sexta-feira, 3 de julho de 2015

Início das obras da Transoceânica interdita trecho da Estrada Francisco da Cruz Nunes

Trânsito ficará em meia pista entre o Posto Monza e o acesso ao Engenho do Mato. Perfuração do túnel começa terça-feira

POR PAULO ROBERTO ARAÚJO

03/07/2015 - O Globo

Com duas galerias e ciclovia, o túnel Charitas-Cafubá terá 1,3 quilômetro e vai reduzir o tempo de viagem entre 11 bairros da Região Oceânica e a estação dos catamarãs em CharitasFoto: Divulgação/ Prefeitura de Niterói
Com duas galerias e ciclovia, o túnel Charitas-Cafubá terá 1,3 quilômetro e vai reduzir o tempo de viagem entre 11 bairros da Região Oceânica e a estação dos catamarãs em Charitas - Divulgação/ Prefeitura de Niterói
 
NITERÓI — A Estrada Francisco da Cruz Nunes, principal via da Região Oceânica de Niterói, começará a ser transformada em avenida no próximo dia 14, uma semana após o início da perfuração do túnel Charitas-Cafubá, marcado para esta terça-feira. Serão usados 150 quilos de explosivos na primeira detonação da galeria de 1,3 quilômetro, que estará totalmente perfurado no prazo de um ano, segundo estimativa da prefeitura. A pista de subida da Francisco da Cruz Nunes será interditada e o trânsito fluirá em mão dupla, em meia pista, entre o Posto Monza e o quartel do Corpo de Bombeiros, na entrada do Engenho do Mato.

As duas obras marcam o início da construção da Transoceânica, que terá 9,3 quilômetros, de Itaipu a Charitas e vai atender 11 bairros. Orçada em R$ 310 milhões, a obra será feita em dois anos, e a previsão é que beneficie cerca de 70 mil moradores da Região Oceânica, cuja população cresce à taxa de 23% ao ano, enquanto a cidade registra crescimento populacional de 6%.

Na Francisco da Cruz Nunes, começarão as obras do primeiro trecho do sistema BHLS (Bus of High Level of Service), através do qual os ônibus farão o percurso de Itaipu a Charitas em 25 minutos — atualmente o trajeto, pela Estrada da Cachoeira, dura uma hora. A Transoceânica terá duas faixas (três em alguns trechos) para os veículos; uma exclusiva para os ônibus; 13 estações — no centro da via, para embarque e desembarque de passageiros dos coletivos — e ciclovia. No sistema BHLS, diferentemente do BRT, é possível embarcar e desembarcar pelos dois lados dos ônibus, que terão capacidade para transportar até 78 mil passageiros por dia.

— O projeto muda o conceito viário da região, que deixa de ser rodoviarista: a estrada vira avenida. Com a melhoria da qualidade de espaço público urbano, segurança, ciclovias e praças com bicicletários, as pessoas serão estimuladas a caminhar e trocar o carro pelo ônibus em seus deslocamentos. O projeto também prevê a fiação subterrânea em todo o trecho, o que vai beneficiar a expansão do paisagismo ao longo da Transoceânica — explicou a secretária municipal de Urbanismo e Mobilidade, Verena Andreatta.

A expectativa dos técnicos da prefeitura, após a conclusão das obras, é de uma redução de 10% a 15% do fluxo de carros na Região Oceânica, onde existem 21.800 domicílios. Estudos recentes revelam que 39% dos moradores da região usam o carro, índice maior do que o registrado no Grande Rio, que é de 23%. Secretário da Região Oceânica, Carlos Roberto Boechat diz não ter dúvidas de que grande parte dos moradores vai trocar o carro pelo ônibus devido à economia de tempo e dinheiro. Com o túnel, a velocidade média na Estrada da Cachoeira passa de 10km/h para 20km/h ou 30km/h, dependendo do movimento na via.

— Nas ruas, as pessoas comentam que vão deixar o carro em casa. Vão deixar de gastar com COMBUSTÍVEL e estacionamento e se livrar dos engarrafamentos — disse Boechat.

O bancário Fábio Ramos, que mora em Camboinhas e trabalha no Centro do Rio, deixou de usar as barcas porque demorava mais de uma hora para chegar ao Centro. Passou a optar pelo catamarã, mas em dia de trânsito ruim também perde quase uma hora para chegar a Charitas e ainda procurar vaga para guardar o carro. Ele pretende trocar o carro pelo ônibus se o sistema BHLS funcionar como está sendo anunciado:

— Com o túnel, além de chegar mais rápido ao destino não vamos ter mais que passar por locais perigosos como atualmente. Para sair de Itaipu e Camboinhas só temos uma saída, pelo Cantagalo. Para chegar, temos que passar pela Serrinha, que não é muito segura. Todos esperam que a Transoceânica melhore a segurança e alavanque a atividade econômica na região. Ninguém vem fazer um negócio, procurar um médico ou um dentista aqui porque o trânsito é sempre caótico — lamentou o bancário.

Oscar Motta, do movimento S.O.S. São Francisco, reclama que até hoje os moradores de São Francisco e Charitas não têm conhecimento dos impactos, principalmente no trânsito, que a Transoceânica vai provocar nos dois bairros.

— Todos conhecem o projeto do túnel, mas até agora não se falou nos impactos nem nos planos urbanísticos para os dois bairros, que vão receber os carros da Região Oceânica. A comunidade e o comércio também não foram ouvidos sobre a mudança de localização do estacionamento subterrâneo de Charitas, que deveria ser construído em frente à estação dos catamarãs.

Verena garante que o túnel não vai causar impacto negativo nos bairros:

— O túnel vai diluir o fluxo e acabar com o engarrafamento diário da Estrada da Cachoeira. Com a Transoceânica, o número de carros e ônibus nos dois bairros vai diminuir porque parte dos moradores optará pelo conforto do transporte público. A previsão é de um aumento de 500 carros por dia, procedentes do túnel em direção ao Centro. Este volume será absorvido sem problemas pelas vias da orla, ainda mais depois que perderem fluxo com a inauguração do túnel.

Ainda segundo a secretária, o projeto da Transoceânica prevê obras de drenagem em todo o trecho, e o projeto executivo mudou a previsão inicial do destino das pedras que serão retiradas do túnel no decorrer da perfuração. Na previsão inicial, seriam reaproveitados na obra apenas 20% em forma de brita. Com a alteração, este aproveitamento subiu para 60% dos 290 mil metros cúbicos de pedras que a obra vai produzir. O restante vai para uma pedreira em São Gonçalo.

No dia 14, a NitTrans vai mobilizar mais de 50 agentes de trânsito para orientar os motoristas na Francisco da Cruz Nunes. Nos dias anteriores, o local será sinalizado. Verena Andreatta afirmou que os problemas financeiros enfrentados pelo governo federal não colocarão em risco o andamento das obras da Transoceânica:

— Todos os recursos estão empenhados e garantidos. Não há qualquer hipótese de a obra atrasar ou não acontecer.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/bairros/inicio-das-obras-da-transoceanica-interdita-trecho-da-estrada-francisco-da-cruz-nunes-16644751#ixzz3esI93y5x 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Obra para construção do BRT Transbrasil interditará mais três pontos da Avenida Brasil


Bloqueios, que começam nesta quinta-feira, ocorrerão em Manguinhos, Bonsucesso, e na altura do Trevo das Missões

24/06/2015 - O Globo



RIO - Para dar continuidade às obras de construção do BRT Transbrasil, a prefeitura interditará a Avenida Brasil em outros três pontos, a partir do último minuto desta quarta-feira. Os novos bloqueios serão na altura do entroncamento com a Rodovia Washington Luís (Trevo das Missões) e nas proximidades das passarelas 6 (Manguinhos) e 7 (Bonsucesso). Até sábado, os fechamentos ocorrerão sempre das 23h59m até as 5h, para a movimentação de equipamentos e material. As obras nestes trechos terão início, efetivamente, a partir das 5h de sábado.

VIADUTO NO TREVO DAS MISSÕES

O primeiro bloqueio será feito na madrugada desta quinta-feira, e será necessário para mobilizar os equipamentos e viabilizar as intervenções para a construção do viaduto no Trevo das Missões, no entroncamento da Avenida Brasil com a Rodovia Washington Luís.

Serão interditadas as pistas centrais da Avenida Brasil, em ambos os sentidos, nos dias 24, 25 e 26 de junho (quarta, quinta e sexta), a partir das 23h59m até as 5h do dia seguinte. Os fluxos serão desviados pelas pistas laterais (ambos os sentidos).

Já no sábado, a partir das 5h, será iniciada a obra de construção dos pilares de sustentação do viaduto, e serão parcialmente interditadas as pistas centrais da Avenida Brasil. A obra passará a ocupar uma faixa da pista central, sentido Deodoro, e uma faixa da pista central, sentido Centro, ambas junto ao canteiro divisor central. A redução do número de faixas na via permanecerá até o término da obra.

Em função do bloqueio de uma faixa em cada sentido, a capacidade de escoamento do tráfego estará reduzida na Avenida Brasil. Os reflexos no trânsito podem ocorrer principalmente nos horários de pico da manhã e da tarde, não só na Avenida Brasil, como também nas rotas alternativas de circulação.

OBRAS EM BONSUCESSO

A partir de sábado, a obra do corredor BRT Transbrasil, entre a Linha Amarela e a passarela 10, passará a ocupar toda a pista central da Avenida Brasil, sentido Deodoro, entre meia-noite e 5h. Para viabilizar a interdição total da pista central durante a madrugada, o desvio será feito pela pista lateral e novas agulhas serão implantadas no local.

A partir das 5h do sábado, haverá a interdição de mais uma faixa na pista central, sentido Deodoro, no trecho entre a Linha Amarela e a Passarela 10, para continuação das obras, totalizando três faixas interditadas na pista central sentido Deodoro.

De acordo com a prefeitura, uma nova faixa será criada com a retirada de parte do canteiro lateral (entre a pista central e lateral), de forma a manter duas faixas liberadas para veículos na pista central sentido Deodoro (situação atual). As faixas exclusivas para ônibus, até o momento instaladas, serão mantidas para garantir a prioridade ao transporte público.

Em função das alterações, os reflexos no trânsito podem afetar não somente a Avenida Brasil como a Linha Amarela, principalmente nos horários de pico da tarde.

PUBLICIDADE


RETIRADA DE PASSARELA EM MANGUINHOS

Também no início da madrugada de sábado, será iniciada a retirada da passarela 06, em Manguinhos, na altura da Fiocruz. Serão interditadas totalmente as pistas laterais em ambos os sentidos, até às 5h de sábado. Os desvios serão feitos pelas pistas centrais da Avenida Brasil.

Durante a interdição, o ponto de ônibus existente nas proximidades da passarela 06, no sentido Centro, será transferido para a pista central. Segundo a prefeitura, para viabilizar a parada dos ônibus e a segurança dos usuários, o ponto provisório será protegido por uma linha de cones ("baia invertida"). No sentido Deodoro, os veículos serão desviados para uma pista adjunta à pista lateral.

Para concluir a retirada da passarela, no início da madrugada de domingo, serão interditadas totalmente as pistas centrais, em ambos os sentidos, até as 7h. Os desvios serão feitos pelas pistas laterais da Avenida Brasil.

PRINCIPAIS ROTAS ALTERNATIVAS

- Linha Vermelha;

- Penha/Olaria/Bonsucesso:

- Avenida Lobo Júnior, Uranos, Democráticos

- Teixeira de Castro, Leopoldo Bulhões

As rotas próximas às saídas da Linha Amarela poderão ser utilizadas como alternativas pelos usuários daquela via, especialmente:

- Avenida Dom Helder Câmara

- Corredor da Av. Marechal Rondon/ Rua Vinte e Quatro de Maio

- Avenida Pastor Martin Luther King Junior

No sentido contrário, Centro / bairros poderão ser utilizadas as mesmas rotas alternativas (Leopoldo Bulhões, Dom Helder Câmara e Linha Vermelha).

A prefeitura recomenda o uso do transporte público para o deslocamentos da população.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/obra-para-construcao-do-brt-transbrasil-interditara-mais-tres-pontos-da-avenida-brasil-16544264#ixzz3e1uXHQmZ 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Lote Zero do BRT Transoeste tem metade de sua execução concluída

22/06/2015 -  O Globo

RIO - Iniciada em maio de 2014, a implantação do Lote Zero do BRT Transoeste, entre o Terminal Alvorada e o Jardim Oceânico, onde se integrará à Linha 4 do Metrô, ultrapassou a metade de sua execução. A expectativa da prefeitura é que os serviços entrem em operação até junho de 2016, quando será inaugurada a expansão do metrô entre a Barra da Tijuca e a Zona Sul.

— O projeto da Estação Jardim Oceânico foi modificado para que a estação se integrasse melhor com a Linha 4 do metrô. Em lugar de os ônibus retornarem para o Alvorada nas imediações do Shopping Città América, eles agora irão até o canteiro central da Avenida Armando Lombardi, permitindo que os passageiros desembarquem próximo a um dos acessos da estação. Isso exigiu a construção da duplicação da ponte sobre o Canal de Marapendi — explicou o secretário de obras, Alexandre Pinto.

REVISÃO ELEVOU CUSTOS

Com a duplicação da ponte que liga a Avenidas das Américas à Avenida Armando Lombardi, as faixas existentes hoje serão usadas pelo BRT, e as novas atenderão ao tráfego normal da via. O secretário explicou que, nas próximas semanas, começa a montagem das sete futuras estações. Dessas, seis são de responsabilidade da prefeitura: as que ficam na altura do Barra Shopping, do Parque das Rosas, da Rua Ricardo Marinho, do Shopping Barra Square, do condomínio Le Monde e do Bosque de Marapendi. A exceção será a estação de integração do Jardim Oceânico, cujo projeto está sendo desenvolvido pelo Consórcio Rio-Barra e o estado.

— A estação do Jardim Oceânico terá capacidade para que até 15 ônibus articulados parem simultaneamente. Após embarcar e desembarcar passageiros, eles vão contornar a estação, retornando no sentido Recreio — acrescentou o secretário.

A revisão do projeto elevou os custos da obra. Os gastos agora estão orçados em R$ 114 milhões — cerca de 25% a mais do que o planejado, de acordo com estimativa do secretário.

A prefeitura espera que 140 mil pessoas utilizem o novo serviço por dia. No cálculo, estão usuários que deixarão de usar carros ou outras linhas de ônibus que deixarão de rodar ou terão o trajeto revisto com o Lote Zero. O subsecretário de Planejamento da Secretaria municipal de Transportes, Carlos Eduardo Maiolino, explicou que, com o Lote Zero, serão implantados novos serviços que atenderão não apenas os usuários do Transoeste:

— Teremos também o Trancarioca operando no Lote Zero. Queremos implantar as linhas Tanque-Jardim Oceânico e Centro Olímpico-Jardim Oceânico. No caso do Transoeste, teremos novos serviços em operação, como a ligação expressa Recreio-Jardim Oceânico partindo da estação Notre Dame — diz Maiolino.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Recarga poderá ser feita através do celular em Cuiabá e Várzea Grande

19/06/2015 - A Gazeta - MT

Os usuários do transporte público de Cuiabá e Várzea Grande poderão recarregar seu cartão transporte através de um aplicativo de celular. O lançamento do sistema será nesta segunda-feira (22).

A Associação Mato-grossense dos Transportes Urbanos (MTU) e a MFS (joint-venture da MasterCard Worldwide com a Telefonica International) firmaram parceria e lançarão na região metropolitana o Vivo Zuum, que vai garantir maior facilidade na recarga do Cartão TEM Transporte. Conforme a MTU "O mecanismo irá proporcionar maior flexibilidade nas formas de recarga do cartão, uma vez que o comando de recarga para os portadores do Cartão Zuum poderá ser feito via celular".

Cuiabá e Várzea Grande são as primeiras cidades brasileiras a adotarem essa parceria com a Zuum para recarga de Cartão Transporte pelo celular. A demonstração do novo sistema de recarga do Cartão Transporte será feita no dia do lançamento.

Sobre a Zuum

Criada em junho de 2012, a Zuum é uma joint-venture entre MasterCardWorldwide e Telefonica International. A empresa desenvolve soluções para pagamento móvel através de uma conta corrente no celular, que possibilita a realização de pagamentos de contas e transferências de dinheiro por meio de um smartphone e o uso de um cartão pré-pago com bandeira MasterCard para compras e saques. Presente fisicamente em São Paulo, Sergipe, Minas Gerais, Bahia, Rio Grande do Sul e agora em Mato Grosso. (Com assessoria de imprensa da MTU)

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Edital para concessão de nova rodoviária em São Cristóvão prevê 18 meses de obras

17/06/2015 - O Globo

A Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas lançou ontem o edital para construção de uma nova rodoviária no bairro de São Cristóvão, que deverá absorver parte da demanda da Novo Rio. A ideia é que a iniciativa privada banque a implantação do projeto em troca da exploração da área pelo prazo de 30 anos. O edital foi divulgado quatro meses depois do prazo previsto, e não há mais tempo para o terminal ficar pronto antes dos Jogos Olímpicos, como chegou a ser cogitado. O prazo para a conclusão das obras é de 18 meses — ou seja, só abriria nos primeiros meses de 2017.

MAIOR VALOR DE OUTORGA

No edital, a prefeitura exige que a futura concessionária comprove experiência anterior na gestão de terminais rodoviários. O vencedor será aquele que oferecer o maior valor pela outorga do serviço. No edital, o valor mínimo fixado para fechar negócio foi de R$ 90 milhões, quitados em três parcelas. A primeira no momento da assinatura do contrato; a segunda um ano depois e, a terceira, quando acabarem as obras.

O grupo que vencer a concorrência terá várias fontes de RECEITAS sem necessidade de dividi- las com o município. O vencedor poderá alugar espaços para bares e restaurantes e cobrar a chamada "taxa de acostamento" dos ônibus.

TERRENO ABRIGOU QUARTEL

A nova rodoviária ocupará um terreno de 83,9 mil metros quadrados na Rua Bartolomeu de Gusmão, em São Cristóvão. A ideia é que o local sir va de opção para os ônibus interestaduais que passam pela Linha Vermelha. Para parte do terreno, seriam deslocadas ainda linhas municipais que hoje ocupam o Terminal Henrique Lott, nas imediações da Novo Rio.

Antes de ser transferido para a prefeitura, o terreno abrigou um quartel do Exército. Na fase anterior à municipalização, vários projetos chegaram a ser estudados para o espaço, como a construção de um pequeno shopping, que não foi adiante.

Na concorrência, o município optou por não apresentar qualquer projeto conceitual. A tarefa de desenvolver o plano para ocupar a área será da empresa vencedora da licitação.

terça-feira, 16 de junho de 2015

Prefeitura promete reduzir em 70%, até o ano que vem, total de vans na cidade do Rio

16/06/2015 - O Globo

RIO — Até janeiro de 2016, a prefeitura pretende limitar em 1.756 o número de vans autorizadas a circular no Rio. A quantidade equivale a 29,73% dos 5.905 veículos que, na década passada, receberam licenças para transportar passageiros cobrando tarifas. A informação foi divulgada pelo subsecretário municipal de Fiscalização de Transportes, Cláudio Ferraz, que recebeu, nesta segunda-feira, uma comissão de motoristas insatisfeitos com a proibição, desde o último sábado, das lotadas no Centro e em parte da Zona Norte.

Das 1.756 vans, a maioria vai operar na Zona Oeste (exceto Barra, Recreio e Jacarepaguá): serão 941 veículos para a região (53,5% do total). O processo de licitação para escolha dos operadores ainda não foi concluído.

Ferraz diz que parte da frota opera hoje de forma irregular:

— Dos quase seis mil veículos que temos, só a metade está em situação regular. Cerca de três mil motoristas não compareceram à última vistoria, realizada em 2013. Seus veículos podem ser apreendidos.

No sistema antigo, as vans podiam rodar por todo o Rio. Em maio de 2013, o modelo começou a mudar com a proibição das lotadas na Zona Sul e a escolha de 66 operadores para linhas recém-criadas, que passaram a ligar Rocinha e o Vidigal ao asfalto. Agora, as vans contam com validadores do RioCard e não operam mais no sistema de lotadas, mas, sim, na complementação de viagens de ônibus, trem e metrô.

Na reunião com os motoristas, Ferraz prometeu encaminhar as reivindicações ao prefeito Eduardo Paes.

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Detonação marca o fim da perfuração de novo túnel do Joá

15/06/2015 - O Globo

Uma explosão pôs fim à perfuração do Túnel São Conrado, que faz parte do novo trecho do Elevado do Joá. O prefeito Eduardo Paes participou da detonação, que aconteceu às 8h03m de ontem e teve ares cinematográficos. A partir de agora, outras detonações vão ocorrer para a construção do segundo túnel, o Joá, que terá 450 metros de extensão.

— É um caminho que se abre na paisagem para melhorar o fluxo entre São Conrado e Barra, da Zona Sul para a Barra. É uma obra olímpica e um legado para os cariocas que se deslocam pela cidade diariamente. Vai unir e integrar a cidade — disse o prefeito.

O Túnel São Conrado tem 220 metros. Cinquenta e cinco por cento das obras de expansão do Elevado do Joá, que começaram em fevereiro deste ano, já foram concluídas. Além dos dois novos túneis, o projeto conta com duas faixas de rolamento a partir de São Conrado, no sentido Barra, um viaduto e uma ciclovia, que vai se chamar Tim Maia, pois fará a ligação do Leme ao Pontal.

FAIXA PARA ÔNIBUS EM ESTUDO

A conclusão da obra, que vai possibilitar um aumento de 35% na capacidade do trânsito na região, está prevista para o primeiro semestre do ano que vem. A Linha 4 do metrô também passará por ali.

Paes ressaltou que é preciso INVESTIR cada vez mais em transporte público para melhorar o trânsito na cidade e anunciou a possibilidade de criação de uma faixa preferencial para ônibus no local.

— Pode ser que aqui haja uma faixa preferencial para ônibus. A Secretaria de Transportes está estudando — disse Paes, acompanhado do deputado federal Pedro Paulo ( PMDB), ex- secretário municipal de Coordenação de Governo.