segunda-feira, 15 de abril de 2013

Bloqueios para vans em bairros da Zona Sul começam na madrugada

13/04/2013 - O Globo

Prefeitura programa início da fiscalização a fim de impedir lotadas em 11 bairros

LUIZ ERNESTO MAGALHÃES (EMAIL · FACEBOOK · TWITTER)
15/04/2013 - 06h00

Vans estão proibidas de circular em 11 bairros da Zona Sul a partir desta segunda-feira - Marcos Tristão / Agência O Globo
RIO - No primeiro dia de proibição da circulação de vans na Zona Sul do Rio, agentes da Coordenadoria de Transporte Complementar da Prefeitura começaram a montar os bloqueios em 24 pontos da região, pouco depois das 4h da manhã. Na autoestrada Lagoa-Barra, na descida do Elevado do Joá no sentido São Conrado, um bloqueio contava com homens da coordenadoria e uma viatura do Batalhão de Choque.

Por volta de 5h, duas vans foram paradas no local. Elas faziam o transporte de turistas que voltavam de um baile no Castelo das Pedras, em Rio das Pedras, em Jacarepaguá. Segundo um dos agentes que estavam na operação, embora os veículos não façam transporte complementar de passageiros, e sim transporte de turistas, eles não apresentavam o contrato de locação entre a agência de turismo e a transportadora. Caso o documento não fosse apresentado. as vans seriam apreendidas. O guia de turismo da empresa Bea Local, Mauricio Taborda, reclamava da ação da prefeitura:

- Nós não fazemos lotada. Somos uma empresa de turismo. Acho falta de bom senso sermos parados pela fiscalização. O documento está sendo providenciado, mas é um transtorno para quem esta conhecendo a cidade.

Os acessos ao Aterro do Flamengo, ao Joá e ao Túnel Rebouças, entre outros 21 pontos espalhados pela Zona Sul, têm bloqueios e equipes de fiscalização da prefeitura desde a madrugada. O objetivo é fazer valer o decreto do prefeito Eduardo Paes que proíbe a circulação de vans em 11 bairros da região a partir desta segunda-feira. A medida, como já admitiu o secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osorio, deverá causar engarrafamentos. Para tentar reduzir o impacto no trânsito, motoristas deverão prestar atenção às orientações de painéis eletrônicos e agentes da CET-Rio. De acordo com a prefeitura, as equipes não têm hora para deixar as ruas.

A categoria promete reagir. De acordo com o site G1, cerca de 4,5 mil motoristas de vans pretendem paralisar as atividades hoje e acampar em frente ao Ministério Público, na Avenida Marechal Câmara, no Centro. Para evitar conflito com os fiscais, eles devem deixar as vans nas garagens.

As vans estão vetadas nos bairros de Botafogo, Humaitá, Urca, Leme, Copacabana, Ipanema, Leblon, Lagoa, Jardim Botânico, Gávea e São Conrado. O prefeito Eduardo Paes negou que a implementação acelerada da regra tenha relação com o estupro de uma turista americana numa van irregular, no mês passado.

As exceções à nova norma são os veículos que já ligavam as favelas da Rocinha e do Vidigal a outras regiões da Zona Sul. Eles só poderão circular, porém, dentro de roteiros circulares predeterminados. Os motoristas que forem flagrados desrespeitando o decreto serão multados em R$ 1.250,98 e terão os veículos recolhidos a depósitos do Detro. Os passageiros que estiverem nos carros irregulares terão de descer e não serão reembolsados.

A nova regra não se aplica a vans credenciadas para fretamentos, como as que transportam passageiros de uma empresa ou turistas de agências de excursões, por exemplo. Os fiscais, contudo, orientam os motoristas a portar cópias dos contratos, que deverão ser apresentadas em caso de requisição. Além dos pontos fixos, a fiscalização ocorrerá em diversos trechos da Zona Sul por meio de agentes à paisana.

A prefeitura alega que a norma faz parte de um projeto do município para reorganizar o sistema de transportes. Posteriormente, haverá uma licitação de linhas de vans em regiões não atendidas por meios de massa (trens e metrô). As vans credenciadas também passarão a aceitar o bilhete único. A previsão é que a licitação na Zona Sul seja concluída em maio.

As operações começam na madrugada para tentar minimizar o impacto no trânsito disse o subsecretário de Fiscalização da Secretaria municipal de Transportes, Cláudio Ferraz.

De acordo com ele, os motoristas que antes atuavam pela Zona Sul podem cumprir outros roteiros enquanto as licitações não terminarem. O subsecretário considera as regiões do Itanhangá e da Leopoldina como os pontos mais críticos devido ao elevado número de veículos que fazem lotadas. Nessas áreas, a fiscalização será reforçada. Ferraz disse que ainda não há prazo para estender a proibição ao Centro.

A prefeitura não tem dados oficiais sobre o número de vans ou de passageiros que as utilizam na Zona Sul. O Sindivans-Rio, que representa a categoria, estima que cerca de 500 veículos prestem o serviço, transportando 100 mil usuários e gerando uma receita diária de cerca de R$ 500 mil. Para suprir o aumento da demanda, a Secretaria municipal de Transportes determinou às empresas de ônibus que reforcem em até 50% a frota de 13 linhas consideradas fundamentais.

As linhas regulares que já atendem a Zona Sul deverão manter toda a frota na rua. A exigência também é válida para os frescões. A concessionária que administra o metrô aumentou o número de bilheteiros e de agentes para tirar dúvidas de passageiros que não utilizam o sistema.

O diretor jurídico do Sindivans-Rio, Guilherme Biserra, disse que irá à Justiça para tentar suspender a proibição. Para o sindicato, Paes cometeu uma decisão equivocada:

A medida prejudicará os passageiros. E a decisão é incoerente porque a licitação ainda não acabou.

Além das alterações nas vans, os motoristas também devem ficar atentos ao primeiro dia útil das novas mudanças no trânsito provocadas pela obras do BRT Transcarioca (Barra da Tijuca-Aeroporto Tom Jobim) e do Porto Maravilha, que começaram anteontem.

No Centro, a Rua Visconde de Itaboraí, no trecho entre a Presidente Vargas e a Rua Visconde de Inhaúma, está interditada para as obras de um túnel do complexo viário que substituirá o Elevado da Perimetral. Apenas uma faixa ficará aberta para permitir o acesso ao 1º Distrito Naval. A Rua Primeiro de Março é a opção para quem deseja chegar à Visconde de Inhaúma.

domingo, 14 de abril de 2013

Zona Sul terá 24 pontos de bloqueio para coibir vans na segunda-feira

13/04/2013 - O Globo

A partir de segunda, circulação de vans está proibida na região Operações para coibir transporte devem causar engarrafamento Prefeitura pede reforço na frota de ônibus que circula na área

NATANAEL DAMASCENO

Motoristas estão apreensivos com decisão de proibir vans na Zona Sul Hudson Pontes / Agência O Globo

RIO Para garantir que a proibição de vans e kombis na Zona Sul seja respeitada, a Coordenadoria Especial de Transporte Complementar do município fará 24 bloqueios nas principais vias de acesso aos 11 bairros onde a medida passa a valer a partir de segunda-feira. Além disso, um acordo entre a prefeitura e os consórcios das empresas de ônibus do município aumentará a frota de algumas das principais linhas que vão para a Zona Sul. A expectativa é que o dia seja de engarrafamentos nos acessos à região. Segundo o Secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osório, painéis da CET-Rio e agentes do órgão e da Guarda Municipal estarão nas ruas para orientar o trânsito, mas, mesmo assim, segundo ele, haverá transtornos:

A fiscalização vai gerar impacto no trânsito. Por isso, ainda não vamos conseguir avaliar o impacto final da saída das vans das ruas da região.

Segundo Osório, as linhas regulares que passam pela Zona Sul circularão com toda sua frota nas ruas. Outras linhas, como as que saem da Leopoldina, Barra, Recreio e Jacarepaguá em direção à Zona Sul, as que atendem aos moradores da Rocinha e do Vidigal, e algumas que saem do Centro em direção à Zona Oeste, terão suas frotas aumentadas em até 50%.

Fizemos um acordo com as empresas de ônibus para que não haja problemas para os passageiros que utilizavam as vans. E para garantir que esse acordo funcione, toda a equipe da secretaria estará nas ruas desde as 4h de segunda-feira para aferir a quantidade de veículos e avaliar se será preciso fazer ajustes ao longo da semana.

Osório disse ainda que a prefeitura pediu à concessionária Metro Rio que opere com o máximo de sua capacidade, tanto na Linha 1, que sai de Copacabana, quando no metrô de superfície, cujos ônibus ligam Copacabana à Barra da Tijuca.

Segundo a Coordenadoria Especial de Transporte Complementar, uma força tarefa formada por 300 homens da Guarda Municipal, da Polícia Militar, da CET-Rio e da Secretaria Municipal de Transportes vai trabalhar nos pontos de bloqueio, nos quais os motoristas serão orientados a retornar e cumprir o trajeto que será determinado por agentes da Guarda Municipal e da CET-Rio, e de interceptação, onde a proibição estará em vigor. Nestes locais, os fiscais irão apreender os veículos que foram flagrados e multar os condutores. Mais de cinquenta reboques estarão à disposição da coordenadoria.

Segundo a prefeitura, as áreas de bloqueio serão montadas na subida do elevado da Joatinga; em São Conrado; nos acessos à Linha Vermelha na altura do Campo de São Cristóvão; nos acessos ao Túnel Rebouças pela Praça da Bandeira e pelo Rio Comprido; na Leopoldina; no Túnel Santa Barbara; no Flamengo, nas ruas Oswaldo Cruz e Marquês de Abrantes; no Aterro do Flamengo; na Praia de Botafogo.

Aém disso, haverá áreas de interceptação montadas em Botafogo na altura do Mourisco; na Base da CET-Rio na Lagoa Rodrigo de Freitas; na Rua Francisco Eugênio; na Tijuquinha, na Barra; nas estradas do Joá e das Canoas; e na subida do Elevado da Joatinga.

Segundo a Secretaria municipal de Transportes, as linhas que ganharão reforço são:

546 São Conrado X Leblon - Via Estrada Da Gávea / Rocinha

591 Leme X São Conrado - Via Copacabana / Rocinha

592 São Conrado X Leme - Via Rocinha

593 Leme X São Conrado - Via Rocinha

521 São Conrado X Botafogo - Via Copacabana

522 São Conrado X Botafogo - Via Jóquei

460 São Cristóvão X Leblon - Via Túnel Rebouças

461 São Cristóvão X Ipanema - Via Túnel Rebouças

110 Rodoviária X Jardim de Alah - Via Túnel Rebouças

111 Rodoviária X Jardim de Alah - Via Elevado / Rebouças

550 Cidade de Deus X Gávea

555 Rio das Pedras X Gávea

557 Rio das Pedras X Copacabana

2329 Recreio x Castelo Via Av. Sernambetiba

2333 Recreio x Castelo Via Av. das Américas

2115 Pechincha X Castelo

2335 Santa Cruz X Castelo

2334 Campo Grande X Castelo

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Prefeitura multa operador do Transoeste em R$ 50 mil


27/03/2013 - O Dia

Após reportagem do DIA, secretaria municipal de Transportes vistoriou corredor BRT e determinou ainda que seja aumentada a frota média diária, de 81 para 86 veículos
POR PALOMA SAVEDRA

Rio -  O operador do BRT Transoeste foi multado em R$ 50 mil pela Prefeitura do Rio ontem, devido a inúmeras falhas no sistema. Na segunda-feira, O DIA publicou matéria revelando problemas operacionais e de conservação nas estações, além de intervalos irregulares.

Após a reportagem, a secretaria municipal de Transportes vistoriou toda a extensão do corredor expresso — de Santa Cruz à Alvorada e de Paciência ao Recreio. O órgão constatou as irregularidades e determinou que os operadores aumentem a frota média diária de 81 para 86 veículos, da frota total de 91 ônibus articulados.


Na estação Mato Alto, passageiros reclamam de ônibus lotados e transitando com as portas abertas | Foto: Uanderson Fernandes / Agência O Dia

Para garantir o cumprimento das exigências, a secretaria publicou hoje no Diário Oficial do município uma advertência formal aos operadores do BRT. O descumprimento de alguma regra acarretará aplicação imediata de multa contratual. Nas estações Santa Cruz, Magarça e Mato Alto, técnicos flagraram problemas em horário de pico, como níveis de conforto inadequados.

“Esta foi a maior multa aplicada ao consórcio operador desde a inauguração do sistema. O BRT Transoeste representa um grande benefício aos usuários e vamos exigir níveis de qualidade de serviço adequados”, declarou o secretário de Transportes Carlos Roberto Osorio.

Segundo estudos da secretaria, uma das medidas para reduzir a distância percorrida pelos ônibus é a execução de um retorno operacional, próximo à estação Mato Alto, para a implantação de novo serviço Alvorada-Mato Alto, aumentando, assim, a frequência e a capacidade de transportar passageiros. A prefeitura garante que o trabalho já está sendo feito pela secretaria municipal de Obras, e deve ser concluído em maio.

Manifestação fecha pista do BRT em Guaratiba


25/03/2013 - O Dia

Rio -  Uma manifestação de moradores fechou a Avenida das Américas, na altura da Estrada do Magarça, em Guaratiba, na Zona Oeste, na manhã desta segunda-feira.

O protesto fechou a pista por onde passa o BRT no sentido Barra da Tijuca por cerca de 30 minutos. Às 9h25, o corredor foi liberado, mas o restante da Avenida das Américas permanece ocupada. Os moradores, que vivem na Estrada da Capoeira Grande, reivindicam melhorias na região para evitar alagamentos durante as chuvas, que atingiu bastante a Zona Oeste no último sábado.

Projeto do maior corredor expresso do Rio está pronto


11/04/2013 - O Dia

BRT Transbrasil ligará por 32 quilômetros o bairro de Deodoro ao Aeroporto Santos Dumont e promete modificar ‘a cara’ da cidade. Licitação será no mês que vem
POR ANGÉLICA FERNANDES

Rio -  Foi dada a largada, com a finalização do projeto, para a criação do maior corredor expresso da cidade, o BRT Transbrasil — que ligará por 32 quilômetros o bairro de Deodoro ao Aeroporto Santos Dumont e promete modificar ‘a cara’ da cidade.

A Avenida Brasil  receberá nove estações, sendo duas terminais e com embarque superior, na altura da passarela. Na chegada ao Centro, o transporte será interligado ao Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), que passará a ser a única opção de transporte em toda Zona Portuária.

A licitação para as obras será realizada no mês que vem. O orçamento foi definido em R$ 1,5 bilhão. O BRT Transbrasil ficará pronto em até dois anos e meio.

Clique no infográfico para ver maior | Foto: Arte: O Dia

O início do corredor Transbrasil será ao lado da estação ferroviária de Deodoro. Ali, um viaduto de 500 metros será erguido para fazer ligação com a Avenida Brasil. Ao chegar à Avenida Francisco Bicalho, o BRT vai circular ao lado do rio, onde serão construídas as estações. De lá, um novo viaduto será erguido para acesso à Avenida Presidente Vargas, que contará com sete estações.

Na Rua Primeiro de Março e na Avenida Antônio Carlos, algumas paradas serão integradas ao VLT, que contará com 46 estações espalhadas por todo o centro da cidade. Com o Transbrasil em funcionamento, estima-se que o tempo de chegada ao centro seja reduzido em 40%.

“Será uma das obras mais complexas, pelo tráfego intenso das vias. Isso vai exigir que nosso trabalho seja feito, na maior parte, durante a noite”, acredita o prefeito Eduardo Paes.

Pontes e viadutos

O projeto do novo BRT inclui ainda mais de 30 mil metros quadrados de pontes e viadutos. Além do alargamento das pistas laterais da Avenida Brasil, entre Irajá e Guadalupe, e a construção de um mergulhão de acesso ao Aeroporto Santos Dumont, preservando o patrimônio paisagístico do Aterro do Flamengo.


Paes esteve no jornal O DIA nesta quarta para apresentar os investimentos da prefeitura em mobilidade urbana | Foto: André Mourão / Agência O Dia

Com o novo BRT, serão 155 km de anel viário

Com o BRT Transbrasil, a prefeitura promete entregar à população um anel viário de 155 quilômetros de corredor expresso. No ano da sua inauguração, o BRT Transoeste transportou mais de 6 milhões de passageiros.

O próximo corredor a ficar pronto é o Transcarioca, que ligará a Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional Tom Jobim. Em seguida, entrará em operação o BRT Transolímpica, da Barra a Deodoro.

Todo investimento será imprescindível para a realização da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos na cidade. Mas, para o prefeito Eduardo Paes, a construção dos corredores é mesmo um benefício para a população.

“Os eventos esportivos foram desculpas para a construção dos BRTs. Quem ganha é a população, que poderá contar com transporte de qualidade muito mais ágil e sem engarrafamentos”, aponta Paes, que esteve nesta quarta-feira na redação do DIA para apresentar aos jornalistas os investimentos em mobilidade urbana na cidade. Veja o vídeo do novo BRT

Exército não libera área e muda  o traçado da Transcarioca

O projeto inicial do BRT Transcarioca previa a desapropriação de 2 mil casas em Magalhães Bastos. Na época, a Prefeitura pediu ao Exército, que detém vários terrenos na região, o empréstimo de algumas áreas para a evolução do corredor até o viaduto do bairro.

O pedido foi parcialmente aceito e o que ficou de fora foi um trecho, ao lado de um conjunto residencial militar. “O Exército não abriu mão de uma parte do terreno e, por isso, 100 casas terão que ser desapropriadas”, explicou o prefeito Eduardo Paes.

De acordo com a secretaria municipal de Obras, o trecho de desapropriação em Magalhães Bastos é equivalente a dois quarteirões. As notificações serão divulgadas no Diário Oficial nas próximas semanas.

Com a saída de 100 casas, chega a 2.500 o número de desapropriações da Transcarioca até agora. No BRT Transoeste, a prefeitura gastou R$ 18 milhões com a saída de 70 casas.

Sindicato critica decisão de proibir vans na Zona Sul


12/04/2013 - O Dia


Rio -  O decreto do prefeito Eduardo Paes proibindo, a partir de segunda-feira, a circulação de vans, Kombis ou microônibus na Zona Sul carioca caiu como uma bomba no Sindicato dos Permissionários dos Serviços de Transporte de Passageiros e Comunitário do Município do Rio de Janeiro (SindsVan-Rio).

Cerca de 100 mil pessoas usam o transporte alternativo somente na Zona Sul, que conta com 30 linhas e mais de 600 veículos.

“Ninguém nos comunicou que haveria essa proibição”, protestou Guilherme Bisserra, diretor jurídico do sindicato. Está marcada para o dia 29 audiência pública com o prefeito para discutir o assunto.

Vans que descumprirem decreto levarão multa de R$ 1.251,48 e serão apreendidas: 100 mil pessoas usam o transporte alternativo na Zona Sul | Foto: Alexandre Vieira / Agência O Dia

De acordo com o decreto de Eduardo Paes, publicado no Diário Oficial do Município, só poderão circular na Zona Sul as linhas que realizam o itinerário Parque da Cidade-Gávea e Parque da Cidade-Fashion Mall, que passam pela Favela da Rocinha e pelo Morro do Vidigal, ambos em São Conrado.

Centro está na mira

Ainda segundo Guilherme Bisserra, a decisão de Eduardo Paes vai totalmente contra o diálogo que o sindicato vem tentando fazer com a prefeitura do Rio.

“A decisão prejudica, principalmente, os que necessitam do transporte público em horários de pouca circulação de coletivos”, afirmou ele, que complementou: “O trabalhador que volta muito tarde do trabalho é dependente das vans. Além disso, durante o dia, os ônibus não conseguem dar vazão a grande quantidade de passageiros”, afirmou.


O lojista Eduardo Figueireido é contra o novo decreto: 'A proibição das vans não vai representar nenhuma melhoria para os moradores da cidade. Além disso, os ônibus estão sempre lotados, os maiores prejudicados são os trabalhadores que utilizam o transporte todo o dia' | Foto: Alexandre Vieira / Agência O Dia

Segundo a Coordenadoria Especial de Transporte Complementar, vinculada ao Executivo municipal, a proibição deve se expandir para outras regiões da cidade, como o Centro, mas ainda sem data definida.

As vans que forem flagradas serão lacradas e rebocadas, além de receber multa no valor de R$ 1.251,48. A fiscalização, diz a prefeitura, será feita por membros da Coordenadoria, do Detro, Polícia Militar, Detran e Guarda Municipal.

"Não falta transporte na Z. Sul", diz Paes

Segundo o decreto, o objetivo da proibição é reordenar o trânsito nos bairros de Botafogo, Urca, Humaitá, Leme, Copacabana, Ipanema, Leblon, Lagoa, Jardim Botânico, Gávea, Vidigal, São Conrado e Rocinha.

“O transporte alternativo deve servir para complementar o grande transporte. Você tem que colocar a van onde não tem transporte nenhum. Em alguns pontos das zonas Norte e Oeste, onde há uma dificuldade de acesso à rede, a van tem um papel. Na Zona Sul, pelo amor de Deus, o que não falta é transporte. Tem metrô, ônibus”, disse o prefeito.

Há pouco mais de 10 dias, um casal de turistas foi atacado após embarcar num van em Copacabana. A mulher foi estuprada pelos criminosos. Desde segunda, está proibido o uso de insulfilm em vans.

A rotina de aborrecimentos de quem depende de ônibus na Barra


11/04/2013 - O Globo

Velocidade. Motoristas aceleram acima do permitido na Avenida Ayrton Sena Pedro Teixeira / Pedro Teixeira

Quem depende do transporte público na Barra e no Recreio se submete a uma rotina de aborrecimentos, causada pela ineficiência. São atrasos frequentes, desvios de trajeto e viagens desconfortáveis, seja pelos assentos precários, pela superlotação ou pelo medo de acidentes, devido a excesso de velocidade e manobras perigosas. A equipe do GLOBO-Barra ouviu passageiros e flagrou vários problemas: motoristas usando a pista central (proibida ao transporte público), parando fora do ponto, ignorando acenos. Para o morador da Barra e especialista em transportes Fernando MacDowell, a qualidade do serviço está comprometida:

— O Rio já foi exemplo em transporte público; hoje o sistema está em crise. Há redução do número de veículos das linhas, deixando o usuário na mão. E ainda é preciso investir muito em fiscalização. Se não, já imaginou a imagem ruim que o transporte da Barra e do Recreio, por exemplo, deixará nos visitantes dos grandes eventos? Se nem quem mora ou trabalha aqui está satisfeito, é sinal de que não estamos preparados para atender turistas.

A Secretaria municipal de Transportes informa que está investindo numa plataforma tecnológica para melhorar a fiscalização. Com ela, a partir das informações do GPS, aparelho obrigatório nos ônibus da cidade, a prefeitura poderá verificar, remotamente, frequência, itinerário, quantidade de veículos por linha e velocidade da frota.

A secretaria reforça que a fiscalização se baseia nas reclamações feitas por meio do telefone 1746. Já o Sindicato das Empresas de Ônibus da Cidade do Rio, o Rio Ônibus, diz que a má qualidade do serviço é consequência das muitas obras na região, que causam congestionamentos e afetam a conservação dos veículos. O órgão diz que vem conversando com o poder público sobre estas dificuldades, e acredita que a inauguração do BRT Transcarioca, previsto para janeiro de 2014, ajudará a resolver o problema.

Usuários ficam em pé

Mudar o trajeto é prática de alguns motoristas da linha 525 (integração Metrô-Barra). Segundo relatos de usuários, eles evitam passar pela Avenida Ayrton Senna por causa dos congestionamentos, irritando dezenas de pessoas e atrasando sua volta para casa.

— Ao chegar no ponto em frente ao BarraShopping, o motorista perguntou ao trocador se havia alguém para descer no ponto em frente à Leroy Merlin. Se não houvesse, ele iria direto para o Terminal Alvorada, desviando pelo mergulhão em frente à Cidade das Artes. Como eu estava próxima, informei que desceria ali. Ou seja, se eu não estivesse no ônibus, o motorista iria ignorar os possíveis passageiros que poderiam estar esperando naquele ponto — conta a passageira Vania Furtuna.

Outra reclamação é a falta de linhas para Zona Sul. Mas, de acordo com a Secretaria municipal de Transporte das 74 linhas que operam na Barra, 32 seguem para a região. Apesar de a linha 525 operar com 11 ônibus, mantendo intervalos de 15 a 20 minutos entre eles, segundo a Rio Ônibus, O GLOBO-Barra constatou que usuários como Átila Xavier, outro usuário da 525, aguardam pelo veículo por mais de 50 minutos em horários de rush.

À falta de ônibus, passageiros recorrem às vans.

— Quase todos passam lotados e demoram demais; por isso, há sete anos vou trabalhar de van — conta Paulo Maselli, que pega condução no Largo de Jacarepaguá.

Parada irregular

Enquanto aguardava pela linha 896 (Pingo D’Água-Barra da Tijuca), a passageira Maria de Lurdes Souza comentava sobre o excesso de velocidade e as paradas que alguns deles fazem na pista central da Avenida das Américas, onde é proibida a sua circulação. O GLOBO-Barra flagrou a correria perigosa de passageiros que atravessam a pista lateral rapidamente para tentar alcançar os coletivos que param fora da baia.

A má conservação, outra queixa dos usuários da 896, também é comum nas linhas 382 (Recreio-Carioca) e 360 (Piabas-Carioca).

— Os ônibus da Pégaso (operadora das linhas) estão sucateados: faltam assentos, as barras de segurança estão quebradas, há pneus carecas, os freios falham — reclama o usuário Albano Menezes.

A Rio Ônibus diz que a Pégaso faz manutenção constante da frota e, como as outras linhas, sofre com as obras na região.

Passageiros na poeira

Pelo Terminal Alvorada transitam 51 linhas — entre as que passam e as que fazem ponto final no local. Com as obras de cobertura e passagem inferior do terminal e a construção das instalações do Centro de Controle Operacional, os passageiros penam com o acúmulo de entulho, a poeira, a ausência de lixeiras, a inexistência de assentos para tornar a espera mais confortável e a confusão provocada pelo grande número de veículos concentrados no mesmo local.

— Temos que esperar pelo ônibus em péssimas condições. As obras devem ocorrer, mas é possível fazer isso oferecendo um mínimo de atenção ao usuário. Não há calçada para chegar ao terminal, o lixo está por todos os lados e nunca sabemos ao certo se o ônibus vai parar no ponto em que estamos aguardando por ele — diz Rodrigo Pontes.

O local é peça-chave no serviço do transporte público da região, sendo ponto de integração entre o Transoeste (já em operação) e o Transcarioca. No futuro, além da ligação dos corredores expressos de BRT, o terminal vai receber todo o transporte de ônibus da Zona Oeste.

A Secretaria municipal de Obras informa que as obras terminam ainda este semestre.

Lotação e espera

No fim de março, a prefeitura multou o BRT Transoeste em R$ 50 mil, por operação em intervalos irregulares e problemas operacionais e de conservação nas estações, entre outros motivos. Os técnicos também identificaram, em horários de pico, níveis de conforto inadequados nas estações Santa Cruz, Magarça e Mato Alto.

— Usei no início o BRT para nunca mais. A superlotação e a falta do cumprimento do horário são problemas rotineiros. Eu prefiro pegar dois ônibus, devido à falta de opção de linhas, a usar esse transporte — diz Celso Silva, morador de Santa Cruz.

De acordo com a Secretaria municipal de Transporte, não houve redução de linhas de ônibus com a implantação do BRT Transoeste, que chega ao Terminal Alvorada e já proporcionou uma melhora na oferta de transporte público entre Barra e Santa Cruz. Até 2016 serão inaugurados os BRTs Transolímpico e Transcarioca. Já o BRT Transoeste deverá ser integrado à Linha 4 do metrô, no Jardim Oceânico.

Prefeito proíbe circulação de vans e Kombis na Zona Sul do Rio


11/04/2013 - Extra - RJ

Vans, kombis e micro-ônibus que operam no transporte de passageiros em linhas complementares terão a circulação proibida na Zona Sul do Rio, a partir da próxima segunda-feira. Conforme antecipou a coluna de Ancelmo Gois na edição desta quinta-feira, o decreto do prefeito Eduardo Paes, publicado no Diário Oficial do Rio, veta a circulação de veículos cadastrados na Secretaria municipal de Transportes que integram o Subsistema de Transporte Urbano Especial Complementar de Passageiros. De acordo com o decreto, a medida faz parte de um conjunto de ações integradas com o objetivo de reordenar e racionalizar a rede de transportes.

As vans ficam vetadas nos bairros de Botafogo, Humaitá, Urca, Leme, Copacabana, Ipanema, Leblon, Lagoa, Jardim Botânico, Gávea, Vidigal, São Conrado e Rocinha. No caso de Vidigal e Rocinha duas linhas estão fora da proibição. Os veículos que operam as linhas Parque da Cidade - Gávea e Parque da Cidade - Fashion Mall continuam permitidos, mas devem obedecer itinerários determinados pela prefeitura.

O decreto é publicado doze dias depois de um casal de turistas sofrer violência após embarcar em uma van em Copacabana. Os dois foram vítimas de três criminosos e um menor durante seis horas. A mulher, uma americana, foi estuprada e seu namorado, um francês, foi agredido. Jonathan Froudakis de Souza, de 19 anos, Wallace Aparecido Souza Silva, de 21, Carlos Armando Costa dos Santos, de 21 foram presos e reconhecidos como autores do crime. Um menor que também participou da ação criminosa foi apreendido.

Folha.com

Prefeitura do Rio proíbe circulação de vans em parte da zona sul

A Prefeitura do Rio de Janeiro decidiu proibir, a partir da próxima segunda-feira (15), a circulação de vans e micro-ônibus em parte da zona sul da cidade.

A ideia, segundo publicação feita hoje (11) no "Diário Oficial" do Município, é reordenar o trânsito nos bairros de Botafogo, Humaitá, Urca, Leme, Copacabana, Ipanema, Leblon, Lagoa, Jardim Botânico, Gávea, Vidigal, São Conrado e Rocinha.

Por conta da mudança, agentes de trânsito farão operações especiais na região para orientar o trânsito e impedir a circulação desses veículos.

Hoje, o prefeito Eduardo Paes (PMDB) afirmou que a zona sul não precisa de transporte alternativo. "O transporte alternativo tem que ser, literalmente, complementar ao grande transporte. Você tem que colocar a van onde não tem transporte nenhum. Nos sub-bairros da zona oeste e norte, onde há uma dificuldade de acesso à rede, a van tem um papel. Na zona sul, pelo amor de Deus, o que não falta é transporte".

O prefeito disse que a maioria das pessoas que operam as vans no Rio são "gente do bem", mas reconheceu que, em alguns momentos, "virou caso de polícia".

"Eu não tenho como dizer que a pessoas que operam van no Rio são marginais. Ao contrário, a maioria é de gente do bem. Só que em alguns momentos virou caso de polícia. Por isso criamos coordenadoria especial para tratar essa questão".

Ainda de acordo com o decreto, ficam excluídos da proibição os vans, Kombis e micro-ônibus cadastrados na Secretaria Municipal de Transportes e integrantes do serviço TEC ( Transporte Urbano Especial Complementar de Passageiros) que operam nos bairros da Rocinha e do Vidigal. Esses veículos deverão cumprir os seguintes itinerários:

Parque da Cidade/Gávea (via Fashion Mall - circular) - estrada da Gávea (próximo à rua Tenente Francisco Mega), estrada da Gávea, autoestrada Lagoa - Barra (pista sentido Barra da Tijuca), retorno próximo à estrada do Joá, autoestrada Lagoa - Barra (pista sentido Lagoa), autoestrada Lagoa - Barra, rua Engenheiro Amandino de Carvalho, avenida Prefeito Mendes de Moraes, avenida Niemeyer, avenida Delfim Moreira, avenida Epitácio Pessoa, avenida Borges de Medeiros, rua Gilberto Cardoso, praça Nossa Senhora Auxiliadora, rua Mário Ribeiro, avenida Bartolomeu Mitre, rua Marquês de São Vicente, estrada da Gávea, estrada da Gávea (próximo à rua Tenente Francisco Mega).

Parque da Cidade/Fashion Mall (via Gávea - circular) - estrada da Gávea (próximo à rua Tenente Francisco Mega), estrada da Gávea, rua Cedro, rua Mary Pessoa, rua Marquês de São Vicente, rua Arthur Araripe, rua Padre Leonel Franca, retorno sob a pista da autoestrada Lagoa - Barra, avenida Padre Leonel Franca, rua Mário Ribeiro, avenida Borges de Medeiros, avenida Delfim Moreira, avenida Visconde de Albuquerque, avenida Niemeyer, largo da Macumba, estrada da Gávea, rua Cedro, rua Mary Pessoa, estrada da Gávea, estrada da Gávea (próximo à rua Tenente Francisco Mega).

Especialista acredita que proibição de vans pode ter impacto positivo no trânsito da Zona Sul


12/04/2013 - O Globo


Prefeito Eduardo Paes vai retirar as vans da Zona Sul a partir de segunda feira (Marcos Tristão / Agência O Globo)

RIO - A partir de segunda-feira, vans e Kombis que fazem transporte de passageiros serão proibidas de circular em 11 bairros da Zona Sul. O decreto do prefeito Eduardo Paes foi publicado na quinta-feira no Diário Oficial, como noticiou a coluna de Ancelmo Gois. Segundo a prefeitura, o Centro será a próxima região que terá restrição a vans, mas não foi informado quando isso acontecerá. Para o professor de Engenharia de Transportes da PUC-Rio, José Eugenio Leal, a proibição de vans na Zona Sul pode trazer impacto positivo para o trânsito da Zona Sul.

— Naquela região, a van não tem um papel grande. Existem outras alternativas, exceto na Rocinha e no Vidigal, onde seguem liberadas as vans. Acredito que a medida possa reduzir alguns conflitos de transporte, como as paradas em pontos de ônibus, ou as paradas desses veículos em qualquer lugar. O impacto nesse sentido deve ser positivo. Nas regiões onde existe uma dependência grande das vans, como Ilha do Governador e Campo Grande, por exemplo, é preciso uma transição para o transporte público absorver a demanda de passageiros.

Motoristas do transporte estão apreensivos com a decisão. José Ribamar, que faz a linha São Conrado-Leme, observou que a decisão poderá causar desemprego:

— Estou indignado. Trabalho com transporte de vans desde 1996 e ainda nem sei qual vai ser o tamanho do meu prejuízo.

O diretor jurídico do Sindicato dos Permissionários dos Serviços de Transporte de Passageiros e Comunitário do Rio (Sindvans), Guilherme Biserra, afirma que a categoria está estudando uma forma de suspender o decreto.

— Vamos nos posicionar junto à prefeitura no sentido de propor a suspensão desse decreto. Não vai prejudicar apenas operadores do sistema, vai prejudicar muito a população dessas regiões. Considerando os veículos que rodam na região, teremos mais de 500 retirados de operação. Cada veículo transporta em média 200 passageiros por dia. Isso significa 100 mil viagens a menos todos os dias, o que é suficiente para criar um caos naquele corredor.

Usuários de vans se dividem em relação à decisão da prefeitura.

— Essa medida é um absurdo — critica Kátia Santos, de 47 anos, que na quinta-feira embarcou numa van no Leme.

O vendedor Giovanni Michelino, de 42 anos, que mora na Rocinha e trabalha em Ipanema, argumenta que, a partir de segunda-feira, terá que desembarcar no Jardim de Alah e pegar outro transporte para seguir até o trabalho.

— Vou gastar mais, porque a van não aceita o Bilhete Único. Na volta, os ônibus vão ficar insuportáveis, porque o fluxo de pessoas saindo da Zona Sul em direção a São Conrado é grande.

Já o estudante de direito Breno Akherman, que mora no Leme e estuda no Centro, defende a decisão:

— Particularmente aqui no Leme, as vans quebram o maior galho. Mas acho um transporte perigoso, e os carros estão todos quebrados. Prefiro seguir de ônibus — disse o jovem enquanto fazia sinal para um coletivo da linha 472 (Leme-Triagem) que não parou no ponto.

A medida foi tomada 12 dias depois de uma americana ter sido estuprada e seu namorado agredido dentro de uma van após embarcarem em Copacabana. O prefeito, no entanto, sustenta que o decreto já estava previsto para ser publicado em abril e que os últimos episódios só reforçaram a sua decisão. A proibição faz parte de um pacote de ações para regulamentar esse tipo de transporte, mas outras etapas ainda não aconteceram, como a redução da atual frota de 6 mil para 3.502 vans.

— Estava no plano de voo. A previsão era abril mesmo. Eu não estou aqui para dizer que todas as pessoas que operam vans são marginais. Ao contrário, a maioria é gente de bem. Mas, em algum momento, isso virou caso de polícia. Foi então que criamos uma coordenadoria especial para tratar dessa questão — afirma Paes.

Segundo o prefeito, as linhas de vans que operam no Vidigal e na Rocinha serão licitadas e farão a ligação dessas comunidades com o Jardim de Alah:

— A Zona Sul já tem bastante transporte. Tem ônibus, metrô e táxis. É uma área da cidade que não precisa de vans. A van é um transporte complementar e tem que cobrir as áreas onde o serviço de transporte modal não atende.

Regulamentação prevista para maio

O coordenador especial de Transporte Complementar do município, Cláudio Ferraz, explicou que em outras áreas da Zona Sul as vans continuarão circulando. Como nos bairros de Flamengo, Laranjeiras, Glória e Catete.

— A proibição é para o trecho que vai de Botafogo até São Conrado. Essa medida já fazia parte do processo para normatização do transporte na cidade. Os acontecimentos recentes e o resultado das operações de fiscalização, nas quais apreendemos 600 veículos irregulares em apenas um mês, acabaram precipitando as coisas.

Segundo Ferraz, a implantação do Sistema de Transporte Público Local (STPL), com a licitação de novas linhas e a redução do número de vans, está prevista para o mês que vem. A proibição deverá ser estendida a outras áreas, como as vias expressas. Ainda de acordo com o coordenador, a fiscalização seguirá o padrão que já vem sendo adotado, com apoio do Detro, da Polícia Militar, do Detran e da Guarda Municipal. Os fiscais ficarão nos principais acessos à Zona Sul.

— Estamos estudando as medidas que vamos adotar — afirma Ferraz.

sexta-feira, 5 de abril de 2013

BRT olímpico do Rio tem buracos e trecho fechado antes mesmo de estar pronto

05/04/2013 - Uol

Leia também: Câmeras nos ônibus vão gerar imagens ao vivo para a prefeitura (Rio)

Ônibus do BRT Transoeste passa por desvio devido a buracos em pista recém-construída

A interdição do Engenhão surpreendeu a população do Rio de Janeiro há dez dias. O fechamento do estádio fez muitas pessoas se perguntarem: como uma construção feita para os Jogos Pan-Americanos de 2007 pode ter falhas tão graves em tão pouco tempo? O caso do Engenhão, entretanto, não é único entre obras feitas para eventos esportivos do Rio. Na cidade, um corredor de ônibus prometido para a Olimpíada de 2016 nem foi concluído ainda, mas já passa por reparos.

O BRT Transoeste foi projetado para ligar bairros da Zona Oeste (Recreio, Santa Cruz e outros) com a extensão do metrô que está sendo construída. A obra foi dividida em lotes. Os primeiros foram inaugurados em junho de 2012, criando a primeira pista para tráfego exclusivo de ônibus da região da Barra Tijuca, bairro que abrigará a maior parte das competições dos Jogos Olímpicos de 2016.

Meses depois da inauguração, entretanto, o BRT começou a apresentar problemas. Hoje, já está passando por obras para fechamento de buracos na pista e para reconstrução de uma pequena ponte, cujo asfalto cedeu. Tudo isso nove meses depois da abertura do corredor de ônibus.

"Isso aqui é problema todo hora, amigo", diz Walberson Neris, 22 anos, que vende lanches em frente à Estação Mato Alto do BRT Transoeste. "Foi feito 'nas coxas'. É só buraco e reclamação."

É bem na altura da Estação Mato Alto que o BRT está em obras. Lá, o corredor de ônibus é a principal alternativa de transporte público para quem precisa ir sentido Centro do Rio. De lá ao ponto final do corredor, o Terminal Alvorada, a viagem dura cerca de uma hora, segundo os usuários. Isso, porém, se a pista do BRT não estivesse parcialmente fechada.

Por causa dos reparos, os ônibus do BRT são obrigados a desacelerar, sair do corredor exclusivo e dividir espaço com os carros. Já os carros têm de reduzir a velocidade e andar por desvios. Dependendo do destino de cada motorista, o caminho chega a ficar 8 km mais longo do que o normal.

"O trânsito fica parado no final do dia", conta Walberson. "Parece que a prefeitura não faz nada direito."

PISTA ESTÁ SENDO RECONSTRUÍDA APÓS PROBLEMAS



Na região da Estação Mato Alto do BRT Transoeste, parte da pista está sendo refeita, obrigado os ônibus a dividir espaços com carros

Construção bilionária

A obra do Transoeste está orçada em R$ 1,008 bilhão. Começou em agosto de 2010 e só deve estar completamente concluída no primeiro semestre de 2016, ou seja, meses antes da Olimpíada do Rio. Quando estiver pronta, será por ela que boa parte dos turistas e torcedores virá da Zona Sul à região do Parque Olímpico da Rio-2016.

A construção está sendo tocada por duas empresas: Odebrecht e Sanerio. Cada uma delas trabalha em um trecho do corredor exclusivo de ônibus. Ambos já tiveram problemas.

Em janeiro, um túnel construído pela Odebrecht por causa do BRT foi interditado por quatro dias. Uma rocha acima da passagem se deslocou. Causou uma pane elétrica e a queda do revestimento do túnel. Após quatro dias, a pista foi liberada.

Ainda em janeiro, outros problemas. De acordo com a Secretaria Municipal de Obras, "vícios construtivos" foram encontrados em trechos construídos pela Sanerio. Buracos e falhas na pista do corredor para os ônibus apareceram, inclusive, na região da Estação Mato Alto, que já está em obras novamente.

Na época, a prefeitura culpou a Sanerio. Já o presidente da empresa, Luis Carlos Matos, chegou a declarar que os problemas teriam sido causados porque as obras foram aceleradas no final de 2012, devido à eleição municipal. A Prefeitura do Rio rebateu e disse que empreitada seguia seu cronograma.

Procurada pelo UOL Esporte, a Sanerio informou na quinta-feira que não se pronuncia mais sobre os problemas no BRT. Após as divergências com a prefeitura, qualquer questionamento sobre a obra deve ser direcionado à administração municipal, de acordo com a empresa.

REPAROS EM PONTE FECHAM TRECHO DO BRT TRANSOESTE

Respostas

A Secretaria Municipal de Obras informou, em nota, que os problemas verificados no BRT foram e serão todos reparados pelas construtoras responsáveis, sem custo aos cofres públicos. O tempo que levará para que a pista em reparos seja liberada não foi informado pelo órgão.

A Secretaria Municipal de Transportes disse que o tráfego será normalizado "tão logo as obras estejam concluídas". Disse também que os reparos não causaram qualquer alteração para os usuários do BRT, no percurso ou mesmo tempo de viagem.

Não é isso que pensa Paulino Eloy, de 33 anos. Ele usa o BRT para ir da Barra a Santa Cruz todos os dias. Para Paulinho, as obras "atrapalham demais a viagem". "Demora mais", resumiu. "Esse BRT é muito desorganizado. Espero que esse conserto seja para resolver de vez o problema.

Câmeras nos ônibus vão gerar imagens ao vivo para a prefeitura

05/04/2013 - O Globo

RIO - O novo sistema de fiscalização dos ônibus municipais começa a funcionar no segundo semestre, com algumas mudanças que podem ajudar a inibir a ação de maus motoristas e passageiros. Além do GPS, que passará informações sobre trajeto, horário e velocidade dos veículos, as imagens das duas câmeras instaladas nos veículos poderão ser acompanhadas ao vivo por técnicos do Centro de Operações Rio, da prefeitura. As imagens serão gravadas e ficarão arquivadas nas empresas, mas poderão ser requisitadas pela prefeitura se necessário.

O secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osório, afirmou na quinta-feira que o sistema começará a ser implantado em todos os ônibus do BRT Transoeste e naqueles cujos passageiros fazem muitas reclamações. Mas ainda não há uma definição sobre o número de ônibus que passarão a ser monitorados imediatamente. Hoje, segundo a prefeitura, 100% da frota já está equipada com GPS e duas câmeras.

— Nesta primeira fase, não temos condições de monitorar os quase nove mil ônibus da cidade, porque estamos instalando a plataforma digital. Acredito que esse sistema pode inibir ações como a que ocorreu na Avenida Brasil. Os usuários precisam saber que todos estarão sendo monitorados pelas câmeras e pelo GPS.

Na noite de quarta-feira, pouco antes de fazer sua última viagem, um motorista de ônibus da linha 366 (Lavradio-Campo Grande), da Expresso Pégaso, foi detido com um grama de cocaína na Rua do Lavradio, no Centro. O homem, de 41 anos, deixou o veículo no ponto final e entrou num casarão antigo. Ao sair do imóvel, foi flagrado com a droga dentro da meia. Na delegacia, ele disse que comprou a cocaína para uso próprio. O delegado da 5ª DP (Rua Gomes Freire), Antônio Bonfim, disse não ter como afirmar se o motorista consumiria a droga no ônibus.

Sobre o acidente na Avenida Brasil, o delegado da 21ª DP (Bonsucesso), José Pedro da Silva Costa, pretende pedir a prisão preventiva do motorista do ônibus da linha 328, André Luiz da Silva Oliveira, e do estudante Rodrigo dos Santos Freire, acusado de agredi-lo.

Com a prisão preventiva decretada, ambos passarão a ficar no hospital sob custódia da polícia. O delegado acrescentou que já indiciou o motorista e o estudante por homicídio doloso, com dolo eventual (ambos teriam assumido o risco de matar outras pessoas). Eles deverão também ser indiciados por tentativa de homicídio.

Segundo a polícia, não há marcas de pneus no asfalto, o que indica que o motorista não freou o veículo.