olímpicos de 2016 : o Transcarioca (Barra-Aeroporto Tom Jobim); Transoeste (Barra-Guaratiba) e Transolímpica (Barra-Deodoro).

Rio de Janeiro avança nas obras do BRT para a Copa


Teixeira (esq.), Nuzman e Paes dão início à obra da TransOeste (crédito: CBF/Divulgação)

Vanessa Cristani - Rio de Janeiro - Portal 2014
postado em 15/09/2010 13:48 h
atualizado em 15/09/2010 14:28 h
 
Na manhã desta quarta-feira (15) o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, o presidente do Comitê Rio-2016, Carlos Nuzman, e o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e do Comitê Organizador Local da Copa (COL/2014), Ricardo Teixeira, deram início à explosão para abertura do Túnel da Grota Funda, a mais importante etapa da implantação do TransOeste, o corredor expresso de BRT (Bus Rapid Transit) que vai ligar a Barra da Tijuca a Santa Cruz.

Orçado em R$ 692,1 milhões, o TransOeste deve ficar pronto em junho de 2012. Além dele, outros três corredores compõem o projeto de preparação viária para a Copa de 2014 e dos Jogos Olímpicos: o TransCarioca, que ligará a Barra da Tijuca à Penha, o TransOlímpica, que vai do Recreio dos Bandeirantes à Deodoro, e o TransBrasil, que passa por quase cerca de 30 bairros, entre Caju e Santa Cruz.
"O TransOeste é o primeiro BRT da cidade. Nosso foco será esse: menos preocupação com estádio e mais preocupação com o que o Rio pode ganhar", disse o prefeito Eduardo Paes.

O presidente da CBF e do COL, Ricardo Teixeira, destacou a importância do início das obras para a Copa de 2014. "Como disse o Jérome Valcke (secretário-geral da Fifa), o Rio está dando um exemplo para o Brasil. Isso é importante para mostrar que se iniciou o processo para a Copa do Mundo."

Segundo Teixeira todas as cidades-sede que se enquadrarem no padrão Fifa para receber a abertura do Mundial podem e devem se candidatar ao evento. "Recebi um documento dos representantes da Bahia, que já enviei à Fifa, de que eles elevarão o estádio para o número mínimo de 65 mil pessoas. Assim sendo, seria factível a cidade receber a abertura."

Perguntado qual era a situação de São Paulo nos preparativos para o Mundial, já que apesar da apresentação do estádio do Corinthians a cidade não definiu uma arena oficial, Teixeira foi taxativo: "Estou no Rio e só falo sobre isso aqui."

http://www.copa2014.org.br/noticias/5279/RIO+DE+JANEIRO+AVANCA+NAS+OBRAS+DO+BRT+PARA+A+COPA.html