sábado, 26 de março de 2016

Ônibus especial leva surfistas, cariocas e turistas com conforto até a praia

24/03/2016 - O Dia

Coletivos circulam todos os dias entre o Largo do Machado e o Mirante da Prainha, com espaço para 50 pranchas, atendente trilíngue, som, frigobar e outras mordomias

GUSTAVO RIBEIRO

Rio - Poucos cariocas sabem que o Rio conta com um serviço de ônibus especial para quem gosta de ir à praia pegar ondas ou simplesmente passear e pegar um bronze. Iniciativa privada, o Surf Bus Beach Tour é adaptado para transportar 50 pranchas de surfe de todos os modelos, ideal para praticantes de esportes do mar chegarem ao seu 'parque de diversões' favorito sem depender de carro. E não é só para atleta. As viagens têm toda pompa que qualquer turista e morador da cidade merece.

O projeto nasceu em 1998 para estimular os esportes do mar
Foto: Divulgação

Os ônibus da Surf Bus circulam todos os dias da semana, com seis viagens diárias entre o Largo do Machado, praias de Botafogo, Copacabana, Ipanema, Leblon, São Conrado, Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Macumba e Mirante da Prainha. Do Largo do Machado para a Zona Oeste, partem ônibus às 7h, 10h e 14h. No sentido contrário, as saídas são às 8h30, 12h30 e 16h.

“O projeto nasceu para estimular os esportes do mar, não só o surfe, como bodyboard, stand up, skinboard, entre outros. Levamos qualquer atleta para treinar nas melhores ondas do dia, em qualquer praia do roteiro, seja profissional ou amador”, diz Antônio Carlos Guanabara, idealizador do Surf Bus. “Para o morador e o turista, é um meio de transporte para ir a qualquer praia com conforto sem se preocupar com estacionamento e combustível”, acrescenta.

Em cada viagem são transportados até 36 passageiros sentados. A passagem custa R$ 10, com direito a mordomias como TV LCD 32 polegadas, DVD, som ambiente, frigobar, atendentes trilíngues e ventilação. Melhor ainda é a capacidade de tirar 200 carros das ruas por dia, poupando o trânsito e o meio ambiente. “A gente também é um 'beach tour' (turismo na orla) para os turistas nacionais e internacionais, que são 30% do nosso público e não têm noção de que temos tantas praias maravilhosas além de Copacabana e Ipanema”, ressalta Antônio Carlos.

Cada viagem transporta até 36 passageiros sentados
Foto: Divulgação

Ainda segundo o idealizador do projeto, o passageiro pode embarcar e desembarcar em qualquer esquina de ruas de praias e em frente a hotéis da orla ou picos de onda (como são chamados os 'points' dos surfistas). O horário e local de retorno podem ser combinados no trajeto de ida com os funcionários da empresa. Atleta e amante de esportes radicais, Antônio Carlos criou o Surf Bus em 1998, quando sentia falta de um meio de transporte para atender os surfistas da cidade. O telefone para mais informações é: (21) 3546-1860.

BRT Transbrasil: 7km ficam prontos este ano

26/03/2016  - O Globo


As obras do BRT Transbrasil, que ligará Deodoro ao Centro pela Avenida Brasil, viraram uma pedra no sapato de motoristas. Nem é preciso acontecer um acidente para que a passagem pela via se torne um calvário, mesmo com a criação de faixas reversíveis, a fim de tentar minimizar os transtornos. Por ali, costuma-se perder duas, às vezes, três horas em engarrafamentos. O alento é que a futura pista exclusiva para ônibus, com 23 quilômetros, começa a ganhar forma. De acordo com o secretário de Concessões e Parcerias Público-Privadas do município, Jorge Arraes, sete quilômetros do Transbrasil, na Região Portuária, poderão ser utilizados nas Olimpíadas, em agosto.

— Alguns galpões da Cidade do Samba, na Gamboa, vão funcionar como centro de distribuição de uniformes para os Jogos Olímpicos. A pista pronta para o BRT poderá, por exemplo, servir como via expressa para a família olímpica — destaca Arraes.

Na área portuária, os ônibus do BRT passarão pela Avenida Rodrigues Alves e pela Rua Rivadávia Correa, fazendo ponto final no Terminal Américo Fontenelle, ao lado da Central do Brasil. Cinco dos sete quilômetros do BRT no Porto estão prontos.

Em 2011, ao falar sobre os preparativos para as Olimpíadas, o prefeito Eduardo Paes chegou a prometer concluir as obras do Transbrasil este ano. Mas o município decidiu rever os cronogramas, sob argumento de que o impacto no trânsito poderia ser ainda maior se as obras fossem aceleradas.

O Transbrasil custa R$ 1,4 bilhão. Desse total, R$ 1 bilhão são financiados pela Caixa Econômica Federal, através do PAC da Mobilidade. A diferença é coberta com recursos da prefeitura. As intervenções começaram em novembro de 2014 e, até o fim do ano passado, tinham sido liberados cerca de R$ 500 milhões para a execução do projeto, segundo informações do Tribunal de Contas do Município (TCM).

FIM DAS OBRAS FICA PARA 2017

Os outros 16 quilômetros, entre Deodoro e Caju, estão sendo executados pela Secretaria municipal de Obras. Até agora, 37% das intervenções foram executadas. A prefeitura promete que tudo estará pronto até final de 2017. No entanto, de acordo com o site do TCM, o contrato firmado com o Consórcio Transbrasil (formado pelas construtoras Odebrecht, OAS e Queiroz Galvão) informa que o prazo original para a entrega do corredor é 12 de maio de 2017.

O trecho entre o Caju e Ramos é o mais adiantado. Segundo a prefeitura, até agora foram construídos 2,6 quilômetros de pista, feita com concreto especial, por onde passará o BRT. Por ali, também foram feitas obras de drenagem, para conter os alagamentos em dias de chuva. A previsão é de que sejam implantados 20 quilômetros de galerias pluviais, ao longo da Avenida Brasil, dobrando a capacidade de captação de água na via.

— Sempre bato na tecla que os trabalhos ao longo da Avenida Brasil não se resumem à construção da pista para os ônibus. Além das obras de drenagem, vamos fazer passarelas e viadutos — diz Alexandre Pinto, secretário de Obras.

Há outros pontos onde a pista exclusiva para BRT também está pronta: na Avenida Brasil, na altura de Parada de Lucas e entre Irajá e Guadalupe.

Até as Olimpíadas não serão abertas novas frentes de obras. Segundo Pinto, a ideia é concluir os trabalhos em andamento:

— Vamos chegar em agosto com menos de 50% das obras prontas, mas seguimos com o nosso planejamento de entregar o BRT Transbrasil em 2017.

Quatro viadutos exclusivos para os ônibus articulados do BRT serão construídos. Um deles fica em Ramos, interligando o Transbrasil ao Transcarioca. A obra está em fase final. Os outros três são o de Deodoro — para ligar o Transolímpico e o Transbrasil —, o das Missões, na entrada da BR- 040, e o das Margaridas, que ficará ao lado da entrada da Via Dutra. A prefeitura promete entregá- los no primeiro semestre deste ano.

Para o diretor de operações da CET- Rio, Joaquim Dinis, a pior fase das interdições de trânsito para a implantação do Transbrasil foi superada. Segundo ele, a região do Caju foi a mais complicada, pois não há nenhuma rota paralela que poderia ser usada como alternativa. Desde os primeiros dias de interdição, ocorreram reflexos na Ponte Rio- Niterói e no Gasômetro.

— Nós conseguimos fazer uma programação que montou as interdições fase a fase. Isso permitiu que as pessoas se adaptassem aos poucos — diz Dinis. — É claro que houve transtornos, mas nossos dados mostram que o tempo para atravessar a Brasil aumentou, mas não tanto como imaginávamos — completou sem dar número como comparativos.

O diretor de operações alerta, porém, que a Avenida Brasil trabalha sem margem para qualquer contingência:

— Estamos no limite. Na semana passada, uma carreta tombou na Avenida Brasil, e isso é fatal para causar um grande congestionamento. Em condições normais, poderíamos resolver o problema rapidamente, mas hoje, com as interdições, fica muito complicado.

sexta-feira, 25 de março de 2016

Atletas serão levados por ônibus urbano elétrico durante Olimpíadas

25/03/2016 - O Dia

Desenvolvido pela Coppe/UFRJ, veículo pode operar com três tipos de fontes de energia e recarga de baterias

O DIA

Rio - Durante os Jogos Olímpicos, um ônibus urbano elétrico vai transportar atletas dos locais de concentração até os espaços de competição. Trata-se de um veículo híbrido a hidrogênio, desenvolvido pelo Centro de Tecnologia da Coppe — Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A invenção poderá operar com três tipos de fontes de energia e recarga de baterias, cuja autonomia pode atingir até 150 quilômetros.

De acordo com a Coppe, o ônibus elétrico híbrido, que vem passando por pequenos ajustes desde 2010, é abastecido com cilindros de hidrogênio gasoso, instalados no teto. Na traseira, foi instalada a pilha combustível, que converte o nitrogênio em eletricidade quando em contato com o oxigênio do ar.

“Nós temos o domínio total dessa tecnologia. Esse veículo é um produto que está pronto para ser comercializado”, disse, em entrevista à Agência Brasil, o professor Paulo Emílio de Miranda, coordenador do Laboratório de Hidrogênio da Coppe. “Será uma boa vitrine”, destacou o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera, referindo-se aos Jogos.

Esse não é o único projeto criado pela Coppe. O laboratório da instituição também desenvolveu outros dois ônibus. Um também híbrido, movido a etanol, e outro 100% elétrico. “O objetivo é que energias alternativas passem a se tornar um padrão de uso no transporte público, como o escolar”, adiantou Paulo Emílio.

domingo, 20 de março de 2016

Mais duas linhas de ônibus sofrem ajustes a partir deste sábado

18/03/2016 - O Dia

Após centenas de reclamações da população, prefeitura modifica itinerários das troncais 2 e 10, criadas recentemente

GUSTAVO RIBEIRO

Rio - Duas linhas de ônibus criadas durante o processo de racionalização do sistema de transporte na Zona Sul sofrerão mudanças a partir deste sábado, 19. Alvo de reclamações de centenas de passageiros insatisfeiros à ouvidoria da prefeitura, as linhas troncais 2 e 10 serão estendidas até o Jardim de Alah, no Leblon. Segundo a Secretaria Municipal de Transportes (SMTR), as alterações têm objetivo de melhorar o atendimento ao usuário.

A Troncal 2, que hoje faz sai da Praça General Osório, em Ipanema, com destino à Rodoviária, no Santo Cristo, via Lapa, passa a ser identificada assim: Troncal 2; Jardim de Alah-Rodoviária-via Lapa.

A Troncal 10, que saía da Praça General Osório com destino à Cruz Vermelha via Jardim Botânico, também vai iniciar viagem no Jardim de Alah. Ao longo do trajeto, a linha seguia pelo Catete (rua do Catete, sentido Centro; Bento Lisboa, sentido Zona Sul) e agora seguirá pela Praia do Flamengo, nos dois sentidos. A SMTR acredita que a medida vai melhorar o atendimento aos usuários que fazem as ligações Lapa-Botafogo e Jardim Botânico-Leblon.

Os ajustes no plano de racionalização foram iniciados no último sábado, quando cinco linhas sofreram mudanças em seus itinerários: 433, 464, 455, 517 e 497. Na ocasião, foi determinado aumento da frota para as linhas 309, 435 e troncais 7 e 8, porque o tempo de espera pelos ônibus no ponto estava acima do ideal, segundo a SMTR.

Do dia 3 de outubro, data da primeira etapa da reestruturação do sistema, até 2 de março, foram recebidas pela ouvidoria 784 reclamações, 81 sugestões e 105 pedidos de informação. O Rio Ônibus é responsável pela comunicação aos passageiros. Também foram consideradas sugestões de associações de moradores. Com a racionalização, a prefeitura prevê redução nos tempos de deslocamento e melhoria no trânsito. 

domingo, 13 de março de 2016

Auto Viação Bangu é comprada pelo Grupo Redentor


 13/03/2016 - Flumibussrj

A negociação foi concluída nesta semana e as primeiras mudanças começam já nesta segunda-feira.

P1220752
A Auto Viação Bangu foi comprada pelo Grupo Redentor e o grupo inicia a gestão na empresa a partir de segunda (14/03). Foto: Gabriel P. Gomes

Uma negociação entre as empresas de ônibus do Rio de Janeiro pegou muitos de surpresa. O Grupo Redentor, encabeçada pela Viação Redentor – do Consórcio Transcarioca, finalizou a compra da Auto Viação Bangu, pertencente ao Consórcio Santa Cruz, numa negociação que muitos não acreditavam que fosse concretizada. A Bangu, com 54 anos de fundação, está passando por uma série crise financeira e de manutenção – consequência da absorção das linhas da antiga Oriental em 2010. A dívida da empresa ultrapassava a marca de R$ 40 milhões. Em uma série de reuniões, foram definidos todos os trâmites relacionados às partes administrativa, operacional e de frota. Veja o que muda:

Administrativa: Será feita uma mudança total na equipe que dirigirá a Bangu daqui em diante. A compra não envolve a outra empresa que era ligada à Bangu, a Lacosta Turismo. A mesma está sendo negociada em parte com outras empresas.

Operacional: A garagem da empresa, também adquirida na operação, e localizada em Magalhães Bastos, será dividida entre a Bangu e a Transportes Barra. Além da garagem localizada na Estrada General Canrobert da Costa, foi adquirido também um terreno com 9 propriedades, para posterior expansão da garagem. Será aplicado o padrão Redentor às linhas da empresa, variando de linha para linha, à definir. 

Frota: Para melhorar os intervalos das linhas da empresa, serão transferidos 40 ônibus, em curto prazo, da Redentor e Futuro para a Bangu, tapando os buracos existentes na frota da empresa. Com o tempo, serão desativados todos os ônibus fabricados pela Mascarello, modelo Gran Via e Gran Via Midi, anos 2008, 2009 e 2010 e só terão os ônibus fabricados pela CAIO, modelo Apache Vip, em 2014, além do “filho único” fabricado pela Mascarello em 2015, o carro D58625, à pedido da (agora antiga) direção da empresa.

A compra da Bangu pelo Grupo Redentor é vista, por pessoas ligadas às duas empresas, como uma resposta à perda de receita ocasionada pelos sucessivos cortes feitos em sua área original de operação (a região de Jacarepaguá), por conta da implementação do BRT Transcarioca, assim sendo, uma alternativa para recuperar todo o lucro perdido com estes cortes, além de dar um suporte à Transportes Barra, que teve um crescimento considerável dentro do Consórcio Santa Cruz, com a absorção das linhas da Viação Andorinha e Viação Algarve, ambas empresas extintas entre 2014 e 2015.

sábado, 12 de março de 2016

Prefeitura corrige falhas no projeto de racionalização dos ônibus

12/03/2016 - O Dia

Após reclamações, onze linhas alteradas ou criadas desde outubro serão ajustadas a partir deste sábado

GUSTAVO RIBEIRO

Rio - Bombardeada de reclamações de passageiros insatisfeitos com o corte de ônibus na Zona Sul, a prefeitura fará ajustes operacionais em onze linhas alteradas ou criadas desde o fim do ano passado. Segundo a Secretaria Municipal de Transportes (SMTR), as alterações têm objetivo de melhorar o atendimento ao usuário e foram definidas com base em sugestões feitas pela população à ouvidoria 1746. As mudanças começam a partir deste sábado, mas só foram divulgadas no fim da tarde desta sexta-feira.

Processo iniciado em 2015 promete melhoria na fluidez do trânsito
Foto: Estefan Radovicz / Agência O Dia

Sofrerão ajustes as linhas: 309, 433, 435, 455, 464, 517, 497, Troncal 2, Troncal 7, Troncal 8, Troncal 10. De acordo com a SMTR, mudanças em itinerários agilizarão a viagem entre o Méier e Copacabana, entre a Lapa e Botafogo e entre o Jardim Botânico e o Leblon. Para quatro linhas, a prefeitura ordenou aumento da frota. As troncais 8 e 10 serão alteradas no dia 19 de março.

Do dia 3 de outubro, data da primeira etapa da reestruturação do sistema, até 2 de março, foram recebidas pela ouvidoria 784 reclamações, 81 sugestões e 105 pedidos de informação. Também foram consideradas sugestões de associações de moradores. 

Com a racionalização, a prefeitura prevê redução nos tempos de deslocamento e melhoria no trânsito. O Rio Ônibus é responsável pela comunicação aos passageiros.

Conheça as mudanças

A partir deste sábado

Os passageiros da 433 (Vila Isabel – Praia de Botafogo, via Lapa) vinham reivindicando acesso direto para Copacabana, por isso a linha passa a ter como trajeto final a Rua Prado Junior, de onde retorna para Vila Isabel em serviço circular.

Os usuários da 464 (Maracanã – Praia de Botafogo, via Lapa circular) fizeram o mesmo pedido, segundo a SMTR, e a linha passa a terminar viagem na Rua Siqueira Campos (tornando-se Maracanã – Siqueira Campos, via Lapa circular).

A linha 455 (Méier-Copacabana, via Aterro do Flamengo circular) ganha um serviço variante. Os usuários poderão viajar mais rapido passando pelo Túnel Rebouças com a 455-SV Méier – Copacabana, via Túnel Rebouças circular).

Os passageiros da 517 (Gávea Puc – Botafogo, via Lagoa/Epitácio Pessoa circular) contam agora com ligação direta para o Centro, já que o itinerário foi estendido até a Avenida Presidente Wilson. A linha será identificada como 517 (Gávea PUC-Glória-via Lagoa/ Epitácio Pessoa-circular).

Outra mudança foi na linha 497 (Penha – Largo do Machado), que vai seguir até a Rua Soares Cabral, de onde retorna pelo Viaduto Jardel Filho e Rua do Catete, entre as ruas Almirante Tamandaré e Machado de Assis. O objetivo é melhorar o atendimento aos passageiros de Laranjeiras.

Foi determinado aumento da frota para as linhas 309 (Alvorada-Central-via Botafogo) e 435 (Grajaú-Gávea-via Túnel Santa Bárbara), que terão reforço de 25%, e para as troncais 7 (Central - Cosme Velho, via Túnel Santa Bárbara) e 8 (Cosme Velho -Rodoviária- via Praça Mauá), que receberão aumento de 20% e 25%. O tempo de espera pelos ônibus no ponto estava acima do ideal.

A partir do dia 19/03

Para a Troncal 2, que sai da Praça General Osório, Ipanema, com destino à rodoviária, via Lapa, o trajeto será estendido até o Jardim de Alah, no Leblon. A Troncal 10, que ia da General Osório à Cruz Vermelha via Jardim Botânico também vai iniciar viagem no Jardim de Alah, para melhorar as ligações Lapa – Botafogo e Jardim Botânico – Leblon. 

Prefeitura do Rio modifica trajeto de sete linhas de ônibus sem avisar

12/03/16 - Extra


Trajetos de sete linhas vão sofrer alterações
Trajetos de sete linhas vão sofrer alterações Trajetos de sete linhas vão sofrer alterações Foto: Domingos Peixoto / O Globo
Geraldo Ribeiro  

Os passageiros de ônibus vão enfrentar novas mudanças em 11 linhas, a partir deste sábado. A alteração — que só foi anunciada no fim da tarde de ontem pela prefeitura — é para ajustar o que já havia sido mudado. A intenção é atender às reclamações dos passageiros insatisfeitos com os trajetos encurtados e, em alguns casos, para ampliar a frota, visando diminuir o intervalo entre os veículos, outra queixa frequente, segundo a própria Secretaria municipal de Transportes.

As linhas afetadas circulam entre as zonas Norte e Sul e Centro da cidade. Passam a valer hoje o prologamento dos trajetos de quatro, que haviam sido encurtadas (433, 464, 517 e 497). A 455, que não havia sido modificada, ganha um trajeto alternativo pelo Túnel Rebouças e terá ter duas opções de acesso a Copacabana, já que o anterior, pelo Aterro do Flamengo, foi mantido.

Haverá também a ampliação da frota de outras quatro (309, 435, e Troncais 7 e 8), entre 20% e 45%. A intenção é diminuir o tempo de espera nos pontos, considerado acima do normal. Com o reforço na frota, a secretaria estima que o intervalo entre os veículos vá cair para até dez minutos. As alterações prosseguirão no próximo sábado, dia 19, para mais duas linhas que terão os trajetos prolongados (Troncais 2 e 10).

Segundo a secretaria, os ajustes atendem a reclamações e sugestões de passageiros recebidos pela Central 1746 . O órgão informou ainda não ter visto necessidade de antecipar a divulgação, por se tratar apenas de ajustes que vão beneficiar os usuários. As mudanças provocadas pela racionalização costumam ser anunciadas com, pelo menos, uma semana de antecedência.


domingo, 6 de março de 2016

Nova Iguaçu tem mudanças na frota de ônibus

05/03/2016 - O Dia

Após licitação, dois consórcios passam a operar, no dia 14, os ônibus da cidade, que serão padronizados

DIEGO VALDEVINO

Rio - No próximo dia 14, as ruas de Nova Iguaçu terão novas cores. Os 454 ônibus de 83 linhas do município começarão a circular com a nova pintura padronizada. Os veículos serão operados pelos consórcios Reserva de Tinguá e Serra do Vulcão, que venceram a concorrência e são os novos concessionários do transporte na cidade. O lay-out dos coletivos será apresentado nesta terça-feira, em cerimônia no Bairro da Luz. A mudança visual tem o objetivo de facilitar a identificação pelos usuários e a fiscalização da prefeitura, além de ser uma das exigências da licitação, que promete oferecer mais conforto.

Os coletivos serão padronizados com as cores branca e laranja, em homenagem à cidade. A idade média dos veículos é de cinco anos
Foto: Divulgação

Na operação, pelo menos uma alteração. A Salutran, que atualmente tem a maior frota do município, ficou fora da concorrência, iniciada no ano passado. “As linhas licitadas não são fixas. Elas podem ser reduzidas ou ampliadas, se houver necessidade. Vão circular veículos com idade média de cinco anos. Este número pode, também, aumentar ou diminuir. Antes, as empresas só tinham permissões, agora são concessões”, afirmou o secretário municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana, Rubens Borborema.

Sete empresas formam os dois consórcios: Vera Cruz, Linave, Brazinha, Mirante, Nilopolitana, Expresso Nossa Senhora da Glória e São José. “No dia 14 haverá fiscalização e só vão circular os ônibus padronizados. Faremos divulgação com panfletos e banners para não pegar a população de surpresa. O que está em questão não é só a nova cor dos ônibus, mas sim uma melhor qualidade no serviço, com maior pontualidade e motoristas mais treinados”, acrescentou Borborema.

Não há na licitação, no entanto, meta para que as empresas substituam a frota por veículos refrigerados. A tarifa de R$ 3,40 será mantida.

Ainda segundo ele, as cores dos novos ônibus foram escolhidas para lembrar a história de Nova Iguaçu. “O laranja lembra a época dos laranjais, o branco, uma das cores da cidade, e o cinza, que está na parte debaixo do coletivo, é para sujar menos. Outra novidade é que eles não terão apenas o nome do trajeto de identificação, mas também os números”, disse. 

Ampliação de terminal deve melhorar trânsito da cidade

Dois terminais rodoviários da Baixada Fluminense devem ser reformados e ampliados até o fim do ano. Além de Nilópolis, a rodoviária de Nova Iguaçu já teve as obras iniciadas. O terminal ganhará quatro plataformas, ampliando a capacidade e passam a ter acessibilidade, novo sistema de câmeras de monitoramento e controle de acesso, além de nova iluminação. Haverá também cobertura, lojas, áreas de alimentação e melhor organização para embarques.

A nova estrutura da rodoviária vai contar ainda com seis guichês de bilheteria, estacionamento com 30 vagas e novos banheiros. Serão instaladas 39 novas baias para ônibus, aumentando de 30 para 33 o número de linhas e de 17 para 20 empresas operando no terminal. Ao todo, serão 59 novas lojas e 25 quiosques, em área de 10.950 m².

“Com ônibus padronizados e um terminal moderno e ampliado, o trânsito ficará melhor, pois hoje muitos não cabem nas baias e ficam circulando próximos da rodoviária em busca de uma vaga”, lembrou Rubens Borborema.

Empresas tradicionais ficam de fora

Empresas tradicionais como a Salutran e Niturvia ficaram fora da licitação e não vão poder mais circular por Nova Iguaçu. “Será estranho não ver mais um ônibus da Salutran passando pelas ruas. Todos os dias embarco na linha Nova Iguaçu x Cerâmica e vamos ficar um pouco órfãos, pois estavá-mos acostumados com as cores cinza e azul. Com a padronização será melhor a visualização. Hoje, muitos dos letreiros não estão bem iluminados”, contou a dona de casa Lilian Reis, 38 anos.

Para o presidente do consórcio Reserva de Tinguá, Ramiro Brandão, a população sentirá diferença significativa na operação do transporte. “Haverá mais pontualidade e frequência dos ônibus. Acabou essa história de a empresa definir o tempo de intervalo dos coletivos. Os passageiros vão ficar menos tempo nos pontos e o serviço será mais ágil”, afirmou.