terça-feira, 17 de julho de 2012

Um mês após inauguração, asfalto do  BRT Transoeste já apresenta buracos

17/07/2012 - R7

Calçadas de estações que nem foram inauguradas estão desniveladas
  
Jadson Marques

Veja a galeria completa

Na estação Pingo D'água, em Guaratiba, motoristas precisam desviar de buraco
 
Com pouco mais de um mês de uso, o corredor exclusivo de ônibus Transoeste, que liga Santa Cruz à Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio, já começa a mostrar desgaste no asfalto e na calçada das estações.

A pista já ostenta grandes buracos, falhas provocadas por obras de concessionárias e muitas pedras soltas. Em alguns pontos, como na estação Pingo D´água, em Guaratiba, foram encontradas situações piores. Na saída do terminal, há um enorme buraco.

O corredor se tornou uma decepção para usuários como o motorista Edson Silva Guedes, de 48 anos, que costuma embarcar no BRT da estação de Santa Cruz. Edson já percebeu que o material usado está se deteriorando muito rápido.

Confira também

Novo corredor de ônibus tem superlotação e falta de calçadas

Após denúncia do R7 e atropelamentos, campanha alerta carioca para uso correto do BRT da Transoeste

Candidatos à Prefeitura do Rio apostam em trens e metrô para desafogar trânsito carioca
— A obra é recém-inaugurada, mas já está cheia de buracos. Em menos de dois meses de uso, o asfalto está se desfazendo.
Transoeste já apresenta buracos um mês após inauguração

Passageiros de corredor de ônibus sofrem com superlotação

E os buracos não estão somente no asfalto. Na estação Mato Alto, em Campo Grande, que ainda nem foi inaugurada, a calçada já está desnivelada e há fios saindo de um poste em direção à estação, numa espécie de gambiarra.

Outro lado

A Secretaria Municipal de Obras informou, por meio de nota, que vai verificar os casos relatados pela reportagem, mas ressaltou que as intervenções ao longo do corredor expresso e em suas estações ainda estão em andamento e seguem até setembro, quando todo o projeto estará em operação.

Ainda de acordo com a secretaria, por contrato, a empresa executora das obras deve providenciar os reparos necessários sem custos adicionais à Prefeitura do Rio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário