quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Aumento de ônibus é o maior anunciado pela prefeitura do Rio em pelo menos 10 anos


Tarifa de ônibus municipal sobe para R$ 3,40 a partir de sábado

POR EMANUEL ALENCAR / RUBEN BERTA

30/12/2014 - O Globo


A escala dos valores das tarifas de ônibus municipais - O Globo

RIO - Ano novo, preço novo — e nas alturas. A prefeitura do Rio anunciou nesta terça-feira que o valor da passagem dos ônibus municipais passará para R$ 3,40 a partir de sábado, dia 3. O reajuste é de 13,3% em relação à tarifa atual do Bilhete Único Municipal (R$ 3). O GLOBO levantou que, pelo menos desde 2006, o governo municipal nunca estabeleceu um aumento tão elevado no preço das passagens. O maior reajuste na última década havia sido fixado em janeiro de 2012, quando a passagem pulou de R$ 2,50 para R$ 2,75 (uma alta de 10%).

De acordo com a prefeitura, o cálculo do novo reajuste segue os critérios fixados por contrato e a fórmula de cálculo utiliza valores da Fundação Getulio Vargas (FGV) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O aumento dado em fevereiro deste ano, de R$ 2,75 para R$ 3, já havia causado polêmica. Um relatório de técnicos do Tribunal de Contas do Município (TCM) sugeriu, à época, que o valor caísse para R$ 2,50, já que não havia evidências para justificar sequer o valor de R$ 2,75. O conselheiro Ivan Moreira, entretanto, ressaltou que, se uma auditoria comprovasse prejuízo para a população, haveria medidas compensatórias. O aumento anunciado ontem, portanto, é o segundo aplicado sem que a auditoria externa citada pelo TCM seja concluída.

INTERMUNICIPAIS E BILHETE ÚNICO TERÃO REAJUSTE DE 12,4%

Também foram divulgadas as novas tarifas dos ônibus intermunicipais, que entram em vigor em 10 de janeiro. O índice de 12,46% de reajuste nos valores das passagens dos ônibus e vans intermunicipais foi publicado no Diário Oficial do estado. Com isso, a tarifa passará de R$ 2,80 para R$ 3,15. O valor do Bilhete Único acompanhará o índice, passando de R$ 5,25 para R$ 5,90. A nova tarifa do Bilhete Único começa a valer em 1º de fevereiro de 2015.

O Departamento de Transportes Rodoviários (Detro) aprovou o reajuste anual das tarifas nas linhas intermunicipais e manteve a adoção do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), conforme determinado pela portaria 975, de dezembro de 2009. A revisão considerou o IPCA acumulado de 2014 (6,56%), somado ao IPCA que vigorou em 2013 (5,53%), quando foi revogado o aumento que havia sido concedido no início daquele ano, atualizando os valores defasados no período. O Detro não autorizou o índice de 26% solicitado pela Fetranspor.

De acordo com a autarquia estadual, o valor das novas tarifas deverá ser afixado nos ônibus, guichês e pontos de vendas de passagens pelas empresas. O RioCard continua sendo aceito com o valor antigo até 30 dias após a data fixada para o reajuste entrar em vigor.

Más notícias ainda para quem costuma viajar de táxi. O reajuste da tarifa dos 33 mil amarelinhos que circulam no município do Rio acontece a partir da próxima sexta-feira. O aumento de cerca de 5% vale tanto para os veículos convencionais quanto para os executivos. A bandeirada, que não sofria alteração desde 2 de janeiro de 2014, passará de R$ 4,80 para R$ 5,20. De acordo com resolução da Secretaria municipal de Transportes, a quilometragem na tarifa 1 passará de R$ 1,95 para R$ 2,05, de segunda a sábado, das 6h às 21h. Já na tarifa 2, o quilômetro rodado, em vigor das 21h às 6h e aos domingos e feriados, passará de R$ 2,34 para R$ 2,46.

A secretaria autorizou ainda a cobrança, na tarifa 2, das corridas com destino a áreas de ladeiras íngremes, sem discriminação horária. A tarifa da hora parada ou de espera sobe de R$ 24,57 para R$ 25,83, enquanto o preço para transportar volumes com dimensões entre 30 e 60 centímetros passa de R$ 1,95 para R$ 2,05, desde que a bagagem seja manuseada pelo motorista.

VEREADOR QUER CPI

O aumento das passagens dos ônibus municipais foi duramente criticado pelo vereador Paulo Pinheiro, do PSOL. O parlamentar afirmou que a bancada do partido vai se reunir nos próximos dias e enviará ofício ao Tribunal de Contas do Município questionando o aumento.

— Vamos brigar novamente pela instalação da CPI dos Ônibus. Parece que o prefeito não está preocupado com a voz das ruas. Eu espero que ele retroceda novamente e volte atrás nesse aumento absurdo — disse.

Na tabela de reajuste divulgada ontem pela prefeitura, constam os gastos com instalação de ar-condicionado e com gratuidades.

— A Lei Orgânica do município já estabelecia que gratuidades não podiam ser usadas como item de aumento de preço. No caso do ar-condicionado, o prefeito nunca disse que a instalação seria feita com o dinheiro dos cidadãos — protestou o vereador.

O aumento dos ônibus foi o estopim dos protestos por todo o Brasil em junho de 2013.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/aumento-de-onibus-o-maior-anunciado-pela-prefeitura-do-rio-em-pelo-menos-10-anos-14933050#ixzz3NVYG9RcE 
© 1996 - 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Novo secretário estadual de Transportes planeja construção de dois BRTs entre Niterói e São Gonçalo

30/12/2014 - O Globo

RIO — Anunciado como próximo secretário estadual de Transportes, o deputado eleito Carlos Roberto Osório já começa a estruturar os projetos prioritários para o Leste Fluminense. Entre as metas, está a construção de dois corredores BRT ligando Niterói e São Gonçalo.

O governo do estado tem estudado a construção de corredores BRT metropolitanos. Há planos para Niterói?

O governador Pezão determinou que a secretaria estudasse corredores de BRT no Leste Fluminense. Queremos usar a Niterói-Manilha e a Rodovia Amaral Peixoto para completar o eixo de transporte de alta capacidade. Já há alguns estudos preliminares que vão ser cruzados com os dados do Plano Diretor de Transportes Urbanos da Região Metropolitana (PDTU). Podemos dizer que os estudos preliminares que temos apontam nessa direção. Vamos cruzar com o PDTU para saber a quantidade de estações e os locais em que elas devem ser instaladas.

O principal projeto de sua pasta nos próximos anos é a Linha 3 do Metrô. O que falta para finalmente o projeto sair do papel?

Primeiro temos que fazer o projeto para depois licitar a obra. Nossa prioridade é fechar o projeto, mas a licitação deve ocorrer ainda em 2015. É prematuro estabelecer um prazo para o começo da obra. Até lançar a licitação, temos uma série de passos a dar, inclusive os editais têm que ser aprovados pelos Tribunais de Contas do Estado (TCE) e da União (TCU).

E quanto às barcas? Os usuários reclamam muito da qualidade do serviço. Há ainda a reivindicação antiga de construir uma estação em São Gonçalo.

Outro investimento será na melhoria da qualidade do serviço das barcas nos ramais Praça Quinze-Araribóia e Praça Quinze-Charitas. Além da barca que chegou da China, o governo já tem contratadas nove novas embarcações. Certamente teremos boas notícias nos próximos dois anos. No caso da estação em São Gonçalo, o primeiro passo é justamente a elaboração do projeto. A ligação de São Gonçalo com o Rio é importante do ponto de vista metropolitano. Nós vamos, num primeiro momento, viabilizar o projeto. Os técnicos da secretaria vão trabalhar nesse planejamento.

A região tem duas obras importantes para serem concluídas, que são a duplicação da Avenida do Contorno e o último trecho do Arco Metropolitano, que deve chegar a Itaboraí. O que o Estado pode fazer a esse respeito, já que as duas não são de sua responsabilidade?

A conclusão das obras da Avenida do Contorno pela Autopista Fluminense é de grande importância viária. É uma obra que, durante algum tempo, teve vários contratempos por desapropriações e questões de terreno. O governo do estado ajudou a vencer esses embaraços. A conclusão do Arco Metropolitano até a BR-101 é uma prioridade. Esse último trecho é responsabilidade do governo federal, mas o Estado é parceiro. O Dnit vai fazer a obra. O governo está facilitando ao máximo o licenciamento para que a obra transcorra o mais rapidamente possível. O que eu vou fazer — e é uma determinação do governador — é acompanhar para ajudar nas desapropriações e tudo mais. Retirar os impedimentos ao aumento da via.

Novo valor de tarifas de ônibus intermunicipais entra em vigor no dia 10 de janeiro

Reajuste do Bilhete Único vale a partir do dia 1º de fevereiro

30/12/2014 - O Globo

RIO - A prefeitura do Rio divulgou, na tarde desta terça-feira, o novo valor da tarifa modal do Bilhete Único Carioca (BUC): a partir do primeiro minuto de sábado, dia 3, a tarifa será R$ 3,40. O reajuste, segundo nota do município, segue os critérios estabelecidos pelo Poder Executivo fixados contratualmente. A fórmula de cálculo utiliza valores segundo fonte da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Pela manhã, foram divulgadas as novas tarifas dos ônibus intermunicipais, que entram em vigor a partir do dia 10 de janeiro de 2015. O índice de 12,46% de reajuste nos valores das passagens dos ônibus e vans intermunicipais foi publicado no Diário Oficial do Estado desta terça. Com isso, a tarifa passará de R$ 2,80 para R$ 3,15. O valor do Bilhete Único acompanhará o índice, passando de R$ 5,25 para R$ 5,90. O novo valor do Bilhete Único começa a valer em 1º de fevereiro de 2015.

O Departamento de Transportes Rodoviários (Detro) aprovou o reajuste anual das tarifas nas linhas intermunicipais e manteve a adoção do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), conforme determinado pela Portaria 975, de dezembro de 2009.

A revisão considerou o IPCA acumulado de 2014 (6,56%) somado ao IPCA que vigorou em 2013 (5,53%), quando foi revogado o aumento que havia sido concedido no início daquele ano, atualizando os valores que ficaram defasados neste período. Com isso, o Detro não autorizou o índice de 26% solicitado pela Fetranspor.

De acordo com o Detro, o valor das novas tarifas deverá ser afixado nos ônibus, guichês e pontos de vendas de passagens pelas empresas. O RioCard continua sendo aceito com o valor antigo até 30 dias após a data fixada para o reajuste entrar em vigor.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/novo-valor-de-tarifas-de-onibus-intermunicipais-entra-em-vigor-no-dia-10-de-janeiro-14933050#ixzz3NPQkUJ9d 
© 1996 - 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Terminal Erasmo Braga em 1955


O Terminal antes de se transformar no ponto inicial das linhas de ônibus elétricos da CTC em 1962.

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Obras de BRT Transbrasil provocam mudanças no trânsito em vias no entorno da Maré e da Penha

22/12/2014 - O Globo

Uma das principais mudanças é a interdição parcial da Avenida Brigadeiro Trompowski, sentido Ilha

POR FERNANDA DA ESCÓSSIA

RIO — O trânsito nas áreas da Maré e Penha sofreu modificações nesta segunda-feira por causa das obras de construção e drenagem do corredor expresso BRT Transbrasil, na Avenida Brasil. A portaria 2.803, publicada no Diário Oficial do Município, autoriza a interdição parcial, por dois meses, de ruas na região.

Uma das principais mudanças é a interdição parcial da Avenida Brigadeiro Trompowski, sentido Ilha do Governador, na faixa da esquerda, no trecho entre a Avenida Brasil e a estação Maré BRT-Transcarioca. O estacionamento de veículos nessa avenida será proibido.

Também será interditado um trecho da Avenida Brasil, no sentido Centro, no trecho entre a Estrada do Porto Velho (agulha de acesso à Pista central) e o número 12.025. Na pista lateral será interditada a faixa de rolamento à esquerda, junto à divisória da pista; na pista central, será interditado um metro e meio da faixa de rolamento da direita, junto à divisória da pista.

Outra mudança é proibir o acesso à Avenida Schultz Wenk de veículos procedentes da avenida Brasil e vice-versa, ou seja, também fica proibido o acesso à B rasil de carros que vêm pela Schultz Wenk rumo à Brasil. O tráfego dessa avenida com destino à Brasil será desviado por ruas próximas.

Por fim, o ponto de ônibus que fica na Avenida Brigadeiro Trompowski, em frente ao Parque União, será realocado em frente ao número 60. As mudanças entraram em vigor ontem, data de publicação da portaria, e valem até 20 de fevereiro de 2015. Quem descumprir as regras fica sujeito a multas que vão de R$ 53,20 a R$ 319,20, informa a portaria da Coordenadoria de Regulamentação e Infrações Viárias.

De acordo com o projeto do PAC de Mobilidade Urbana, o primeiro lote do BRT Transbrasil terá 23 quilômetros de extensão, 16 estações e 17 passarelas. Com o segundo trecho, o corredor terá 30 quilômetros de extensão. A previsão é de que a obra seja entregue até maio de 2017. O investimento total é de R$ 1,4 bilhão.

Servidores, trocadores e taxistas do município poderão trabalhar de bermuda a partir desta terça

23/12/2014 - O Globo

RIO - Servidores da prefeitura do Rio, trocadores de ônibus, motoristas de táxis, de ônibus e de vans poderão, a partir desta terça-feira, trabalhar de bermudas. O conforto não poderá ser exagerado: de acordo com decreto do prefeito Eduardo Paes, previsto para ser divulgado nesta terça-feira, no Diário Oficial, as bermudas devem chegar pelo menos na altura dos joelhos. A medida é válida até 31 de março de 2015.

O decreto dá autonomia aos secretários e presidentes de autarquias para preverem exceções devido à natureza das atividades. São os casos, por exemplo, dos garis que atuam na coleta de lixo ou de engenheiros que atuam na vistoria de obras públicas.

A iniciativa de liberar bermudas em repartições municipais e para profissionais que trabalham no transporte público já é antiga no Rio. A primeira regulamentação foi feita pelo ex-prefeito Cesar Maia e valeu de dezembro de 2003 e março de 2004.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Tarifa de ônibus intermunicipal e Bilhete Único terão aumento de 6,56% a partir de janeiro

18/12/2014 - O Globo

Anúncio foi feito pelo governador Luiz Fernando Pezão. Passagens de ônibus das linhas municipais também sofrerão reajuste

POR ALESSANDRO LO-BIANCO E GISELLE OUCHANA

Tarifa de ônibus municipais e intermunicipais terão reajuste no início do ano: Bilhete Único também sofrerá aumento - Fabiano Rocha / Agência O Globo (13/01/2014)

RIO — As passagens de ônibus intermunicipais serão reajustadas a partir de janeiro em 6,56%, que corresponde à inflação medida pelo IPCA entre dezembro de 2013 e novembro de 2014. O anúncio foi feito nesta quinta-feira pelo governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) durante a inauguração da 48ª DP (Seropédica). De acordo com o Departamento de Transportes Rodoviários (Detro), o Bilhete Único, que hoje custa R$ 5,25, também será reajustado, mas o valor exato e o dia em que a nova tarifa entrará em vigor só serão divulgados após a publicação em Diário Oficial. Se for aplicado o percentual integral, o Bilhete Único passará para R$ 5,59.

NOVOS SECRETÁRIOS

Durante o evento, Pezão também anunciou dois nomes que ocuparão secretarias em seu governo a partir de 2015. Gustavo Tutuca voltará à pasta de Ciência e Tecnologia, e Tereza Cosentino assumirá a de Assistência Social.

Gustavo Reis Ferreira, o "Gustavo Tutuca", é deputado estadual e nasceu em Piraí, cidade natal do governador. Como secretário estadual de Ciência e Tecnologia, Tutuca implantou em sua gestão o projeto de lei que institui plano de cargos e salários de todas as instituições vinculadas à secretaria. A economista Tereza Cosentino, por sua vez, foi diretora de inclusão social do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), onde trabalhou com projetos de proteção a crianças e adolescentes em situação de risco.

O governador também anunciou a construção da "TransMartinazzo" e da "TransBornier", estradas que ligarão o Arco Metropolitano à Avenida Brasil.

— Em breve, começaremos a tirar esta obra do papel, fazer as desapropriações, e investir na construção da TransMartinazzo — assegurou Pezão.

Segundo a secretaria estadual de Transportes, o início da construção das vias, o traçado preciso e o valor dos investimentos ainda serão divulgados, uma vez que o projeto ainda está em discussão.

PRIORIDADE À BAIXADA

Durante o evento, Pezão entregou diversos equipamentos hospitalares para Seropédica.

— São R$ 700 mil em aparelhos hospitalares, entre eles Raio X móvel, Raio X fixo, eletrocardiógrafo, entre outros, que mudarão a realidade da saúde local.

A inauguração da nova delegacia contou também com a presença do prefeito Alcir Martinazzo, do secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, e do chefe da Polícia Civil, delegado Fernando Veloso.

Pezão disse que o orçamento estadual tem como política-mãe a segurança pública e que a Baixada Fluminense é prioridade. Muitos dos novos policiais, dos 6 mil previstos para entrar na corporação em 2015, segundo ele, irão reforçar a segurança da região.

MUNICÍPIO TAMBÉM TERÁ REAJUSTE

O prefeito Eduardo Paes disse, nesta quinta-feira, que as passagens de ônibus das linhas municipais serão reajustadas em janeiro do ano que vem, mas não informou quanto será o percentual e nem o dia em que ele entrará em vigor. Segundo a prefeitura, o reajuste anual está previsto no contrato de concessão das empresas de transporte. A tarifa hoje custa R$ 3.

Paes disse também que em outubro do ano que vem será feito o reequilíbrio econômico-financeiro do contrato com as empresas de ônibus, o que poderá resultar em novo aumento ou redução de tarifa:

— Isso não significa dizer que seja um reajuste. Esse estudo acontece após cinco anos de execução do contrato e já estava previsto. É uma repactuação do documento — explicou. — Também está prevista uma auditoria nas empresas de ônibus. O enxugamento na estrutura das empresas, a diminuição dos custos e a melhoria na eficiência podem, no final, significar uma diminuição da tarifa. Mas esse ainda é um processo que nós estamos analisando.

2015, UM ANO DECISIVO

Ao fazer um balanço das ações da prefeitura, nesta quinta-feira, no Palácio da Cidade, Paes citou as obras de mobilidade urbana, saúde e educação como as principais metas de infraestrutura da cidade:

— O próximo ano é absolutamente decisivo para esse ciclo que tem as Olimpíadas como o encerramento de tantas intervenções de infraestrutura. Em 2015, começam a surgir, por exemplo, as primeiras unidades do programa Fábrica de Escolas, além das obras em andamento no setor de mobilidade e a construção de mais clínicas da família.

Entre os avanços nas áreas de transporte e trânsito, foram ressaltadas as obras de duplicação do Elevado do Joá, com previsão de entrega para março de 2016, e o fechamento da Avenida Rio Branco para as obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), cujo início da operação comercial está previsto para o primeiro semestre de 2016. Quanto aos ônibus, a expectativa é que 100% das viagens sejam feitas com ar-condicionado até 2016.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Ônibus gratuitos começam a circular na quinta-feira em Maricá

16/12/2014 - O Fluminense

Motoristas que irão conduzir os coletivos receberam certificados de participação do curso de Legislação de Trânsito e Direção Defensiva ministrado pelo Sest/Senat

Documentos foram entregues aos profissionais - que começarão a trabalhar nesta quinta-feira (18), data de início da operação dos ônibus. Foto: Divulgação/ Fernando Silva

Os motoristas que vão conduzir os ônibus da Empresa Pública de Transportes de Maricá (EPT) receberam os certificados de participação no curso de Legislação de Trânsito e Direção Defensiva, ministrado pelo Sest/Senat. Os documentos foram entregues aos profissionais - que começarão a trabalhar nesta quinta-feira (18), data de início da operação dos ônibus - em cerimônia realizada no auditório do Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU), na Mumbuca.

O vice-presidente da EPT, Dilermando Amaro, Fátima Pacheco (coordenadora de Qualificação da Secretaria Municipal de Trabalho) e Adriana Portela (coordenadora do curso, que representou o Sest/Senat) estiveram presentes.

"Estamos diante de algo que começa a ter uma repercussão nacional, porque nos lembra que os governos devem dar atenção especial ao serviço público de transportes, é um dever do estado como um todo", analisou Dilermando.

"E vocês, motoristas, serão a imagem deste grande projeto e, por isso, o trabalho de vocês deve ser impecável", frisou o vice-presidente.

Ao final da cerimônia, o vice-presidente adiantou, ainda, que os profissionais terão novas qualificações depois que a EPT entrar em operação.

"Este foi o apronto final para pôr a empresa para funcionar", ressaltou.

Com duração de duas semanas, o curso ofereceu aulas sobre as duas disciplinas voltadas para o transporte público. Durante a entrega dos certificados, o clima era de alegria e descontração entre os motoristas, e o destaque foi a única mulher do grupo. Com 22 anos de profissão, Solange Loureiro foi ovacionada pelos colegas na hora em que recebeu o diploma. 

"Fico muito feliz com essa homenagem deles, muito bacana. É um novo desafio para mim atuar numa empresa pública, pois atuei apenas no setor privado. Mas conto com o apoio da minha família e dos colegas", disse a motorista Solange Loureiro, que tem 53 anos e três filhos.

 

Confira o itinerário dos ônibus:

Linha 1– RECANTO X PONTA NEGRA (via Manoel Ribeiro)

- Rua Barão de Macaúba (ponto de partida em frente à Escola Municipal João Monteiro) – RJ-102 (Rua Engenho Domingos Barbosa) - Avenida do Canal – Rua João Goulart – Rua Antônio Modesto de Sá – Praça do Barroco - Avenida Zumbi dos Palmares – Rua Van Lerbergue (antiga Rua 34) – Rua Professor Cardoso de Menezes (Terminal Rodoviário de Itaipuaçu) – Estrada Carlos Mariguela – Estrada de Itaipuaçu – Travessa Campos – RJ-106 (Rodovia Amaral Peixoto) – Avenida Roberto Silveira – Rodoviária do Povo de Maricá – Avenida Roberto Silveira – RJ-106 (Rodovia Amaral Peixoto) – RJ-118 (Estrada de Ponta Negra) – Rua São Pedro Apostolo – Praça de Ponta Negra.

Linha 2 – RECANTO X PONTA NEGRA (via Cordeirinho)

- Rua Barão de Macaúba (ponto de partida em frente à Escola Municipal João Monteiro) – RJ-102 (Rua Engenho Domingos Barbosa) – Avenida do Canal – Rua João Goulart – Rua Antônio Modesto de Sá – Praça do Barroco – Avenida Zumbi dos Palmares – Rua Van Lerbergue (antiga Rua 34) – Rua Professor Cardoso de Menezes (Terminal Rodoviário de Itaipuaçu) – Estrada Carlos Marighella – Estrada de Itaipuaçu – Travessa Campos – RJ-106 (Rodovia Amaral Peixoto) - Avenida Roberto Silveira – Rodoviária do Povo de Maricá – Avenida Roberto Silveira – Rua Abreu Sodré – Avenida Vereador Francisco Sabino da Costa – Rua Abreu Rangel – Rua Domício da Gama – Rua Alferes Gomes – Avenida Nossa Senhora do Amparo – Avenida Ivan Mundin – Rua João Saldanha – Rua 12 – Avenida Central – Avenida Maysa – RJ-102 (Avenida Beira Mar) – Rua São Pedro Apostolo – Praça de Ponta Negra.

Linha 3 – PONTA NEGRA x RECANTO (Via Cordeirinho)

- Praça de Ponta Negra – Rua São Pedro Apostolo – RJ-102 (Avenida Beira Mar) – Rua 114 – Avenida Beira da Lagoa – Rua 43 – Avenida Maysa – Rua 13 – Rua João Saldanha – Avenida Ivan Mundin – Rua Azamor José da Silva – Rua Padre Arlindo Vieira – Rua Clímaco Pereira – Rua Domício da Gama – Rua Senador Macedo Soares – Praça Conselheiro Macedo Soares – Avenida Roberto Silveira – Rodoviária do Povo de Maricá – Avenida Roberto Silveira – Rua Abreu Sodré – Avenida Vereador Francisco Sabino da Costa – RJ-106 (Rodovia Amaral Peixoto) – Retorno (KM 29) – RJ-106 (Rodovia Amaral Peixoto) – Retorno no Spar – RJ-106 (Rodovia Amaral Peixoto) – Travessa Campos – Estrada de Itaipuaçu – Avenida Carlos Marighella – Rua Professor Cardoso de Menezes (Terminal Rodoviário de Itaipuaçu) – Rua Van Lerbergue (antiga Rua 34) – Avenida Zumbi dos Palmares – Praça do Barroco – Rua Antônio Modesto de Sá – Rua João Goulart – Avenida do Canal – RJ-102 (Rua Eng. Domingos Barbosa) – Rua Barão de Macaúba (ponto final em frente à Escola Municipal João Monteiro).

Linha 4 – PONTA NEGRA x RECANTO (Via Manoel Ribeiro)

- Praça de Ponta Negra – Rua São Pedro Apostolo – RJ-118 (Estrada de Ponta Negra) – RJ-106 (Rodovia Amaral Peixoto) – Retorno no KM 28 – RJ-106 (Rodovia Amaral Peixoto) – Avenida Roberto Silveira – Rodoviária do Povo de Maricá – Avenida Roberto Silveira – Rua Abreu Sodré – Avenida Vereador Francisco Sabino da Costa – RJ-106 (Rodovia Amaral Peixoto) – Retorno (KM 29) – RJ-106 (Rodovia Amaral Peixoto) – Retorno no Spar – RJ-106 (Rodovia Amaral Peixoto) – Travessa Campos – Estrada de Itaipuaçu – Avenida Carlos Marighella – Rua Professor Cardoso de Menezes (Terminal Rodoviário de Itaipuaçu) – Rua Van Lerbergue (antiga Rua 34) – Avenida Zumbi dos Palmares – Praça do Barroco – Rua Antônio Modesto de Sá – Rua João Goulart – Avenida do Canal – RJ-102 (Rua Eng. Domingos Barbosa) – Rua Barão de Macaúba (ponto final em frente à Escola Municipal João Monteiro).


O Fluminense

Centenas de cidades estão prontas para replicar a experiência do Rio em medir e reduzir emissões

16/12/2014 - The City Fix

O Rio de Janeiro está usando o Global Protocol for Community-Scale Greenhouse Gas Emissions Inventories (GPC)

Wee Kean Fong e Ryan Schleeter

O Rio de Janeiro está testando o piloto do GPC
O Rio de Janeiro está testando o piloto do GPC
créditos: Gerben van Heijningen/Flickr
 
O Rio de Janeiro é uma das cidades do mundo à frente no processo de integrar a sustentabilidade no planejamento urbano. Em 2011, o prefeito Eduardo Paes decretou uma lei ambiciosa relacionada às mudanças climáticas, estabelecendo a meta de evitar a emissão de 2,32 milhões de toneladas de gases do efeito estufa com origem no setor industrial até 2020, o equivalente a 20% das emissões de 2005. Havia apenas um problema: a cidade não tinha certeza de quanto estava emitindo.
 
As autoridades municipais tentaram fazer um inventário das emissões da cidade em 2005, mas não havia um padrão internacional para esse tipo de mensuração ao nível das cidades. O resultado foi incompleto e inconsistente em relação à maneira como outras cidades faziam o cálculo. Então, com o apoio do WRI, o Rio passou a se dedicar a uma primeira versão do Global Protocol for Community-Scale Greenhouse Gas Emissions Inventories (GPC). Usando esse padrão, a capital carioca descobriu que os setores de transporte e resíduos eram os que mais contribuíam para o total de emissões da cidade – 39% e 19%, respectivamente – e percebeu que colocar esses dois setores como alvo das ações vai contribuir significativamente para atingir a meta de redução de 20% das emissões.
 
Um novo padrão para medir e gerenciar as emissões nas cidades

Hoje, WRI, C40 e ICLEI estão lançando a versão final do GPC. É o primeiro padrão para medir as emissões em escala municipal aceito internacionalmente, e dá às cidades o poder de identificar de forma precisa de onde vêm as emissões, de estabelecer metas de redução razoáveis e possíveis de serem atingidas e de acompanhar o progresso de forma consistente.


Não podemos vencer a batalha contra as mudanças climáticas sem as cidades

Em se tratando da luta contra as mudanças climáticas, as cidades estão na linha de frente. Para começar, porque elas são a principal fonte do problema: aproximadamente metade da população mundial vive em áreas urbanas, e as cidades produzem 70% das emissões de dióxido de carbono relacionadas ao setor de energia. Cidades emergentes já estão alcançando cidades desenvolvidas no que diz respeito ao volume de emissões. Pequim, Xangai e Tianjin (China), por exemplo, têm emissões per capita semelhantes a grandes cidades europeias e norte-americanas. E o impacto ambiental das áreas urbanas ainda deve crescer mais – as cidades devem passar a abrigar 1,4 bilhão de pessoas a mais nos próximos 20 anos e atrair trilhões de dólares em investimentos em novas infraestruturas.


(Imagem: WRI / Fonte: World Energy Outlook)
 
No entanto, as cidades estão começando a agir. O Rio é uma das 35 cidades que testaram o piloto do GPC, e o número de cidades utilizando o padrão atualmente já aumentou para mais de 100. Essas cidades representam em torno de 1,1 giga tonelada das emissões de gases do efeito estufa e abrigam mais 170 milhões de pessoas, sendo comparáveis ao total de emissões e populações de todo o Brasil. Alavancando as redes do C40, ICLEI e do WRI Ross Center for Sustainable Cities, espera-se que o número de cidades usando o GPC cresça ainda mais nos próximos anos.
 
Esses compromissos amplificam aqueles já anunciados pela iniciativa Compact of Mayors em setembro durante a UN Climate Summit, que convoca os prefeitos e lideranças municipais a estabelecer metas de redução de emissões e a divulgar os resultados utilizando o GPC.
 
Voltando ao Rio…

Quanto ao rio, a administração municipal ainda não descansou desde que comprovou a fonte das emissões da cidade em 2011. Autoridades lançaram um plano de ação climática focado nas duas principais fontes de emissões. Para amenizar as emissões do setor de transportes e limitar a crescente dependência no automóvel privado, a cidade está expandindo sua rede de corredores BRT para incluir três linhas adicionais até 2016, totalizando 150 km de corredores. Combinadas a esforços para melhorar a eficiência dos combustíveis e aumentar o uso de biodiesel, essas medidas devem ajudar a atingir a meta estadual de reduzir as emissões dos transportes em 30% até 2020. A cidade também reformulou seu sistema de gerenciamento de resíduos, incluindo um dos maiores depósitos ao ar livre do mundo, o Jardim Gramacho. Só com isso, a redução de emissões de gases do efeito estufa deve ser de 1.400 toneladas por ano.
 
A cidade está progredindo, mas ainda tem muito trabalho a fazer. No ano passado, em conjunto com o teste piloto do GPC, o Rio completou seu inventário de emissões de 2012. O inventário indica que a cidade evitou 378 mil toneladas de emissões, número aquém da meta para 2012, que era evitar 929 mil toneladas. E apesar do alto índice de uso do transporte coletivo na cidade, a posse de carros ainda aumenta, e 47% dos brasileiros acreditam que ter um carro próprio é vital.
 
Ainda assim, munida de um inventário preciso, a cidade pode agora planejar ações mais ambiciosas e direcionadas, a fim de atingir suas metas climáticas e entrar no caminho certo para um futuro de baixo carbono. Enquanto debatem como enfrentar as mudanças climáticas, as lideranças nacionais reunidas em Lima podem ver em cidades como o Rio e ferramentas como o GPC formas de avançar o diálogo e concretizar ações.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Melhorar transporte na Baixada será prioridade do novo secretário estadual

16/12/2014 - O Globo

POR TAÍS MENDES

Osorio anuncia BRT na Região Metropolitana, a possibilidade de novas linhas hidroviárias e incentivos à implantação da aviação regional


Carlos Roberto Osório, o novo secretário estadual de Transportes - Fernando Frazão / Agência O Globo

RIO - No primeiro dia útil de sua gestão, no dia 2 de janeiro, o novo secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osorio, vai sentir na própria pele como é andar de trem, barca e metrô. Ele garante que esse será o seu primeiro ato para, só depois, montar seu cronograma de trabalho. Mas uma coisa já é certa, por recomendação do governador Luiz Fernando Pezão: trabalhar para uma melhor integração da mobilidade do transporte na Região Metropolitana.

— Hoje tenho uma reunião com a secretária Tatiana (Tatiana Vaz Carius) para me inteirar dos assuntos da secretaria, mas o entendimento do governador é que existem oportunidades para melhorar a qualidade de atendimento do usuário dessa região. Tenham certeza de que no primeiro dia útil de 2015 estarei nas ruas andando nos meios de transportes públicos do estado — afirmou, acrescentando que o Rio ficou 30, 40 anos sem investir em transporte — Sucateamos nossa rede de alta capacidade. Já foi feito um esforço grande de recuperação dessa rede, mas o estado tem muitos projetos em andamento. Nossa missão é dar prosseguimento a isso e trabalhar para melhorar a oferta de serviços — completou o novo secretário.

Consciente do momento atual da cidade, cercada por obras que deixam o trânsito caótico, Osorio admite que não será fácil convencer a população a deixar o carro em casa:

— Conheço bem a realidade do município. Entendemos que, para fazer esse pedido, em contrapartida temos que melhorar o transporte público. Mas isso se dará de forma gradativa. À medida que o transporte vai melhorando, mais gente vai deixando o carro em casa.

De acordo com o secretário, a Linha 3 do Metrô, ligando Niterói a São Gonçalo, sairá do papel. As obras estão previstas para iniciar ao longo de 2015, ainda sem uma data precisa:

— O governador passou isso como sendo uma determinação. Os recursos já foram negociados entre os governos estadual e federal. A principal barreira, que era o financiamento, está encaminhada — garantiu.

Osorio disse que para qualificar e mudar o transporte na Região Metropolitana precisará vencer desafios:

— O primeiro é a Baixada Fluminense, onde temos o objetivo de melhorar a rede de trens, com novas composições, todas com ar-condicionado, que já forma encomendadas e devem chegar ao longo do ano que vem. Até 2016 temos que completar a refrigeração e renovar cem por cento da frota. Outro desafio é a requalificação gradativa das estação de trens. Vamos também usar equipamentos que permitem a redução dos intervalos entre os trens. Eles já estão em teste no ramal de Deodoro. Isso aumentará a frequência, possibilitando uma maior oferta para os passageiros. Até 2016, haverá uma significativa melhora do serviço. E vamos ligar os municípios da Baixada com BRTs.

Segundo Osorio, a Região Metropolitana também ganhará corredores do BRT:

— O governo estuda a implantação de uma rede de BRTs, ligando o eixo da Via Dutra e da Rodovia Washington Luís com a Avenida Brasil e conectando aos trens da SuperVia. Isso reduzirá a quantidade de ônibus intermunicipais que acessam o Centro do Rio. Além de um conjunto de BRTs que será implantado fazendo a ligação Niterói, São Gonçalo e Itaboraí.

O novo secretário destacou que o governo pretende aproveitar a próxima licitação do pedágio da Ponte Rio-Niterói para incluir melhorias viárias para o acesso de carga ao Porto do Rio.

— O Arco Metropolitano facilita a circulação de cargas, mas temos a ideia de aproveitar a nova licitação, que vai ser feita pelo Ministério dos Transportes, e incluir investimentos em novos acessos da ponte com o Caju, a Linha Vermelha e a Avenida Brasil — adiantou.

Osorio também planeja criar novas linhas marítimas na Baía de Guanabara:

— Está em estudo, mas ainda vou receber esses dados. O que está garantido são as novas barcas, já contratadas pelo governo do estado. Com isso, há a possibilidade de aumentar o transporte hidroviário na baía, que tem capacidade para isso.

Ele disse ainda que o governo tem planos de ampliar e melhorar os aeroportos no interior:

— Existe um esforço, um plano de incentivo, de aumentar a aviação regional, mas ainda preciso conhecer de perto os estudos.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/melhorar-transporte-na-baixada-sera-prioridade-do-novo-secretario-estadual-14846011#ixzz3M5k6eInS 
© 1996 - 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

SMTR implanta nove novas alimentadoras nos corredores BRT Transoeste e Transcarioca

12/12/2014 - Secretaria Municipal de Transportes - SMTR

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) e dos Consórcios BRT, Transcarioca e Santa Cruz, informa que, a partir deste sábado (13/12), terá início mais uma etapa do processo de racionalização das linhas de ônibus das regiões abrangidas pelos BRTs Transoeste e Transcarioca. A medida segue o planejamento definido pelo município com a implantação de oito linhasalimentadoras no Transoeste (857A, SR858A, SV870A, SR870A, 871A, 872A, 873A e 828SR) e uma no Transcarioca (910A).  Atualmente, os corredores BRT transportam mais de 400 mil passageiros por dia.
 
A SMTR informa que não haverá cortes de linhas neste momento. As linhas alimentadoras garantem os deslocamentos até as estações sem acréscimo de tarifa. As mudanças estão sendo divulgadas nas estações e principais pontos das linhas com distribuição de folhetos explicativos. As novidades também estão nas redes sociais do BRT Rio, que atingem mais 120 mil seguidores.
 
Novas linhas alimentadoras

Transoeste
 
857A - Jardim 7 de Abril x Paciência (via Gouveia)
SR858A - São Fernando x Paciência 
SV870A - Sepetiba x Santa Cruz (via Croácia)
SR870A - Sepetiba x Santa Cruz (Circular) 
871A - Sepetiba x Cesarão (Circ Via Croácia) 
872A - Sepetiba x Cesarão (Circ via Sepetiba) 
873A - Jardim 7 de Abril x Paciência 
828SR - São Jorge x Campo Grande (via BRT Campo Grande) 

 
Transcarioca
 
 
910A - Bananal x Fundão

Novas linhas alimentadoras do BRT deixam passageiros confusos na Zona Oeste

16/12/2014 - Extra

Passageiros ficaram confusos no primeiro dia útil de funcionamento de nove novas linhas alimentadoras dos BRTs Transoeste e Transcarioca. A falta de orientação era a principal reclamação das pessoas que, ontem, tentavam entender os itinerários que os novos ônibus percorrem desde o último sábado em bairros como Sepetiba, Santa Cruz e Campo Grande.

— Fiquei surpresa quando olhei o letreiro do 858A (São FernandoxPaciência) e vi que o trajeto, agora, é feito via Antares. Até gostei da novidade, mas não recebi nenhum panfleto e nem encontrei ninguém para informar sobre a mudança — reclama a estudante Juliana Pires, de 22 anos, moradora de Santa Cruz.

De acordo com o consórcio BRT, a medida faz parte de mais uma etapa do processo de racionalização das linhas de ônibus. As mudanças cumprem o planejamento definido pela Secretaria municipal de Transportes. Sobre a divulgação, o consórcio explicou que houve distribuição de folhetos nas principais estações e publicações no site e nas redes sociais do BRT. A ação foi concentrada na semana passada, para preparar a população, mas continuará a ser feita nas próximas semanas.

A auxiliar de enfermagem Vera Lúcia Silva, de 68 anos, tomou um susto ao ser informada sobre as mudanças pela equipe do EXTRA. Embora pegue o ônibus todos os dias num ponto movimentado de Santa Cruz, ela não havia sido informada da novidade.

— Mudou e ninguém avisa nada? É um descaso, porque isso influencia a vida de passageiros que não usam o BRT — desabafa ela, que teme o encerramento das atividades de linhas convencionais: — No início do ano, encurtaram o itinerário de um ônibus que fazia o trajeto SepetibaxBangu, que foi substituído por uma linha alimentadora. Espero que não aconteça o mesmo com outras linhas.
Segundo a Secretaria municipal de Transportes, não haverá cortes de linhas neste momento. O deslocamento até as estações feito pelas linhas alimentadoras não tem acréscimo de tarifa. Atualmente, os corredores BRT transportam mais de 400 mil passageiros por dia.
Críticas em Jacarepaguá

Em Jacarepaguá, no trecho do BRT Transcarioca onde o mesmo processo de racionalização das linhas de ônibus aconteceu em agosto, as mudanças ainda são alvo de crítica dos passageiros.
— Antes eu pegava duas conduções para ir ao trabalho, em Vargem Grande. Agora preciso pegar três. Ficou muito ruim — lamenta o eletrotécnico Alexandre Sudário, 36 anos, morador de Bangu.
Da mesma opinião partilha o açougueiro José Augusto Souza, de 44 anos, que afirma ter sido obrigado a usar o ônibus BRT por causa das alterações nas linhas.

— Antes, eu ia de Cascadura até o Recreio numa viagem só. Agora, sou obrigado a descer no Merck, pegar o BRT e mais uma linha alimentadora — conta.

Para a artesã Márcia Helena Conceição, de 50 anos, moradora da Cidade de Deus, as mudanças também afetaram o trânsito.

— Acho que, em vez de melhorar, o trânsito piorou com essas mudanças todas. Eu vou diariamente ao Mercadão de Madureira e hoje levo muito mais tempo para chegar.

Questionado, o consórcio BRT respondeu apenas que opera linhas e serviços definidos pelo planejamento estratégico da Prefeitura.

Conheça as novas linhas:

No BRT Transoeste:
857A - Jardim 7 de AbrilxPaciência (via Gouveia)
SR858A - São FernandoxPaciência
SV870A - SepetibaxSanta Cruz (via Croácia)
SR870A - SepetibaxSanta Cruz (Circular)
871A - SepetibaxCesarão (Circular, Via Croácia)
872A - SepetibaxCesarão (Circular, via Sepetiba)
873A - Jardim 7 de AbrilxPaciência
828SR - São JorgexCampo Grande (via BRT Campo Grande)
No BRT Transcarioca:
910A - Bananal x Fundão

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Prefeitura implanta nove linhas alimentadoras nos corredores BRT Transoeste e Transcarioca

12/12/2014 - Agência Rio

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) e dos Consórcios BRT, Transcarioca e Santa Cruz, informa que, a partir deste sábado (13/12), terá início mais uma etapa do processo de racionalização das linhas de ônibus das regiões abrangidas pelos BRTs Transoeste e Transcarioca.

A medida segue o planejamento definido pelo município com a implantação de oito linhas alimentadoras no Transoeste (857A, SR858A, SV870A, SR870A, 871A, 872A, 873A e 828SR) e uma no Transcarioca (910A). Atualmente, os corredores BRT transportam mais de 400 mil passageiros por dia.


A SMTR informa que não haverá cortes de linhas neste momento. As linhas alimentadoras garantem os deslocamentos até as estações sem acréscimo de tarifa. As mudanças estão sendo divulgadas nas estações e principais pontos das linhas com distribuição de folhetos explicativos. As novidades também estão nas redes sociais do BRT Rio, que atingem mais 120 mil seguidores.

Novas linhas alimentadoras

Transoeste

857A - Jardim 7 de Abril x Paciência (via Gouveia)
SR858A - São Fernando x Paciência
SV870A - Sepetiba x Santa Cruz (via Croácia)
SR870A - Sepetiba x Santa Cruz (Circular)
871A - Sepetiba x Cesarão (Circ Via Croácia)
872A - Sepetiba x Cesarão (Circ via Sepetiba)
873A - Jardim 7 de Abril x Paciência
828SR - São Jorge x Campo Grande (via BRT Campo Grande)

Transcarioca

910A - Bananal x Fundão

Passageiros reclamam da extinção de linhas de ônibus depois da implantação dos BRTs

Com os corredores Transoeste e Transcarioca, itinerários são mudados e coletivos saem de circulação

POR TAÍS MENDES

12/12/2014 - O Globo


A estação do BRT Transcarioca no Fundão: usuários reclamam do fim de linhas de ônibus e de mudança em itinerários - Hudson Pontes / Agência O Globo (04/10/2014)
PUBLICIDADE


RIO — Desde o início da operação dos BRTs Transoeste (junho de 2012) e Transcarioca (junho de 2014), oito linhas de ônibus foram extintas e 36 tiveram os itinerários modificados nas áreas por onde passam os dois corredores, o que tem provocado reclamações de passageiros. Nesse período, duas novas linhas foram criadas. Moradora da Cidade de Deus, a recepcionista Ágata Santana, de 22 anos, trabalha num curso de idiomas no Recreio dos Bandeirantes e diz que fazia o trajeto até o emprego, de van ou no ônibus 753 (Cascadura-Recreio), em 40 minutos no máximo. Com o fim da linha do coletivo e da circulação das vans, ela agora faz a viagem em uma hora e meia. Ágata pensa até em procurar emprego mais perto de casa.

— Sou obrigada a pegar um ônibus até o Terminal Alvorada (na Barra) e depois o Transoeste até o trabalho. Além de mais tempo, o desconforto também é maior. Os ônibus do BRT estão sempre lotados. Os moradores da Cidade de Deus estão sofrendo muito com o fim das linhas por causa do BRT. Não tem mais ônibus direto para a praia, Madureira, Praça Seca. Mas para o Tanque tem três linhas — reclama.

A empresária Rosana Limoeiro, dona da escola de idiomas onde Ágata trabalha, diz que ela não é a única a se queixar:

— Todos que moram na região da Cidade de Deus estão cansados, exaustos. O fim da linha prejudica muita gente.

Luana Furtado, analista de mídias sociais, mora em Bangu e trabalha na Barra. Ela conta que costumava pegar um ônibus até o centro de Bangu e depois um da linha 803 (Senador Camará-Barra), num trajeto de uma hora e meia até o trabalho. Com o Transcarioca, a linha 803 mudou o percurso e passou a fazer ponto final na Taquara. De lá, os passageiros devem pegar o BRT para seguir viagem até a Barra. Luana conta que agora o deslocamento passou a ser feito em duas horas. Além disso, ela é obrigada a pagar uma passagem a mais, já que o novo trajeto foge ao limite do Bilhete Único, que permite duas viagens em até duas horas:

ADVERTISEMENT

— Eu acho que a mudança não foi vantajosa para a população, porque agora o trajeto ficou mais longo, mais demorado e mais caro. Deveria ter havido um planejamento melhor da implementação do BRT e, consequentemente, das mudanças de trajeto das linhas de ônibus.

PASSAGEIROS SE QUEIXAM NA ESTRADA DOS BANDEIRANTES

Os usuários dos ônibus que passam pela Estrada dos Bandeirantes, uma das mais importantes de Jacarepaguá, também sentem falta de pelo menos quatro linhas, que deixaram de circular por causa do Transcarioca.

— Alteraram o trajeto da linha 332 (Taquara-Castelo) e reduziram as frotas da 368 (Riocentro-Castelo), da 348 (Riocentro-Praça Quinze) e da 810 (Piabas-Cardoso Fontes). E o pior é que o BRT não circula por toda a Estrada dos Bandeirantes. Um absurdo — disse Vânia Lima.

O servidor público Ruy Barbosa Nascimento, de 58 anos, mora no Pechincha e diz que, para ir até Cascadura, agora há apenas uma opção: o ônibus 766 (Madureira-Freguesia). Segundo ele, cinco linhas que passavam pelo Pechincha foram extintas e o BRT não passa em Cascadura:

PUBLICIDADE
 

— Tenho agora que pegar três ônibus: um até o Tanque, o BRT até Campinho ou Madureira e, de lá, uma terceira condução para Cascadura. Antes, levava no máximo 20 minutos no trajeto. Agora não faço por menos de 40 minutos.

SECRETARIA DEVE ENVIAR FISCAIS

A Secretaria municipal de Transportes confirmou que é preciso pegar três conduções para fazer o trajeto do Pechincha até Cascadura. Quanto às linhas retiradas da Estrada dos Bandeirantes, o órgão informou que pela via ainda circulam dois ônibus convencionais, o 348 (Castelo-Riocentro, via Linha Amarela) e o 368 (Castelo-Riocentro), além de cinco novas linhas alimentadoras (que levam para o BRT).

Ainda segundo a secretaria, o trajeto da Cidade de Deus ao Recreio pode ser feito hoje em tempo até menor do que antes do BRT. A opção é usar a linha 991A (Taquara-Alvorada, via Cidade de Deus). O trajeto leva de 15 a 20 minutos até o Alvorada, nos cálculos do órgão. Depois, conforme orienta a secretaria, é preciso embarcar no BRT Transoeste até o Pontal, uma viagem de cerca de 30 minutos. Até o Recreio, seriam 20 minutos. A secretaria informou que, ainda assim, uma equipe de fiscalização vai verificar se os horários estão sendo cumpridos.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/passageiros-reclamam-da-extincao-de-linhas-de-onibus-depois-da-implantacao-dos-brts-14811762#ixzz3LgOweAUR 
© 1996 - 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Linha Vermelha vai ganhar BRS durante obras na Avenida Brasil, diz novo secretário de Transportes

Intervenções devem começar no mês que vem. Rafael Picciani vai propor reduzir número de linhas intermunicipais

POR ELENILCE BOTTARI

12/12/2014 - O Globo


A Linha Vermelha, onde a prefeitura quer implantar um BRS - Marcelo Piu / Agência O Globo (18/04/2014)

RIO — A Linha Vermelha ganhará um BRS (faixa seletiva) no começo de 2015, para receber parte dos coletivos que será desviada da Avenida Brasil com o início das obras do BRT Transbrasil, corredor exclusivo para ônibus que ligará Deodoro ao Caju e ao Centro. Ao falar sobre os desafios de sua pasta, o novo secretário municipal de Transportes, Rafael Picciani, explicou que as obras na Avenida Brasil, previstas para novembro, deverão começar em janeiro, aproveitando o período de férias.

— A implantação de um BRS na Linha Vermelha durante as obras vai melhorar o transporte público, mas vai piorar o transporte individual.

Outra medida que Picciani pretende adotar para reduzir o número de coletivos circulando na Avenida Brasil é a redução e reprogramação das linhas intermunicipais.

BOA RELAÇÃO COM PEZÃO

Para isso, Picciani — que era secretário de Habitação do estado e foi reeleito deputado estadual (PMDB) — aposta no bom relacionamento que tem com o governador Luiz Fernando Pezão.

— A obra é muito complexa e dependemos dessa interface com o governo do estado, para reduzir os transtornos provocados no trânsito com as obras do Transbrasil. Estamos montando um plano de fechamento parcial da Avenida Brasil, onde 80% das linhas que por ali passam são intermunicipais. Se não houver um acordo com o estado, para que o Detro nos ajude a reduzir essas linhas e a reprogramá-las, teremos mais dificuldades — afirmou o secretário, que também conta com a chegada dos novos trens encomendados pelo governo do estado, para desafogar o transporte rodoviário.

Segundo ele, a CET-Rio está concluindo um plano de contingência para o trânsito da cidade durante as obras que interditarão trechos das pistas centrais da Avenida Brasil.

— Não é uma operação simples. Os técnicos da CET-Rio estão muito empenhados em fazer tudo da melhor maneira, para que as inversões de pista, nos horários de pico, sejam rapidamente assimiladas. A população tem que estar consciente e precisa participar. Faremos campanha para incentivar a carona solidária e o uso do transporte público.

Para Picciani, o principal desafio será cumprir o cronograma de obras e entregar os BRTs, o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) do Centro e outras obras nos prazos, reduzindo os transtornos para a população.

Entre os projetos e pedidos que pretende estudar está a implantação da lei 5.751/2014, de autoria dos vereadores Thiago Ribeiro (PMDB) e Carlo Caiado (DEM), que definiu critérios para a implantação do transporte hidroviário no complexo lagunar de Jacarepaguá:

— Temos esses canais na Barra e em Jacarepaguá, e não os utilizamos. O prefeito Eduardo Paes quebrou o paradigma de que o usuário utiliza um único meio de transportes de uma ponta a outra, entre a casa e o trabalho. A palavra é integração dos sistemas de transportes. Os cariocas poderão se deslocar utilizando BRT, VLT, trens, metrô, tudo isto com o bilhete único.

SEM EXPERIÊNCIA NO SETOR

Com apenas 28 anos e sem qualquer experiência no setor, o mais jovem secretário da história do Rio na área de Transportes garante ter "disposição suficiente" para dialogar com governos, parlamentares e especialistas. Assume a secretaria mantendo até mesmo um antigo titular, o ex-secretário Alexandre Pinto:

— Quero manter principalmente ele. É como um bonde a 300 quilômetros por hora que eu não posso frear para entrar. Tenho que embarcar nele mantendo a velocidade.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/linha-vermelha-vai-ganhar-brs-durante-obras-na-avenida-brasil-diz-novo-secretario-de-transportes-14811717#ixzz3LgOO2dn4 
© 1996 - 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Mobilidade Urbana em Campos (RJ): da passagem social à abertura de corredores

09/12/2014 - O Diário

Prefeitura de Campos planeja abrir novas vias, implantar ciclovias e ciclofaixas, oferecer novos ônibus e construir o aeromóvel com novo Plano de Mobilidade Urbana

Ciclovias fazem parte do novo Plano de Mobilidade Urbana
créditos: Rodolfo Lins/PMCG

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população de Campos deverá chegar a um milhão de pessoas nos próximos anos e, com tanta gente assim indo e vindo, a prefeitura procurou se antecipar criando o Plano de Mobilidade Urbana. Os investimentos incluem abertura de novas vias, como a moderna Avenida Artur Bernardes, implantação de ciclovias e ciclofaixas, Programa Cartão Cidadão, novos ônibus com acessibilidade e alguns com ar refrigerado, que começam a circular ainda este ano, além do aeromóvel, entre outros.

O Programa Campos Cartão Cidadão, que garante a passagem a R$ 1, beneficia mensalmente mais de 300 mil usuários e em cinco anos a prefeitura investiu R$ 150 milhões em subsídio, beneficiando a população. Até o final deste ano, em torno de 100 novos ônibus estarão circulando nos bairros e distritos do município adquiridos pelos consórcios Planície e União, vencedores dos lotes 01 e 02 e Empresa Rogil, que irá operar o lote 03. Os coletivos serão financiados pela prefeitura, através do Fundo de Desenvolvimento de Campos (Fundecam), com juros de 0,5% ano e 24 meses para os consórcios quitarem o empréstimo.

Objetivando aperfeiçoar a mobilidade para que a população consiga se deslocar com maior facilidade, o Instituto Municipal de Trânsito e Transporte (IMTT) também adotou medidas, como a mudança de sentido de algumas ruas tanto na área central, como nos bairros periféricos, melhorando o fluxo dos veículos, como na Ponte General Dutra, por exemplo, onde hoje apenas os veículos no sentido Rua Rocha Leão, Bairro Caju/Rodovia BR-101 (Campos-Vitória) podem trafegar. "Com essas avenidas, trafegar ficou mais rápido. Para mim que trabalho com vendas e circulo de um lado para o outro foi importante", destacou o representante comercial Kleber Júnior Gomes, 28 anos, morador no Bairro Jóquei Clube. Quem também gostou e aprovou os investimentos nas vias foi o técnico em manutenção Cristiano da Silva Barreto, 39, que mora no Parque Cidade Luz, em Guarus. "Depois dessas obras, andar de carro ficou bem melhor", observou.

Padronização de táxis, regulamentação de alternativos e projeto do aeromóvel

Além disso, o IMTT padronizou os táxis e regulamentou as vans. Também houve investimentos na recuperação e ampliação de ciclovias e ciclofaixas, que vem sendo interligadas, garantindo assim, a circulação entre bairros. De acordo com levantamento do IMTT, atualmente são 50 quilômetros de ciclovias e ciclofaixas demarcados ao longo das principais avenidas, garantindo mais opções para quem anda de bicicleta. O objetivo é incentivar a população a pedalar.

O aeromóvel - transporte por via férrea suspensa - teve o projeto conceitual readaptado pelo Ministério das Cidades, com o município seguindo as exigências e orientações do Governo Federal, ficando orçado em R$ 462 milhões. O contrato para financiamento do aeromóvel foi assinado pela presidente da República, Dilma Rousseff, e a prefeita de Campos, Rosinha Garotinho, em 26 de junho deste ano. No total, serão 13,2 quilômetros em via dupla.

Centro Histórico: obras de Revitalização para garantir mais mobilidade

O Centro Histórico de Campos vai ganhando um novo visual, com a revitalização realizada pela prefeitura. A primeira etapa já foi inaugurada e as ruas receberam total infraestrutura, como drenagem pluvial, redes de esgoto e de água, pavimentação, calçadas mais largas e com acessibilidade, além da conclusão de 90% da conversão subterrânea. Segundo a Secretaria Municipal de Obras, Urbanismo e Infraestrutura, o projeto contempla ao todo 26 ruas, avenidas e praças.

As obras de revitalização do Centro Histórico começaram em 2012. Além de dotar a área central de toda infraestrutura, o projeto visa ainda embelezar a região, com a retirada de fiações externas, nova iluminação e medidas de acessibilidade. Todo o projeto, que tem prazo de conclusão até 2016, totaliza investimentos municipais da ordem de R$ 65,5 milhões.

Investimentos: geração de trabalho e renda no município

Investimentos como o Complexo Logístico e Industrial Farol/Barra do Furado, na divisa entre os municípios de Campos e Quissamã e o processo de expansão e modernização do Aeroporto Bartolomeu Lisandro, além de gerar trabalho e renda, também fazem parte do Plano de Mobilidade Urbana. Em outubro, o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Wainer Teixeira, se reuniu na sede da Secretaria de Aviação Civil, em Brasília (DF), com o diretor de Outorgas, Ronei Saggioro, para tratar do assunto.

O novo sistema de transporte coletivo de Campos, que começará a operar até o fim deste ano, vai aquecer o mercado com a geração de cerca de 720 postos de emprego no setor, que hoje tem em torno de 1.800 trabalhadores, ou seja, 40% a mais em 12 empresas de ônibus. A previsão é do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Campos (Setranspas) e leva em conta o momento em que o sistema estiver operando totalmente. Segundo dados do Setranspas, cada ônibus em circulação gera em torno de seis postos de trabalho, entre motoristas, cobradores, manutenção e administração.

Financiamento - Em relação ao financiamento proporcionado pela prefeitura, através do Fundecam, para a aquisição de 100 ônibus novos pelos consórcios Planície, União e Empresa Rogil, o representante dos empresários destacou que a linha de crédito é bem vinda. "E chega num momento em que as empresas têm muitas dificuldades", revelou o presidente do Setranspas, José Maria Matias.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Corredor expresso na Vila Militar ligará Transbrasil e Transolímpica

08/12/2014 - Extra - RJ

Uma nova via com quatro quilômetros de extensão está sendo construída na Vila Militar, nos fundos do quartel do Exército. Projetada pela prefeitura, ela vai servir de ligação entre os corredores de BRT Transolímpica, na altura de Magalhães Bastos, e Transbrasil, perto da estação de Deodoro, facilitando a integração dos dois novos corredores com os trens da SuperVia.

— Ao longo da estação ficará o terminal de dois andares, que será compartilhado por Transolímpica e Transbrasil, além dos ônibus alimentadores. Quando tudo estiver pronto, será possível sair do Recreio e chegar ao Centro usando o BRT — afirma Eduardo Fagundes, coordenador de obras viárias da Secretaria municipal de Obras.

A via terá duas faixas de rolamento, sendo uma em cada sentido, e servirá exclusivamente aos ônibus do BRT. Ao longo dela, serão construídas duas estações para embarque e desembarque de passageiros, que ficarão em Magalhães Bastos e na Vila Militar. A via, que apesar de prevista no projeto original, não integrava o corredor expresso, exigiu a realização de uma nova licitação, vencida pela empresa MJRE.

A obra está em fase de drenagem. Como o local costuma alagar, devido à proximidade com a bacia do Rio Piraquara, a prefeitura previu a necessidade de construção de cinco ramais de galerias fluviais. Assim, em caso de chuva forte, evitam-se prejuízos na circulação de ônibus.

Segundo a secretaria, os serviços já estão em andamento em quatro frentes de obras. A mais avançada já atinge 80% do cronograma. A fase seguinte será a de pavimentação. A previsão é que as estações comecem a ser construídas no primeiro semestre de 2016.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Estado do Rio pode ter dez novos corredores expressos de transporte

04/12/2014 - O Globo

Segundo Fetranspor, novos BRTs vão beneficiar cinco milhões de pessoas e deverão custar R$ 2,75 bilhões

BRUNO AMORIM

RIO - O presidente da Fetranspor, Lélis Marcos Teixeira, apresentou nesta quinta-feira um projeto de construção de dez corredores expressos para integrar as cidades próximas da capital. Nos moldes dos BRTs já inaugurados no Rio, os novos corredores beneficiarão mais de cinco milhões de pessoas, ao custo de R$ 2,75 bilhões. O projeto foi apresentado durante a entrega do prêmio Mobilidade Urbana, no Sofitel, em Copacabana.

- Muitos nos cobram a qualidade dos ônibus, mas um transporte de qualidade não se faz sem infraestrutura. Inauguramos dois BRTs, que até o fim do ano vão transportar 500 mil passageiros por dia com qualidade, ar-condicionado e suspensão a ar - disse o presidente da Fetranspor.

De acordo com o projeto, os novos corredores serão na Baixada, onde serão implantados os corredores Via Dutra, Via Light, Washington Luis e Transbaixada; no Leste Fluminense, onde serão criados os corredores Niterói/ Alcântara, RJ 104, RJ 106 e BR 101; além dos corredores Ponte Rio-Niterói e Arco Metropolitano.

Lélis destacou a importância da integração entre diferentes modais de transporte e voltou a afirmar que o primeiro trecho do BRT Transbrasil, entre o Fundão e a Candelária, no Centro, ficará pronto até as Olimpíadas. O Terminal Américo Fontenelle, na Central, deverá ser refeito para receber os ônibus do corredor.

Ele entretanto evitou falar em aumento de tarifas, alegando não ter ainda valores e nem data específica, mas disse que o contrato de concessão estipula que o aumento seja aplicado em janeiro, e que será feito de forma transparente.

Projeto de lei que prevê uso de bermuda por motoristas de ônibus é aprovado

03/12/2014 - O Dia 

Alerj aprovou em segunda discussão e por unanimidade a proposta, que passará apenas pela sanção do governador

PALOMA SAVEDRA

Rio - Os motoristas de ônibus do Rio podem comemorar: o projeto de lei 2075/2013, que prevê o uso de bermudas nos coletivos durante o verão, foi aprovado por unanimidade nesta quarta-feira, em segunda discussão, pela Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). A medida depende ainda de sanção do governador Luiz Fernando Pezão para ser publicada no Diário Oficial. 

Bermudões podem ser permitidos nos ônibus e vans

De autoria do deputado estadual Marcos Soares (PSD), o projeto garante o uso de bermudões por motoristas de ônibus, vans e por servidores públicos que trabalham ao ar livre. A justificativa é a saúde, diminuindo, assim, os riscos de doenças respiratórias. A proposta não contempla médicos e professores — com exceção dos de Educação Física —, que atuam dentro das unidades. Já os policiais militares que atuam nas praias, já usam uniforme especial no verão.


Suando ao volante em tarde quente em plena Avenida Brasil, motorista de ônibus aprova o uso de bermudas
Foto:  Carlo Wrede / Agência O Dia

A ideia agradou aos motoristas de ônibus e vans, que, apesar de também terem a permissão — por decreto municipal — de usarem os bermudões no verão, ainda não adotaram a prática. O motivo seria pela falta de regulamentação das empresas que exploram o serviço.

O DIA já havia repercutido o projeto de lei, que estava no centro das discussões da categoria. Para o presidente do sindicato dos motoristas de ônibus, José Carlos Sacramento, 61 anos, a prática vai facilitar o trabalho dos condutores na estação mais quente do ano:  "É um 'calorão' no verão e o motor esquenta ainda mais as nossas pernas. Tomara que o projeto seja aprovado", disse ele, antes de saber da aprovação. 

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Ônibus elétrico será testado no BRT do Rio de Janeiro

02/12/2014 - O Dia


Aprovado em testes em São Paulo, E-bus promete emissão zero de poluentes e economia no consumo de energia

Após ser aprovado com sucesso na fase experimental em São Paulo, o primeiro ônibus fabricado no Brasil movido 100% a baterias, o E-bus da Eletra, deverá ser testado nos corredores BRT do Rio de Janeiro. A Fetranspor (Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Rio de Janeiro ) quer iniciar as operações do modelo articulado da Eletra a partir de 2015.

Os testes em São Paulo foram realizados de março a agosto no corredor ABD, que liga os bairros de São Mateus e Jabaquara, na Região Metropolitana. Além de economizar 82% nos gastos com combustível em comparação com um ônibus a diesel, o sistema de frenagem regenerativa foi capaz de gerar 33% da carga utilizada pelo veículo. "O motor elétrico vira um gerador quando o freio é acionado, e a energia que seria desperdiçada na frenagem é reaproveitada e acumulada nas baterias", explica a gerente comercial da Eletra, Iêda Maria Oliveira. O E-bus é fruto de parceria com as japonesas Mitsubishi Heavy Industries e Mitsubishi Corporation.

No Rio, a Fetranspor testou em linhas convencionais o ônibus elétrico a baterias da fabricante chinesa BYD em abril e maio. A entidade avaliou como positiva a performance do ônibus da BYD, que transportou passageiros entre a Zona Norte e o centro do Rio durante 60 dias. A economia na geração de energia foi o que mais impressionou: enquanto um veículo a diesel consumiu, em média, R$ 5,3 mil por mês para cumprir o trajeto diariamente, o elétrico precisou apenas de R$ 1,2 mil, uma redução de custos de 78%. O veículo ainda demonstrou uma autonomia para circular 250 km após única recarga noturna.

Entretanto, segundo o gerente de Operações da Mobilidade da Fetranspor, Guilherme Wilson, o alto custo dos ônibus elétricos chineses, que podem chegar à casa dos R$ 900 mil, ainda inviabiliza a substituição da frota. O E-bus se equipara a esse valor com a bateria, que não é fabricada no Brasil. Os convencionais que rodam na cidade, sem ar-condicionado, custam por volta de R$ 300 mil.

"Como a idade média da frota da Região Metropolitana está em torno de 4 anos, um período tão curto não seria suficiente para o empresário recuperar os investimentos", apontou Wilson. Em relação ao modelo da Eletra, ele conta que a Fetranspor ainda não fechou a negociação para os testes, mas que deve usá-los nos dois corredores BRT em operação: Transoeste e Transcarioca.

Segundo o gerente de Operações da Mobilidade da Fetranspor, Guilherme Wilson, o ônibus elétrico da BYD foi o primeiro a apresentar uma autonomia de 250 km após único abastecimento noturno. Ele aponta, porém, que o E-bus da Eletra oferece a vantagem de curtas recargas rápidas durante as paradas nas estações. "O E-bus está demonstrando resultados muito impressionantes, porque opera com um abastecimento lento à noite, e, durante o dia, vai fazendo recargas de 5 a 10 minutos no terminal. Isso permite a ele completar viagens sem um kit de baterias tão pesado", diz Wilson. A gerente comercial da Eletra, Iêda Maria Alves de Oliveira, ressalta que a realidade do transporte público não viabiliza o modelo de recarga única. "Imagina 400 ônibus carregando juntos num período de 6 horas à noite. Demandaria uma energia sem precedentes", diz ela.

O diretor de Relações Governamentais e Marketing da BYD Brasil, Adalberto Maluf, adiantou que a empresa também estuda reduzir o volume das baterias para alguns tipos de operação e ter recargas rápidas, de 5 minutos, nos terminais. Segundo ele, a companhia vai vender o ônibus elétrico pelo mesmo preço do similar a diesel, e a bateria pode ser alugada pelo um valor a ser compensado pela economia do combustível. A Empresa Municipal de Transportes Urbanos de São Paulo informou que o ônibus da Eletra ainda é um protótipo para viabilizar futuramente produção em escala, que ainda depende de uma rede nacional de fornecedores de componentes, além de incentivos governamentais às operadoras.

Fonte: Jornal O Dia
Reportagem e Divulgação da foto: Gustavo Ribeiro