quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Viagem no ‘Transaperto’

30/10/2014 - O Globo

Tudo é breu no bairro de Santa Cruz, Zona Oeste do Rio. São 5h da manhã e as ruas estão às moscas. O cenário muda quando me aproximo do terminal do BRT, primeira de 35 estações rumo à Barra da Tijuca. O sol ainda não nasceu, mas o lugar de onde partem os primeiros ônibus do corredor expresso já está apinhado de gente. É lá, a 60 quilômetros de distância do Centro, que começa minha jornada para testar o sistema que transporta, todos os dias, 400 mil cariocas.

Caminhar no estreito espaço entre as roletas de acesso e a plataforma de embarque é penoso, tamanho o número de pessoas. Entrar no ônibus exige destreza: a multidão se lança sobre as portas num arranque só, todos se acotovelando e se jogando uns sobre os outros, como se o mundo fosse acabar. Isso na fila dos que não se importam em viajar em pé. Na outra, de quem deseja ir sentado, a organização é feita por funcionários — mas ali reinam os espertos, que não se envergonham de furar a fila.

— Hoje até que está calmo, a porrada ainda não comeu. As pessoas ficam nervosas, acabam se atrasando no trabalho, e a paciência vai para o ralo. Não há santo que aguente isso todos os dias — resume a diarista Soraia Dutra, bem no dia de São Judas Tadeu, o santo das causas impossíveis, urgentes e desesperadas. Ela trabalha na Barra da Tijuca e usa o sistema diariamente.

O BRT nasceu há 40 anos em Curitiba. Foi lá que ele se consagrou, espalhando-se por diversas cidades ao redor do globo, como Bogotá, Vancouver e Los Angeles. Mas os "ligeirinhos", como são chamados lá, demoraram a chegar ao Rio — o primeiro foi inaugurado há dois anos. Aqui já foram entregues dois corredores para ônibus articulados (com dois carros) e biarticulados (três): o Transoeste, que liga Santa Cruz e Campo Grande à Barra, e o Transcarioca, que conecta a Barra ao Aeroporto Internacional Tom Jobim.

A vida melhorou para as pessoas que usam o transporte. Soraia, por exemplo, não demora mais duas horas na antiga linha 882 (extinta após a inauguração do Transoeste) para percorrer o trajeto entre sua casa e o trabalho. Agora ela faz isso na metade do tempo. O problema não está no intervalo de deslocamento dos veículos, que fogem do trânsito intenso ao percorrerem uma pista restrita aos ônibus. É no embarque anárquico e no desconforto posterior que residem as principais reclamações.

Após quase duas horas conversando com passageiros no terminal, tento entrar no primeiro ônibus em direção à Barra, mas não consigo. Na segunda tentativa, quase perco a mochila durante o empurra-empurra, muito parecido com o que se vê em estações de trem e metrô na hora do rush.

— Coloque a mochila na frente — sugere o solidário Ronaldo Ricardo dos Santos, 23 anos, auxiliar administrativo. — E tome cuidado com o vão entre a plataforma e o ônibus. Já vi uma pessoa cair no buraco em meio à correria. Aqui é cada um por si e Deus por todos, parceiro.

IMPOSSÍVEL SE MOVER

Quando o terceiro veículo se aproxima, um sujeito ao lado põe-se a berrar: "Anda, anda, anda". Lembro de Fabiano, o retirante de "Vidas secas", obra-prima de Graciliano Ramos. Ao ver o filho mais velho caído sem forças no solo da caatinga, diz ao menino: "Anda, excomungado". Eu ando, desta vez um pouco mais agressivo, e venço o primeiro desafio.

Próximo: escolher, dentro do ônibus, a melhor posição — pois nos próximos 60 minutos será impossível se mover. Sinto meu corpo encostado em outros cinco ao mesmo tempo. Embora não seja tão agradável ter um suvaco perto do nariz, não sofro de nenhum tipo de fobia social. Só me resta fazer o mesmo que todos: seguir em frente. Com minha canela junto à panturrilha de Talita Elias dos Santos, 23 anos, puxo conversa com a moça. Ela trabalha como auxiliar de serviços gerais na Zona Sul. Reclama de dor na coluna e nos braços, decorrente do sufoco no veículo.

Quem também está grudado na gente é o instrumentador cirúrgico Jorge Fernando de Sá Pires, 22 anos. Ele ri ao descobrir que a voz aveludada que ouve diariamente, anunciando a próxima estação, é de Iris Lettieri, a locutora que empresta sua sedução ao aeroporto Tom Jobim. No meio do caos, ouvir Iris é um certo alento. "Next stop, Alvorada Station", anuncia Iris, inconfundível, para alívio da multidão. "Mind the gap" (cuidado com o vão), ela lembra.

Após sessenta minutos de aperto no Transoeste, chegamos ao Terminal Alvorada, que recebe quase 50 linhas diariamente. De lá é possível migrar para o BRT Transcarioca sem custo adicional. Espero 27 minutos até o próximo ônibus. Embarco às 8h20 com mais 21 pessoas. Todos vão confortável e silenciosamente em seus assentos. Alguns usam o bagageiro do veículo para guardar suas malas. Funcionários de companhias aéreas e do próprio aeroporto também estão no veículo. O ônibus passa por paisagens inusitadas do Rio. Vê- se, em certo momento, a Igreja da Penha bem de baixo. O melhor vem depois, quando cruzamos o Arco Prefeito Pedro Ernesto, instalado há poucos meses sobre a Avenida Brasil. Do alto, surge o Complexo da Maré a perder de vista.

DEMANDA SUBESTIMADA

É surpreendente saber que o Transcarioca, tranquilo até demais no trecho Alvorada-Galeão, possui mais ônibus articulados (180 contra 120, aproximadamente) e mais passageiros do que o Transoeste. A assessoria do Consórcio BRT explica: no primeiro, 80% dos trajetos são feitos nos horários de pico. No outro, o vaivém dura o dia todo. Mas por que viajar no Transoeste é tão árduo?

— O estudo que deu origem ao plano operacional da linha subestimou a demanda. Estamos vendo o número de passageiros crescer, o que leva ao esgotamento da capacidade. Para resolver isso, é simples: basta aumentar a oferta de veículos — afirma José de Oliveira Guerra, professor de engenharia de transportes da Uerj. — É um problema cuja solução é amplamente conhecida e bastante elementar: com o aumento da frota, o intervalo de passagem dos veículos vai cair, e o desconforto das pessoas será menor. É matemático — completa.

Guerra afirma que o tempo de fabricação de um ônibus articulado demora de quatro a seis meses, ao contrário de um ônibus comum, que é feito em dois meses. Ou seja: mesmo que novos ônibus sejam encomendados hoje, a solução exigirá paciência dos passageiros.

Em nota, o presidente do Consórcio BRT, Jorge Dias, disse que, para atender à demanda, "as saídas são regulares, sendo planejadas e executadas por nosso Centro de Controle Operacional que dispõe de informações em tempo real sobre o deslocamento da frota e a situação nas estações". Além disso, "a frota vem sendo constantemente redimensionada. De dezembro de 2013 a outubro deste ano, o aumento foi de 52%. As empresas operadoras do sistema ainda têm alguns carros em fábrica para receber". Não foi informado quantos (nem quando) os novos ônibus devem chegar.

400 MIL PASSAGEIROS
 É quanto transportam juntos, diariamente, os BRTs Transoeste e Transcarioca.

300 ÔNIBUS
 É o total da frota que circula nos BRTs Transoeste e Transcarioca, segundo o consórcio que opera o sistema de ônibus expressos.

R$ 2,8 BILHÕES
 Custo dos BRTs Transcarioca (R$ 1,9 bilhão) e Transoeste (R$ 900 milhões).

Nenhum comentário:

Postar um comentário