quarta-feira, 22 de junho de 2011

Riotur lança edital para licitar linhas de ônibus turísticos



A cidade do Rio de Janeiro vai ganhar uma linha de ônibus turísticos. A Riotur publica nesta quarta-feira (22/06), no Diário Oficial, a licitação para concessão de operação de serviço de transporte turístico regular, em ônibus no estilo "double deck" panorâmicos, em um sistema que integre os pontos turísticos e as atrações culturais cariocas.

Segundo o secretário de Turismo e presidente da Riotur, Antonio Pedro Figueira de Mello, a inspiração vem do modelo adotado em cidades europeias: "Considero os sistemas dessas cidades os melhores do mundo onde preveem, além da visitação ao ponto turístico, descontos e outros benefícios para os turistas".
A concorrência pública será do tipo técnica e preço, porém a Riotur já estabeleceu o teto máximo de R$ 60 para valor do bilhete. O objeto da licitação também prevê a operação de infra-estrutura dos pontos de informações turísticas existentes na cidade.

O bilhete valerá por período, e não por trecho. A tarifa cobrada terá validade por um ou mais dias, com direito no período determinado a múltiplas entradas em qualquer dos veículos do sistema aberto (hop-on/hop-of).

O serviço deverá ainda ser operado com a presença constante de guia habilitado, que fale no mínimo três idiomas (Português, Inglês e Espanhol), e disponibilizar equipamento de tradução simultânea eletrônica.
Apesar da obrigatoriedade de equipamento de tradução simultânea eletrônica nos ônibus. O funcionamento deverá ocorrer das 8h às 18h com intervalo máximo de 30 minutos em cada ponto.

Serão contempladas duas áreas, abrangendo cada uma delas as atrações e pontos de interesse de seu entorno, que deverão ter paradas de embarque e desembarque devidamente sinalizadas pela empresa vencedora da licitação.

Área 1:

• Praias:
• Copacabana – Av. Atlântica
• Ipanema – Av. Vieira Souto
• Leblon – Av. Delfim Moreira
• Lagoa Rodrigo de Freitas
• Jardim Botânico
• Corcovado
• Pão de Açúcar
• Aterro do Flamengo – Marina da Glória, Monumento dos Pracinhas, MAM
• Aeroporto Santos Dumont
• Praça XV – Museu da Marinha, CCBB
• Cinelândia – Teatro Municipal, Museu de Belas Artes
• Arcos da Lapa
• Porto
• Deverá, ainda, prever expansão para Maracanã, Sambódromo e Cidade do Samba

Área 2:

• Delfim Moreira
• Av Niemeyer
• São Conrado
• Av. das Américas
• Cidade da Música
• Av. Sernambetiba
• Deverá haver previsão de expansão para Autódromo, Rio Centro, Parque Aquático Maria Lenk, e Arena Esportiva.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Novos ônibus para corredores do Rio

15/06/2011 - O Dia, CHRISTINA NASCIMENTO

A cada ano, 20% da frota serão renovados. Conclusão será em 2015

Rio - A Secretaria Municipal de Transportes publica hoje no Diário Oficial resolução para alterar a padronização dos ônibus que circulam nos corredores exclusivos (BRS) de Copacabana, Ipanema e Leblon para um modelo mais moderno. A frota terá que ter mecanismos de acessibilidade — com piso baixo para facilitar a entrada e saída de cadeirantes —, suspensão pneumática, motor na parte de trás e câmbio automático. Não há exigência de ar-condicionado, para não encarecer o preço da passagem e impedir a utilização do Bilhete Único nestes ônibus.


Ônibus terão piso baixo, suspensão pneumática e motor traseiro | Foto: Divulgação

A mudança da frota deve ser de, no mínimo, 20% ao ano. Com isso, a expectativa é de que, até dezembro, 60 veículos estejam adaptados às novas normas. Mas a resolução é rígida: até 2015 toda frota de 321 ônibus — e mais de 50 linhas — que circulam por estes três bairros terá que estar adequada ao modelo.

Paralelamente a estas mudanças, os veículos estão passando por alterações de cor — que correspondem aos consórcios a que pertencem, para facilitar a identificação.

Modelo atual vai parar de circular

À medida que novos corredores de ônibus forem implantados — oito devem sair do papel até 2012, inclusive no Centro e na Zona Norte — , outras resoluções serão publicadas para que as frotas se adequem às mudanças de padrão de qualidade. 

O objetivo da Secretaria Municipal de Transporte é que o tradicional modelo de ônibus deixe de circular, já que é considerado desconfortável para passageiros e motoristas.

terça-feira, 14 de junho de 2011

Prefeitura do Rio aposta nos ônibus expressos para a Copa de 2014

14/06/2011 - G1 RJ, Aluizio Freire
Projeto de corredores expressos (BRT) se destaca entre as obras.

Para especialistas, investimentos em metrô e trens seriam melhor opção.

Dois corredores de ônibus e a ampliação de uma linha do Metrô são os principais projetos do Rio de Janeiro para melhorar a mobilidade urbana para a Copa do Mundo de 2014. Mas parte das obras dos corredores não foi licitada e a construção da nova linha do Metrô aguarda liberação do Tribunal de Contas da União (TCU). A cidade prevê investir cerca de R$ 4,6 bilhões nos três projetos. Outras obras serão executadas até as Olimpíadas de 2016. (Veja detalhe das obras abaixo)

Tanto o representante do governo do estado quanto da prefeitura se mostram tranquilos com os prazos e o legado que será deixado pelas obras para os cidadãos. “Com essas mudanças, vamos dar um novo conceito na mobilidade urbana do estado”, afirma o secretário estadual de Transportes, Júlio Lopes.

OBRA

DESCRIÇÃO

CUSTO

PÚBLICO

FINANCIAMENTO

ANDAMENTO

TransOeste BRT (Bus Rapid Transit) 

Corredor expresso de ônibus de 56 km entre Jardim Oceânico, Campo Grande e Santa Cruz 

R$ 800 milhões 

Cerca de 220 mil pessoas por dia 

Orçamento do município 

Projeto dividido em cinco lotes. Lotes 1, 2 e 3 em obras. Lote 4 está em licitação. Lote 0 deve ser licitado em 2011


TransCarioca BRT (Bus Rapid Transit) 

Corredor de 39 km entre Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional do Rio. 

R$ 1,3 bilhão



Cerca de 500 mil pessoas por dia



Governo Federal, com recursos do BNDES



Obras do Lote 1 em execução.
Lote 2 em licitação



Metrô
Linha 3 

Terá 23 km entre Niterói e São Gonçalo 

R$ 2,5 bilhões



Cerca de 350 mil pessoas por dia



Governo do estado, com apoio do Governo Federal e prefeituras 

Segundo a Setrans, início das obras dependem da revisão de documentos pelo Tribunal de Contas da União (TCU)


Os corredores de ônibus planejados para a cidade são do sistema BRT (Bus Rapid Transit), batizados de TransCarioca e TransOeste. Com 39 quilômetros de extensão, a TransCarioca vai ligar a Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional, na Ilha do Governador. Já a TransOeste, formará um corredor expresso de 56 quilômetros do Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca, a Campo Grande e Santa Cruz.

De acordo com a Secretaria Municipal de Transportes, já foi iniciada a construção do primeiro lote da TransCarioca e estão em andamento as obras dos chamados mergulhões (passagem subterrânea) de Campinho, no subúrbio, da Avenida Ayrton Senna, na Barra, e a ampliação do viaduto Negrão de Lima, em Madureira.

Simulação de implantação de trecho do BRT no Rio
de Janeiro (Foto: Divulgação)

Segundo ainda a secretaria, o traçado da TransOeste, dividido em cinco lotes, começa no lote 0, próximo à Linha 4 do metrô que está sendo construído pelo Governo do Estado, também na Barra. O corredor não terá pedágio e a Serra da Grota Funda, via usada pelos ônibus tradicionais, continuará em funcionamento.

A expectativa é que o túnel da Grota Funda, considerada a etapa mais importante da implantação do corredor expresso, seja inaugurado ainda no segundo semestre de 2011.

A Prefeitura estima que o investimento total das obras seja de R$ 800 milhões, beneficiando cerca de 220 mil pessoas por dia.

O planejamento prevê que as obras da TransCarioca e TransOeste sejam concluídas em 2012.
“Esses corredores representam uma quebra de paradigma, com transportes de maior qualidade e de alta capacidade”, afirma o secretário de Obras do município, Alexandre Pinto.

O governo do estado garante que em 2014 começa a funcionar a Linha 3 do Metrô, ligando as cidades de Niterói e São Gonçalo, na Região Metropolitana. A via terá extensão de 23 quilômetros com capacidade para atender 350 mil pessoas.

Olimpíadas de 2016

A capital fluminense também enfrenta o desafio de preparar a recepção de atletas e turistas que receberá durante as Olimpíadas de 2016 e planeja investimento em mais corredores e outra etapa de ampliação do transporte sobre trilhos.

Dentro do conjunto de obras para formação de corredores expressos, ainda estão previstas as construções da TransOlímpica e a TransBrasil, que devem ser concluídas no início de 2016.

A obra da TransOlímpica terá 26 quilômetros entre Recreio dos Bandeirantes e Deodoro (São 20 quilômetros de eixo principal, 3 quilômetros adicionais (BRT), 1,5 quilômetro de túnel por sentido e 1,39 quilômetro entre pontes e viadutos. A expectativa é transportar 100 mil passageiros por dia. O investimento estimado é de R$ 1,4 bilhão.

Já a TransBrasil, será formada por 31 quilômetros (traçado de Deodoro ao Centro, com integrações metropolitanas - Via Dutra e Rodovia Washington Luiz; e com os BRTs TransCarioca e TransOlímpica. A previsão é transportar 900 mil passageiros diariamente.

Trens e metrô

O governo do estado também propõe melhorias no sistema metroviário do Rio com investimentos de R$ 300 milhões. De acordo com a Secretaria estadual de Transportes (Setrans), foram comprados 114 novos carros. Os equipamentos, que totalizam 19 trens, aumentam a frota em 63%.

Com previsão de conclusão para 2015, está em andamento as obras da Linha 4 do Metrô, com extensão até a Barra, passando pelos bairros de São Conrado, Gávea, Leblon e Ipanema.

Os investimentos também estão sendo direcionados para os trens da Supervia. Segundo a Setrans, já foram adquiridos 30 novos trens chineses, todos com ar-condicionado e moderno equipamento de tração, que começam a ser entregues nos próximos meses. O governo afirma ainda que está preparando uma nova licitação para a compra de mais 60 composições.

Especialistas avaliam projetos
Na avaliação do professor de engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Fernando MacDowell, faltou planejamento mais elaborado de mobilidade urbana para a Copa do Mundo de 2014 e para as Olimpíadas de 2016.

O Rio é o lugar que mais ônibus tem. Estão perdendo a oportunidade de adotar um sistema que pode ser implantado com uma obra rápida, mais barato e com grande capacidade de transporte de massa" - Fernando MacDowell, professor de engenharia da UFRJ

Ele defende o aeromóvel como o sistema que poderia ser adotado em todas as 12 cidades que irão sediar os jogos da Copa. O aeromóvel é um transporte urbano automatizado, movido a ar, de concepção brasileira.

O modelo está sendo implantado em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, para ligação entre o Aeroporto Salgado Filho e as estações de trens da capital gaúcha. Segundo o engenheiro, o legado que será deixado pela Prefeitura do Rio será apenas ônibus. “O Rio é o lugar que mais ônibus tem. Estão perdendo a oportunidade de adotar um sistema que pode ser implantado com uma obra rápida, mais barato e com grande capacidade de transporte de massa”, garante.

O presidente do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio (Crea-RJ), Agostinho Guerreiro, concorda. “O que se esperava era investimentos em transportes sobre trilhos, como acontece nas grandes metrópoles. Ônibus seria uma alternativa complementar. Eu acho que nós tivemos a possibilidade de ganhar as Olimpíadas porque o BRT é mais fácil de construir. Mas é um paliativo. BRT é bom para cidade de porte médio, e não grande como Rio”, afirma.

Guerreiro acrescenta que haverá alguma melhora, mas ainda aquém do que deveria. “Corredor exclusivo ajuda, mas vamos continuar tendo problemas de poluição, alagamento das chuvas, acidente com ônibus. Não vamos dar um salto de qualidade que seria com uma rede dos metrôs. Melhoramos, mas ficamos abaixo do que seria o ideal para as regiões metropolitanas”, conclui.

Construção de extensão do Metrô do Rio de Janeiro (Foto: Henrique Freire/Divulgação)

segunda-feira, 13 de junho de 2011

UFRJ já tem ônibus movido a H2

12/06/2011 - o diario.com

O projeto está na fase de desenvolvimento do reator, segundo a pesquisadora, "o coração do trabalho", em conjunto com uma rede nacional de pesquisadores coordenada pelo Instituto Nacional de Tecnologia (INT). 
Ela acredita que o reator piloto estará pronto no ano que vem, como foi previsto inicialmente. 

Porém, a aplicação industrial depende do interesse empresarial. "No Paraná, esse interesse deveria vir do setor alcooleiro", comenta a docente Nádia Machado.

Ainda, segundo ela, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) já utiliza um ônibus movido a hidrogênio dentro do câmpus. Entre as 
vantagens da produção de etanol, ela citou a possibilidade de produção próximo ao local onde será utilizado. O hidrogênio pode também substituir o uso de energia para alimentar geradores em hospitais, por exemplo, como já acontece no hospital curitibano Erasto Gaertner.

Divulgação

Cada tonelada de cana-de-açúcar equivale a um barril de petróleo

Até pela semelhança das palavras é fácil confundir etanol e metanol. A pesquisadora explica a diferença. "Na maioria dos processos, o metanol é produzido a partir do petróleo. Já o etanol é feito a partir de fontes renováveis como a cana- de-açúcar". 

A pretensão do grupo de pesquisadores, segundo ela, é a divulgação do processo com as plantas-piloto do Rio de Janeiro. "Não se fala em substituir outras fontes de energia, mas em auxiliar e reduzir a necessidade de construção de termoelétricas".

Protótipo

A tecnologia do ônibus que circula no câmpus da UFRJ foi desenvolvida pelo Instituto de Engenharia (Coppe) da universidade. O combustível utilizado é o hidrogênio, que gera eletricidade a partir de uma pilha. O objetivo é ter o ônibus como opção de transporte sustentável na capital fluminense até a Copa do Mundo de 2014.

O equipamento ainda tem um custo superior aos ônibus comuns. O coordenador do projeto, Paulo Emílio de Miranda, professor do Coppe, diz que essa diferença vai desaparecer a partir da produção em escala.

"A pilha combustível é um eficiente conversor de energia. Esperamos que ela represente para o século 21 algo parecido com que o computador representou para o século 20", disse Miranda.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Rio testará ônibus híbrido elétrico

06/06/2011 - Jornal do Brasil

RIO - A Prefeitura do Rio e a Clinton Climate Initiative (CCI), um programa da Fundação William J. Clinton anunciam nesta terça-feira, dia 7, o início dos testes com ônibus híbridos como parte do Programa de Teste de Ônibus Híbrido & Elétrico da CCI.

O Rio será a primeira cidade da América Latina a fazer parte do programa, que ainda inclui São Paulo, Curitiba e Bogotá, na Colômbia.

O transporte rodoviário é responsável por 90% das emissões geradas em transporte. Ao longo dos próximos 14 meses, o desempenho ambiental e os benefícios econômicos de aproximadamente 10 ônibus híbridos e elétricos de diversos fabricantes serão testados nas quatro cidades integrantes da rede C40 em condições reais de circulação, nos centros urbanos e em linhas de corredores expressos para ônibus.