quarta-feira, 24 de junho de 2015

Obra para construção do BRT Transbrasil interditará mais três pontos da Avenida Brasil


Bloqueios, que começam nesta quinta-feira, ocorrerão em Manguinhos, Bonsucesso, e na altura do Trevo das Missões

24/06/2015 - O Globo



RIO - Para dar continuidade às obras de construção do BRT Transbrasil, a prefeitura interditará a Avenida Brasil em outros três pontos, a partir do último minuto desta quarta-feira. Os novos bloqueios serão na altura do entroncamento com a Rodovia Washington Luís (Trevo das Missões) e nas proximidades das passarelas 6 (Manguinhos) e 7 (Bonsucesso). Até sábado, os fechamentos ocorrerão sempre das 23h59m até as 5h, para a movimentação de equipamentos e material. As obras nestes trechos terão início, efetivamente, a partir das 5h de sábado.

VIADUTO NO TREVO DAS MISSÕES

O primeiro bloqueio será feito na madrugada desta quinta-feira, e será necessário para mobilizar os equipamentos e viabilizar as intervenções para a construção do viaduto no Trevo das Missões, no entroncamento da Avenida Brasil com a Rodovia Washington Luís.

Serão interditadas as pistas centrais da Avenida Brasil, em ambos os sentidos, nos dias 24, 25 e 26 de junho (quarta, quinta e sexta), a partir das 23h59m até as 5h do dia seguinte. Os fluxos serão desviados pelas pistas laterais (ambos os sentidos).

Já no sábado, a partir das 5h, será iniciada a obra de construção dos pilares de sustentação do viaduto, e serão parcialmente interditadas as pistas centrais da Avenida Brasil. A obra passará a ocupar uma faixa da pista central, sentido Deodoro, e uma faixa da pista central, sentido Centro, ambas junto ao canteiro divisor central. A redução do número de faixas na via permanecerá até o término da obra.

Em função do bloqueio de uma faixa em cada sentido, a capacidade de escoamento do tráfego estará reduzida na Avenida Brasil. Os reflexos no trânsito podem ocorrer principalmente nos horários de pico da manhã e da tarde, não só na Avenida Brasil, como também nas rotas alternativas de circulação.

OBRAS EM BONSUCESSO

A partir de sábado, a obra do corredor BRT Transbrasil, entre a Linha Amarela e a passarela 10, passará a ocupar toda a pista central da Avenida Brasil, sentido Deodoro, entre meia-noite e 5h. Para viabilizar a interdição total da pista central durante a madrugada, o desvio será feito pela pista lateral e novas agulhas serão implantadas no local.

A partir das 5h do sábado, haverá a interdição de mais uma faixa na pista central, sentido Deodoro, no trecho entre a Linha Amarela e a Passarela 10, para continuação das obras, totalizando três faixas interditadas na pista central sentido Deodoro.

De acordo com a prefeitura, uma nova faixa será criada com a retirada de parte do canteiro lateral (entre a pista central e lateral), de forma a manter duas faixas liberadas para veículos na pista central sentido Deodoro (situação atual). As faixas exclusivas para ônibus, até o momento instaladas, serão mantidas para garantir a prioridade ao transporte público.

Em função das alterações, os reflexos no trânsito podem afetar não somente a Avenida Brasil como a Linha Amarela, principalmente nos horários de pico da tarde.

PUBLICIDADE


RETIRADA DE PASSARELA EM MANGUINHOS

Também no início da madrugada de sábado, será iniciada a retirada da passarela 06, em Manguinhos, na altura da Fiocruz. Serão interditadas totalmente as pistas laterais em ambos os sentidos, até às 5h de sábado. Os desvios serão feitos pelas pistas centrais da Avenida Brasil.

Durante a interdição, o ponto de ônibus existente nas proximidades da passarela 06, no sentido Centro, será transferido para a pista central. Segundo a prefeitura, para viabilizar a parada dos ônibus e a segurança dos usuários, o ponto provisório será protegido por uma linha de cones ("baia invertida"). No sentido Deodoro, os veículos serão desviados para uma pista adjunta à pista lateral.

Para concluir a retirada da passarela, no início da madrugada de domingo, serão interditadas totalmente as pistas centrais, em ambos os sentidos, até as 7h. Os desvios serão feitos pelas pistas laterais da Avenida Brasil.

PRINCIPAIS ROTAS ALTERNATIVAS

- Linha Vermelha;

- Penha/Olaria/Bonsucesso:

- Avenida Lobo Júnior, Uranos, Democráticos

- Teixeira de Castro, Leopoldo Bulhões

As rotas próximas às saídas da Linha Amarela poderão ser utilizadas como alternativas pelos usuários daquela via, especialmente:

- Avenida Dom Helder Câmara

- Corredor da Av. Marechal Rondon/ Rua Vinte e Quatro de Maio

- Avenida Pastor Martin Luther King Junior

No sentido contrário, Centro / bairros poderão ser utilizadas as mesmas rotas alternativas (Leopoldo Bulhões, Dom Helder Câmara e Linha Vermelha).

A prefeitura recomenda o uso do transporte público para o deslocamentos da população.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/obra-para-construcao-do-brt-transbrasil-interditara-mais-tres-pontos-da-avenida-brasil-16544264#ixzz3e1uXHQmZ 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Lote Zero do BRT Transoeste tem metade de sua execução concluída

22/06/2015 -  O Globo

RIO - Iniciada em maio de 2014, a implantação do Lote Zero do BRT Transoeste, entre o Terminal Alvorada e o Jardim Oceânico, onde se integrará à Linha 4 do Metrô, ultrapassou a metade de sua execução. A expectativa da prefeitura é que os serviços entrem em operação até junho de 2016, quando será inaugurada a expansão do metrô entre a Barra da Tijuca e a Zona Sul.

— O projeto da Estação Jardim Oceânico foi modificado para que a estação se integrasse melhor com a Linha 4 do metrô. Em lugar de os ônibus retornarem para o Alvorada nas imediações do Shopping Città América, eles agora irão até o canteiro central da Avenida Armando Lombardi, permitindo que os passageiros desembarquem próximo a um dos acessos da estação. Isso exigiu a construção da duplicação da ponte sobre o Canal de Marapendi — explicou o secretário de obras, Alexandre Pinto.

REVISÃO ELEVOU CUSTOS

Com a duplicação da ponte que liga a Avenidas das Américas à Avenida Armando Lombardi, as faixas existentes hoje serão usadas pelo BRT, e as novas atenderão ao tráfego normal da via. O secretário explicou que, nas próximas semanas, começa a montagem das sete futuras estações. Dessas, seis são de responsabilidade da prefeitura: as que ficam na altura do Barra Shopping, do Parque das Rosas, da Rua Ricardo Marinho, do Shopping Barra Square, do condomínio Le Monde e do Bosque de Marapendi. A exceção será a estação de integração do Jardim Oceânico, cujo projeto está sendo desenvolvido pelo Consórcio Rio-Barra e o estado.

— A estação do Jardim Oceânico terá capacidade para que até 15 ônibus articulados parem simultaneamente. Após embarcar e desembarcar passageiros, eles vão contornar a estação, retornando no sentido Recreio — acrescentou o secretário.

A revisão do projeto elevou os custos da obra. Os gastos agora estão orçados em R$ 114 milhões — cerca de 25% a mais do que o planejado, de acordo com estimativa do secretário.

A prefeitura espera que 140 mil pessoas utilizem o novo serviço por dia. No cálculo, estão usuários que deixarão de usar carros ou outras linhas de ônibus que deixarão de rodar ou terão o trajeto revisto com o Lote Zero. O subsecretário de Planejamento da Secretaria municipal de Transportes, Carlos Eduardo Maiolino, explicou que, com o Lote Zero, serão implantados novos serviços que atenderão não apenas os usuários do Transoeste:

— Teremos também o Trancarioca operando no Lote Zero. Queremos implantar as linhas Tanque-Jardim Oceânico e Centro Olímpico-Jardim Oceânico. No caso do Transoeste, teremos novos serviços em operação, como a ligação expressa Recreio-Jardim Oceânico partindo da estação Notre Dame — diz Maiolino.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Recarga poderá ser feita através do celular em Cuiabá e Várzea Grande

19/06/2015 - A Gazeta - MT

Os usuários do transporte público de Cuiabá e Várzea Grande poderão recarregar seu cartão transporte através de um aplicativo de celular. O lançamento do sistema será nesta segunda-feira (22).

A Associação Mato-grossense dos Transportes Urbanos (MTU) e a MFS (joint-venture da MasterCard Worldwide com a Telefonica International) firmaram parceria e lançarão na região metropolitana o Vivo Zuum, que vai garantir maior facilidade na recarga do Cartão TEM Transporte. Conforme a MTU "O mecanismo irá proporcionar maior flexibilidade nas formas de recarga do cartão, uma vez que o comando de recarga para os portadores do Cartão Zuum poderá ser feito via celular".

Cuiabá e Várzea Grande são as primeiras cidades brasileiras a adotarem essa parceria com a Zuum para recarga de Cartão Transporte pelo celular. A demonstração do novo sistema de recarga do Cartão Transporte será feita no dia do lançamento.

Sobre a Zuum

Criada em junho de 2012, a Zuum é uma joint-venture entre MasterCardWorldwide e Telefonica International. A empresa desenvolve soluções para pagamento móvel através de uma conta corrente no celular, que possibilita a realização de pagamentos de contas e transferências de dinheiro por meio de um smartphone e o uso de um cartão pré-pago com bandeira MasterCard para compras e saques. Presente fisicamente em São Paulo, Sergipe, Minas Gerais, Bahia, Rio Grande do Sul e agora em Mato Grosso. (Com assessoria de imprensa da MTU)

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Edital para concessão de nova rodoviária em São Cristóvão prevê 18 meses de obras

17/06/2015 - O Globo

A Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas lançou ontem o edital para construção de uma nova rodoviária no bairro de São Cristóvão, que deverá absorver parte da demanda da Novo Rio. A ideia é que a iniciativa privada banque a implantação do projeto em troca da exploração da área pelo prazo de 30 anos. O edital foi divulgado quatro meses depois do prazo previsto, e não há mais tempo para o terminal ficar pronto antes dos Jogos Olímpicos, como chegou a ser cogitado. O prazo para a conclusão das obras é de 18 meses — ou seja, só abriria nos primeiros meses de 2017.

MAIOR VALOR DE OUTORGA

No edital, a prefeitura exige que a futura concessionária comprove experiência anterior na gestão de terminais rodoviários. O vencedor será aquele que oferecer o maior valor pela outorga do serviço. No edital, o valor mínimo fixado para fechar negócio foi de R$ 90 milhões, quitados em três parcelas. A primeira no momento da assinatura do contrato; a segunda um ano depois e, a terceira, quando acabarem as obras.

O grupo que vencer a concorrência terá várias fontes de RECEITAS sem necessidade de dividi- las com o município. O vencedor poderá alugar espaços para bares e restaurantes e cobrar a chamada "taxa de acostamento" dos ônibus.

TERRENO ABRIGOU QUARTEL

A nova rodoviária ocupará um terreno de 83,9 mil metros quadrados na Rua Bartolomeu de Gusmão, em São Cristóvão. A ideia é que o local sir va de opção para os ônibus interestaduais que passam pela Linha Vermelha. Para parte do terreno, seriam deslocadas ainda linhas municipais que hoje ocupam o Terminal Henrique Lott, nas imediações da Novo Rio.

Antes de ser transferido para a prefeitura, o terreno abrigou um quartel do Exército. Na fase anterior à municipalização, vários projetos chegaram a ser estudados para o espaço, como a construção de um pequeno shopping, que não foi adiante.

Na concorrência, o município optou por não apresentar qualquer projeto conceitual. A tarefa de desenvolver o plano para ocupar a área será da empresa vencedora da licitação.

terça-feira, 16 de junho de 2015

Prefeitura promete reduzir em 70%, até o ano que vem, total de vans na cidade do Rio

16/06/2015 - O Globo

RIO — Até janeiro de 2016, a prefeitura pretende limitar em 1.756 o número de vans autorizadas a circular no Rio. A quantidade equivale a 29,73% dos 5.905 veículos que, na década passada, receberam licenças para transportar passageiros cobrando tarifas. A informação foi divulgada pelo subsecretário municipal de Fiscalização de Transportes, Cláudio Ferraz, que recebeu, nesta segunda-feira, uma comissão de motoristas insatisfeitos com a proibição, desde o último sábado, das lotadas no Centro e em parte da Zona Norte.

Das 1.756 vans, a maioria vai operar na Zona Oeste (exceto Barra, Recreio e Jacarepaguá): serão 941 veículos para a região (53,5% do total). O processo de licitação para escolha dos operadores ainda não foi concluído.

Ferraz diz que parte da frota opera hoje de forma irregular:

— Dos quase seis mil veículos que temos, só a metade está em situação regular. Cerca de três mil motoristas não compareceram à última vistoria, realizada em 2013. Seus veículos podem ser apreendidos.

No sistema antigo, as vans podiam rodar por todo o Rio. Em maio de 2013, o modelo começou a mudar com a proibição das lotadas na Zona Sul e a escolha de 66 operadores para linhas recém-criadas, que passaram a ligar Rocinha e o Vidigal ao asfalto. Agora, as vans contam com validadores do RioCard e não operam mais no sistema de lotadas, mas, sim, na complementação de viagens de ônibus, trem e metrô.

Na reunião com os motoristas, Ferraz prometeu encaminhar as reivindicações ao prefeito Eduardo Paes.

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Detonação marca o fim da perfuração de novo túnel do Joá

15/06/2015 - O Globo

Uma explosão pôs fim à perfuração do Túnel São Conrado, que faz parte do novo trecho do Elevado do Joá. O prefeito Eduardo Paes participou da detonação, que aconteceu às 8h03m de ontem e teve ares cinematográficos. A partir de agora, outras detonações vão ocorrer para a construção do segundo túnel, o Joá, que terá 450 metros de extensão.

— É um caminho que se abre na paisagem para melhorar o fluxo entre São Conrado e Barra, da Zona Sul para a Barra. É uma obra olímpica e um legado para os cariocas que se deslocam pela cidade diariamente. Vai unir e integrar a cidade — disse o prefeito.

O Túnel São Conrado tem 220 metros. Cinquenta e cinco por cento das obras de expansão do Elevado do Joá, que começaram em fevereiro deste ano, já foram concluídas. Além dos dois novos túneis, o projeto conta com duas faixas de rolamento a partir de São Conrado, no sentido Barra, um viaduto e uma ciclovia, que vai se chamar Tim Maia, pois fará a ligação do Leme ao Pontal.

FAIXA PARA ÔNIBUS EM ESTUDO

A conclusão da obra, que vai possibilitar um aumento de 35% na capacidade do trânsito na região, está prevista para o primeiro semestre do ano que vem. A Linha 4 do metrô também passará por ali.

Paes ressaltou que é preciso INVESTIR cada vez mais em transporte público para melhorar o trânsito na cidade e anunciou a possibilidade de criação de uma faixa preferencial para ônibus no local.

— Pode ser que aqui haja uma faixa preferencial para ônibus. A Secretaria de Transportes está estudando — disse Paes, acompanhado do deputado federal Pedro Paulo ( PMDB), ex- secretário municipal de Coordenação de Governo.

sábado, 13 de junho de 2015

Passageiros e motoristas reclamam do fechamento de praça ao lado do terminal das Barcas

A interdição vai acabar com duas linhas de ônibus e um ponto de táxi que fica no local

POR JÚLIA AMIN

13/06/2015 - O Globo


Praça Marechal Âncora, colada à Praça XV, vai perder linhas de ônibus e o ponto de táxi das barcas - Gabriel de Paiva / Agência O Globo


RIO - Faltando uma semana para a interdição da Praça Marechal Âncora, ao lado do terminal das barcas, na Praça Quinze, para a continuidade das obras da Frente Marítima, passageiros e motoristas reclamam que a prefeitura não criou alternativas para o trânsito na região. Com a medida, o ponto de táxi e as linhas de ônibus 130 (Praça Quinze/ Leblon) e 131 (Praça Quinze/ Vidigal), implantadas em fevereiro de 2014 em condição provisória, deixam de operar. Usuários com destino à Zona Sul deverão se dirigir à Avenida Rio Branco. Já a linha 202 volta à circulação original, com embarque na Rua Primeiro de Março no sentido Rio Comprido.

O administrador Leandro Barral, de 29 anos, morador de Niterói, diz que o caminho mais rápido até o seu trabalho, em Botafogo, é pegando as barcas e o 130.

- Eu nem sabia dessa mudança. Eles deviam ter comunicado. O caminho até a Rio Branco é perigoso e toda hora tem assalto, além de demorar muito mais - reclama.

Segundo os despachantes de ônibus, o comunicado sobre o fim das linhas deve começar a circular no início da semana. Com a interdição, o ponto de táxi também será afetado. De acordo com o diretor da Associação de Taxistas da Âncora do Terminal Barcas, Marcelo Alves, são cerca de três mil corridas com 120 carros por dia na região. Com a mudança, cada motorista deve perder em média R$ 200 por dia.

- Em nenhum momento fomos informados para onde iremos. Estamos tentando buscar uma solução com a prefeitura, mas não temos retorno. Isso aqui é um terminal. As pessoas saem o tempo inteiro. Com o fim do ponto, a prefeitura não vê o lado do usuário - frisa.

Nesta primeira etapa das obras, serão iniciadas as atividades de prospecção arqueológica. Na sequência, serão executadas as obras de revitalização, com a implantação das novas redes de infraestrutura e urbanismo.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/passageiros-motoristas-reclamam-do-fechamento-de-praca-ao-lado-do-terminal-das-barcas-16438043#ixzz3cyJLkmO6 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Pezão diz que não há dinheiro e nem prazo para metrô ou BRT em São Gonçalo

12/06/2015 - Extra - RJ



 São Gonçalo, ao que parece, perdeu a barca do desenvolvimento mais uma vez. Não só a barca, mas o metrô, o monotrilho e até o BRT. É que o governador Luiz Fernando Pezão admitiu que a obra do que seria o primeiro sistema de transporte de massa da região — com mais de 1,5 milhão de habitantes — não tem verba e nem prazo para sair do papel.

— Enquanto isso, a cidade está cada vez mais congestionada. A Linha 3 seria o novo vetor econômico. Este governo, que anunciou a obra há menos de um ano, tinha informações que preferiu não contar. E os empresários deram um cheque em branco a quem não tem um orçamento responsável — avalia Evanildo Barreto, presidente da Associação Comercial e Empresarial de São Gonçalo.

Não só omitiram os reflexos da crise, apontada como motivo dos cortes nos investimentos, como reafirmaram o compromisso de fazer a obra. Então candidato a reeleição, Pezão usou a Linha 3 como plataforma de campanha e prometeu o início da intervenção para o segundo semestre do ano passado. Já a presidente Dilma anunciou a verba do metrô em duas visitas à cidade, e deu a obra como pronta no debate do SBT com os presidenciáveis.

— Eu me pergunto o que eles fizeram com o dinheiro dos impostos. Teve verba para fazer estádios — reclama a bancária Flávia Pereira, de 39 anos: — São Gonçalo precisa de um transporte de massa. Prometeram na campanha, venceram para fazer.

O projeto de mobilidade em São Gonçalo é antigo e mudou com o tempo. De metrô virou monotrilho (que seria mais barato) e depois BRT. O próprio governador, no entanto, afirma que o BRT não é opção para substituir a Linha 3. Em até três anos o serviço estaria saturado.

Lenda urbana entre escombros

Pelas ruas da cidade, o metrô sempre foi encarado como lenda urbana. Nem mesmo as recentes desapropriações e demolições na Favela da Linha, no Jardim Catarina, convenceram.

— Vi os tratores entrarem demolindo tudo, mas não acreditei na Linha 3. É promessa de muito tempo. A minha certeza é que a gente seria prejudicado. E fomos. Parentes e amigos foram embora e, sem o metrô, não terei apartamento tão cedo — acredita Fabiana Marcolino, de 39 anos, que trabalha vendendo balas na RJ-104: — Pelo menos minha casa está de pé. A vizinha perdeu a dela e tem que pagar aluguel do próprio bolso.

A favela foi construída sobre os antigos trilhos do ramal de trem que ligava o Barreto, em Niterói, a Visconde de Itaboraí. As 240 famílias foram cadastradas e metade seguiu para conjuntos habitacionais no Jóquei e em Vista Alegre, há um ano. Agora, os moradores que restam temem viver definitivamente entre entulhos.

— A gente escuta essa história de metrô há tanto tempo que é difícil acreditar. Se um dia alguém se importar em fazer, vai ser bom para o povo — diz o vigia Anderson Santana, de 36 anos.

Depois do 2 vem o 4...

Ironicamente, foi no evento teste da Linha 4 (Zona Sul-Barra) que Pezão falou sobre a falta de dinheiro para a Linha 3. Em uma matemática fora de ordem, o governo preferiu entregar o projeto carioca antes do gonçalense, que atenderia mais pessoas por menos da metade do preço: R$ 3,9 bilhões.

Pezão não quis comentar a promessa não cumprida. Deixou que o secretário de Transportes, Carlos Roberto Osório, tentasse manobrar o trem de volta aos trilhos:

— Precisamos de apoio federal. O dinheiro não foi liberado. Seria R$ 1,5 bilhão a fundo perdido, mais R$ 1,5 bilhão de empréstimo ao estado e mais R$ 900 milhões da empresa que vai operar o sistema. A nossa intenção é fazer metrô. O BRT teria que ter duas linhas para dar conta.

O Ministério das Cidades informou que há, sim, previsão de investimento em transporte de grande capacidade na região, mas sem precisar o montante ou de que tipo seria.

Já o Ministério Público Federal diz que a verba foi retida no ajuste fiscal do governo e que só poderia atuar em caso de mau uso do dinheiro.

Coube a Osório também dizer que a barca em São Gonçalo (outra promessa de campanha feita por Pezão) é um sonho distante:

— Não temos um local. O porto de Itaóca fica distante da população.

Memória: uma passagem para a eleição

Desde que o antigo ramal ferroviário da linha Niterói-Visconde de Itaboraí foi desativado, no fim da década de 90, que se ouve falar da Linha 3. O trem, precário, até ensaiou um retorno no início dos anos 2000. Mas, com horários irregulares e sucateado, era utilizado por apenas 180 pessoas por dia.

Desde então, a Linha 3 ganhou força. O primeiro contrato é de 2001 e foi rejeitado pelo TCU, que encontrou sobrepreço. Em 2002, outro contrato foi bloqueado. O projeto foi remodelado diversas vezes e um novo convênio, firmado em 2008, não saiu do papel. Mas ganhou caráter eleitoreiro, sendo anunciado pelo ex-governador Sérgio Cabral, pelo ex-presidente Lula e pelo então secretário de Obras, Pezão, que em 2011 prometeu a obra concluída em 2014.

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Tudo pronto para as obras da TransOceânica

10/06/2015 - O Fluminense

Vinícius Rodrigues

Governador Pezão foi recebido pelo prefeito Rodrigo Neves e entregou as últimas licenças ambientais. Perfuração começa em 20 dias


O governador Luiz Fernando Pezão entregou a licença de instalação da obra para o prefeito Rodrigo Neves - Foto: Lucas Benevides

O governador Luiz Fernando Pezão entregou, nesta quarta-feira (10),  ao prefeito Rodrigo Neves, a licença de instalação da obra da TransOceânica, que, entre outras intervenções de mobilidade, inclui a perfuração de um túnel que ligará a Região Oceânica à Zona Sul da cidade. Segundo o prefeito, a via se chamará Túnel Luís Antônio Pimentel, em homenagem ao historiador que faleceu em maio deste ano. Além disso, o prefeito garantiu que no final do mês começará a perfuração da via, a partir do Cafubá, na Região Oceânica.  

A cerimônia, que aconteceu no Solar do Jambeiro, no Ingá, contou com 300 pessoas entre representantes do Governo do Estado, secretários municipais, deputados, vereadores e moradores de Niterói. O prefeito Rodrigo Neves destacou a importância da parceria com o Estado. 
 
"Hoje é um dia muito importante. Estamos a um passo de começar a obra viária mais importante da cidade depois de 40 anos de espera. Isso só foi possível graças ao excelente trabalho do vice-prefeito Axel Grael, nossos secretários municipais, o Inea, que concedeu a licença, e principalmente ao Governo do Estado, nas pessoas do Pezão e do secretário de Meio Ambiente André Corrêa. A perfuração começa em 20 dias e em um ano teremos o túnel", prometeu Rodrigo, ressaltando que o trabalho de terraplanagem e o canteiro de obras começaram a ser feitos no último mês.
 
O governador Luiz Fernando Pezão ressaltou o comprometimento do prefeito Rodrigo Neves em conseguir os recursos necessários à obra. 

"Rodrigo é um parceiro do Estado. Lembro de quando ele assumiu a prefeitura com dificuldades e hoje, com trabalho, a cidade é outra, próspera e com muitos desafios", disse. 
 
Projeto – A TransOceânica terá 9,3 quilômetros de extensão, vai atender diretamente 11 bairros da Região Oceânica de Niterói e transportará cerca de 80 mil pessoas por dia. A via expressa contará com ônibus no sistema BHLS (Bus of High Level of Service), o primeiro implantado na América do Sul, equipados com ar-condicionado e com portas de ambos os lados. Pelo sistema, os passageiros poderão embarcar nos veículos em seus próprios bairros. Em seguida, os ônibus entrarão na faixa exclusiva do BHLS. O túnel terá 1,3 quilômetro de extensão ligando os bairros de Cafubá e Charitas.

O ônibus fará o percurso do Engenho do Mato até Charitas em 25 minutos passando por 13 estações e pelo túnel, que não terá cobrança de pedágio. O corredor viário também contará com 57 km de ciclovia. No projeto da TransOceânica está prevista, ainda, a integração da via com a estação hidroviária de Charitas, que será transformada em um terminal intermodal. 

O INVESTIMENTO total da obra é de R$ 310.894.585,00, com recursos do governo federal e da Prefeitura.

Avenida Brasil tem novo trecho interditado para obras do BRT Transbrasil

Uma faixa foi bloqueada na pista lateral da via expressa, altura da Penha, sentido Centro

10/06/2015 - o Globo

RIO — Motoristas que trafegam pela Avenida Brasil devem redobrar a atenção na via, na altura da Penha, onde foi realizada uma nova etapa de interdições, na tarde desta quarta-feira, para obras do BRT Transbrasil. Os bloqueios, realizados pouco depois das 13h, acontecem no sentido Centro, na faixa da esquerda da pista lateral, na altura da Rua Doutor Nunes e entre as ruas Lusitânia e Montevidéu.

As interdições, conforme informou o Centro de Operações da prefeitura, devem ocorrer até o dia 10 de agosto. No início da tarde, o tráfego na via expressa era intenso, sem pontos de retenção.

Um outro trecho da Avenida Brasil, na altura de Ramos, também foi interditado no dia 30 de maio. Na ocasião, uma faixa da pista central, no sentido Zona Oeste; e duas faixas da pista central, em direção ao Centro, entre a Avenida Brigadeiro Trompovski e a passarela 09, em Bonsucesso, foram fechadas. Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, o bloqueio, neste caso, é necessário para a construção dos pilares de sustentação do viaduto de interligação entre os corredores BRT Transbrasil e Transcarioca.

MUDANÇA EM APOIO DE PASSARELA

Devido às obras do BRT Transbrasil, a estrutura de uma passarela metálica, localizada na Avenida Brasil, próximo à Fiocruz, será alterada a partir da noite desta quarta-feira. O objetivo é mudar a posição de um dos apoios da passarela sem alterar a localização dela na avenida. O procedimento deverá ocorrer de maneira que possibilite o andamento das obras do BRT.

A intervenção inicia às 20h30m desta quarta-feira, e deve prosseguir até sábado. Durante este período, a passarela ficará interditada para a circulação de pessoas. A passarela 6 é a alternativa para os usuários que precisarem atravessar a via.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/avenida-brasil-tem-novo-trecho-interditado-para-obras-do-brt-transbrasil-16402108#ixzz3cl7NZAUE 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

sábado, 6 de junho de 2015

Instalação de abrigos de ônibus entra em nova etapa

05/06/2015 - O Fluminense

Novos modelos do mobiliário estão sendo instalados no Centro, Largo da Batalha, Badu e Sapê


Prefeitura de Niterói começou a segunda etapa de instalação dos novos modelos de abrigo de ônibus no Centro, Largo da Batalha, Badu e Sapê.
Foto: Divulgação / Péricles Rodrigues

A Prefeitura de Niterói iniciou nesta sexta-feira (5) a segunda fase de instalação dos novos modelos de abrigo de ônibus no Centro, Largo da Batalha, Badu e Sapê. Depois de duas semanas realizando a colocação das bases dos mobiliários nos pontos, agora é a vez de instalar as estruturas do abrigo.  Os aparelhos, que fazem parte do novo mobiliário urbano da cidade, vêm sendo instalados em Niterói há um ano em vias como a Alameda São Boaventura, a Avenida Roberto Silveira e na orla da cidade, desde o Centro até Charitas. 
 

São 25 novos modelos de abrigos que estão sendo colocados nas ruas Marquês de Paraná e Jansen de Melo, no Centro, Avenida Rui Barbosa e Leonor da Glória,  no Largo da Batalha, Estrada Washington Luís, no Sapê, e Avenida Caetano Monteiro, no Badu.   

"Começamos a colocação pelo Centro, para completarmos o eixo que segue até a Ponte, tendo em vista que a Avenida Roberto Silveira já conta com o novo modelo. Em seguida a instalação segue para o Largo da Batalha , Sapê e Badu", explicou a secretária de Conservação e Serviços Públicos, Dayse Monassa.  
 
De acordo com Dayse, apenas pontos de ônibus com calçadas de dois metros ou mais podem receber o abrigo, para garantir a mobilidade dos pedestres.  
 
Os abrigos fazem parte do novo mobiliário urbano, que vem sendo instalado na cidade há um ano. A empresa All Space Niterói, vencedora da licitação realizada em fevereiro de 2014, é a responsável pela colocação e manutenção dos aparelhos, que ao final de cinco anos  somarão 2.900 mobiliários entre bicicletários, totens informativos e relógios digitais.

BRT construirá terminal subterrâneo no Centro do Rio

31/05/2015 - O Dia

Estação ficará sob a Presidente Vargas, na altura da Rua Uruguaiana, e terá integração com o metrô

JULIANA DAL PIVA

Rio - Uma das mais ousadas obras da Prefeitura do Rio, o corredor expresso de ônibus Transbrasil não transformará apenas o trajeto ao longo da Avenida Brasil, por meio da qual ligará Deodoro até o Centro da cidade. A Avenida Presidente Vargas também ganhará um terminal subterrâneo que unirá o BRT à Estação Uruguaiana do metrô. 

"Conheço o projeto por foto. Ele é belíssimo. Vai ser um terminal integrado com o metrô da Uruguaiana", afirma o secretário municipal de Transporte, Rafael Picciani. De acordo com ele, a Avenida Presidente Vargas ganhará uma espécie de jardim suspenso no canteiro central — mas não devem ocorrer desapropriações porque a região é tombada.

Além disso, na última semana, o trajeto de chegada ao Centro anunciado no início do ano ganhou novo preço por meio do primeiro aditivo da obra no valor de R$ 32 milhões. O traçado original era pela Francisco Bicalho. A prefeitura decidiu transferir a chegada para a Avenida Rodrigues Alves, entrando pela Rua da Gamboa, Túnel João Ricardo e Rua Senador Pompeu até a Presidente Vargas.


O terminal do BRT Transbrasil, que ligará o Centro a Deodoro, ficará sob a Avenida Presidente Vargas, na altura da Rua Uruguaiana, onde se integrará com o metrô
Foto:  Daniel Castelo Branco / Agência O Dia

Na volta, os ônibus vêm pela Rua Rivadávia Correia. O aumento no custo do projeto — licitado no total de R$ 1,4 bilhão — foi justificado por um acréscimo de concreto, devido à diferença de piso do BRT e das outras pistas. 

O Transbrasil gerou debates desde o anúncio por ser paralelo à linha do trem da SuperVia em trajeto até a Central. Entre pesquisadores de transportes, há dúvidas sobre a viabilidade de conclusão das obras até o primeiro semestre do ano que vem. 

"É confuso porque eles fazem várias mudanças enquanto a obra está acontecendo. Vai depender da quantidade de ônibus que vai chegar nesse pedaço. Pode ser que as trocas ocorram antes, mas se tiver muitos ônibus chegando a essa estação da Presidente Vargas vai ser complicado. E um terminal subterrâneo numa área antiga é uma obra gigantesca", afirma José Eugênio Leal, mestrado de Logística da PUC-Rio. 
A capacidade é ponto ainda incerto. No início das obras em dezembro, o site da prefeitura informou que o Transbrasil deve transportar 380 mil passageiros por dia. Já a Secretaria de Transportes anuncia um número de quase 900 mil. 

O professor de Engenharia de Transporte da Uerj José Guerra defende que o projeto é necessário para desafogar a Avenida Brasil. " É preciso reorganizar e racionalizar as linhas que usam esse corredor", defende. A prefeitura diz que será possível eliminar 149 linhas com o BRT.

Avenida Brasil tem nova interdição 

As obras do BRT Transbrasil interditam desde o último sábado mais um trecho da Avenida Brasil. Os motoristas devem ficar atentos ao fechamento de uma faixa da pista central, no sentido Zona Oeste; e duas faixas da pista central, em direção ao Centro, entre a Avenida Brigadeiro Trompowski e a Passarela 9, em Bonsucesso. Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, o bloqueio é necessário para a construção dos pilares de sustentação do viaduto de interligação entre os BRTs Transbrasil e Transcarioca.

Até o momento, as intervenções ocorriam principalmente no sentido Zona Oeste. Desde sábado, as mudanças passaram a atingir também o sentido Centro. Os reflexos podem acontecer não só na Avenida Brasil como também em rotas alternativas, como a Linha Amarela e a Linha Vermelha.

Paes diz que não vai reduzir passagem como manda TCM

04/06/2015 - O Globo

Leia: Ônibus: tarifa pode cair para R$ 3,25 no Rio - O Globo / O Estado de SP

O prefeito Eduardo Paes disse que não acatará a determinação do Tribunal de Contas do Município ( TCM) de reduzir em R$ 0,13 a tarifa dos ônibus do Rio. Para o tribunal, é "socialmente injusto" que os passageiros paguem um valor maior para subsidiar a passagem gratuita dos estudantes da rede pública de ensino — que corresponde a R$ 0,131 na planilha que serve de base para o reajuste anual das tarifas.

Paes informou ontem que, no prazo legal de 30 dias, responderá ao TCM, alegando não dispor de recursos da educação, conforme orienta o órgão, para o subsídio. De acordo com o prefeito, as verbas estão comprometidas com o projeto Fábrica de Escolas, criado para ampliar a rede de ensino. Procurado, o tribunal disse que aguardará a resposta oficial da prefeitura para se pronunciar.

— Nós passamos três anos discutindo com o TCM de onde viriam os recursos para cobrir as gratuidades — disse Paes. — O dinheiro da educação está comprometido. A prefeitura tem o poder de decidir como destinar os recursos, e seriam cerca de R$ 60 milhões por ano para o projeto Fábrica de Escolas.

A redução do valor foi determinada anteontem pelo plenário do TCM. A prática de transferir para o usuário o custo do subsídio das passagens dos estudantes foi adotada pela primeira vez no reajuste deste ano, quando as tarifas subiram de R$ 3 para R$ 3,40, em 3 de janeiro. Na ocasião, a passagem foi arredondada, mas para cima, já que o valor estimado era de R$ 3,376.

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Tribunal de Contas do Município determina a redução da tarifa de ônibus para R$ 3,25

Conselheiros entenderam que é injusto usuários pagarem pelos R$ 0,131 referentes aos custos com gratuidades

POR LUIZ ERNESTO MAGALHÃES

02/06/2015 - O Globo



Ônibus circulam pela Avenida Nossa Senhora de Copacabana: Tribunal de Contas do Município determinou redução da passagem, mas prefeitura pode recorrer da decisão - Hudson Pontes / Agência O Globo

RIO — O Tribunal de Contas do Município (TCM) determinou nesta terça-feira que o prefeito Eduardo Paes reduza em R$ 0,131 o valor das tarifas dos ônibus municipais, atualmente em R$ 3,40. O plenário do TCM entendeu que é "socialmente injusto" que os usuários que pagam regularmente para viajar nos ônibus tenham que arcar com um valor maior para subsidiar as gratuidades dos estudantes da rede pública de ensino — que correspondem aos R$ 0,131 na planilha que serve de base para o reajuste anual das passagens. Não há prazo para a medida entrar em vigor, porque o prefeito ainda pode recorrer da decisão. Caso a determinação seja acatada, o valor final da tarifa pode cair até 15 centavos, chegando a R$ 3,25, porque o município costuma arredondar valores.

Paes preferiu não se pronunciar nesta terça-feira por ainda não ter sido informado da decisão pelo TCM. Ele ainda vai analisar o acórdão com a Procuradoria Geral do Município (PGM) e tem 30 dias para recorrer da decisão da corte. O sindicato das empresas (Rio Ônibus) também não quis se pronunciar, pois prefere aguardar o posicionamento da prefeitura.

TCM VOLTA ATRÁS EM DECISÃO

A prática de transferir para o usuário o custo do subsídio dos estudantes foi adotada pela primeira vez no reajuste deste ano, quando as passagens subiram de R$ 3,00 para R$ 3,40 em 3 de janeiro. Na ocasião, a tarifa foi arredondada, mas para cima, já que o valor estimado era de R$ 3,376. Na ocasião do reajuste, o prefeito argumentou que seguia orientação do TCM, que reiteradas vezes questionou o emprego de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), repassado à secretaria municipal de Educação. Em dezembro do ano passado, porém, o TCM mudou de opinião e aceitou os argumentos do prefeito de que não haveria irregularidades no repasse do FNDE. Mas a Secretaria municipal de Transportes já tinha feito os cálculos do valor da tarifa para 2015.

Na nova interpretação do TCM, o ressarcimento pelo transporte dos estudantes da rede pública deve ser feito com verbas do FNDE.

— A verba do FNDE vem do recolhimento de tributos federais. Ou seja: o repasse vem da contribuição de toda a população a partir do pagamento de impostos. Nós, conselheiros, não pegamos ônibus. O problema desse modelo adotado atualmente é que quem arca com as gratuidades é somente aqueles que dependem dos ônibus. Isso é socialmente injusto — argumentou o conselheiro Ivan Moreira, que relatou o processo.

A prefeitura começou a ressarcir as gratuidades logo após a licitação realizada em 2010, quando as empresas se reuniram em consórcios para operar o sistema. Apenas em 2012 e 2013, foram repassados cerca de R$ 110 milhões. Em público, a prefeitura alegou inicialmente que a verba seria usada para pagar um sistema de controle de frequência contratado junto ao Rio Ônibus. Mas o real motivo do emprego das verbas (ressarcimento das gratuidades) foi revelado em uma série de reportagens do GLOBO.

Em correspondência enviada ao TCM em agosto de 2013, o prefeito chegou a afirmar que o repasse (da gratuidade) para a tarifa "parece o mais injusto possível, seja porque os usuários do serviço (normalmente os mais necessitados), são os únicos a contribuir (e arcar) com essa gratuidade, seja porque se trata de uma obrigação-dever (sic) do Poder Público (ou seja, de toda a sociedade)", escreveu. A carta consta de documentos de uma auditoria especial ainda em andamento no TCM que, desde 2013, investiga os contratos e os custos operacionais das empresas de ônibus da cidade do Rio.

A análise ainda não terminou porque o TCM quer avaliar também as conclusões de uma auditoria independente da Ernst& Young, contratada para auditar os contratos dos consórcios. O TCM explicou que, pelo mesmo motivo, determinou à prefeitura que não realize estudos para a revisão das bases do contrato que estavam previstas para este ano. A revisão em 2015, prevista no edital de concessão, tem o objetivo de reequilibrar financeiramente o contrato. A partir das conclusões desse estudo, a tarifa poderia sofrer um reajuste extraordinário — independentemente do aumento anual devido aos custos de operação — ou mesmo ser reduzida, caso ficasse constatado que as receitas com o sistema fossem bem maiores que aquelas previstas na concessão.

No documento, o prefeito justifica o ressarcimento das gratuidades lembrando que, em 2006, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça declarou inconstitucional a Lei 3.167/2000, que determinava a gratuidade das passagens para os estudantes, em ação movida pela Federação das Empresas de Ônibus do Rio (Fetranspor). O entendimento da Justiça era que o poder concedente deveria prever alguma forma de compensação às empresas pelas gratuidades. Paes também argumentou que todos os estudos econômicos e financeiros que embasaram a tarifa sempre levaram em consideração que o "Município faria um repasse, um pagamento, a chamada contrapartida pela gratuidade dos estudantes".

O TCM ainda não julgou a legalidade da iniciativa de incluir na planilha de custos as despesas dos consórcios para que todos os ônibus estejam equipados com ar-condicionado até o fim de 2016, porque este custo não estava previsto na planilha divulgada com o edital de concessão. Mas a assessoria jurídica do órgão já se manifestou favorável à cobrança, por ser uma forma de oferecer mais conforto para os usuários. Na planilha que serviu de base para fixar a tarifa em R$ 3,40 , o peso do item nas passagens era de R$ 0,058.

O parecer de Ivan teve votos favoráveis de outros três conselheiros: Antonio Carlos Flores de Moraes, José Moraes e Fernando Bueno. Thiers Montebello, que comanda o TCM, não votou porque presidia a sessão. Luiz Guaraná se declarou impedido porque, em 2010, foi um dos representantes da prefeitura que assinou o contrato de concessão. Nestor Rocha não participou.

SUSPEITAS DE CARTEL

A operação do sistema tem sido marcada por polêmicas. O próprio TCM chegou a levantar, em 2012, a suspeita de formação de cartel entre as empresas vencedoras da disputa para operar o sistema. Apontava, entre os indícios, que as empresas vencedoras do certame já operavam no sistema antes da licitação. E além disso, o fato de o endereço oficial dos quatro consórcios ser o mesmo: a sede do Rio Ônibus (Rua da Assembleia 10, 39º andar, Centro). Um ano depois, porém, chegou a arquivar o processo, numa medida que causou polêmica. Logo depois, os conselheiros voltaram atrás. O documento foi reavaliado e novamente arquivado. Mas os conselheiros determinaram que fosse realizada uma auditoria na execução dos contratos.

REAJUSTES SÃO POLÊMICOS

O preço das passagens de ônibus no Rio vem sendo motivo de polêmica há quase dois anos. Em junho de 2013, em meio às manifestações de rua que tomaram o país, o prefeito Eduardo Paes decidiu cancelar um reajuste recém concedido, que elevava a tarifa de R$ 2,75 — que vigorava desde janeiro de 2012 — para R$ 2,95. A tarifa só teria aumento para valer no fim de janeiro de 2014, quando passou para R$ 3 após os conselheiros do TCM decidirem que o reajuste poderia ser concedido. A determinação contrariava, porém, avaliação da equipe técnica, que, no processo, recomendava não um aumento, mas uma redução da tarifa de R$ 2,75 para R$ 2,50. A polêmica sobre as tarifas ainda não terminou. Os consórcios que operam o sistema brigam na Justiça, exigindo que a prefeitura pague indenização de R$ 137,5 milhões pelo cancelamento do reajuste de 2013.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/tribunal-de-contas-do-municipio-determina-reducao-da-tarifa-de-onibus-para-325-16333955#ixzz3c0T3zfHu 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Juiz de Fora ganha programa de wifi gratuito em vias públicas

02/06/2015 - O Globo

JUIZ DE FORA — A partir de junho, entra no ar o projeto JF+Digital, de sinal de internet sem fio, gratuito, em espaços públicos de Juiz de Fora. O Parque Halfeld, no Centro, será o primeiro a ter o serviço. Está previsto ainda o sinal wi-fi nas praças Coronel Geremias Garcia, Benfica, Manoel Honório, Armando Toschi, Antônio Carlos e da Estação; no Centro de Artes e Esportes Unificados; e nos calçadões das ruas São João, Rua Halfeld, Mister Moore e Marechal.

Em cada ponto instalado, 150 usuários poderão ter acesso simultâneo à internet com uma velocidade mínima de 128 kbps. Será permitido a cada usuário o acesso de até duas horas de navegação por dia.

— Nosso objetivo é ampliar o número de pontos. A prefeitura trabalha para que outros bairros da cidade sejam atendidos e entrem no projeto. Desejamos a inclusão digital — diz o prefeito, Bruno Siqueira, que investe na tecnologia em, pelo menos, três outros programas de sua gestão.

Foi instalado GPS em toda a frota de transporte coletivo da cidade que, com isso, agora faz parte da base de dados do CittaMobi, aplicativo para celular que monitora e informa o horário certo de cada ônibus.

A lógica de gerenciamento remoto do trânsito também se aplicou na concepção do Área Azul Digital. O novo sistema de estacionamento rotativo pago permite ao usuário adquirir os créditos de estacionamento por smartphone, tablet ou site, além de parquímetros.

— O sistema beneficia o cidadão tanto pela praticidade quanto pela garantia de rotatividade. Hoje existe maior facilidade em encontrar vagas — acrescenta Siqueira.

Além disso, a prefeitura continua ampliando o projeto Olho Vivo, de MONITORAMENTO por câmeras. Já existem 54 equipamentos de vigilância eletrônica espalhados por diversos pontos da cidade.

Teste do wi-fi nos ônibus de Niterói: embarcamos nas linhas municipais que oferecem o serviço

Cada vez mais atualizado por aplicativos e tecnologias, o celular se tornou passatempo favorito em ônibus e filas de espera. E quem nunca ficou sem bateria no momento que mais precisava? Em Niterói, quem utiliza os ônibus das linhas 30, 47 e 47-A e 47-B, da Viação Araçatuba, tem menos chances de passar por esse problema. Parte dos ônibus das três linhas municipais oferece entradas USB para carregar aparelhos e, ainda, o serviço de conexão wi-fi gratuito.

A equipe do GLOBO-Niterói embarcou em cinco coletivos que contam com o sistema para testar o serviço. Embora nem todos tenham funcionado, os passageiros aprovam a novidade.

O trajeto percorrido foi o mesmo em todas as viagens: Icaraí-Centro-Icaraí. Nem todos os assentos contam com a entrada USB — ela está disponível em cerca da metade deles —, mas em todos os veículos testados o sistema funcionou sem problemas. E não há briga pelos encaixes, porque cada banco tem duas entradas. Mas só consegue carregar o celular quem anda com o cabinho no bolso, pois nos ônibus há apenas a tomada. A outra vantagem de embarcar nos veículos mais modernos da frota é a de que todos eles são refrigerados e parte tem TV.

QUEBRA-GALHO ITINERANTE

A conexão via wi-fi é um pouco mais problemática. Nos cinco veículos testados, ela não funcionou em dois deles. Nos outros três, a rede funcionou, embora instável. Com fones nos ouvidos e o celular conectado ao ônibus pelo cabo USB e pelo wi-fi, o estudante Emanuel Miranda, de 18 anos, seguia do Terminal Rodoviário, no Centro, até um curso em Icaraí. Embora disponha de grande número de linhas para o trajeto, ele não abre mão de subir no 47 e diz que as modernidades já o ajudaram em algumas situações:

— Entrei no ônibus para ir ao curso e, assim que conectei o celular, chegou a mensagem informando que eu não teria aula naquele dia. Se não fosse o wi-fi, eu teria ido até lá à toa, porque estava sem plano de internet.

Ao longo das viagens, o desempenho da conexão móvel oscilava entre trechos com boa velocidade e algumas quedas, mas foi possível acessar websites e navegar por redes sociais. Ouvir músicas pela internet, no entanto, era quase impossível. Falhas na conexão frequentemente interrompiam o áudio. Apesar disso, a estudante Natasha Pessoa, de 22 anos, bem-humorada, cita o ditado "para quem não tem nada, metade é o dobro."

— As vezes funciona, outras vezes não. Mas a primeira coisa que faço ao entrar no 47 é tentar conectar ao wi-fi — conta a estudante, que lembra algumas situações úteis. — Em períodos de provas, aproveito para ler alguns textos no celular, no caminho até a UFF.

LONGE DA META REFRIGERADA

De acordo com o Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Setrerj), Niterói tem 20 ônibus com wi-fi: dez da Viação Araçatuba e outros dez da Auto Lotação Ingá. A instalação da tecnologia não está prevista por contrato, foi uma iniciativa das empresas. O que está previsto por decreto, no entanto, é que 90% da frota de ônibus da cidade devem ser equipada com ar-condicionado até o fim de 2016.

Embora longe da meta, a frota de ônibus refrigerada expandiu rapidamente nos últimos anos. Em 2013, apenas 18% tinham ar-condicionado. Em 2014, a percentagem subiu para 32,01%. Atualmente, segundo dados da Setrerj, o total da frota refrigerada chega a 39,01%: são 158 veículos no Consórcio Transoceânico e 181 no Consórcio TransNit.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Mais 214 ônibus para o BRT

02/06/2015 - O Dia

Veículos serão usados nos novos corredores que começarão a funcionar em maio de 2016

GUSTAVO RIBEIRO

Rio - A prefeitura determinou que o consórcio operador do BRT providencie mais 214 ônibus articulados até 30 de abril do ano que vem para o Transolímpica (que vai ligar Deodoro à Barra) e o trecho final do corredor Transoeste, entre o terminal Alvorada e o Jardim Oceânico, o chamado lote zero.

Segundo a prefeitura, os dois corredores começarão a funcionar parcialmente em maio de 2016. O anúncio foi feito ontem pelo secretário municipal de Transportes licenciado, Rafael Picciani, que concedeu entrevista coletiva no dia em que já estava oficialmente exonerado do cargo — por pedido próprio — conforme decreto do prefeito no Diário Oficial.


Os veículos articulados serão comprados pelo consórcio operador do BRT e deverão estar prontos para funcionar até 30 de abril do ano que vem
Foto:  Márcio Mercante / Arquivo Agência O Dia

Segundo o decreto do prefeito Eduardo Paes, os veículos "deverão estar em condições para efetiva operação até 30 de abril de 2016".

"Há necessidade de casar o início das operações da Linha 4 com o lote zero do Transoeste. [...]Na medida em que o metrô iniciar a operação (prevista para junho de 2016), imediatamente o Jardim Oceânico passa a ter uma demanda que não tinha", comentou Picciani. Ele contou que ainda não foram definidos cronograma e esquema de funcionamento de cada linha.

Picciani antecipou apenas que, após a inauguração dos corredores, serão criados linhas de BRT do Jardim Oceânico até Madureira, até o Parque Olímpico e até Santa Cruz sem ter de trocar de veículo no Terminal Alvorada. De acordo com o subsecretário de Transportes, Alexandre Sansão, serão 164 ônibus com 180 lugares para o lote zero e 50 para o Transolímpica. Segundo ele, os números são baseados em estudo da demanda desenvolvido por técnicos da secretaria.

Reeleito deputado estadual em 2014, Picciani disse que vai ficar afastado do cargo até o fim do mês para poder apresentar projetos na Assembleia Legislativa. O ex e futuro secretário, no entanto, não quis revelar quais projetos seriam esses. Para ocupar temporariamente o lugar dele no comando da pasta, foi designada a diretora da CET-Rio, Maria Clara Borges de Menezes.

Ilha e Vila Isabel terão mais quatro corredores BRS

Mais quatro BRS (faixas exclusivas para ônibus e táxis com passageiros) serão implantados na cidade este ano: um na Estrada do Galeão, na Ilha do Governador, e três em Vila Isabel. Segundo Picciani, as faixas de Vila Isabel serão inauguradas em julho: duas na Rua Visconde de Santa Isabel (uma de cada lado) e uma na 28 de setembro (pista da direita).

Já a Estrada do Galeão vai ganhar um BRS até o fim deste ano. Sansão explicou que a faixa vai compreender o trecho da ponte do Galeão até a área da Portuguesa, na região central da Ilha. O mês da inauguração ainda não foi definido. Picciani não descartou a possibilidade de o BRS da Ilha dar lugar a um projeto de BRT no futuro.

O último BRS foi inaugurado no sábado na Rua Teodoro da Silva, em Vila Isabel. O consórcio operador do BRT informou que "vai se reunir com os técnicos da Secretaria de Transportes para conhecer os critérios utilizados para definir a frota".