quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Local proposto para nova rodoviária fica a 28 km do Centro

19/11/2013 - O Globo

Em meio à adaptação dos motoristas às recentes e robustas mudanças de trânsito na Zona Portuária, o prefeito Eduardo Paes trouxe de volta, nesta segunda-feira, um projeto que tem tudo para trafegar em polêmica, mas que andava em ponto morto: a construção de uma nova rodoviária, provavelmente em Vigário Geral. Em entrevista ao "Bom Dia, Rio", da TV Globo, Paes afirmou que a Rodoviária Novo Rio já não absorve a demanda da Região Metropolitana. Segundo ele, há um estudo para as novas instalações, que ficaram a cerca de 28 quilômetros do Centro.

- A cidade precisa de uma nova rodoviária, urgente. Essa rodoviária (Novo Rio) não absorve a demanda. Estamos estudando. Teremos vários terminais ao longo do BRT Transbrasil. A gente pensa na área do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes), no início da Dutra - disse o prefeito.

Quem conduz o processo de aquisição do terreno é o secretário estadual de Transportes, Júlio Lopes. Ele informou que, há um mês, a Secretaria Geral do Patrimônio da União deu o primeiro sinal para a transferência de um terreno, de 650 mil metros quadrados, no quilômetro zero da Rodovia Presidente Dutra, próximo ao Trevo das Margaridas.

- É uma área importantíssima. Hoje, há um fluxo de trânsito de pessoas moradoras da Baixada Fluminense muito intenso, em viagens, por exemplo. Não tem cabimento precisarem vir até a Novo Rio para voltarem. Estamos nos trâmites finais do acerto para a transferência - explicou Lopes, acrescentando que serão estudadas as linhas de ônibus a serem remanejadas para o novo terminal, já que a Novo Rio não será desativada.

Especialista sugere audiência pública

O projeto não conta apenas com a construção da rodoviária, segundo ele. Há a ideia de se construir um parque municipal e um centro de referência para a Polícia Rodoviária Federal, além de um centro de distribuição de cargas:

- Haverá um centro de fracionamento e direcionamento de cargas também. Carretas grandes não entrarão mais na cidade. As cargas serão distribuídas em veículos mais leves, para que possam entrar na cidade sem causar tantos transtornos.

O secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osorio, vê com bons olhos o projeto de um novo terminal rodoviário:

- Como ficou comprovado na quinta e sexta-feira, o terminal não tem capacidade de absorver o movimento de pico. Sua localização é muito próxima à chegada ao Centro. No Trevo (das Margaridas), a logística seria melhor. De lá, distribuiríamos melhor os passageiros para as diferentes zonas da cidade. E o BRT Transbrasil alimentaria a rodoviária.

Para o engenheiro de transportes Fenando MacDowell, a ideia é boa, mas é preciso um sério planejamento:

- Não se pode imaginar que haja um estudo sobre o terminal mas não sobre os impactos. Como os passageiros vão chegar (à rodoviária)? A tarifa vai aumentar? Está entre os projetos para os quais se faz necessária uma audiência pública.

A Socicam, concessionária que desde 1990 administra a rodoviária (inaugurada em 1965), disse ver positivamente a construção de um novo terminal. Mas ressaltou que é preciso avaliar o fluxo. A média de embarques e desembarques é de 20 mil por dia, afirmou Beatriz Lima, assessora de imprensa da Socicam. Ela explicou que cerca de 60% do movimento são para Região dos Lagos, Região Serrana e interior:

- Pode haver uma divisão para atender a uma parte da população.

Em nota, a concessionária negou que a capacidade operacional da rodoviária tenha sido ultrapassada na quinta-feira, atribuindo os atrasos aos congestionamentos das principais vias de acesso à rodoviária (Av. Brasil e Linha Vermelha), às interdições de ruas importantes no entorno do terminal e ao excesso de veículos na Ponte.

Passageiros aprovam construção

A preocupação com o trânsito na Zona Portuária levou Paes a autorizar, no sábado, Osorio a fazer bloqueios nos acessos à Novo Rio para evitar a entrada de ônibus além da capacidade do terminal. No fim da noite de quinta e na manhã de sexta-feira, a região em volta da rodoviária registrou longas filas de ônibus esperando para desembarcar ou embarcar passageiros, e o secretário acusou a Novo Rio de overbooking. Com as barreiras, a prefeitura queria evitar que o trânsito da volta do feriadão se somasse ao fluxo normal de veículos.

Paes criticou ainda as "rodoviárias" ilegais que operam ao lado da Novo Rio e levam passageiros em vans para diversas áreas do estado. Ele disse que aumentará a fiscalização para coibir a prática.

Os usuários são favoráveis a uma nova rodoviária.

- Saímos às 4h de Cabo Frio. Para ir para São Paulo, precisamos vir para cá. Ficamos quase o tempo da viagem para conseguir chegar à rodoviária, por causa do engarrafamento. Vai ser muito bom ter uma nova rodoviária num lugar que não cause tanto tumulto - disse a bancária Camila Felícia do Val.

Neta segunda pela manhã, o fluxo de passageiros foi tão intenso que o tempo de espera por um táxi chegou a uma hora e meia. O diretor-presidente da cooperativa da táxi Novo Rio Cop, Marcos Bezerra, disse que os veículos tinham muita dificuldade para chegar à rodoviária:

- Foi um dia atípico. Além do grande número de pessoas retornando do feriado, tivemos também o fechamento de vias importantes. Mas isso serve de alerta para o que pode acontecer nos grandes eventos. Estamos providenciando o reforço da frota.

Uma das pessoas na fila era a residente de farmácia Ingrid Ambrósio, vindo de São Paulo:

- Pensam só nos grandes eventos e esquecem de quem mora aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário