sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Niterói e São Gonçalo terão ônibus do sistema BRT

24/08/2012 - O Fluminense

O governador Sérgio Cabral anunciou na quarta-feira que o Governo do Estado deve lançar até dezembro a licitação para instalação de corredores exclusivos de ônibus BRT em rodovias da Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo. A declaração foi feita durante a inauguração do Centro de Socioeducação Dom Bosco, na Ilha do Governador. 

BRT é a sigla em inglês para Bus Rapid Transit, um sistema de ônibus de alta capacidade que prevê um serviço rápido, confortável, eficiente e de qualidade, com a utilização de corredores exclusivos.

Segundo Cabral, já está sendo feito um estudo preliminar em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV) a fim de elaborar o projeto que servirá de base para a licitação. Uma das opções iniciais seria integrar o corredor BRT com a futura linha 3 do metrô. 

Por esse plano, o corredor começaria na Praça Araribóia, no Centro de Niterói, e terminaria em Alcântara. Já numa segunda fase, a faixa se estenderia até Inoã. Dessa forma, o BRT correria em paralelo ao metrô e seria mais uma opção de transporte para moradores de São Gonçalo e Itaboraí. 

Órgão de trânsito de Niterói ainda não tem detalhes sobre projeto- Por sua vez, a Prefeitura de Niterói afirmou que seu órgão municipal de transportes, a NitTrans, ainda não foi informado pelo Governo do Estado sobre projetos de instalação de corredores BRT no município. 

No entanto, a Prefeitura adiantou que vai propor ao Ministério das Cidades projetos viários para construção de um corredor entre o Largo da Batalha e Zona Norte da Cidade, com terminal de passageiros no Barreto. Entre os planos estão a aquisição de áreas de especial interesse urbano e construção de um túnel entre Santa Rosa e Ponto Cem Réis, além de terminais de passageiros em Piratininga, Largo da Batalha e Barreto.
 
Fonte: O Fluminense

Ônibus rápido em Niterói, São Gonçalo e Baixada

23/08/2012 - O Dia 

Rio -  Menos ônibus nas ruas e viagens de ônibus mais rápidas à vista para moradores da Baixada, Niterói e São Gonçalo. Até o final do ano, o governo do estado vai lançar licitações para a criação de corredores expressos de ônibus, BRTs como o Transoeste, para essas regiões. Hoje, nesses locais, circulam 1,4 mil linhas de coletivos. Essa quantidade será reduzida.
De acordo com o governador Sérgio Cabral, um estudo preliminar está sendo desenvolvido pela área de projetos da Fundação Getúlio Vargas (FGV). As linhas que forem mantidas serão replanejadas para que sejam integradas com outros meios de transporte, como trens e metrô.

Acidente entre ônibus do BRT e um carro ocorreu na Avenida das Américas, em frente a Estação Américas Park, na altura do Rio Design | Foto: Carlos Eduardo Cardoso / Agência O Dia

“Teremos um volume de ônibus menor nas ruas. Os motoristas ganharão mais espaço, como já ocorre no BRT da Zona Oeste”, disse Cabral na inauguração do Centro de Socioeducação Dom Bosco, na Ilha do Governador.
Nos BRTs, ônibus circulam em vias exclusivas e, por isso, livres de engarrafamento. Entre as rodovias que podem receber os corredores estão a Via Dutra (BR-116) e a Rio-Petrópolis (BR-040).
Nesta quarta-feira, houve mais dois acidentes no Transoeste. Leonardo Martins ficou gravemente ferido após invadir a pista do BRT ao fazer um retorno na contramão, às 7h50. A colisão foi perto da Estação Americas Park, na Av. das Américas, na Barra. Ele foi internado no Hospital Miguel Couto com traumatismo craniano. Mais dois se feriram levemente.
Outras duas pessoas se machucaram quando outro carro avançou sinal vermelho e chocou-se contra o coletivo à noite, perto da Estação Benvindo de Novaes.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

BRT terá sinais de trânsito

19 /08/2012 -  Destak

Após quatro mortes por atropelamento, prefeitura admite melhorar acesso de pedestres às estações
A quarta morte por atropelamento na pista do BRT Transoeste, desde a inauguração em 6 de junho, fez a CET-Rio anunciar a instalação de um sinal de trânsito e uma faixa de pedestres na avenida das Américas, número 6.120, na Barra da Tijuca, na altura do Colégio Estadual Vicente Januzzi.
A prefeitura planeja ainda a instalação de outros sinais ao longo da avenida. Técnicos da Embarq Brasil, organização internacional especializada em transportes, vêm ao Rio em setembro para fazer uma inspeção no corredor expresso e criar medidas para reduzir acidentes.
Na última sexta-feira, alunos e professores do Colégio Estadual Vicente Januzzi fizeram um protesto nas pistas centrais da avenida das Américas, provocando a interrupção dos "ligeirões" por cerca de duas horas.
A manifestação ocorreu um dia depois da morte do aluno Felipe de Freitas, 17, atropelado por um ônibus BRT, no dia 3 de julho.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

BRT Transoeste funciona. Difícil é ir do centro do Rio ao Terminal Alvorada

13/08/2012 - Mobilize Brasil

O repórter do Mobilize Brasil Pedro Carrion testa o sistema do BRT no Rio de Janeiro e dá suas impressões, em primeira mão

Pedro Carrion
 
BRT Transoeste: plataforma de embarque
créditos: Pedro Carrion Costa / Mobilize Brasil
O sistema BRT Transoeste, que recentemente entrou em funcionamento no Rio de Janeiro, realmente melhorou bastante o deslocamento de passageiros da Barra da Tijuca para Santa Cruz, ponto final da linha. Na semana passada (7), tive a experiência de utilizar pela primeira vez o serviço - e pude comprovar sua eficácia. A viagem, de fato, é rápida e muito confortável. 
 
O ponto inicial do BRT Transoeste, no Terminal Alvorada (Barra da Tijuca), é um local que concentra linhas para praticamente todos os pontos da cidade e que, no momento, passa por obras. Segundo a Secretaria Municipal de Obras do Rio de Janeiro (SMO), tais intervenções são, sobretudo, para receber os futuros BRTs que estão em construção e farão conexões no local para diversas outras localidades. É o caso das linhas expressas Transcarioca e Transolímpica, além da Transbrasil, que sairá do papel a partir de junho de 2013. 
 
Porém, apesar da boa operação da linha Transoeste, o trajeto do centro da cidade até o Terminal Alvorada apresenta os velhos e recorrentes problemas: congestionamento, desorganização no Terminal Central do Brasil e muito tempo perdido dentro do ônibus. Nos horários de pico, há usuários já reclamando da superlotação. 
 
Trajeto até o Terminal Alvorada  
No trajeto que realizei, optei por descer um pouco antes, na estação Magarça, e de lá peguei o ônibus expresso (integrado) para a estação Pedra de Guaratiba, onde mora o meu pai. A Pedra de Guaratiba ainda não integra o sistema BRT. 

Mas voltando ao BRT. Para quem mora no centro da cidade, caso deste repórter, uma das maneiras de se chegar ao Terminal Alvorada é partindo do Terminal Procópio Ferreira, mais conhecido como Central do Brasil, um dos principais terminais rodoviários do Rio de Janeiro. E, de preferência, embarcando em algum ônibus que faça o trajeto pela Linha Amarela. Inaugurada em 1997, a Linha Amarela é uma via expressa, denominada oficialmente como avenida Governador Carlos Lacerda, que elimina a necessidade de transitar pela zona sul. Sua construção ganhou impulso com os engarrafamentos na própria zona sul, zona norte e avenida Brasil. 
 
Cheguei, então, às 11h40, aos boxes das linhas com destino ao Terminal Alvorada. Lá fui informado de que não havia nenhum ônibus que fazia o trajeto pela Linha Amarela que me levasse para dentro do Terminal Alvorada. O único possível, em função de mudanças operacionais, me deixaria do lado de fora da Alvorada, e eu teria que caminhar de 10 a 15 minutos até o interior do Terminal. Embarquei nesse mesmo, o 315 Central-Recreio dos Bandeirantes, Via Linha Amarela, já que outras opções, os ônibus que fazem o trajeto pela zona sul, por dentro da cidade, teriam o dobro do tempo de viagem. A Rio Ônibus, administradora do Terminal Alvorada, informa que estão sendo reformados os acessos para que as linhas, inclusive a 315, voltem em breve a entrar no Terminal.  
 
Já dentro do ônibus, percebi o reflexo da má organização do Terminal. Foram cerca de 10 minutos do ônibus só manobrando, com os veículos todos enfileirados e estacionados muito próximos uns dos outros. Eram 11h52 quando saímos. Ao longo do caminho, além do congestionamento de praxe, pude observar muitos moradores de rua debaixo de viadutos e o mau cheiro de esgoto em vários locais. O passageiro Carlos Ferreira Batista, 51 anos, marceneiro, resumiu perfeitamente nossa viagem: “É como se tivéssemos que atravessar o purgatório para chegar ao paraíso”, disse ele. Apesar de irmos pela Linha Amarela, o tempo de viagem durou 1h10. 
 
Porém, de acordo com a Secretaria Municipal de Transportes (SMTR), daqui a mais ou menos um ano haverá outras opções mais eficazes e rápidas de deslocamento do centro da cidade para o Terminal Alvorada. Na possibilidade mais próxima de se concretizar, o passageiro poderá embarcar no trem da Central do Brasil até o bairro Madureira e de lá fazer o transbordo para o BRT Transcarioca, que irá até a Alvorada. Já a nova linha 4 do metrô ligará a zona sul à Barra da Tijuca de forma dinâmica. Mas sua inauguração está prevista somente para dezembro de 2015.
 
Inaugurado no dia 6 de junho, o túnel da Grota Funda também é um dos responsáveis pela atual diminuição do tempo de viagem. O novo túnel, batizado com o nome do ex-vice-presidente José Alencar, conta com uma pista em cada sentido para ônibus articulados, além das duas pistas para veículos de passeio. Com 1.100 metros de extensão, a via liga os bairros de Guaratiba e Recreio dos Bandeirantes. 
 
Chegada ao Terminal BRT
Dando sequência à viagem, desci do ônibus, caminhei quase 15 minutos até o Terminal Alvorada e encontrei o Terminal BRT, todo bonito, funcionando a pleno vapor. Em uma máquina prática e moderna, coloquei crédito em meu cartão Bilhete Único Carioca, que me dá o direito de fazer duas viagens pelo preço de uma, por R$ 2,75. Passei pela roleta e logo parou em minha frente um ônibus articulado BRT, da linha expressa, maior e mais confortável do que os demais em circulação na cidade. 
 
Saímos da estação às 13h06. Apenas 30 minutos depois, desembarquei na estação Magarça para fazer o transbordo para a Pedra de Guaratiba, meu local de destino. O primeiro ônibus a chegar, para meu azar, estava com o leitor de cartão magnético quebrado. Esperei o segundo e uns 15 minutos depois estava em meu destino. Na estação Magarça, observei que a integração está sendo feita por ônibus convencionais. Mas, conforme informações da SMTR, as linhas de integração BRT entrarão em funcionamento nos próximos dias no local; e que em breve todas as estações terão seus próprios ônibus para integração.  
 
Mas nem tudo funciona às mil maravilhas no BRT. É o que afirma o construtor civil Adilson dos Santos Firmino, 47 anos, usuário diário da linha Transoeste e do transbordo para o bairro de Sepetiba: “Nos horários de pico, o ponto de ônibus fica lotado, com filas e muitas pessoas aguardando. Isso está prejudicando bastante”, disse Adilson. Sobre isso, a SMTR esclarece que a frota desta linha está sendo aumentada gradativamente. Iniciou com quatro veículos, hoje totaliza 13 carros e nas próximas semanas totalizará 17 no terminal. 
 
A conclusão desta experiência é que o tempo do percurso da Barra da Tijuca para a Pedra de Guaratiba cai pela metade utilizando o BRT. Mas de nada adianta tamanha praticidade se os mesmos problemas de sempre seguem ocorrendo no trajeto do Centro da cidade até a Barra da Tijuca. É preciso uma solução imediata para isso, e não somente para daqui a um ano.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Ligeirão Transoeste: balanço desta sexta-feira 10/08/2012 

13/08/2012 - Fetranspor

Nesta sexta-feira, dia 10 de agosto, o Ligeirão Transoeste operou com 72 ônibus articulados, com saídas a cada três minutos na linha expressa e a cada oito minutos na linha paradora, em ambos os sentidos. Na linha expressa, o tempo médio de viagem foi de 60 minutos e, na paradora, de uma hora e dez minutos.

sábado, 11 de agosto de 2012

Prefeito de Diadema diz que Metra pressiona EMTU para o fim da integração em terminais metropolitanos

09/08/2012 - Via Trólebus

A briga continua em torno de um possível fim na integração entre o sistema de ônibus de Diadema, e o corredor de trólebus do ABD. A EMTU anunciou no ano passado o fim da integração gratuita. O motivo alegado pela empresa de transporte é o alto custo e o investimento em manutenção. A população, movimentos sociais, sindical e partidos fizeram diversas manifestações para manter o serviço gratuito. Diante da mobilização popular, o Ministério Público se envolveu no caso.
O prefeito de Diadema, Mário Reali, disse nesta semana durante a reunião mensal dos prefeitos no Consórcio Intermunicipal, que a briga judicial entre prefeitura e a EMTU não acabou. A integração entre ônibus municipais e trólebus é realizada de maneira gratuita desde 1991.
“Vamos continuar brigando pela gratuidade. Até o momento, o que temos é apenas uma decisão de um dos ministros do STJ (Superior Tribunal de Justiça). Nada foi unânime e, portanto, cabe recurso, tanto é que já apresentamos (o recurso)”, comentou Reali.
O prefeito acusa a EMTU de não ter conseguido explicar o real motivo para acabar com a gratuidade. “Eles falaram que o dinheiro era para a eletrificação do corredor, depois voltaram atrás e falaram que é porque as contas não fecham. Mas o fato é que até agora a EMTU não mostrou seus números. A impressão é que a empresa está sofrendo pressão da operadora para acabar com a integração”, avaliou.
No dia 19 de julho, o ministro Ari Pargendler derrubou a liminar do Ministério Público que impedia a EMTU de cobrar a integração nos terminais da cidade.
Por Renato Lobo
 

Ligeirão Transoeste: balanço desta segunda-feira 06/08/2012

09/08/2012 - Fetranspor

-Nesta segunda-feira, dia 6 de agosto, o Ligeirão Transoeste operou com 70 ônibus articulados, com saídas a cada três minutos na linha expressa e a cada doze minutos na linha paradora, em ambos os sentidos. Na linha expressa, o tempo médio de viagem foi de 60 minutos e, na paradora, de uma hora e dez minutos

Terminal é transferido

05/08/2012 - Rio Ônibus

A transferência do atual Terminal Rodoviário Urbano Padre Henrique Otte (na Rua General Luiz Mendes de Morais) para a nova estação (na Praça Marechal Hermes 63) será neste sábado, dia 14 de julho. O novo terminal fica do outro lado da rua do atual. A proximidade não acarreta, portanto, alterações significativas nos itinerários das 23 linhas que fazem ponto no terminal. Não há previsão de mudança na circulação viária por conta da transferência. A migração para o segundo terminal será integral.

O Rio Ônibus, responsável pelo terminal rodoviário, está em negociação com o Programa Estadual de Integração na Segurança (Proeis) para contratar policiais militares de folga para segurança, que poderão prestar o serviço uniformizados por conta do sistema do programa. Em 50 estações serão alocados 300 homens da Polícia Militar – já em treinamento. A experiência está em fase inicial de implantação nas estações do BRT (Bus Rapid Transit). Enquanto o contrato não é fechado, a Guarda Municipal é a encarregada da segurança.

Uma nova Unidade de Ordem Pública (UOP) também terá sede na Região Portuária, com um contingente de 300 agentes. A expectativa é a de que essas medidas ajudem a inibir a ação de ambulantes. Segundo a Rioter, empresa responsável pela segurança, haverá câmeras de monitoramento do espaço por 24 horas.

As novas instalações são mais confortáveis: pé direito elevado, mais ventilado, iluminado, espaçoso, com quatro banheiros femininos e quatro masculinos, além de adaptação para portadores de deficiência. Neste sábado, usuários terão acesso a banheiros químicos. A medida é temporária, até que a obra de adaptação seja concluída. Mais baias para as paradas e um corredor para linhas em espera ajudarão a desafogar o trânsito.
A mudança de endereço do terminal é necessária à construção das alças de descida do Viaduto do Gasômetro, que serão conectadas à nova Via Binário do Porto, paralela à Avenida Rodrigues Alves. Provisoriamente, o novo terminal fica como instalação de embarque e desembarque dessas linhas.

Para auxiliar, uma equipe uniformizada do Rio Ônibus vai abordar passageiros, distribuir mapas, folhetos explicativos e esclarecer dúvidas, do dia 14 até o dia 18 de julho. Além de cartazes informativos fixados nas linhas que param no terminal e faixas que serão instaladas nas ruas próximas. Os usuários ainda podem consultar o serviço Fale Conosco do Rio Ônibus (0800 886-1000) para esclarecer dúvidas sobre os itinerários.

O planejamento da transferência é orientado pela Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) em diálogo com a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), a Concessionária Porto Novo e o Rio Ônibus.

O que muda para os usuários

O itinerário de saída não será alterado, a maior parte manterá o trajeto atual. Somente algumas linhas passarão por modificação no momento de chegada ao novo terminal.

As que partem da Rua Cardoso Marinho, Rua Santo Cristo e seguem para o Padre Henrique Otte (110, 111, 126, 127, 128, 129, 170, 172, 173, 178 e 190) passarão ao seguinte itinerário de chegada ao terminal provisório: Rua Cardoso Marinho, Rua Santo Cristo, novo terminal Padre Henrique Otte.

A partir de agora, aquelas que partem da Avenida Francisco Bicalho, Rua Comandante Garcia Pires em direção ao terminal (133, 136, 301, 302, 304, 305, 333, 353 e 606) chegarão pelo trajeto: Avenida Francisco Bicalho, Rua Comandante Garcia Pires, Avenida Cidade Lima, Rua Cordeiro da Graça, Rua Santo Cristo, novo terminal Padre Henrique Otte. Esses ônibus também não terão percurso de saída modificado.

As linhas originadas da Avenida Brasil, Ponte dos Suspiros, Avenida Rodrigues Alves, Rua Cordeiro da Graça, Avenida Cidade Lima, Terminal (181, 303 e 339) virão por Avenida Brasil, Ponte dos Suspiros, Avenida Rodrigues Alves, Avenida Professor Pereira Reis, Praça Santo Cristo, Rua Santo Cristo, novo terminal Padre Henrique Otte. A saída também permanece inalterada.

Ônibus das chamadas linhas executivas (2014 – Gávea-Rodoviária e 2017 – Rodoviária-Leblon Circular) permanecem com seus pontos terminais sem alteração de trajeto. Nada muda também para usuários da linha executiva 2330 (Rodoviária-Barra Da Tijuca-Via Linha Amarela – Circular).

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Pesquisa sobre BRT revela aprovação de 90% dos passageiros

05/08/2012 - O Globo

Usuários só reclamam de superlotação. Levantamento foi feito a pedido do Rio Ônibus

Pesquisa aponta superlotação como grande problema do BRT Pablo Jacob / Agência O Globo

RIO - O aperto é grande, mas, ao menos, dura pouco tempo. Quem embarca no BRT Transoeste, sistema de ônibus articulados que liga Santa Cruz à Barra da Tijuca, pode esperar uma viagem rápida, ainda que muitas vezes sobrem passageiros e faltem lugares. Uma pesquisa feita pelo Instituto Mapear, a pedido do Rio Ônibus, mostrou que, enquanto o ganho de tempo é apontado pelos cariocas como a maior virtude da nova opção de transporte, a superlotação é alvo de críticas.

Depois de viajar no Transoeste pela primeira vez na última sexta-feira, por volta de meio-dia, a esteticista Branca Correia, moradora da Praça Seca, teve exatamente essa percepção. Ela entrou na estação do Pontal e desceu no Terminal Alvorada. De lá, pegou um ônibus da linha 692 rumo ao Engenho Novo. Branca elogiou o sistema a economia de tempo no trajeto foi de 20 minutos , mas mostrou desconforto com a lotação. Já a técnica de enfermagem Érica Ferreira, de Santa Cruz, pegou o BRT em seu bairro, com a filha Eloá e a mãe, Sandra Maria, em direção ao BarraShopping. Levou 35 minutos para percorrer um trajeto que levaria uma hora e meia em ônibus convencionais. Érica considerou a lotação suportável. Para ela, o principal problema é a falta de banheiros nas estações.

Repórteres do GLOBO percorreram, na sexta-feira passada, 16,5 quilômetros entre a estação do Recreio Shopping e o Terminal Alvorada, em 20 minutos. O ônibus articulado estava lotado, e muitas pessoas viajavam de pé. Passageiro frequente do Transoeste, o operador de máquinas Carlos Antônio da Silva, de 38 anos, usa o corredor para ir diariamente de sua casa, em Santa Cruz, ao trabalho, no Leblon. Ele elogiou o sistema, porém, acha que alguns ajustes são necessários:

Saio às 4h de casa e já encontro o ônibus lotado. Dez minutos de intervalo são insuficientes para garantir conforto ao passageiro. Mas, sem dúvida, o ligeirão, por ter pistas exclusivas, é melhor do que o ônibus convencional.

Aprovação de 90% dos usuários

No balanço dos dois meses de operação do BRT, a avaliação é positiva. A pesquisa do Instituto Mapear mostrou que 90% dos usuários aprovam o sistema:13% dos entrevistados declararam estar muito satisfeitos com o BRT, e 77% disseram que estão satisfeitos. Entre os 2% que se declararam insatisfeitos, a principal reclamação foi a superlotação e a demora na chegada dos ônibus. Ainda de acordo com a pesquisa, o sistema é usado preferencialmente para o deslocamento entre casa e trabalho (84% dos usuários) e para o lazer (16%).

Os usuários podem esperar viagens menos apertadas a partir do início de setembro. Segundo o presidente do Rio Ônibus, Lélis Teixeira, o corredor exclusivo ganhará 26 novos ônibus articulados hoje são 65. Com 91 veículos em operação, Teixeira prevê melhoras:

Vamos aumentar gradativamente o número de composições. Percebemos que muita gente que vinha da Zona Oeste para a Barra de van ou de ônibus do tipo frescão passou a optar pelo Transoeste. Antes, pagava-se até R$ 6 por um frescão de Santa Cruz à Barra. Agora, por R$ 2,75, a condução é mais rápida e também tem ar-condicionado.

Diretor do instituto de pesquisa, Cláudio Gama explica que o levantamento foi feito com 400 pessoas, entre os dias 5 e 6 de julho. Os usuários responderam a um questionário, que incluía algumas respostas abertas, ou seja, com opção de múltiplas respostas.

Fizemos entrevistas em todas as estações, em vários horários. O sistema está tendo uma aceitação impressionante. Para 91% dos entrevistados, o tempo de viagem, dentro das estações do corredor exclusivo, caiu, pelo menos, pela metade. Vamos repetir a pesquisa daqui a seis meses disse Gama.

Para a técnica de enfermagem Érica Ferreira, a instalação de banheiros nas estações há hoje 28 terminais em operação e quatro ainda fechados beneficiaria ainda mais os usuários:

A lotação é suportável, mas sinto falta de banheiros.

O presidente do Rio Ônibus informou que pelo menos os terminais do Alvorada e de Campo Grande vão ganhar sanitários. A prefeitura estima que a média diária de 55 mil passageiros nos dois sentidos do Transoeste deve pular para 110 mil até o fim do ano, com a inauguração das novas estações e o aumento da frota de ônibus.

sábado, 4 de agosto de 2012

Ligeirão Transoeste: balanço desta sexta-feira 27/07/2012

30/07/2012 - Fetranspor

Nesta sexrta-feira, dia 27 de julho, o Ligeirão Transoeste operou com 66 ônibusarticulados, com saídas a cada três minutos na linha expressa e a cada dez minutos na linha paradora, em ambos os sentidos.Na linha expressa, o tempo médio de viagem foi de 60 minutos e, na paradora, de uma hora e dez minutos.