sábado, 9 de junho de 2018

Braso Lisboa

Empresa de Transportes Braso Lisboa Ltda.
Desde 1947 

Resumo Histórico

A Empresa inicia suas operações no dia 3 de junho de 1947, com frota de 6 micro-ônibus, na Linha 26 (Candelária - São Januário). A inauguração foi até antecipada pelo Departamento de Concessões, em função da realização do Campeonato Sulamericano de Basketball no estádio do Club de Regatas Vasco da Gama.  A linha, com seção única e tarifa de Cr$ 0,80, era operada com carros de capacidade para 26 passageiros sentados, com o seguinte itinerário:

Praça da Candelária, Presidente Vargas, Visconde de Itaboraí, Primeiro de Março, Conselheiro Saraiva, Praça Mauá, Rodrigues Alves, rua São Cristóvão, Figueira de Melo, Campo de São Cristóvão, São Luiz Gonzaga, Largo da Cancela, São Januário, Dom Carlos, Rua Abílio, até a rua Ferreira de Araújo, junto ao Estádio do Vasco da Gama. 

Em 1948, a linha 26 (Candelária – São Januário)  é prolongada até Triagem. Na mesma época, desmembrada da Linha 26, é criada a segunda linha da Empresa, a 25 (Candelária-Triagem) via Presidente Vargas.

Em 1950, as duas linhas da empresa, 25 (Triagem - Candelária) via Presidente Vargas, e 26 (Triagem - Candelária) via Rodrigues Alves, eram exploradas com 4 carros cada uma, sendo a linha 25 com carros novos.  

Em 1951, a Viação Oriental (antiga), com a Linha 130,  inaugura o serviço Triagem – Leme, com frota de apenas 4 carros. No ano seguinte a linha passa a ser explorada pela Braso Lisboa.


Micro-ônibus da Linha 26 (Candelária - Triagem), provavelmente um dos primeiros carros da empresa, fotografado em 1952

Em 1951 a linha 25 (Triagem-Candelária) é prolongada até o Aeroporto Santos Dumont. Nas horas de menor movimento, a linha fazia ponto final na rua do Passeio.

Em 1952 a Braso Lisboa assume a operação das linhas 30 ( São Januário – Tiradentes) e 130 (São Januário – Leme) da Viação Oriental, transferindo seus pontos finais para Triagem. Com a manobra, a Linha 26 (Triagem – Candelária) é extinta. A  Linha 30, também com vida curta, é extinta por volta de 1955. 

Com o fim das linhas 26 e 30, a Empresa fortalece  a operação das linhas 25 (Triagem-Lapa) e 130 (Triagem-Leme).

Por volta de 1953, a linha 25 (Triagem-Aeroporto) ganha a vista 25 (Triagem-Lapa).

Em 1956, num ambicioso plano de expansão, a Empresa adquire 43 novos ônibus, planejando adquirir mais 50.

Em julho de 1956, a empresa Colúmbia Auto Ônibus solicita o prolongamento da Linha 119 (Campo de São Cristóvão – Leblon) até a Praça Carmela Dutra, na Barreira do Vasco, entrando em concorrência direta com as duas linhas da Empresa: 25 (Triagem – Aeroporto) e 130 (Triagem -Leme).

No dia 7 de setembro de 1956,  é inaugurado o viaduto Ana Neri, cuja construção foi iniciada em 1946. Dias depois a linha 25 (Triagem-Lapa) é mais uma vez prolongada,  desta vez nas duas extremidades, transformando-se em linha diametral, ou "dupla", com a vista 25 (Jacaré - Ipanema). Até então o bairro do Jacaré só era servido pela Viação São Jorge. A Linha 25 fazia ponto final na rua Magalhães Castro, no bairro do Riachuelo, não podendo atingir o Largo do Jacaré, considerada área exclusiva da Viação São Jorge.


Linha 25 na Avenida Graça Aranha. Catálogo da Fábrica de Carrocerias 
Metropolitana de 1960


Linha 25 (Jacaré - Ipanema) na Praia do Flamengo, em 2 de fevereiro de 1962. Foto Arquivo Nacional, acervo Correio da Manhã.


Carro modelo Cermava Urbano ano 1964, montando sobre chassi da Mercedes Benz do 
Brasil MBB LP-321, no aterro do Flamengo em 1965. Foto Antonio Augusto dos Santos



Linha 474 (Jacaré - Jardim de Alá), no aterro do Flamengo em 1965. Carro modelo Metropolitana "Papafina" ano 1958, montando sobre chassi Mercedes Benz do 
Brasil MBB LP-321. Foto Antonio Augusto dos Santos


Linha 474 (Jacaré - Jardim de Alá) em 1965, na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, esquina com rua Bolívar, em frente ao Supermercado Merci. Carro modelo Metropolitana Guanabara ano 1961. Foto: Augusto Antonio Dos Santos/Ponto de Ônibus

Em 1966, a linha 472 (Triagem-Leme) tem seu itinerário alterado, seguindo pela Praia do Flamengo, em vez do Aterro.

Avenida Alfred Agache em julho de 1966

Linha 472 (Triagem - Leme) na Avenida Atlântica, na década de 1960. 
Carro modelo Metropolitana.

Em julho de 1971, a linha 474 (Jacaré – Jardim de Alá) era operada com cerca de 40 ônibus.

Em 1972, a Braso Lisboa adquire a concessão da Linha 209 (Caju – Praça XV) da Auto Viação Caju. A Empresa passa então a operar 3 linhas:

209 (Caju – Praça XV)
472 (Triagem – Leme)
474 (Jacaré-Jardim de Alá)


Linha 472 (Triagem-Leme) na Avenida Atlântica, em 1973

No dia 17 de janeiro de 1976, desmembrada da Linha 474, é criada a linha 475 (Triagem-Jardim de Alá), via túnel Santa Bárbara, com 10 carros. 

Em abril de 1976, é inaugurada a linha 473 (Triagem – Leme) via túnel Rebouças, com frota de 10 carros, sendo 6 novos e 4 transferidos da Linha 472 (Triagem – Leme). A Linha 473 tinha tarifa de Cr$ 1,40, trinta centavos a menos que a linha 472. 

Em setembro de 1976, a empresa contava com 111 ônibus e 230 motoristas.

Por volta de 1977 é inaugurada a linha 674 (Jacaré – Caju), extinta por volta de 1990.

Linhas da Empresa em dezembro de 1979:

209 (Praça XV - Caju)
472 (Triagem - Leme)
473 (Triagem – Leme), via túnel Rebouças
474 (Jacaré – Jardim de Alá), via Aterro
475 (Jacaré – Jardim de Alá), via túnel Santa Bárbara
674 (Jacaré - Caju)

Em 1982, a Linha 473 era operada com 13 ônibus.



Dados Operacionais da Empresa em dezembro de 1982:

Frota autorizada: 130
Linhas em operação: 6
Passageiros/mês: 2.290.795


Fonte: "Transporte Urbano Rodoviário na Cidade do Rio de Janeiro". Superintendência Municipal de Transportes urbanos. 1982, dezembro.


Em abril de 1987, por determinação da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), que atendeu à reivindicação da Associação de Moradores e Amigos de São Cristóvão, é inaugurada a linha  circular 672 (São Januário – Maracanã) via Praça da Bandeira, com intervalos de 15 minutos e frota de 2 ônibus Ciferal. A linha no entanto  teve vida curta, sendo desativada em fevereiro de 1988, em função da baixa demanda.

Em dezembro de 1987, é alterado o itinerário da linha 475 (Jacaré-Leblon) via túnel Santa Bárbara, que passa a seguir  pelo túnel Rebouças. A linha é desativada por volta de 1990.

Em 1989, a Braso Lisboa assume a operação da linha 461 (São Cristóvão – Ipanema) via túnel Rebouças, até então explorada pela CTC.

Em setembro de 1990, a Linha 473 (Triagem – Leme) é transformada em circular, deixando de fazer ponto final na praça Júlio de Noronha no Leme, passando a retornar na avenida Princesa Isabel, ganhando então a vista 473 (Triagem-Lido).

Em 1991, no dia 9 de novembro, é inaugurada a Linha 476 (Engenho Novo – Jardim de Alá) via túnel Rebouças, mais tarde prolongada até o Meyer.
O Globo, Jornais de Bairro, 27/11/1991

A partir do dia 15 de março de 1992, a Secretaria Municipal de Transportes proíbe a circulação de ônibus nas orlas de Copacabana, Ipanema e Leblon. Com a medida, a Linha 473 é transferida pra avenida Nossa Senhora de Copacabana.

No dia 28 de março de 1992, são inauguradas as linhas de micro-ônibus 502 (Leblon – Rio Sul) via Lagoa e 503 (Leblon – Rio Sul) via praça General Osório, operadas em “pool” pelas empresas Braso Lisboa, Verdun, São Silvestre e Estrela Azul, cada uma com 5 carros. O serviço, com poltronas mais confortáveis e música ambiente, tinha tarifa seletiva de Cr$ 1.060, contra a tarifa de Cr$ 300 do ônibus comum.


O Globo, Jornais de Bairro, 25/05/1992


Por volta de 1993, a Linha 740D (Charitas - Leme) é reativada em "pool" pelas empresas Braso Lisboa e 1001. A linha tinha sido inaugurada em 1991 pela 1001, sendo sua permissão logo cassada pela Secretaria Estadual de Transportes, em função de irregularidades no edital de concorrência para sua exploração.

No dia 2 de dezembro de 1995, início da operação das duas linhas  de microônibus seletivos batizados de Lagoa Orla, S-504 e S-505, entre a Gávea e o centro comercial Rio Sul, operadas em “pool”,  pelas empresas Vila Isabel, São Silvestre, Estrela Azul, Braso Lisboa, Alpha, Verdun e Real, com veículos modelo Carolina, em maioria, e Senior G4,  com tarifa de R$ 1,45, quase três vezes o valor da tarifa de ônibus convencional. Em março de 1996, as duas linhas, com frota de 16 veículos, com 15 assentos cada, transportavam uma média de 2.100 passageiros/dia.

Em 1998, segundo o Anuário Estatístico da Cidade do Rio de Janeiro, a linha 474 (Jacaré – Jardim de Alá)  era a mais carregada do sistema de ônibus municipal, transportando nesse ano 10.940.961 passageiros.

Em 1999, a empresa contava com 195 ônibus.

Em maio de 2006, entram em circulação 15 novos carros modelo Caio Apache Vip MBB OF-1418, com nova pintura da empresa.

Em junho de 2007, a empresa Braso Lisboa inaugura a operação de novos ônibus modelo Neobus Spectrum City na linha 740D (Charitas – Leme), com tarifa de R$ 3,80.

Em outubro de 2007, visando fazer concorrência às vans, a empresa Braso Lisboa implanta a linha Charitas – Leme com ônibus rodoviário, com poltronas reclináveis, mas com a mesma tarifa dos ônibus convencionais (R$ 3), contra R$ 4,50 das Vans. A linha era operada em “pool” com a Viação 1001 que operava com ônibus convencionais. Em 2010, o Detro autoriza o prolongamento da linha intermunicipal 740D (Charitas-Leme) até Ipanema. No dia 7 de dezembro, a linha tem o itinerário alterado, passando a fazer ponto final na Avenida Afrânio de Mello Franco, em frente à sede da AABB.

No dia 21 de fevereiro de 2011, inauguração do corredor BRS (Bus Rapid System) da Avenida Nossa Senhora de Copacabana. Em função do novo corredor, são inauguradas novas linhas como serviços parciais, entre elas a 475 (Jacaré - Prado Junior) parcial da linha 474 (Jacaré – Jardim de Alá). 

Linhas da Empresa em dezembro de 2015, após o processo de “racionalização” da Secretaria de Transportes:

209 (Estácio – Caju) via São Cristóvão, circular
210 (Caju - Candelária) circular
461 (São Cristóvão – Ipanema) via túnel Rebouças, circular
472 (Triagem – Leme) via túnel Velho, “pool”
473 (São Januário – Siqueira Campos) via túnel Rebouças
474 (Jacaré – Jardim de Alá) via túnel Santa Bárbara, circular
475 (Prado Junior - Meyer)
476 (Leblon - Meyer) 
Integrada 2 (Rio Sul – Alvorada) via Sernambetiba, “pool”
503 (Alto Leblon – Gávea PUC), “pool” com a Transportes São Silvestre

Em 2016,  no dia 21 de novembro, são realizadas alterações em 4 linhas: 472 (Triagem x Leme via Túnel Velho), SV472 (Triagem x Leme via Rio Sul), 473 (São Januário x Siqueira Campos) e 474 (Jacaré x Copacabana):  A linha 472 é renumerada para 471, passando a fazer ponto final na Rua Siqueira Campos. A  linha  SV472 é renumerada para 472. A Linha 473 tem o itinerário prolongado até o Lido, deixando de fazer ponto final na Rua Siqueira Campos. Na linha 474, é criado o serviço variante SV474 via Túnel Marcello de Alencar.

Linhas da Empresa em 2018:

209 (Estácio – Caju) via São Cristóvão, circular
210 (Caju - Candelária) circular
275 (Meyer – Candelária) circular, antiga 475
441 (Caju - Siqueira Campos) via São Cristóvão/túnel Rebouças),  só em horários de pico
441 (Caju - Siqueira Campos) via São Cristóvão/túnel Rebouças)   
445 (Morro do Alemão – Copacabana) via túnel Santa Bárbara,  só em horários de pico 
461 (São Cristóvão – Ipanema) via túnel Rebouças, circular
471 (Triagem – Siqueira Campos) via túnel Velho
472 (Triagem – Leme) via Rodoviária / Praia do Flamengo  
473 (São Januário – Lido) via túnel Rebouças
474 (Jacaré – Copacabana) via túnel Santa Bárbara, circular
SV 474 (Jacaré – Copacabana) via Perimetral
476 (Méier - Leblon) via túnel Rebouças,  circular
503 (Alto Leblon – Gávea)
583 (Cosme Velho – Leblon), via Jockey, circular
740D (Charitas – Copacabana), via Perimetral
2740D (Charitas – Copacabana), Tarifa “A”
Integrada 3 (Botafogo – Alvorada), antiga 548
Troncal 2 (Jardim de Alá – Rodoviária), via Lapa, em “pool”
Troncal 10 (Jardim de Alá – Cruz Vermelha), via Jardim Botânico/Lapa, em “pool”
SP513 (Urca – Fonte da Saudade), em "pool" com a Gire.


Em 2018, no dia 6 de maio, após o encerramento das atividades da Viação Rubanil, em “pool” com a Transportes Estrela S.A, assume a operação da Linha 350 (Passeio – Irajá).

Em 2018, no dia 5 de novembro, inaugura a operação dos novos ônibus Caio Apache Vip IV e da nova pintura da Empresa

Estréia da nova pintura da Empresa em 05/11/2018, na Linha 461 (São Cristóvão - Ipanema) via túnel Rebouças


Prefixo da Frota: 29 000, a partir de 1959

Sedes da Empresa: 

Rua Costa Lobo, 405, Benfica
Rua Lino Teixeira, 432 (Largo do Jacaré), Sampaio, a partir de 27 de abril de 1970.
Avenida Suburbana, 4630
Avenida Automóvel Clube, 3.700, Engenho da Rainha, a partir de 1994.


REFERÊNCIAS:

“Aviso ao Público”. Jornal do Brasil. 1947, junho, 3. Página 9.

“Com a Prefeitura o serviço de trânsito”. Diário de Notícias. 1948, maio, 18. Página 4.

"Vamos acabar com isso ?". O Jornal. 1950, junho, 27. Página 8.

RIBEIRO, Moacir Torres Dias. "Vítima da demagogia". Tribuna da Imprensa. 1951, dezembro, 4. Página 4.

“Esfaqueado no interior da garagem da Braso”. Diário Carioca. 1952, setembro, 28. Página 6.

"Atropelada e morta por ônibus". O Jornal. 1954, fevereiro, 20. Segunda Seção, página 6.

"Alguns exemplos eloquentes". Voz Operária. 1956, agosto, 4. Página 11.

“Concorrência e tarifas”. Diário da Noite. 1956, julho, 11. Primeira Seção, página 6.

"A rua é nossa". O Jornal. 1956, outubro, 12. Segunda Seção, página 4.

"Passageiros feridos no choque do ônibus". Jornal do Commercio. 1959, março, 11. Primeiro Caderno, página 7.

“Empresa de Transportes Braso Lisboa Ltda.”. Jornal do Brasil. 1970, abril, 24. Primeiro Caderno, página 14.

“O Drama do fim da linha”. O Globo. 1971, julho, 24. Geral, página 9.

“Motoristas são poucos para os ônibus do Rio”. O Globo. 1976, setembro, 19. Matutina, Rio, página 25.

“São Cristóvão”. Jornal do Brasil. 1988, abril, 15. Cidade, página 4.

“Leme protesta contra mudança do ponto do 473”. O Globo. 1990, setembro, 10. Jornais de Bairro, página 7 

“Linha 476 liga o Engenho Novo ao Leblon em 35 minutos”. O Globo. 1991, novembro, 27. Matutina, Jornais de Bairro, página 3

“Ônibus deixam de circular na orla do Leme ao Leblon”. O Globo. 1992, março, 15. Matutina, Rio, página 14.

“Microônibus da orla vazios na primeira semana”. O Globo. 1992, abril, 6. Jornais de Bairro, página 5.

“Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Projetos Especiais”. Jornal do Commercio. 1994, julho, 29. Página 15.

“Abastecimento no Rio recomeçou ontem”. Jornal do Brasil. 1999, julho, 30. Cidade, página 18.


Marcelo Almirante
Página lançada em 8 de junho de 2018










Nenhum comentário:

Postar um comentário