segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Melhoria nos transportes: 2015 pode ser o ano da mobilidade em São Gonçalo

04/01/2015 - O Fluminense

Há dois anos no cargo, o prefeito de São Gonçalo, Neilton Mulim da Costa, já pode olhar pra trás e dizer o que mudou na cidade de 1,9 milhão de habitantes. O professor de matemática não imaginava que, antes de assumir, já teria muito trabalho a fazer e retribuir os mais de 200 mil votos que recebeu na cidade. Seu principal objetivo era reorganizar o setor da saúde, tido como prioridade em seu governo. Em entrevista exclusiva a O FLUMINENSE, Neilton fala sobre os setores de saúde, mobilidade urbana e transportes, bem como sobre os projetos para mais dois anos à frente da prefeitura.

O prefeito faz uma boa avaliação do seu governo à frente da cidade. Segundo ele, o processo de melhora é gradual, mas segundo ele já dá para ver os resultados.

"Temos a consciência que ainda temos muito trabalho pela frente. Mas olhar para esses dois primeiros anos e reconhecer que avançamos é muito importante. Assumimos a responsabilidade de tornar a gestão pública humanizada, nosso foco não é apenas desenvolver indicadores econômicos, mas também e, prioritariamente, o desenvolvimento humano de nossa cidade. Temos certeza que dessa forma colocamos São Gonçalo no caminho de crescimento e de responsabilidade para com a gestão dos recursos públicos e melhorias significativas que afetam diretamente a vida dos gonçalenses".

Vista como prioridade, a saúde tem sido alvo de críticas da população nos últimos anos. O prefeito reconhece o problema, mas explica que o setor avançou e diz que, para este ano, novos investimentos deverão complementar a demanda da área.

"Ainda temos muito o que melhorar, mas temos progressivamente melhorado nossos equipamentos de saúde. A melhoria dos dispositivos da atenção básica é fundamental. Saúde é prevenção, é ter diagnóstico precoce. Este ano foram inauguradas Unidades de Saúde Básica em Guaxindiba, Mutuá, Bom Retiro, Jardim Catarina (Ipuca) e Santa Luzia. Todas contam com consultórios de clínica médica, odontologia e ginecologia. Hoje, 462 pacientes são beneficiados com os atendimentos domiciliares do Melhor em Casa no município de São Gonçalo", explica Neilton que também espera para o próximo ano inaugurar as duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) prometidas à população e em fase de construção.

Com mais dois anos pela frente, na administração da cidade, o prefeito está otimista e garante já ter recursos no valor de R$ 480 milhões para obras de pavimentação e drenagem, além de projetos de mobilidade urbana, com a construção de BRTs.

"As expectativas são as melhores possíveis. O volume de investimentos do Governo Federal que conseguimos com planejamento e muito trabalho já somam R$ 171 milhões para drenagem e pavimentação de ruas já liberados, mais R$ 9 milhões para os estudos do projeto BRT já liberados, aguardando a Caixa Econômica para o início do processo licitatório. Na área de mobilidade urbana tivemos o volume de R$ 300 milhões para o BRT", contabiliza Mulim falando ainda sobre os empregos gerados por uma fábrica a ser instalada na cidade nos próximos anos.

"Teremos a vinda da fábrica da DeMillus, que irá gerar cerca de mil empregos diretos, atraindo ainda mais investimentos em infraestrutura e mobilidade urbana, e a perspectiva de desenvolvimento para toda a área onde a unidade irá se instalar", diz.

Aliado político de Anthony Garotinho, Mulim garante que mesmo sem ser da base do atual governador Luiz Fernando Pezão, a cidade de São Gonçalo está recebendo os investimentos necessários.

"Se um projeto tem planejamento técnico e é de interesse público, não pode haver impedimentos partidários que impeçam sua aprovação e se sobreponham aos interesses públicos. Por isso, temos trabalhado com muita técnica e responsabilidade a fim de que os recursos venham. E o resultado é que os investimentos estão vindo", garante Mulim.

Uma das promessas de campanha de Neilton quando candidato foi unificar a passagem dos ônibus do município ( hoje R$ 2,80) para R$1,50. Mas, somente as vans que circulam no município foram contempladas com a iniciativa. O prefeito argumenta que o projeto foi rejeitado pela Câmara dos Vereadores.

"No início de nossa gestão encaminhamos a mensagem à Câmara com a proposta para a implantação do projeto que reduziria a passagem para 1,50. Inicialmente, não conseguimos aprovação. Então começamos a estudar outros meios que pudessem viabilizar a redução. O transporte complementar se apresentou como a melhor opção", explica o prefeito ressaltando que até o final de janeiro novas concessões serão dadas aos motoristas de vans da cidade.

"Até o momento nós temos 36 linhas diferentes, esperamos que até o final de janeiro o número seja ampliado para 64 destinos diferentes e tenhamos o total de 400 condutores, para completar os bairros ainda não atendidos", finaliza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário