quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Prefeitura de Maricá pretende ampliar coletivos com tarifa zero

21/01/2015 - O Fluminense

Segundo a prefeitura, foram 688 viagens  e mais de 86 mil km percorridos pelo programa tarifa zero. Foto: Divulgação / Fernando Silva
Após um mês de instalação do programa na cidade o prefeito Washington Quaquá fez um balanço positivo do funcionamento da autarquia responsável pelos ônibus

O Prefeito de Maricá, Washington Quaquá, apresentou nesta terça-feira, no auditório do Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU), na Mumbuca, um balanço do primeiro mês de funcionamento da Empresa Pública de Transportes (EPT), autarquia municipal cuja frota de dez ônibus gratuitos vem rodando desde o dia 18 de dezembro, 24h por dia, sete dias por semana, com tarifa zero. As duas linhas percorrem toda extensão da cidade – de Ponta Negra ao Recanto de Itaipuaçu. O resultado comprova, segundo Quaquá, não só a aceitação do serviço, como o entendimento pela população de que a tarifa zero tornou-se uma ferramenta de resgate da cidadania através da mobilidade.

"Em 28 dias de operação nós transportamos 201.571 passageiros", comemorou o prefeito.

De acordo com a prefeitura, foram 688 viagens  e mais de 86 mil km percorridos, em um modelo pioneiro para cidades com mais de 100 mil habitantes.

"Maricá é o município brasileiro com o maior número de habitantes a adotar a tarifa zero. Assim como educação e saúde gratuitas, transporte público é um direito do cidadão, respaldado na Constituição Federal", avaliou o prefeito.

"As empresas privadas se apropriaram desse serviço, público em essência, e, em Maricá, monopolizaram e controlaram o setor por mais de 40 anos, prejudicando o direito de ir e vir das pessoas", declarou Quaquá, lembrando que o custo de instalação da EPT é atraente também por conta da economia gerada aos cofres públicos. Mensalmente, em torno de R$ 400 mil em vales-transportes deixarão de ser pagos pela Prefeitura às empresas de ônibus, agora que os funcionários dispõem de transporte gratuito para ir e voltar do trabalho. O valor economizado corresponde a pouco mais de 50% do custo total de operação.

Outros benefícios são indiretos, mas igualmente significativos e de longo prazo. "A adoção da tarifa zero propiciou maior movimento ao comércio local. As lojas já começaram a fechar mais tarde porque agora existe ônibus rodando em qualquer hora do dia ou da noite, o que garante o retorno para casa", acrescentou o prefeito, anunciando a meta para 2016 de ampliação da oferta, com a circulação de 16 ônibus somente na principal linha (Recanto de Itaipuaçu - Ponta Negra), que atende a 70% da população.

A Prefeitura também planeja comprar 20 micro-ônibus elétricos, que não emitem CO2, para completar a frota como alimentadores dos troncos principais, além de integrar o transporte alternativo com vans ao sistema. "Com isso, atenderemos a todos os bairros e garantiremos ainda mais a mobilidade da população", completou, garantindo que não haverá recuo. "É como Saúde e Educação, trata-se de um direito básico de todos", concluiu.

Também presente no evento, a deputada estadual Rosângela Zeidan destacou o papel integrador do transporte gratuito, que permite ao morador do próprio município conhecer outros pontos da cidade onde reside.

"Mais do que transportando pessoas, o transporte gratuito está transformando a vida do maricaense e provando que é possível oferecer qualidade", afirmou, garantindo que levará para a Assembleia Legislativa a experiência de Maricá como ponto de partida de uma rediscussão da questão das concessões no serviço de transporte público em todo o estado.

"Farei isso de forma que possam ser implantadas novas empresas públicas como a EPT em outras cidades do país", salientou. O Presidente da EPT, Luiz Carlos dos Santos, chamou a atenção para a quebra de um paradigma. "Estamos provando que transporte público é uma conquista do povo, e isso me faz acreditar que podemos ter uma sociedade mais justa, já que a mobilidade é inclusão social e redução das desigualdades entre pobres e ricos", concluiu.

Com a implantação da EPT, Maricá é a terceira cidade no estado (as outras são Porto Real e Silva Jardim) e a primeira com mais de 100 mil habitantes a oferecer a tarifa zero. As quatro primeiras linhas saem do Recanto para Ponta Negra e vice-versa (via Manoel Ribeiro e Cordeirinho) e funcionam 24 horas, inclusive nos finais de semana. As linhas municipais passam pelos terminais rodoviários do Centro e de Itaipuaçu e atendem também as principais escolas e unidades de saúde do município, inclusive nos bairros que até então não eram atendidos pelas empresas, como o Retiro.


O Fluminense

Nenhum comentário:

Postar um comentário