terça-feira, 31 de julho de 2012

Ligeirão Transoeste: balanço desta sexta-feira 27/07/2012

30/07/2012 - Fetranspor

Nesta sexrta-feira, dia 27 de julho, o Ligeirão Transoeste operou com 66 ônibusarticulados, com saídas a cada três minutos na linha expressa e a cada dez minutos na linha paradora, em ambos os sentidos.Na linha expressa, o tempo médio de viagem foi de 60 minutos e, na paradora, de uma hora e dez minutos.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Prefeitura implanta 24,9 km de Corredores de ônibus na Cidade

27/07/2012 - Prefeitura de São Paulo

A Prefeitura de São Paulo implanta nesta segunda-feira (30/7), mais 24,9 quilômetros de corredores à direita. Os dois novos trechos de faixas estão localizados na Av. Aricanduva, sendo um entre a Av. Itaquera e a Av. Ragueb Chohfi, com 19 km de extensão; e o outro entre a Praça Júlio Colaço, próximo a Radial Leste, e a Av. Itaquera, com 5,9 km.

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Transportes (SMT), da SPTrans e da CET, implanta nesta segunda-feira (30/7), mais 24,9 quilômetros de corredores à direita. Os dois novos trechos de faixas estão localizados na Av. Aricanduva, sendo um entre a Av. Itaquera e a Av. Ragueb Chohfi, com 19 km de extensão; e o outro entre a Praça Júlio Colaço, próximo a Radial Leste, e a Av. Itaquera, com 5,9 km. Ambas as faixas funcionarão de segunda a sexta-feira, entre 6h e 20h, nos dois sentidos, beneficiando cerca de 220 mil passageiros por dia, que circulam nas 27 linhas que operam na região, com uma frequência de 165 ônibus por hora no horário de pico.

A medida faz parte do projeto de aumentar a velocidade médias dos coletivos nos 130 km de corredores para ônibus instalados à direita, em todas as regiões da Cidade. Com os novos trechos na Av. Aricanduva já são 50,1 km de faixas exclusivas entregues, com o objetivo de aumentar a velocidade média dos ônibus em 15 por cento, diminuindo o tempo de viagem.
Em 2012 já foram implantadas as faixas exclusivas na av. Brigº Gavião Peixoto/Barão de Jundiaí, Av. do Rio Bonito, Av. Olivia Guedes Penteado, Av. Interlagos, Av. Sen. Teotônio Vilela, Av. Cruzeiro do Sul e Av. Vital Brasil. Em 2011 foram inauguradas faixas exclusivas na avenida Vereador José Diniz, nas ruas Borges Lagoa e Domingos de Moraes e na ponte do Socorro (todas na zona sul), e na rua Almirante Brasil, na Mooca (zona leste). Também foi inaugurada uma faixa exclusiva na Radial Leste, diminuindo o tempo de viagem em 26 por cento.

A Prefeitura lançou licitação em abril passado para a construção de novos corredores de ônibus na Cidade. No total, serão 68,5 km de vias exclusivas para o transporte público em importantes regiões de São Paulo como a Radial Leste, Itaquera, Campo Limpo e Santo Amaro. A previsão de investimento é de R$ 2 bilhões. Como o sistema de transportes da Cidade de São Paulo deve operar de forma integrada entre os modais de pneus e trilhos, a Prefeitura já aplicou R$ 1 bilhão na expansão da rede de Metrô e investirá mais R$ 1 bilhão.
 
 
 
+ Confira outras notícias no Portal da Prefeitura de S.Paulo

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Vias de BRTs terão manutenção especial

25/07/2012 - Jornal do Commercio

Segundo o secretário Carlos Roberto Osório, foi criada uma coordenadoria especial para cuidar destas áreas. Consertos de buracos serão feitos em um dia

As faixas exclusivas em que transitam os ônibus do sistema Bus Rapid Transit (BRTs) terão manutenção diferenciada em relação às demais ruas da cidade, afirmou, ontem, durante evento do Grupo de Líderes Empresariais do Rio de Janeiro (Lide-Rio), no Copacabana Palace, o secretário municipal de Conservação e Serviços Públicos, Carlos Roberto Osório. Segundo ele, foram estabelecidas metas de conservação desafiadoras para manter as vias expressas em bom estado, e que estas exigem um modelo específico de supervisão.
"Criamos na secretaria uma coordenadoria de vias especiais, cujo primeiro trabalho é a Transoeste. Esta via terá um 'prefeito', um engenheiro da nossa equipe, que será o responsável direto pela conservação", explicou Osório. Ao contrário das ruas normais, em que a meta é consertar um buraco em até sete dias, as vias do BRT - Transoestre (já inaugurada), Transcarioca, Transolímpica e Transbrasil - terão o problema resolvido em apenas um dia. No caso de iluminação defeituosa, o prazo estabelecido é de 12 horas.
Osório afirma que o problema destas vias especiais não é de obras malfeitas, mas sim de desgaste prematuro causado por acidentes. "O principal problema são os carros que batem na pilastra, no meio fio. Mesmo com elas em bom estado, é necessário manutenção constante." De acordo com o secretário, seria problemático deixar as pistas do BRT sob o sistema de manutenção comum do município.
Além de conservação reforçada para as vias do BRT, o secretário espera poder punir com mais rigor as concessionárias de serviços públicos que destroem o asfalto recém-colocado para fazer consertos em suas respectivas redes. "Elas fazem muitos remendos e nossas multas não coçam o bolso delas", disse. De acordo com Osório, são cerca de 3 mil intervenções por mês na cidade e a multa máxima permitida por lei é de R$ 3 mil. "Só alcançamos este número em casos excepcionais. Em geral, a multa é de R$ 200."
Segundo Osório, a secretaria de Conservação está trabalhando em conjunto com a secretaria de Fazenda e com a procuradoria do município para enviar à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) um projeto de lei estabelecendo punições mais severas. O secretário ressalva, porém, que não se trata de um problema da atual administração das concessionárias. "Isso é um problema que se criou nas últimas décadas, quando elas pararam de investir para gerar caixa."
Expansão
A presidente do Lide-Rio, Andréia Repsold, apresentou durante o evento duas divisões da instituição, o Lide Inovação e o Lide Interior. Segundo a executiva, elas ajudarão os empresários cariocas a aproveitar melhor oportunidades específicas nestas duas áreas. "O Rio de Janeiro precisa muito disso. Inovação é sempre necessária. Já no interior do estado estão surgindo nove polos de investimento e isso é não se pode perder."
Além do secretário e da presidente do Lide-Rio, compuseram a mesa principal do evento o diretor presidente da construtora Carvalho Hosken, Carlos Fernando de Carvalho; a secretária municipal de Educação, Cláudia Costin; o presidente do Grupo Facility, César Franco; o gerente de planejamento e comunicação da Souza Cruz, Fernando Bomfiglio, que representou o presidente da empresa, Andréa Martini; o vice-presidente da One Health, Mario Sérgio Ribeiro; e a diretora do Projeto Olímpico da Embratel, Roselis Giampietro.

O risco de atropelamentos que ronda o BRT

24/07/2012 -  O Globo

Distância entre algumas estações e dos sinais com faixas convida pedestres a acidentes.

Um homem atravessa a Avenida das Américas, fora da faixa de pedestres, na frente de uma estação de BRT: prefeitura vai plantar cerca com espinhos nos canteiros Marcelo Carnaval / O Globo
RIO - Isoladas no meio do canteiro central da Avenida das Américas e distantes das faixas de pedestres dos sinais de trânsito, algumas estações do BRT Transoeste (Barra-Santa Cruz) passaram a ser um convite ao risco de atravessar a perigosa avenida em qualquer ponto. O GLOBO percorreu todo o corredor expresso, inaugurado há pouco mais de um mês, e constatou que pelo menos quatro estações Guignard, Gelson Fonseca, Pedra de Itaúna e Santa Mônica, todas no trecho entre a Barra e o Recreio estão mais distantes dos sinais do que as demais. Da estação Santa Mônica até a faixa de pedestres mais próxima, por exemplo, o passageiro dos ligeirões tem que caminhar 120 metros.

A equipe do GLOBO flagrou não só pedestres arriscando a travessia fora das faixas como ciclistas pedalando no corredor exclusivo dos ônibus também por falta de opção: não há ciclovias. A empregada doméstica Marilene Coelho, de 43 anos, que trabalha próximo à estação Nova Barra, admite que, quando está com pressa, atravessa fora da faixa:

Os pontos de ônibus tinham que ser mais perto da faixa. Essa distância acaba incentivando as pessoas a atravessarem longe do sinal.

Desde a sua implantação, o sistema de ônibus articulados registrou nove acidentes, sendo três atropelamentos. No último dia 6, o jardineiro Paulo Sérgio de Macedo foi atropelado quando caminhava na faixa exclusiva do BRT, no sentido Recreio. Atingido por um ônibus próximo à estação Novo Leblon, chegou a ser levado para o Hospital municipal Lourenço Jorge, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. No dia 26 de junho, Marlon Martins Barbosa, de 23 anos, caminhava sobre a divisória da pista exclusiva, também na altura da estação Novo Leblon, no sentido Alvorada, quando foi atingido por um dos ônibus articulados. O rapaz foi levado para o Lourenço Jorge com ferimentos leves. No dia seguinte, um operador da CET-Rio que estava numa motocicleta foi atingido por um coletivo em Mato Alto, em Guaratiba. Ele orientava motoristas no momento do acidente.

A Avenida das Américas ocupa o primeiro lugar no ranking das vias da cidade com mais acidentes. Só entre 17 de maio e 12 de julho, ela registrou 232 casos, com cinco mortes.

Para o professor de Engenharia de Transportes da Coppe/UFRJ Paulo Cézar Ribeiro, o ideal seria que as faixas de pedestres ficassem o mais próximo possível das estações do BRT, de modo a não encorajar as pessoas a atravessarem fora delas:

O sujeito dificilmente vai andar cem metros, o que é quase um quarteirão, até o sinal de trânsito.

Para o corretor Raul Cardoso, de 56 anos, os atropelamentos são uma questão de educação no trânsito, mas alguma medida deveria ser tomada para minimizá-los.

O acesso a todas as estações poderia ser por uma passagem subterrânea, igual à da estação Novo Leblon sugere.

Para a Secretaria municipal de Transportes, as distâncias de caminhada entre as faixas de pedestres e os acessos às estações estão dentro das normas de conforto e acessibilidade.

Não há registro de atropelamento no acesso às estações, ou seja, as vítimas não são usuárias do BRT. Vale dizer que ninguém foi atropelado acessando ou saindo dos ligeirões alega o secretário Alexandre Sansão.

Ele explicou que não é permitida a instalação de passarelas em vias arteriais com cruzamentos, como a Avenida das Américas. O Plano Lúcio Costa não permite passarelas na via. Além disso, Sansão acredita que passarelas não eliminariam o problema da travessia irregular. Ele destacou que não houve variação no número de acidentes na via, incluindo atropelamentos, após a implantação do BRT.

Em vez de gradis, plantas espinhosasA secretaria, no entanto, informou que serão plantadas mudas de coroa-de-Cristo, com espinhos, nos canteiros centrais da avenida, para impedir a travessia irregular. A vegetação formaria uma cerca viva, alternativa melhor do que a instalação de gradis, que costumam ser depredados. A medida já está em fase de execução pela Fundação Parques e Jardins.

A CET-Rio informou que intensificará a campanha de esclarecimento ao público lançada antes da implantação do BRT. O objetivo é fazer com que as normas de trânsito sejam respeitadas também por pedestres e ciclistas.

Com relação à ausência de ciclovia no trecho, o secretário municipal de Meio Ambiente, Altamirando Moraes, disse que a prefeitura não tem planos de instalar um sistema paralelo ao BRT para não concorrer com ele. A ideia é incentivar o tráfego de bicicletas nas áreas internas do bairro, alimentando o BRT. Ele adiantou que o serviço Bike Rio para a Barra e o Recreio já está em fase de licitação e será implantado até o fim do ano.

Há ciclovia no trecho da Grota Funda porque ali é uma região mais rural. Não vamos instalar na Avenida das Américas, antes do túnel, porque vamos fazer ciclovias nas ruas transversais, para que haja conexão entre os dois sistemas explicou.

Na falta de uma ciclovia na avenida, muitas pessoas preferem correr o risco de usar a faixa exclusiva dos ônibus articulados a encarar o tráfego pesado nas pistas laterais. Apesar de pedalar corretamente pelo meio-fio da pista comum, Sandro Conceição, de 40 anos, escapou por pouco de um atropelamento.

Eu tenho medo, mas não vou me arriscar e andar na faixa do BRT. Ali, com certeza, é mais perigoso.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Ligeirão Transoeste: balanço desta sexta-feira (20/07/2012) 

22/07/2012 - Fetranspor

.Nesta sexta-feira, dia 20 de julho, o Ligeirão Transoeste operou com 65 ônibus articulados,com saídas a cada quatro minutos na linha expressa e a cada dez minutos na linha paradora, em ambos os sentidos. Na linha expressa, o tempo médio de viagem foi de 55 minutos e, na paradora, de uma hora e dez minutos.

terça-feira, 17 de julho de 2012

Um mês após inauguração, asfalto do  BRT Transoeste já apresenta buracos

17/07/2012 - R7

Calçadas de estações que nem foram inauguradas estão desniveladas
  
Jadson Marques

Veja a galeria completa

Na estação Pingo D'água, em Guaratiba, motoristas precisam desviar de buraco
 
Com pouco mais de um mês de uso, o corredor exclusivo de ônibus Transoeste, que liga Santa Cruz à Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio, já começa a mostrar desgaste no asfalto e na calçada das estações.

A pista já ostenta grandes buracos, falhas provocadas por obras de concessionárias e muitas pedras soltas. Em alguns pontos, como na estação Pingo D´água, em Guaratiba, foram encontradas situações piores. Na saída do terminal, há um enorme buraco.

O corredor se tornou uma decepção para usuários como o motorista Edson Silva Guedes, de 48 anos, que costuma embarcar no BRT da estação de Santa Cruz. Edson já percebeu que o material usado está se deteriorando muito rápido.

Confira também

Novo corredor de ônibus tem superlotação e falta de calçadas

Após denúncia do R7 e atropelamentos, campanha alerta carioca para uso correto do BRT da Transoeste

Candidatos à Prefeitura do Rio apostam em trens e metrô para desafogar trânsito carioca
— A obra é recém-inaugurada, mas já está cheia de buracos. Em menos de dois meses de uso, o asfalto está se desfazendo.
Transoeste já apresenta buracos um mês após inauguração

Passageiros de corredor de ônibus sofrem com superlotação

E os buracos não estão somente no asfalto. Na estação Mato Alto, em Campo Grande, que ainda nem foi inaugurada, a calçada já está desnivelada e há fios saindo de um poste em direção à estação, numa espécie de gambiarra.

Outro lado

A Secretaria Municipal de Obras informou, por meio de nota, que vai verificar os casos relatados pela reportagem, mas ressaltou que as intervenções ao longo do corredor expresso e em suas estações ainda estão em andamento e seguem até setembro, quando todo o projeto estará em operação.

Ainda de acordo com a secretaria, por contrato, a empresa executora das obras deve providenciar os reparos necessários sem custos adicionais à Prefeitura do Rio.

Prefeito assina contrato com consórcios que vão operar transporte coletivo da cidade

12/07/2012 - Prefeitura de Niterói

O Prefeito de Niterói, Jorge Roberto Silveira, assinou nesta quarta-feira (11/07), o contrato com os representantes dos Consórcios TransNit e Transoceânico, que vão operar a nova frota de ônibus das linhas de transporte coletivo de Niterói. “É a parte mais importante do Plano Lerner para racionalizar o trânsito da cidade”, declarou o prefeito. A partir desse contrato, a atuação dos consórcios será por área de operação e não mais por linhas, e assim as áreas da cidade não atendidas poderão ser beneficiadas com novos itinerários.
 
Ele destacou as mudanças como fundamentais para facilitar a vida do usuário do transporte coletivo e para a concretização do Plano Lerner. “Uma pequena revolução está sendo feita e vai transformar completamente o trânsito da cidade, com a redução do número de ônibus circulando pelas ruas”. O presidente da Niterói, Transporte e Trânsito (Nittrans), Sérgio Marcolini, explicou que a operação dos novos ônibus significará uma expectativa de redução nos próximos de 750 para 600 ônibus a médio prazo, dependendo do comportamento da demanda. Os coletivos da futura frota terão padrões de cores (vermelho e verde) e vai proporcionar a plena acessibilidade aos deficientes físicos e visuais.

“É um novo marco regulatório do sistema de transporte da cidade que passa de permissionário a concessionário, onde as empresas têm direitos e obrigações. Pelo contrato, a atuação passa a ser por áreas e não por linhas, o que permitirá a modificação de itinerários para melhor atender a área operacional, assim algumas regiões poderão ser melhor  atendidas”, acrescentou Marcolini.

Ele explicou que, hoje, o sistema é sobrecarregado no Centro e tem baixa freqüência nas regiões mais afastadas, e com a operação dos consórcios eles poderão ser interligados aos terminais de integração, como o do Largo da Batalha, o que reduzirá o número de linhas que virão para o Centro da cidade. Com a implantação das faixas exclusivas, dos novos ônibus integrados aos terminais, ou seja, com transporte de qualidade, a expectativa é que as pessoas deixem os automóveis em casa e utilizem o transporte de massa, concretizando o Plano Lerner.

Frota será substituída gradativamente

O Consórcio TransNit vai atuar na Área Operacional 1, com ônibus de cor vermelha, circularão pela Ilha da Conceição, Barreto, Ponta D’Areia, Engenhoca, Santana, São Lourenço, Tenente Jardim, Fonseca, Fátima, Caramujo, Baldeador, Santa Bárbara e Pé Pequeno.

Na Área Operacional 2, de responsabilidade do Consórcio Transoceânico, os coletivos de cor verde vão circular em São Francisco, Cachoeira, Viradouro, Ititioca, Largo da Batalha, Sapê, Badu, Matapaca, Maria Paula, Vila Progresso, Cantagalo, Maceió, Muriqui, Cafubá, Charitas, Jurujuba, Jardim Imbuí, Piratininga, Jacaré, Rio do Ouro, Serra Grande, Santo Antônio, Camboinhas, Maravista, Itaipu, Itacoatiara, Engenho do Mato, Várzea das Moças e Viçoso Jardim.

Sérgio Marcolini informou que a frota será substituída, gradativamente, pelos novos ônibus, que terão ar condicionado e entrada e saída de passsageiros com piso baixo, e anualmente 50 deles deverão estar circulando pela cidade.

Ligeirão Transoeste: balanço desta sexta-feira 13/07/2012

16/07/2012 - Fetranspor

Nesta sexta-feira, dia 13 de julho, o Ligeirão Transoeste operou com 52 ônibus articulados com saídas a cada quatro minutos na linha expressa e a cada dez minutos na linha paradora, em ambos os sentidos,
com variações em função da demanda de passageiros. Na linha expressa, o tempo médio de viagem foi de 60 minutos e, na paradora, de uma hora dez minutos.

sexta-feira, 13 de julho de 2012

TCM questiona a licitação dos ônibus do Rio

13/07/2012 - O Globo

Relatório aponta irregularidades em 33 das 41 empresas participantes da concorrência e acha indícios de formação de cartel

Os novos ônibus são de empresas que venceram a primeira concorrência realizada para o serviço na cidade Gustavo Stephan / O Globo

RIO - O Tribunal de Contas do Município (TCM) identificou indícios de formação de cartel e irregularidades na documentação das empresas que disputaram e venceram em 2010 a primeira licitação pública da história da cidade para operar todas as linhas de ônibus e o bilhete único em regime de consórcio. Segundo o TCM, das 41 empresas que participaram da concorrência para operar o sistema por 20 anos renováveis por igual período, apenas oito teriam respeitado as normas do edital de concessão. As informações constam de um relatório do conselheiro Antônio Carlos Flores de Moraes, votado em plenário na última quarta-feira.

No voto, Flores concede 30 dias para que as secretarias municipais de Fazenda e de Transporte prestem esclarecimentos sobre os problemas apontados no documento, informando que providências serão adotadas. No entendimento do conselheiro, as 33 empresas em situação irregular deveriam ter sido excluídas da licitação. Segundo ele, os técnicos do TCM constataram diversas semelhanças entre os consórcios que participaram. Os fatos, diz o relatório, servem de indícios à formação de cartel.

O Rio Ônibus, sindicato que reúne as empresas dos consórcios, informou que não vai se manifestar até conhecer o teor do relatório. Por meio de nota, a Secretaria municipal de Transportes afirmou que não recebeu o documento e que as regras do edital eram claras, públicas e foram cumpridas. Também acrescentou que o edital foi aprovado pelo próprio Tribunal de Contas.

Entre os pontos destacados pelos técnicos do TCM está o fato de que as empresas vencedoras do certame já operavam no sistema antes da licitação. Além disso, o endereço oficial dos quatro consórcios era o mesmo: a sede do Rio Ônibus (Rua da Assembleia, 10, 39º andar, Centro). Mais um ponto que chamou a atenção foi que os CNPJs dos quatro grupos tinham sido abertos no mesmo dia.

Outra coincidência, diz o relatório, é que os consórcios procuraram as garantias financeiras exigidas no edital na mesma instituição bancária e no mesmo dia.

Para o TCM, uma possível formação de cartel também é suscitada quando se nota que 16 das 41 empresas inscritas participavam de mais de um consórcio. De acordo com os técnicos, o edital proibia que uma mesma empresa participasse de mais de um consórcio vencedor.

Doze pessoas são sócias em mais de uma empresa

Além disso, 12 empresários aparecem como sócios em mais de uma empresa. Apenas o empresário Jacob Barata Filho, por exemplo, figura em em sete empresas (Alpha, Ideal, Transurb, Normandy, Saens Peña, Verdun e Vila Real). Outro empresário, Álvaro Rodrigues Lopes, aparece como sócio de cinco empresas (City Rio, Algarve, Rio Rotas, Translitorânea e Andorinha). Flores observou também que o edital previa uma contrapartida financeira das empresas para a prefeitura. Mas isso não aconteceu. Os contratos de concessão foram assinados sem que as empresas pagassem qualquer valor pelos quatro lotes licitados.

O relatório indica que apenas as empresas São Silvestre, Vila Isabel, Litoral Rio, Santa Maria, A. Matias, Paranapuan, Pavunense e Jabour teriam respeitado as normas legais. O documento cita ainda uma inquérito em andamento no Ministério Público do Rio sobre o processo de licitação. O MP instaurou a investigação há quase dois anos, depois que reportagens do GLOBO mostraram que sócios de empresas em dificuldade para comprovar a regularidade com o fisco fundaram outras companhias e ganharam lotes.

A licitação realizada pela prefeitura em 2010 atraiu inicialmente mais de 40 empresas e consórcios do Rio, São Paulo, França e Argentina que se habilitaram a participar da concorrência. Mas apenas duas empresas de São Paulo apresentaram propostas para participar da disputa de alguns lotes com os grupos que já atuavam no Rio. Acabaram sendo eliminadas, entre outras razões, por terem apresentado prazo maior para a implantação do bilhete único.

Os critérios adotados para reajustar as tarifas nos últimos anos também são questionados pelo TCM. O tribunal considerou que o cálculo leva em conta o número de passageiros transportados e o custo de insumos e mão de obra. Mas não as receitas extras que os consórcios aferem com a administração de 25 terminais rodoviários e a exploração de publicidade nos coletivos. Em alguns terminais, foram abertos estabelecimentos comerciais como bares e farmácias que geram recursos para as companhias.

Outros repasses na mira do tribunal

Um outro convênio entre a prefeitura e empresas de ônibus já havia sido analisado esta semana durante a apreciação das contas da gestão do prefeito Eduardo Paes de 2011. Assinado entre a Secretaria municipal de Educação e os consórcios, ele prevê verba de R$ 50 milhões para a instalação nas escolas de um sistema eletrônico de controle de frequência e transporte para os alunos. Há uma sindicância do TCM específica sobre o assunto ainda em curso.

Mas o relatório de Flores de Moraes revela a existência de mais um processo envolvendo repasses de verba do município para os consórcios: o convênio 8/2012, assinado em fevereiro deste ano, trata de valores de R$ 55 milhões para as empresas transportarem alunos da rede pública.

A prefeitura nega qualquer irregularidade. Mas, para o conselheiro, o convênio fere a Lei de Responsabilidade Fiscal por gerar despesas que terão que ser arcadas pela próxima administração. Assim, evidencia-se, mais uma vez, um completo desrespeito ao procedimento licitatório e à Lei Orgânica do Município que preceitua em seu artigo 403 a gratuidade aos estudantes, afirma ele num trecho do relatório.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Empresa assina contrato para circulação de novas frotas

12/07/2012 - O Fluminense

Prefeitura de Niterói assina contrato com representantes dos consórcios que vão operar nova frota do transporte coletivo. Áreas não atendidas poderão ser beneficiadas
O prefeito de Niterói, Jorge Roberto Silveira, assinou na última quarta-feira, o contrato com os representantes dos Consórcios TransNit e Transoceânico, que vão operar a nova frota de ônibus das linhas de transporte coletivo de Niterói. 
“É a parte mais importante do Plano Lerner para racionalizar o trânsito da cidade”, declarou o prefeito. 
Jorge Roberto e Marcolini com representantes dos consórcios TransNit e Transoceânico, que vão atuar por áreas . Foto: Divulgação
A partir desse contrato, a atuação dos consórcios será por área de operação e não mais por linhas, e assim as áreas da cidade não atendidas poderão ser beneficiadas com novos itinerários. O prefeito destacou as mudanças como fundamentais para facilitar a vida do usuário do transporte coletivo e para a concretização do Plano Lerner. 
“Uma pequena revolução está sendo feita e vai transformar completamente o trânsito da cidade, com a redução do número de ônibus circulando pelas ruas”, disse. 
O presidente da Niterói, Transporte e Trânsito (NitTrans), Sérgio Marcolini, explicou que a operação dos novos ônibus significará uma expectativa de redução de 750 para 600 ônibus a médio prazo, dependendo do comportamento da demanda. Os coletivos da futura frota terão padrões de cores (vermelho e verde) e vão proporcionar a plena acessibilidade aos deficientes físicos e visuais. 
“É um novo marco regulatório do sistema de transporte da cidade que passa de permissionário a concessionário, onde as empresas têm direitos e obrigações. Pelo contrato, a atuação passa a ser por áreas e não por linhas, o que permitirá a modificação de itinerários para melhor atender a área operacional, assim algumas regiões poderão ser melhor atendidas”, acrescentou Marcolini.
Ele explicou que, hoje, o sistema é sobrecarregado no Centro e tem baixa frequência nas regiões mais afastadas, e com a operação dos consórcios eles poderão ser interligados aos terminais de integração, como o do Largo da Batalha, o que reduzirá o número de linhas que virão para o Centro da cidade. Com a implantação das faixas exclusivas, dos novos ônibus integrados aos terminais, ou seja, com transporte de qualidade, a expectativa é que as pessoas deixem os automóveis em casa e utilizem o transporte de massa, concretizando o Plano Lerner.
Áreas - O Consórcio TransNit vai atuar na Área Operacional 1, com ônibus de cor vermelha que circularão pela Ilha da Conceição, Barreto, Ponta da Areia, Engenhoca, Santana, São Lourenço, Tenente Jardim, Fonseca, Fátima, Caramujo, Baldeador, Santa Bárbara e Pé Pequeno.
Na Área Operacional 2, de responsabilidade do Consórcio Transoceânico, os coletivos de cor verde vão circular em São Francisco, Cachoeira, Viradouro, Ititioca, Largo da Batalha, Sapê, Badu, Matapaca, Maria Paula, Vila Progresso, Cantagalo, Maceió, Muriqui, Cafubá, Charitas, Jurujuba, Jardim Imbuí, Piratininga, Jacaré, Rio do Ouro, Serra Grande, Santo Antônio, Camboinhas, Maravista, Itaipu, Itacoatiara, Engenho do Mato, Várzea das Moças e Viçoso Jardim.
Sérgio Marcolini informou que a frota será substituída, gradativamente, pelos novos ônibus, que terão ar-condicionado e entrada e saída de passageiros com piso baixo, e anualmente 50 deles deverão estar circulando pela cidade.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Bilheteria do BRT é assaltada na Barra da Tijuca

09/07/2012 - R7

A polícia foi acionada, mas o suspeito conseguiu fugir com R$ 300 roubados
  
Um homem armado assaltou a bilheteria do BRT (Bus Rapid Transit) no terminal Alvorada, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, na noite do último domingo (8). 

De acordo com a Polícia Militar, o suspeito rendeu uma funcionária e roubou uma quantia de R$ 300. 

Policiais do Batalhão do Recreio dos Bandeirantes (31º BPM) foram chamados, mas o bandido fugiu antes da chegada dos PMs.

Poste adia inauguração de terminal na Zona Portuária

09/07/2012 - O Globo

Obstáculo, que deveria ser removido no sábado, impede entrada de ônibus

Um poste impede o funcionamento do novo terminal Marcelo Carnaval / O Globo

RIO - A falta de planejamento impediu que o Terminal Rodoviário Urbano Padre Henrique Otte (na Rua General Luiz Mendes de Morais) fosse transferido no fim de semana, como previsto, para a Praça Marechal Hermes, na Zona Portuária. Um poste de energia, que deveria ser removido no sábado, está impedindo o trânsito de veículos para as plataformas, e o meio-fio que dá acesso às rampas ainda precisa de ajustes. Por causa disso, a transferência das 23 linhas de ônibus que utilizam o terminal inicialmente marcada para sábado e posteriormente adiada para domingo está suspensa por tempo indeterminado. A apresentação oficial do novo terminal, que seria nesta segunda-feira, também foi cancelada.

Light foi ao local e só retirou um poste

No sábado, uma equipe da Light esteve no local para fazer a remoção de dois postes, mas só pôde retirar um deles. Segundo a empresa, o outro tem um sistema ativo de circuito elétrico que abastece estabelecimentos e domicílios daquela região.

Nesse caso, é preciso avisar aos clientes sobre o desligamento de energia com 48 horas de antecedência, mas a prefeitura só fez a solicitação da retirada dos postes na última sexta-feira, informou, por nota, a assessoria da Light. Não daria tempo e, por isso, só foi possível remover o poste inativo. A concessionária foi avisada disso na sexta-feira.

Para o o engenheiro da Coppe/UFRJ Fernando MacDowell, o adiamento da transferência do terminal revela a falta de planejamento da operação dos sistemas de trânsito:

Os postes têm sido um problema frequente nas obras públicas. Esses esquecimentos, por assim dizer, mostram que quem planeja essas obras não está pensando nos usuários.

A concessionária Porto Novo, responsável pela revitalização da Zona Portuária, informou que somente disponibilizou o espaço para a implantação do novo terminal. Já o Rio Ônibus, sindicato das empresas do setor na capital, disse que o poste deve ser removido pela Light nos próximos dias, quando a chuva cessar. Quanto ao meio-fio, serão necessárias novas intervenções. Segundo o Rio Ônibus, a nova data para inauguração do terminal será marcada em reunião ainda esta semana.

A transferência das linhas de ônibus abre caminho para a demolição do Terminal Padre Henrique Otte, que começaria esta semana, com previsão de duração de dois meses. O terminal fica no caminho da Avenida Binário, que está sendo construída em paralelo à Rodrigues Alves e terá dois túneis e duas alças de ligação com o Elevado do Gasômetro.

Segundo a concessionária Porto Novo, a mudança, quando concluída, não causará um impacto significativo nos itinerários dos ônibus. Apenas três linhas 181, 303 e 339 , que chegavam ao antigo terminal passando pela Avenida Rodrigues Alves e pelas ruas Cordeiro da Graça e Equador, terão que seguir pela Rodrigues Alves até a Rua Pereira Reis, de onde continuarão pelas ruas Santo Cristo e Cordeiro da Graça.

Na Zona Oeste, também há novidades no sistema viário. A partir de hoje, o carioca contará com mais duas estações do BRT Transoeste Vendas de Varanda e Santa Veridiana , ambas em Santa Cruz. Elas receberão os ônibus articulados do corredor expresso tanto da linha expressa quanto da paradora.

A linha paradora vai atender, a partir das 5h, 28 estações: Santa Cruz, General Olímpio, Gastão Rangel, Santa Veridiana, Vendas de Varanda, Pingo DÁgua, Magarça, Ilha de Guaratiba, Pontal, Notre Dame, Recreio Shopping, Guiomar Novaes, Gilka Machado, Nova Barra, Benvindo de Novaes, Gláucio Gil, Guignard, Gelson Fonseca, Salvador Allende, Pontões/Barra Sul, Pedra de Itaúna, Interlagos, Riomar, Santa Mônica Jardins, Américas Park, Novo Leblon, Bosque da Barra e Terminal Alvorada.

Já a linha expressa vai atender as estações Santa Cruz, General Olímpio, Gastão Rangel, Santa Veridiana, Vendas de Varanda, Recreio Shopping, Gláucio Gil, Salvador Allende, e Terminal Alvorada. As estações ainda inativas no eixo Santa Cruz-Alvorada (Cajueiros, Curral Falso, Mato Alto, Cetex, Embrapa, Dom Bosco, Recanto das Garças e Golfe Olímpico) serão entregues à população em breve.

Em “deserto de cultura”, moradores alteram  corredor de ônibus e salvam antigo cinema

09/07/2012 - R7

Prédio que abriga o Cine Vaz Lobo seria demolido e agora pode virar centro cultural

Veja a galeria completaSegundo moradores, o cinema faz parte da história do bairro

O amor por seu bairro e pela cultura resultou numa mobilização tão forte que um grupo de moradores do subúrbio do Rio de Janeiro alterou uma das principais obras da prefeitura para a Olimpíada de 2016: a Transcarioca. Eles evitaram a demolição do antigo Cine Vaz Lobo, que estava no caminho do corredor expresso de ônibus.

Até agora seria o único caso de modificação de um projeto público de obras no Rio por conta de um movimento da sociedade civil. O que falta é realizar o sonho de restaurar o cinema, inaugurado na primeira metade do século passado e fechado há 30 anos, para transformá-lo em centro cultural.

A Transcarioca, que ligará o aeroporto Internacional do Galeão, na zona norte, à Barra da Tijuca, na zona oeste da cidade, previa em seu projeto original a demolição de todo o prédio de dois andares em estilo art déco, um dos poucos da região que mantêm a arquitetura original, mesmo em péssimo estado de conservação. Após negociações com os moradores, a prefeitura voltou atrás e alterou o traçado da via exclusiva, que passará pelo largo de Vaz Lobo, mas sem esbarrar no cinema.

Um dos líderes do movimento, o historiador Ronaldo Luiz explica que interesses comuns, como a vontade de resgatar a história do bairro, uniram o grupo, batizado inicialmente como Movimento Cine Vaz Lobo. Após reunirem 800 assinaturas contrárias à demolição do prédio, eles fundaram o Instituto Histórico Baixada de Irajá, que passou a atuar na preservação histórica daquele pedaço do subúrbio, carente de áreas de lazer e centros culturais.

O instituto conseguiu outra vitória na luta pela recuperação do cinema: iniciaram o processo de tombamento do prédio no Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). O desejo deles é que o Cine Vaz Lobo passe pela mesma transformação do Cine Imperator, que virou Centro Cultural João Nogueira e foi reinaugurado em junho.

O Cine Vaz Lobo foi aberto ao público em 5 de janeiro de 1941. Na inauguração, uma presença ilustre: a primeira-dama Darcy Vargas, esposa do então presidente Getúlio Vargas. Problemas financeiros forçaram o fechamento do espaço, em 1982. O dono do cinema, Antônio Mendes, morreu em 2009.

Cinema faz parte da história dos moradores

O historiador Ronaldo Luiz afirma que aqueles que não conhecem suas origens não podem, de fato, amar o lugar de onde vieram. E o Cine Vaz Lobo faz parte da história da região, mas principalmente do bairro.

— Conheci minha mulher aqui e vinha ao cinema namorar. Nem todos tinham televisão, então as pessoas vinham assistir aos jogos da Copa do Mundo aqui. O cinema era o centro de tudo.

Filmes como “Dona Flor e seus dois maridos”, um dos maiores sucessos do cinema nacional, nos anos 70, lotaram a sala do Cine Vaz Lobo. Marina Oliveira, antiga frequentadora, conta que na Semana Santa eles iam ao cinema antes de ir à igreja. 

— Aqui passava muito filme religioso e todo mundo vinha primeiro no cinema para conhecer as passagens bíblicas e só depois ia para a igreja.

Mordores fundaram instituto que já deu entrada em processo de tombamento do prédio (Foto: Jadson Marques/R7)

Revitalização ainda sem previsão

O advogado Gilson Gusmão, outro membro do instituto, diz que eles já venceram a primeira etapa para revitalização cultural do bairro: impedir que o cinema fosse demolido. No entanto, a segunda fase não tem ainda previsão de como ou quando irá começar.

— Impedimos a demolição, mas agora lutamos para que o espaço seja transformado em um centro cultural para a região. Com a construção da Transcarioca, o prédio ficará no entorno de mais de 30 bairros. São 2,5 milhões de pessoas. Temos um projeto para a revitalização do local.

O projeto do grupo, criado por arquitetos que atuam no instituto, prevê a restauração total do prédio, criação de duas salas de cinema com 200 lugares cada, um cine-teatro com 800 assentos e o aproveitamento dos apartamentos hoje existentes para oferecer cursos, centro de edição de vídeo e áudio e abrigar uma biblioteca.

De acordo com Ronaldo Luiz, o prédio, hoje avaliado em R$ 2,5 milhões, levaria cerca de dois anos para ser reformado, consumindo R$ 10 milhões.

A ex-chefe da bilheteria, Josina Braga da Silva, diz que esse dinheiro será bem investido.

— Trabalhei aqui durante quatro anos. E hoje o povo de Vaz Lobo precisa de algo para despertá-lo. Só temos o Carnaval. As pessoas de hoje em dia não querem muito ir ao cinema, mas é o cinema que nos traz reflexão. 

A segurança dos futuros frequentadores do cinema, situado entre os morros do Juramento e da Serrinha, não preocupa os diretores do instituto. Enquanto a pacificação não vem, Gilson Gusmão afirma que os bandidos ficam restritos às comunidades e não incomodam quem vive no asfalto.

Mas se a proximidade com criminosos parece não preocupar, o mesmo não se pode dizer das tentativas de diálogo com os herdeiros do dono do prédio. Membros do instituto afirmam que apenas uma das herdeiras ainda vive num dos apartamentos do prédio, mas ninguém consegue ter acesso a ela e nem aos demais parentes do seu Mendes. Esse é outro obstáculo a ser vencido pelo movimento.

Modernidade das salas de shoppings não assusta

As grandes e modernas salas multiplex dos shoppings centers não intimidam o movimento. Ronaldo Luiz afirma que a maior parte dos moradores não tem dinheiro para frequentar os “cinemas de luxo” e que a proposta do Cine Vaz Lobo é diferente, prevendo atividades a preços mais populares.

— Essa revitalização servirá para nos trazer mais do que um cinema. Queremos atividades culturais e também incentivar a produção audiovisual local.

sábado, 7 de julho de 2012

BRT Transoeste ganha duas novas estações nesta segunda-feira

06/07/2012 - O Dia

Rio -  Duas novas estações entram em operação no BRT TransOeste a partir de segunda-feira, as de Vendas de Varanda e Santa Veridiana, ambas em Santa Cruz. As novas estações receberão ônibus tanto da linha expressa quanto da paradora.
A linha paradora vai atender, a partir das 5h de segunda, 28 estações: Santa Cruz, General Olímpio, Gastão Rangel, Santa Veridiana, Vendas de Varanda, Pingo D'Água, Magarça, Ilha de Guaratiba, Pontal, Notre Dame, Recreio Shopping, Guiomar Novaes, Gilka Machado, Nova Barra, Benvindo de Novaes, Gláucio Gil, Guignard, Gelson Fonseca, Salvador Allende, Pontões/Barra Sul, Pedra de Itaúna, Interlagos, Riomar, Santa Mônica Jardins, Américas Park, Novo Leblon, Bosque da Barra e Terminal Alvorada.
Já a linha expressa vai atender as estações Santa Cruz, General Olímpio, Gastão Rangel, Santa Veridiana, Vendas de Varanda, Recreio Shopping, Gláucio Gil, Salvador Allende, e Terminal Alvorada.
As estações ainda inativas no eixo Santa Cruz - Alvorada (Cajueiros, Curral Falso, Mato Alto, Cetex, Embrapa, Dom Bosco, Recanto das Garças e Golfe Olímpico serão entregues à população em breve.
Tarifas e integrações
A tarifa do BRT TransOeste é de R$ 2,75, a mesma dos ônibus convencionais, com direito às integrações do Bilhete Único Carioca.
Dentro do período de duas horas, o passageiro pode realizar até três viagens de ônibus ao custo de uma passagem se o BRT for o segundo deslocamento.
A integração com os trens da Supervia é de R$ 3,95, com direito ao uso de uma linha alimentadora do BRT; e a integração com os ônibus de linhas intermunicipais tem tarifa de R$ 4,95, incluindo ainda uma viagem em linha alimentadora do BRT.
Nas vias exclusivas do BRT, ônibus articulados, com capacidade para 140 passageiros e ar condicionado, trafegam livres de congestionamentos, o que encurtará o tempo de viagem de quem faz diariamente o trajeto entre Santa Cruz e o Terminal Alvorada. O TransOeste é o primeiro dos quatro corredores de BRT projetados para o Rio de Janeiro até 2016.

No Rio, BRS da Presidente Vargas deve reduzir em 30% tempo de circulação de ônibus

06/07/2012 - O Dia Online

Começou na manhã desta terça-feira (3) a implantação do BRS na Avenida Presidente Vargas, principal corredor viário de acesso à região central. Inicialmente, as faixas preferenciais funcionarão somente em toda a extensão das pistas central, no trecho entre a descida do Trevo das Forças Armadas e a Candelária. A Prefeitura estima que a redução da frota em torno de 15%, aumentará a velocidade dos ônibus. São 17 pontos destinados às linhas de ônibus por sentido ao longo da Presidente Vargas.

De acordo com o secretário municipal de Transportes, Alexandre Sansão, o novo BRS apresenta pouca diferenças em relação aos já implementados e deve reduzir em 30% o tempo de circulação.

"O horário de funcionamento, por exemplo, é o mesmo (6h às 21h). Mas, ao contrário dos outros corredores exclusivos, o BRS da Avenida Presidente Vargas não funcionará aos sábados, além dos domingos e feriados como de costume. A regra para os táxis também é um pouco diferente. Os motoristas continuam impossibilitados de parar na pista central da Avenida Presidente Vargas, mas poderão utilizar a pista lateral para efetuar o desembarque de passageiros. Com o novo corredor, esperamos reduzir em 30% o tempo de circulação dos ônibus. Nesta primeira semana, não multaremos os motoristas que descumprirem as regras, já que estamos em fase de adaptação", disse.

Ainda segundo Sansão, há previsão para o funcionamento do corredor nas pistas laterais em até 30 dias "Vamos avaliar o BRS diariamente, da circulação dos ônibus nas pistas até o efeito no tempo de trajeto dos condutores".

O secretário não descartou implantação de novos BRS no Centro. "Temos muitas ideias para a região central, mas precisamos fazer um planejamento, que vai da verificação dos pontos adequados ao estudo da redução do tempo de viagem. Junto com esse processo, iremos divulgar essas novidades", finalizou.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Ligeirão Transoeste: balanço desta quarta-feira 

04/07/2012 - Fetranspor

Nesta quarta-feira, dia 4 de julho, o Ligeirão Transoeste operou com 46 ônibus articulados, com saídas a cada seis minutos na linha expressa e a cada dez minutos na linha paradora, em ambos os sentidos.

Na linha expressa, o temp...o médio de viagem foi de 60 minutos e, na paradora, de uma hora e dez minutos.

Obras da Transolímpica começam a sair do papel

04/07/2012 - Jornal do Commercio

Com investimentos de R$ 1,55 bilhão, sendo R$ 1,072 bilhão da prefeitura, projeto ligará a Barra da Tijuca a Deodoro. Previsão de conclusão é em dezembro de 2015

A prefeitura do Rio de Janeiro inicia hoje, por Sulacap, na Zona Oeste, a construção da Transolímpica, via expressa que ligará a Barra da Tijuca à Avenida Brasil, na altura de Magalhães Bastos, além de Deodoro. Orçada em R$ 1,55 bilhão, dos quais R$ 1,072 bilhão em recursos do tesouro municipal, o projeto está incluído no caderno de encargos dos Jogos Olímpicos de 2016. A previsão é que a obra fique pronta em dezembro de 2015.
Com 23quilômetros (km) de extensão, o corredor terá uma via expressa com pedágio para carros e um Bus Rapid Traffic (BRT). O projeto terá ainda uma licitação, prevista pela prefeitura para 2013, para concluir um trecho de 3 km, apenas do BRT, até a Vila Militar, em Deodoro.
A obra está a cargo do consórcio Rio Olímpico, formado pela Odebrecht, Invepar e CCR/SA, que ganhou a licitação para explorar a concessão da via expressa por 35 anos.
De acordo com a prefeitura, o estudo sobre o número total de desapropriações ainda está sendo produzido, porque os imóveis ainda não começaram a ser cadastrados. Já se sabe que a maioria das casas e lojas que serão desocupadas fica em Jacarepaguá e Sulacap. A expectativa é que o total de desocupações para a Transolímpica seja menor do que na Transoeste, que chegou a 2,5 mil imóveis O BRT da Transolímpica contará com 18 estações, além de dois terminais, integrando-se a TransOeste (na Avenida das Américas), a Transcarioca, na Taquara, e a Transbrasil, em Magalhães Bastos. Durante a Olimpíada, o corredor fará ainda a ligação da Vila dos Atletas, na Barra da Tijuca, ao Parque Radical de Deodoro, onde serão realizadas as provas de pentlato moderno, esgrima, tiro e mountain bike.

Prefeitura do Rio inaugura outra obra do BRT Transcarioca

03/07/2012 - Portal 2014

Mergulhão Billy Branco faz parte da 1º fase das obras e está localizado próximo à Cidade das Artes

 Novo trecho do BRT Transcarioca foi entregue no último domingo (crédito: Divulgação)

A prefeitura do Rio de Janeiro inaugurou no último domingo (1º) mais uma obra do BRT Transcarioca, linha que ligará a Barra da Tijuca ao aeroporto do Galeão. O mergulhão Billy Branco, localizado próximo à Cidade das Artes, faz parte da fase 1 da construção. 

No total, o mergulhão tem 670 metros de extensão e 8 metros de largura. Com ele, os ônibus do BRT terão uma pista exclusiva no encontro das avenidas Ayrton Senna e das Américas.
 
Construído em 15 meses, ele tem sentido único, para o Recreio dos Bandeirantes. Na entrada, a estrutura conta com duas pistas, com uma faixa em cada uma. Na saída, há uma pista com duas faixas. O mergulhão fica a 250 metros de uma futura estação de BRT e a 600 metros do Terminal Alvorada, que é um ponto de integração com a linha Transoeste. 

Segundo a Secretaria Municipal de Obras (SMO), as intervenções nas plataformas da Transcarioca seguem até dezembro de 2013, quando o sistema começa a operar. 
 
Em maio, a prefeitura fluminense entregou o mergulhão do Campinho e o viaduto Negrão de Lima, que também fazer parte do trajeto da Transcarioca. Na ocasião, o BRT chegou a 27,5% de execução após 14 meses do início da obra. A linha terá 39 quilômetros, com 45 estações e três terminais.

Orçada em R$ 1,18 bilhão, a linha vai transportar 400 mil passageiros por dia. A previsão é que a obra seja concluída até dezembro de 2013.

terça-feira, 3 de julho de 2012

Prefeitura do Rio inaugura outra obra do BRT Transcarioca

03/07/2012 - Portal 2014

Mergulhão Billy Branco faz parte da 1º fase das obras e está localizado próximo à Cidade das Artes

 Novo trecho do BRT Transcarioca foi entregue no último domingo (crédito: Divulgação)

A prefeitura do Rio de Janeiro inaugurou no último domingo (1º) mais uma obra do BRT Transcarioca, linha que ligará a Barra da Tijuca ao aeroporto do Galeão. O mergulhão Billy Branco, localizado próximo à Cidade das Artes, faz parte da fase 1 da construção. 

No total, o mergulhão tem 670 metros de extensão e 8 metros de largura. Com ele, os ônibus do BRT terão uma pista exclusiva no encontro das avenidas Ayrton Senna e das Américas.
 
Construído em 15 meses, ele tem sentido único, para o Recreio dos Bandeirantes. Na entrada, a estrutura conta com duas pistas, com uma faixa em cada uma. Na saída, há uma pista com duas faixas. O mergulhão fica a 250 metros de uma futura estação de BRT e a 600 metros do Terminal Alvorada, que é um ponto de integração com a linha Transoeste. 

Segundo a Secretaria Municipal de Obras (SMO), as intervenções nas plataformas da Transcarioca seguem até dezembro de 2013, quando o sistema começa a operar. 
 
Em maio, a prefeitura fluminense entregou o mergulhão do Campinho e o viaduto Negrão de Lima, que também fazer parte do trajeto da Transcarioca. Na ocasião, o BRT chegou a 27,5% de execução após 14 meses do início da obra. A linha terá 39 quilômetros, com 45 estações e três terminais.

Orçada em R$ 1,18 bilhão, a linha vai transportar 400 mil passageiros por dia. A previsão é que a obra seja concluída até dezembro de 2013.

Obras do Transolímpico começam na quarta-feira

02/07/2012 - O Globo, Rafael Moraes

Corredor expresso, que ligará a Barra a Deodoro, integra a 1 via expressa a ser aberta após a Linha Amarela, há 15 anos

A Avenida Salvador Allende fará parte do corredor Transolímpico, mas continuará mantida pela prefeitura.

RIO - No rastro das obras viárias dos corredores Transoeste e Transcarioca, que há meses mexem com a rotina dos motoristas, os cariocas começam a enfrentar na quarta-feira mais uma intervenção nos transportes. A prefeitura inicia por Sulacap, na Zona Oeste, a construção do Transolímpico, que ligará a Barra da Tijuca à Avenida Brasil, em Magalhães Bastos, e, depois, a Deodoro. Orçada em R$ 1,55 bilhão sendo R$ 1,072 bilhão em recursos do tesouro municipal , a obra poderá ficar ainda mais cara, uma vez que as desapropriações ainda estão sendo contabilizadas, e os custos serão pagos à parte pelo poder público.

Incluído no caderno de encargos dos Jogos de 2016, o corredor de 23km, que abrigará via expressa com pedágio para carros e um BRT (pista exclusiva para ônibus articulados), exigirá ainda outro gasto adicional: a prefeitura licitará, no ano que vem, uma extensão de 3km, apenas do BRT, até a Vila Militar, em Deodoro.

As pistas para carros do Transolímpico terminam na Avenida Brasil. Mas o BRT terá um pedaço licitado em separado em 2012. Essa extensão margeará a linha férrea na Vila Militar, seguindo em paralelo à Estrada São Pedro de Alcântara. O orçamento dessa parte ainda está sendo calculado explica o secretário municipal de Obras, Alexandre Pinto.

Segundo ele, a conta das desapropriações ainda está sendo feita, porque os imóveis não começaram a ser cadastrados. Mas já se sabe que a maior parte das casas e lojas que terão que ser desocupadas fica em Jacarepaguá e Sulacap. Um estudo preliminar feito para estabelecer o traçado do Transolímpico apontou a necessidade de desapropriações de 143 imóveis em Magalhães Bastos e 114 em Sulacap. Já em Jacarepaguá, a previsão é de 152 desapropriações na Taquara; 402 na Estrada do Outeiro Santo; 24 no Condomínio Bosque do Paradiso e 353 em Curicica.

Ainda de acordo com Alexandre Pinto, o número de desapropriações do Transolímpico deverá ser menor do que as do Transcarioca, onde o total de imóveis desocupados chega a 2.500:

No Transcarioca, a obra passa pelo tecido urbano, pelas vias que já existem, exigindo mais desapropriações. O Transolímpico passa por cima das vias que existem ou segue em paralelo a essas vias. Mas já estamos fazendo reuniões com moradores de casas que serão desapropriadas.

A obra acontece quase 15 anos após a inauguração da Linha Amarela, última via expressa a ser construída no Rio. O pontapé inicial do Transolímpico será a construção de um viaduto sobre a Avenida Marechal Fontenelle, em Sulacap. Essa parte da obra deverá durar um ano. Mas, ainda em 2012, a prefeitura espera começar a erguer um segundo viaduto sobre a Avenida Brasil e um terceiro sobre o ramal da SuperVia em Magalhães Bastos e a Estrada São Pedro de Alcântara. No total, a via expressa terá 16 pontes e viadutos. Também está previsto até dezembro o início da perfuração do túnel sob o Maciço da Pedra Branca, que terá quatro galerias, duas por sentido, a exemplo do Túnel Rebouças. As galerias maiores terão 1,8 quilômetro e as menores, 200 metros de extensão.

Previsão de obra pronta até dezembro de 2015

O corredor de BRT terá 18 estações e dois terminais. Ele fará integração com os corredores Transoeste (na Avenida das Américas); Transcarioca, na Taquara; e Transbrasil, em Magalhães Bastos. A previsão é que a obra fique pronta, já incluindo a extensão até Deodoro, em dezembro de 2015, a tempo de ser usada nas Olimpíadas. Durante os jogos, o corredor fará a ligação da Vila dos Atletas, na Barra da Tijuca, ao Parque Radical de Deodoro (que sediará as provas de pentlato moderno, esgrima, tiro e mountain bike).

A única praça do pedágio ficará situada na saída do túnel em Sulacap, nos dois sentidos da via expressa. O valor do pedágio será o mesmo empregado na Linha Amarela, hoje fixado em R$ 4,70 para carros de passeio. Os ônibus do BRT serão isentos de tarifa. A estimativa da prefeitura é que 55 mil veículos/dia circulem pelo corredor, podendo chegar a 90 mil/dia sem necessidade de obra ou projeto de ampliação.

A obra será levada a cabo pelo consórcio Rio Olímpico, formado pelas empesas Odebrecht, Invepar e CCR/SA, que ganhou a licitação para explorar a concessão da via expressa por 35 anos. O grupo ofereceu a maior participação de recursos na obra: R$ 479 milhões. A CCR já administra a Ponte Rio-Niterói, a Barcas S/A, a Via Lagos e a Via Dutra. Já a Invepar, composta por fundos de pensão, está à frente do Metrô Rio, da Lamsa (Linha Amarela) e da Concessionária Rio-Teresópolis (CRT).

A Odebrecht será responsável pelas obras do Parque Olímpico da Barra da Tijuca, principal núcleo dos Jogos Rio 2016. A construtora também faz parte da concessionária Porto Novo, que ganhou a licitação das obras da Zona Portuária do Rio.

Além da construção do corredor, o consórcio ficará responsável pela manutenção da área de concessão, à exceção da Avenida Salvador Allende., que terá que ser ampliada pelo consórcio, mas continuará a ser uma via municipal, com manutenção a cargo da prefeitura:

A Salvador Allende não será incluída na área passível de cobrança de pedágio esclarece o secretário de Obras.

Atualmente, a ligação entre a Baixada de Jacarepaguá e Sulacap é feita principalmente pela Estrada do Catonho. Segundo a prefeitura, essa via, assim como as estradas do Guerenguê, Rodrigues Caldas, Rio Grande e da Ligação, serão as opções dos motoristas que quiserem circular pela região sem pagar pedágio no Transolímpico.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Túnel e BRT criam polo de desenvolvimento

01/07/2012 - O Dia, Aurélio Gimenez e Cristiane Campos

Implantação de corredor valoriza imóveis da Zona Oeste em até 67%

A abertura do túnel da Grota Funda e a implantação do BRT Barra-Santa Cruz confirmou a nova fronteira econômica da Zona Oeste, com a valorização imobiliária, implantação de shoppings, novas indústrias e geração de empregos. Com as obras e investimentos na região nos últimos três anos, o metro quadrado dos imóveis subiu 67% na Barra, 65,4% no Recreio dos Bandeirantes e 46,2%, em Campo Grande. Também há previsão de mais de 5 mil ofertas de empregos em apenas dois shoppings em construção na rota do Transoeste.
Já no Distrito Industrial de Santa Cruz está prevista a instalação da multinacional Rolls-Royce, que fabricará turbinas de energia para plataformas marítimas, com investimentos de US$ 60 milhões. No mesmo local, também será aberta fábrica de vacinas da Bio-Manguinhos/Fiocruz.
O efeito multiplicador ocorrido na extensão do Transoeste também já é percebido no trecho por onde passará o Transcarioca, corredor que ligará a Barra ao Aeroporto Tom Jobim. Levantamento do Sindicato das Empresas de Compra, Venda e Administração de Imóveis do Rio de Janeiro (Secovi Rio), feito a pedido de O DIA, constatou que em Curicica (Jacarepaguá), por exemplo, o metro quadrado dos imóveis teve variação de 53,69% entre março de 2011 e maio deste ano. Em Madureira, na Zona Norte, a valorização foi de 47,44%.
Moradora da Ilha de Guaratiba, a comerciante Ana Maria Paiva conta que a abertura do túnel da Grota Funda atraiu novos consumidores ao seu antiquário, localizado na Estrada dos Bandeirantes, em Vargem Grande. "Além disso, com o BRT, os funcionários ganharam em qualidade de vida, pois levam menos tempo no trajeto de casa para o trabalho", acrescentou.
Imobiliárias se beneficiam
Gerente comercial da Rio Negócios, agência de fomento da Prefeitura do Rio, Pedro Casotti cita que o setor imobiliário é o primeiro a se beneficiar das obras de infraestrutura e mobilidade, que se destacam na Zona Oeste. Mas, segundo o executivo, o comércio e setor de serviços vêm logo atrás, com o crescimento populacional provocado pela expansão econômica da região.
Quem já colhe os frutos da Transoeste é a Queiroz Galvão Desenvolvimento Imobiliário. A construtora em menos de um mês vendeu 95% das 646 unidades do Absolutto Business Towers, a ser erguido ao lado do Recreio Shopping.
"As benfeitorias contribuem para o sucesso nas vendas", diz Pedro Cunha, diretor da Queiroz Galvão.
Novas oportunidades
Com novas vias de acesso e a implantação de novos centros de comércio, também o emprego está em alta na Zona Oeste. Para novembro, o grupo Multiplan promete entregar o Park Shopping Campo Grande, gerando três mil oportunidades.
Superintendente do empreendimento, Paulo Bittencourt diz que na fase de obra estão sendo geradas 1.200 vagas. "O BRT vai facilitar ainda mais o acesso ao shopping", prevê Paulo Bittencourt.
No Recreio dos Bandeirantes, o Américas Shopping vai gerar 2.500 chances, diretas e indiretas, quando estiver pronto em 2014. "Além da explosão de lançamentos imobiliários na região, as obras de duplicação da Avenida das Américas, o túnel da Grota Funda e o BRT interligado ao Metrô - com estação em frente ao shopping - estão criando diversas oportunidades na área", explica Fernando Araujo, diretor da construtora Ecia.
Perspectiva do shopping que está sendo erguido em Campo Grande
Com novas vias de acesso e a implantação de novos centros de comércio, também o emprego está em alta na Zona Oeste. Para novembro, o grupo Multiplan promete entregar o Park Shopping Campo Grande, gerando três mil oportunidades.
Superintendente do empreendimento, Paulo Bittencourt diz que na fase de obra estão sendo geradas 1.200 vagas. "O BRT vai facilitar ainda mais o acesso ao shopping", prevê Paulo Bittencourt.
No Recreio dos Bandeirantes, o Américas Shopping vai gerar 2.500 chances, diretas e indiretas, quando estiver pronto em 2014. "Além da explosão de lançamentos imobiliários na região, as obras de duplicação da Avenida das Américas, o túnel da Grota Funda e o BRT interligado ao Metrô - com estação em frente ao shopping - estão criando diversas oportunidades na área", explica Fernando Araujo, diretor da construtora Ecia.
5 minutos com Rubem Vasconcelos, presidente da Patrimóvel
O DIA - O que as obras de infraestrutura representam para o mercado imobiliário do Rio?
RUBEM - É uma injeção na veia do setor. Isso quer dizer valorização imobiliária e que cada região vai ditar o valor de mercado. A ampliação da Avenida das Américas, o túnel da Grota Funda e o Transoeste são exemplos deste progresso.
Qual a importância do Transoeste, o corredor de ônibus rápido?
Com a chegada de novos meios de locomoção, os compradores já não têm tanta rejeição a locais mais distantes, como o trecho da Avenida das Américas após a Grota Funda. Assim, bairros que antes estavam praticamente esquecidos pelo mercado passam a chamar a atenção das construtoras.
Que bairros são estes?
Vargem Pequena, Vargem Grande, Pedra de Guaratiba e Campo Grande estão entre as regiões promissoras. O mercado segue a rota do desenvolvimento.
É para onde a expansão vai seguir?
Algumas construtoras já têm diversos terrenos nesta região e planejam lançar seus projetos imobiliários este ano. As empresas que ainda não têm, estão buscando terrenos. Na Zona Oeste ainda é possível encontrar terra com preço mais acessível, pois na Zona Sul há escassez de terrenos.
Com a abertura do túnel da Grota Funda, onde haverá crescimento?
O bairro de Campo Grande já conta com construtoras de peso, que foram pioneiras em investir no local, já sabendo das melhorias que viriam. Agora, não é só a área do Calçadão de Campo Grande que interessa. Numa passagem rápida pelo bairro é possível verificar a quantidade de placas e estandes de vendas de empreendimentos comerciais e residenciais .
Onde mais haverá mais crescimento?
O município de Itaguaí também segue o mesmo ritmo.

domingo, 1 de julho de 2012

Prefeito inaugura obras da Transoeste

08/07/2010 - O Globo

RIO _ O prefeito do Rio, Eduardo Paes, e o secretário municipal de Obras, Alexandre Pinto, inauguraram na manhã desta quinta-feira, o início das obras de Transoeste, corredor expresso que fará a ligação entre a Barra da Tijuca e Santa Cruz, na Zona Oeste da cidade. Com investimentos de mais de R$ 690 milhões, as obras serão feitas em três partes e incluem a abertura do túnel da Grota Funda. Com 32 km de extensão e com 30 estações de BRTs (num corredor expresso de ônibus articulados), a Transoeste irá reduzir à metade o tempo médio de viagem entre os dois bairros.Atualmente, o trajeto Barra-Santa Cruz tem 50 km de extensão que, de ônibus, são percorridos em cerca de 1hora e 40 minutos. Na hora do rush, a viagem pode durar até duas horas e 30 minutos. O corredor viário não terá pedágio. Segundo o prefeito, isso só foi possível porque a atual administração "organizou as finanças da prefeitura". O prefeito ressaltou que, junto com a Transolímpica e a Transcarioca, a Transoeste é um dos três corredores viários que vão preparar a cidade para a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

Transoeste inaugura linhas e estações neste sábado

23/06/2012 - O Dia Online

Rio -  A partir deste sábado, o BRT TransOeste entra em uma nova fase, com mais estações e linhas. Começam a funcionar as paradas Santa Cruz (terminal), General Olímpio e Gastão Rangel, além dos serviços expresso e parador Santa Cruz - Alvorada.

A linha expressa circulará de segunda a sexta, das 5h às 1h, e aos sábados, das 5h às 14h; e a paradora, diariamente, 24 horas.

A linha paradora vai atender as estações Santa Cruz, General Olímpio, Gastão Rangel, Pingo D'Água, Magarça, Ilha de Guaratiba, Pontal, Notre Dame, Recreio Shopping, Guiomar Novaes, Gilka Machado, Nova Barra, Benvindo de Novaes, Gláucio Gil, Guignard, Gelson Fonseca, Salvador Allende, Pontões/Barra Sul, Pedra de Itaúna, Interlagos, Riomar, Santa Mônica Jardins, Américas Park, Novo Leblon, Bosque da Barra e Terminal Alvorada.

Já a expresso vai atender as estações Santa Cruz, General Olímpio, Gastão Rangel, Recreio Shopping, Gláucio Gil, Salvador Allende, e Terminal Alvorada.

As estações ainda inativas (Cajueiros, Curral Falso, Santa Veridiana, Vendas de Varanda, Dom Bosco, Recanto das Garças e Golfe Olímpico) serão entregues à população em breve, mas ainda não há data definida.

Junto com esses dois serviços, entrarão em circulação as três primeiras linhas alimentadoras do sistema BRT: 896A (Pedra de Guaratiba - Pingo d'Água), 897A (Alvorada - Barrashopping via Ayrton Senna) e 899A (Alvorada - Joatinga via Américas).

As linhas alimentadoras foram criadas para promover o maior acesso dos passageiros às estações BRT, partindo de bairros próximos ao corredor.

A tarifa do BRT TransOeste é de R$ 2,75, com direito às integrações do Bilhete Único Carioca. A integração com os trens da Supervia é de R$ 3,95. O TransOeste é o primeiro dos quatro corredores de BRT projetados para o Rio de Janeiro até 2016.

No Rio, Número de usuários do BRT Transoeste cresce consideravelmente a cada dia

26/06/2012 - R7

O sistema BRT Transoeste, corredor expresso de ônibus, que liga Santa Cruz à Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio, foi marcado por superlotação nesta segunda-feira (25).

De acordo com a Rio Ônibus, Sindicato das Empresas de Ônibus da Cidade do Rio de Janeiro, a venda de passagens precisou ser suspensa por dez minutos no final da tarde desta segunda-feira por falta de bilhetes. Segundo a empresa, o estoque de bilhetes se esgotaram.

No último sábado três estações – Santa Cruz, General Olímpio e Gastão Rangel – do BRT Transoeste foram inauguradas na zona oeste do Rio de Janeiro. Duas outras linhas também passam a funcionar: os serviços expresso e parador Santa Cruz - Alvorada. A linha expressa circulará de segunda a sexta, das 5h à 1h, e aos sábados, das 5h às 14h; e a paradora, diariamente, 24 horas.

A linha paradora atende as estações Santa Cruz, General Olímpio, Gastão Rangel, Pingo D'Água, Magarça, Ilha de Guaratiba, Pontal, Notre Dame, Recreio Shopping, Guiomar Novaes, Gilka Machado, Nova Barra, Benvindo de Novaes, Gláucio Gil, Guignard, Gelson Fonseca, Salvador Allende, Pontões/Barra Sul, Pedra de Itaúna, Interlagos, Riomar, Santa Mônica Jardins, Américas Park, Novo Leblon, Bosque da Barra e Terminal Alvorada.

A linha expresso serve as estações Santa Cruz, General Olímpio, Gastão Rangel, Recreio Shopping, Gláucio Gil, Salvador Allende, e Terminal Alvorada.
De acordo com a Prefeitura do Rio, as estações ainda inativas (Cajueiros, Curral Falso, Santa Veridiana, Vendas de Varanda, Dom Bosco, Recanto das Garças e Golfe Olímpico) estarão prontas em breve.

Também entram em circulação as três primeiras linhas alimentadoras do sistema BRT: 896A (Pedra de Guaratiba x Pingo d'Água), 897A (Alvorada x Barrashopping pela via Ayrton Senna) e 899A (Alvorada x Joatinga pela via Américas). As linhas convencionais vão continuar circulando em caráter provisório, segundo a prefeitura.

Tarifas e integrações
A tarifa do BRT TransOeste é de R$ 2,75, a mesma dos ônibus convencionais, com direito às integrações do Bilhete Único Carioca. Dentro do período de duas horas, o passageiro pode realizar até três viagens de ônibus ao custo de uma passagem se o BRT for o segundo deslocamento. A integração com os trens da Supervia é de R$ 3,95, com direito ao uso de uma linha alimentadora do BRT. A integração com os ônibus de linhas intermunicipais tem tarifa de R$ 4,95, incluindo ainda uma viagem em linha alimentadora do BRT.

Nas vias exclusivas do BRT, ônibus com capacidade para 140 passageiros e ar condicionado devem trafegar livres de congestionamentos, o que encurtará o tempo de viagem de quem faz diariamente o trajeto entre Santa Cruz e o Terminal Alvorada. O Transoeste é o primeiro dos quatro corredores de BRT projetados para o Rio de Janeiro até 2016.

Transoeste inaugura mais três estações

24/06/2012 - O Globo, Felipe Sil

Paradas em Santa Cruz operam com intervalos de 10 minutos; sistema ganha linha expressa

O BRT Transoeste entrou, na manhã deste sábado, em uma nova fase, com a inauguração de três estações: Santa Cruz (terminal), General Olímpio e Gastão Rangel. A procura por bilhetes começou pouco antes das 5h. O sistema opera neste sábado até 14h e ainda não apresentou problemas. De segunda a sexta, o horário passará a ser de 5h até 1h.
Segundo o gerente geral do BRT Transoente, Alexandre Castro, a abertura das novas estações é fundamental porque vai possibilitar uma maior cobertura do município de Santa Cruz.
- A expectativa é atender mais de 20 mil passageiros por dia, nas horas de pico. Principalmente de pessoas que vão para o trabalho pela manhã e retornam à noite - comenta Castro.
O gerente lembra que no próximo fim de semana serão inauguradas outras duas estações em Santa Cruz: Vendas de Varanda e Santa Veridiana.
O casal Ricardo Alves e Silvana da Silva, moradores de Paciência, mostraram-se satisfeitos com o novo meio de transporte. Eles iam para a Praia do Recreio e esperavam chegar em no máximo 40 minutos, um percurso que levava anteriormente cerca de 1h30m.
- O sistema funciona. O ônibus vai direto, sem interferência. Chegamos mais rápido ao destino. Fiquei surpreso também com a quantidade de funcionários nos orientando - diz Alves.
Ontem também começaram a circular as três primeiras linhas alimentadoras do sistema BRT: 896A - Pedra de Guaratiba x Pingo d'Água; 897A - Alvorada x Barrashopping (via Ayrton Senna) e 899A - Alvorada x Joatinga (via Américas).
A tarifa do BRT Transoeste custa R$ 2,75, a mesma dos ônibus convencionais, com direito às integrações do Bilhete Único Carioca. Dentro do período de duas horas, o passageiro pode realizar até três viagens de ônibus ao custo de uma passagem se o BRT for o segundo deslocamento. A integração com os trens da Supervia é de R$ 3,95, com direito ao uso de uma linha alimentadora do BRT; e a integração com os ônibus de linhas intermunicipais tem tarifa de R$ 4,95, incluindo ainda uma viagem em linha alimentadora do BRT. O TransOeste é o primeiro dos quatro corredores de BRT projetados para o Rio de Janeiro até 2016.

Mais uma obra começa

07/07/2010  - por Michel Castellar 

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, dará início nesta quinta-feira à construção da Transoeste, linha de BRT que ligará a Barra da Tijuca a Santa Cruz, ambos os bairros na Zona Oeste.

No total, serão investidos R$ 692 milhões na construção da via, que terá 32 quilômetros de extensão e diminuirá de 1h40min para cerca de uma hora. Os BRTs que circularão pela via serão expressos e paradores e estão previstas 30 estações ao longo do trajeto.

A obra foi dividida em três lotes, que começarão simultaneamente a serem trabalhados. Dentros de um deles está a abertura do túnel da Grota Funda. 

Para quem não é do Rio, o túnel da Grota Funda já foi prometido como obra prioritária pelos políticos tanto como a construção do metrô Zona Sul/Barra da Tijuca ou a revitalização da Zona Portuária.

FONTE: http://blogs.lancenet.com.br/rio2016...a-obra-comeca/
  
Julho/2010 - Pini.web

Corredor expresso de 32 km vai ligar a Barra da Tijuca a Santa Cruz, na Zona Oeste da cidade. Via utilizará sistema de BRTs (Bus Rapid Transit)

Ana Paula Rocha

A Prefeitura do Rio iniciou no dia 8 de julho as obras da Transoeste, corredor expresso de 32 km que ligará a Barra da Tijuca a Santa Cruz, na Zona Oeste da cidade. Com investimento de R$ 692,1 milhões, a via integra, ao lado da Transolímpica e da Transcarioca, o projeto de preparação viária do Rio de Janeiro para a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

Estação da Transoeste

A Transoeste terá 30 estações de BRTs (Bus Rapid Transit), corredor de ônibus articulado com linhas expressas e paradoras. Um dos trechos mais críticos da obra será a abertura do túnel da Grota Funda.

A obra será dividida em três lotes que serão executados simultaneamente, sendo os dois primeiros sob responsabilidade da Odebrecht e o terceiro da Sanerio. No Trecho 1 (Avenida das Américas entre o Terminal Alvorada e Avenida Benvindo de Novaes), a via será adaptada para se tornar um corredor expresso e receber o BRT, com mudanças na sinalização e construção de dois viadutos: um no cruzamento das Avenidas das Américas e Salvador Allende e outro entre América e Benvindo de Novaes.

Já no Trecho 2 (Av. das Américas entre a Av. Benvindo de Novaes e a Estrada da Matriz, em Guaratiba) será feita a implantação das pistas laterais da Avenida das Américas, entre a Avenida Salvador Allende e Canal de Sernambetiba. Também haverá duplicação da ponte sobre o Canal e a duplicação da pista da Av. das Américas entre a Alceu de Carvalho até a Estrada do Pontal, onde será aberto o túnel da Grota Funda. Composto por duas galerias de 1.100 m, o túnel segue até o Canal do Rio Portinho. Serão criadas alças de acesso à Guaratiba, readequando as vias, tanto para as entradas de Ilha de Guaratiba quanto para as de Barra de Guaratiba. O trecho das Américas depois do túnel da Grota Funda também será duplicado até a Estrada da Matriz, em Guaratiba.

No Trecho 3 (Av. das Américas entre a Estrada da Matriz, em Guaratiba, até a Estrada da Pedra, em Santa Cruz), por fim, a via será totalmente duplicada, passando a ter três faixas por sentido.

A obra inclui ainda a restauração de 255 mil m² e a implantação de 522 mil m² de pavimento. Também serão instalados 3.650 pontos de luz, garantindo nova iluminação.

Atualmente, o trajeto Santa Cruz-Barra da Tijuca tem aproximadamente 50 km de extensão, que, de ônibus, são percorridos, em média, em uma hora e 40 minutos. Nos horários de pico, a viagem pode levar até duas horas e 30 minutos. Com a construção da Transoeste, o tempo de viagem cairá para menos de uma hora.

A obra deve ser concluída em dois anos

Perspectiva do corredor no Rio de Janeiro

Via terá 30 estações

Obra deve ficar pronta em dois anos

Fonte: http://www.piniweb.com.br/construcao...o-178581-1.asp

Início das obras do Transoeste

08/06/2010 - 

A Prefeitura do Rio iniciou na manhã de hoje, 8 de julho, as obras da Transoeste, corredor expresso que ligará a Barra da Tijuca a Santa Cruz. Com investimento de R$ 692,1 milhões, as obras também incluem a abertura do túnel da Grota Funda. A Transoeste reduzirá pela metade o tempo médio de viagem entre os dois bairros, melhorando o tráfego na Zona Oeste, e integra, ao lado da Transolímpica e da Transcarioca, o projeto de preparação viária da cidade para a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

O prefeito Eduardo Paes participou da cerimônia do início das obras ao lado dos secretários municipais da Casa Civil, Luiz Antônio Guaraná; de Obras, Alexandre Pinto; de Transportes, Alexandre Sansão, subprefeitos, representantes de associações comerciais e de moradores da região, e explicou a importância da execução desse projeto a cidade do Rio de Janeiro.

- Essa obra une as duas áreas que mais crescem e mais se desenvolvem na cidade. Será uma das principais obras do nosso governo e nossa meta é que esteja concluída em dois anos. É uma obra essencial para a população que usa o transporte público na cidade. Estamos trabalhando muito para dar um transporte de qualidade para o carioca, que a partir de agosto também será beneficiado com a implantação do bilhete único municipal com a tarifa de R$ 2,40 - destacou Paes. O prefeito ressaltou ainda que o corredor expresso não terá pedágio.

Mesmo com a implantação da Transoeste, a Serra da Grota Funda continuará em funcionamento. A Transoeste terá 32 km de extensão, 30 estações de BRTs (Bus Rapid Transit) – corredor de ônibus articulados e semelhante ao implantado em Curitiba (PR) – com linhas expressas e paradoras.

A obra será dividida em três lotes que serão executados simultaneamente: Trecho 1 – Avenida das Américas entre o Terminal Alvorada e Avenida Benvindo de Novaes, Trecho 2 – Avenida das Américas entre a Avenida Benvindo de Novaes e a Estrada da Matriz, em Guaratiba e Trecho 3 – Avenida das Américas entre a Estrada da Matriz, em Guaratiba, até a Estrada da Pedra, em Santa Cruz.

Texto: Anna Beatriz Cunha
Fotos: J.P. Engelbrecht
http://www.rio.rj.gov.br/web/guest/e...icle-id=938074

Mergulhão da Transcarioca na Barra entra na reta final

24/06/2012 - O Globo

A obra custou R$ 80 milhões e deve ficar pronta em julho

23/06/2012 - O Globo

Operários finalizam mergulhão de 670 metros de extensão na Barra: inauguração prevista para julho 

Laura Marques

Alheios aos veículos que passam sobre o asfalto da Avenida Ayrton Senna, na Barra, 350 operários trabalham há 15 meses a dez metros abaixo do nível da rua. Convivendo com calor escaldante e o barulho de máquinas pesadas, eles correm contra o tempo para finalizar o segundo mergulhão do BRT Transcarioca (corredor de transporte de alta capacidade que vai ligar a Barra ao Aeroporto Tom Jobim). Previsto para ser inaugurado no começo de julho, a via terá sentido único, em direção ao Recreio dos Bandeirantes, 670 metros de extensão e oito metros de largura.

Os automóveis poderão acessá-lo por dois pontos: no encontro das avenidas Ayrton Senna e das Américas. Na entrada, a estrutura terá duas pistas, com uma faixa de rolamento em cada uma. Na saída, há uma pista com duas faixas, na altura da Cidade das Artes.

A construção fica a 250 metros de distância do Hospital Municipal Lourenço Jorge onde, no futuro, haverá uma estação de Bus Rapid Transit (BRT) e a cerca de 600 metros do Terminal Alvorada, que já foi parcialmente reformado para receber o corredor expresso.

O custo isolado deste novo mergulhão é de R$ 80 milhões, R$ 25 milhões a mais do que foi gasto no primeiro.

Rio de Janeiro apresenta seu ônibus hibrido com tecnologia 100% brasileira

24/06/2012 - Flávia Flores / Tracel

Ônibus movidos a hidrogênio, que não emitem gases poluentes, podem estar circulando pelas ruas do Rio de Janeiro a partir da Copa de 2014.
Dirigida pelo engenheiro de produção José Lavaquial, a Tracel foi licenciada pela Coppe/UFRJ para comercializar o "H2+2", primeiro modelo de ônibus movido a hidrogênio desenvolvido no Rio de Janeiro. O protótipo do veículo estará em funcionamento durante a Rio+20, fazendo traslados entre os equipamentos usados pela conferência, na Barra da Tijuca.
O H2+2 é o único com tecnologia 100% brasileira, desenvolvida no Laboratório de Hidrogênio da Coppe/UFRJ, em parceria com a Tracel, responsável também pela criação de componentes do sistema de gerenciamento de energia. O maior benefício desse tipo de transporte é a emissão zero de poluentes no meio ambiente.
Pronto para comercialização, o H2+2 pode fazer uso de três tipos de energia: da pilha a combustível alimentada por hidrogênio; da rede elétrica, que carrega baterias de íon lítio a bordo; e da regeneração da energia cinética.
De acordo com José Lavaquial, o H2+2 é o mais econômico da categoria: “Nosso veículo consome metade do combustível dos outros ônibus a hidrogênio em operação no mundo”, garante. Para o passageiro, o primeiro grande benefício do ônibus percebido em relação àqueles movidos a diesel será o silêncio nas viagens. Além de confortável e acessível a portadores de necessidades especiais, o ônibus sustentável conta com um atrativo a mais: uma tomada em cada banco, permitindo aos passageiros conectar e recarregar seus aparelhos eletrônicos.Chefe do Laboratório de Hidrogênio da Coppe/UFRJ, o professor Paulo Emilio de Miranda conta que o H2+2 é muito eficiente "A maior inovação do ônibus está nos avançados sistemas de engenharia, desenvolvidos para o manejo eficiente da energia a bordo do veículo”.