quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Conselho Municipal de Transportes faz primeira reunião no Rio para discutir mobilidade urbana

05/09/2013 - Agência Brasil

Rio de Janeiro - O prefeito Eduardo Paes se reuniu ontem com representantes do poder público e da sociedade civil no Palácio da Cidade para a primeira reunião do Conselho Municipal de Transportes. Foram apresentados aos conselheiros o panorama da situação dos transportes públicos na cidade, além de definir o cronograma de trabalho. O objetivo é implementar um projeto de planejamento e de mobilidade urbana no município do Rio.

Na reunião, foi discutida o transporte público e melhorar a implantação de projetos como BRTs (bus rapid transit), o sistema de ônibus rápido que liga a Barra da Tijuca à Santa Cruz, na zona oeste da cidade; BRS (bus rapid system), sistema de ônibus rápido que liga o Largo da Carioca ao Estácio; e o VLT (sistema de veículo leve sobre trilhos).

De acordo com Paes, estão sendo feitas ações para melhorar o sistema de ônibus da cidade. "Isso faz parte de um pacote que nós anunciamos há dois meses quando houve as manifestações por mais mobilidade. O processo é um espaço de discussão com diversos autores da sociedade civil e é um espaço de esclarecimento e transparência para colher sugestões. Hoje apresentamos o nosso plano de mobilidade e são 150 quilômetros de BRT, os BRS que nós estamos fazendo, os VLT do centro, mostrando um pouco dos investimentos em mobilidade. Também estamos abrindo um pouco a questão das concessões, de como elas funcionam, como são definidos os preços e esclarecendo e estabelecendo as regras de como vamos trabalhar", explicou.

Segundo o prefeito, é fundamental ter todos os sistemas de transporte funcionando bem e o BRT terá uma frota maior para melhorar o acesso da população da zona oeste da cidade ao transporte público. "Sem dúvida é fundamental ter o sistema de trens e metrô funcionando bem, até porque os BRTs estão buscando cobrir as áreas onde tem menor atendimento de trens e metrô. Nós vamos ampliar e determinar que os consórcios que operam o BRT coloquem imediatamente mais ônibus. A estação do Magarça, em Campo Grande, é o nosso maior problema, pois de lá saem menos linhas, mas já foram feitos ajustes hoje e nós vamos buscar cada vez mais melhorar o sistema", diz Paes.

O presidente do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura do Rio (Crea-RJ), Agostinho Guerreiro, destacou o papel da entidade na questão da mobilidade urbana. "Nós temos ao longo dos últimos anos levantado essa questão da mobilidade urbana como um dos problemas graves da cidade do Rio de Janeiro e temos procurado, por meio de estudos e documentos entregues diretamente ao prefeito, dar sugestões para melhorar", disse Agostinho.

O secretário municipal de Transporte, Carlos Roberto Osório, disse que ficou definido que a prioridade a ser tratada pelo conselho é o transporte público do Rio de Janeiro com três vetores: integração física entre os modais, integração tarifária e avaliação da qualidade do serviço. Ele diz que a participação da sociedade civil enriquece o conselho, pois aponta os problemas e ajuda a encaminhar soluções.

"A mobilidade urbana é o grande desafio das cidades no século 21. Ela está diretamente ligada à qualidade de vida, a competitividade das cidades. Para o Rio de Janeiro solucionar o desafio da mobilidade urbana, é vital para que nós sigamos com força no crescimento da cidade. Hoje nós apresentamos como está o sistema de transporte da cidade neste momento e também fazer um histórico dos últimos 60, 70 anos de desenvolvimento do transporte. A partir de agora, com a participação dos conselheiros, nós teremos a oportunidade de avaliar a situação, definir metas e principalmente buscar soluções", explicou Osório.

Nenhum comentário:

Postar um comentário