terça-feira, 14 de junho de 2011

Prefeitura do Rio aposta nos ônibus expressos para a Copa de 2014

14/06/2011 - G1 RJ, Aluizio Freire
Projeto de corredores expressos (BRT) se destaca entre as obras.

Para especialistas, investimentos em metrô e trens seriam melhor opção.

Dois corredores de ônibus e a ampliação de uma linha do Metrô são os principais projetos do Rio de Janeiro para melhorar a mobilidade urbana para a Copa do Mundo de 2014. Mas parte das obras dos corredores não foi licitada e a construção da nova linha do Metrô aguarda liberação do Tribunal de Contas da União (TCU). A cidade prevê investir cerca de R$ 4,6 bilhões nos três projetos. Outras obras serão executadas até as Olimpíadas de 2016. (Veja detalhe das obras abaixo)

Tanto o representante do governo do estado quanto da prefeitura se mostram tranquilos com os prazos e o legado que será deixado pelas obras para os cidadãos. “Com essas mudanças, vamos dar um novo conceito na mobilidade urbana do estado”, afirma o secretário estadual de Transportes, Júlio Lopes.

OBRA

DESCRIÇÃO

CUSTO

PÚBLICO

FINANCIAMENTO

ANDAMENTO

TransOeste BRT (Bus Rapid Transit) 

Corredor expresso de ônibus de 56 km entre Jardim Oceânico, Campo Grande e Santa Cruz 

R$ 800 milhões 

Cerca de 220 mil pessoas por dia 

Orçamento do município 

Projeto dividido em cinco lotes. Lotes 1, 2 e 3 em obras. Lote 4 está em licitação. Lote 0 deve ser licitado em 2011


TransCarioca BRT (Bus Rapid Transit) 

Corredor de 39 km entre Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional do Rio. 

R$ 1,3 bilhão



Cerca de 500 mil pessoas por dia



Governo Federal, com recursos do BNDES



Obras do Lote 1 em execução.
Lote 2 em licitação



Metrô
Linha 3 

Terá 23 km entre Niterói e São Gonçalo 

R$ 2,5 bilhões



Cerca de 350 mil pessoas por dia



Governo do estado, com apoio do Governo Federal e prefeituras 

Segundo a Setrans, início das obras dependem da revisão de documentos pelo Tribunal de Contas da União (TCU)


Os corredores de ônibus planejados para a cidade são do sistema BRT (Bus Rapid Transit), batizados de TransCarioca e TransOeste. Com 39 quilômetros de extensão, a TransCarioca vai ligar a Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional, na Ilha do Governador. Já a TransOeste, formará um corredor expresso de 56 quilômetros do Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca, a Campo Grande e Santa Cruz.

De acordo com a Secretaria Municipal de Transportes, já foi iniciada a construção do primeiro lote da TransCarioca e estão em andamento as obras dos chamados mergulhões (passagem subterrânea) de Campinho, no subúrbio, da Avenida Ayrton Senna, na Barra, e a ampliação do viaduto Negrão de Lima, em Madureira.

Simulação de implantação de trecho do BRT no Rio
de Janeiro (Foto: Divulgação)

Segundo ainda a secretaria, o traçado da TransOeste, dividido em cinco lotes, começa no lote 0, próximo à Linha 4 do metrô que está sendo construído pelo Governo do Estado, também na Barra. O corredor não terá pedágio e a Serra da Grota Funda, via usada pelos ônibus tradicionais, continuará em funcionamento.

A expectativa é que o túnel da Grota Funda, considerada a etapa mais importante da implantação do corredor expresso, seja inaugurado ainda no segundo semestre de 2011.

A Prefeitura estima que o investimento total das obras seja de R$ 800 milhões, beneficiando cerca de 220 mil pessoas por dia.

O planejamento prevê que as obras da TransCarioca e TransOeste sejam concluídas em 2012.
“Esses corredores representam uma quebra de paradigma, com transportes de maior qualidade e de alta capacidade”, afirma o secretário de Obras do município, Alexandre Pinto.

O governo do estado garante que em 2014 começa a funcionar a Linha 3 do Metrô, ligando as cidades de Niterói e São Gonçalo, na Região Metropolitana. A via terá extensão de 23 quilômetros com capacidade para atender 350 mil pessoas.

Olimpíadas de 2016

A capital fluminense também enfrenta o desafio de preparar a recepção de atletas e turistas que receberá durante as Olimpíadas de 2016 e planeja investimento em mais corredores e outra etapa de ampliação do transporte sobre trilhos.

Dentro do conjunto de obras para formação de corredores expressos, ainda estão previstas as construções da TransOlímpica e a TransBrasil, que devem ser concluídas no início de 2016.

A obra da TransOlímpica terá 26 quilômetros entre Recreio dos Bandeirantes e Deodoro (São 20 quilômetros de eixo principal, 3 quilômetros adicionais (BRT), 1,5 quilômetro de túnel por sentido e 1,39 quilômetro entre pontes e viadutos. A expectativa é transportar 100 mil passageiros por dia. O investimento estimado é de R$ 1,4 bilhão.

Já a TransBrasil, será formada por 31 quilômetros (traçado de Deodoro ao Centro, com integrações metropolitanas - Via Dutra e Rodovia Washington Luiz; e com os BRTs TransCarioca e TransOlímpica. A previsão é transportar 900 mil passageiros diariamente.

Trens e metrô

O governo do estado também propõe melhorias no sistema metroviário do Rio com investimentos de R$ 300 milhões. De acordo com a Secretaria estadual de Transportes (Setrans), foram comprados 114 novos carros. Os equipamentos, que totalizam 19 trens, aumentam a frota em 63%.

Com previsão de conclusão para 2015, está em andamento as obras da Linha 4 do Metrô, com extensão até a Barra, passando pelos bairros de São Conrado, Gávea, Leblon e Ipanema.

Os investimentos também estão sendo direcionados para os trens da Supervia. Segundo a Setrans, já foram adquiridos 30 novos trens chineses, todos com ar-condicionado e moderno equipamento de tração, que começam a ser entregues nos próximos meses. O governo afirma ainda que está preparando uma nova licitação para a compra de mais 60 composições.

Especialistas avaliam projetos
Na avaliação do professor de engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Fernando MacDowell, faltou planejamento mais elaborado de mobilidade urbana para a Copa do Mundo de 2014 e para as Olimpíadas de 2016.

O Rio é o lugar que mais ônibus tem. Estão perdendo a oportunidade de adotar um sistema que pode ser implantado com uma obra rápida, mais barato e com grande capacidade de transporte de massa" - Fernando MacDowell, professor de engenharia da UFRJ

Ele defende o aeromóvel como o sistema que poderia ser adotado em todas as 12 cidades que irão sediar os jogos da Copa. O aeromóvel é um transporte urbano automatizado, movido a ar, de concepção brasileira.

O modelo está sendo implantado em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, para ligação entre o Aeroporto Salgado Filho e as estações de trens da capital gaúcha. Segundo o engenheiro, o legado que será deixado pela Prefeitura do Rio será apenas ônibus. “O Rio é o lugar que mais ônibus tem. Estão perdendo a oportunidade de adotar um sistema que pode ser implantado com uma obra rápida, mais barato e com grande capacidade de transporte de massa”, garante.

O presidente do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio (Crea-RJ), Agostinho Guerreiro, concorda. “O que se esperava era investimentos em transportes sobre trilhos, como acontece nas grandes metrópoles. Ônibus seria uma alternativa complementar. Eu acho que nós tivemos a possibilidade de ganhar as Olimpíadas porque o BRT é mais fácil de construir. Mas é um paliativo. BRT é bom para cidade de porte médio, e não grande como Rio”, afirma.

Guerreiro acrescenta que haverá alguma melhora, mas ainda aquém do que deveria. “Corredor exclusivo ajuda, mas vamos continuar tendo problemas de poluição, alagamento das chuvas, acidente com ônibus. Não vamos dar um salto de qualidade que seria com uma rede dos metrôs. Melhoramos, mas ficamos abaixo do que seria o ideal para as regiões metropolitanas”, conclui.

Construção de extensão do Metrô do Rio de Janeiro (Foto: Henrique Freire/Divulgação)

Nenhum comentário:

Postar um comentário