quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Frota de ônibus do BRT Transoeste na Zona Oeste caiu

09/08/2013 - O Globo

Quando lançou o edital de licitação do transporte rodoviário no Rio, a prefeitura pretendia, entre outras coisas, aumentar em até 30% a oferta de veículos na Zona Oeste. Hoje, dois anos e nove meses depois, a frota que atende à região é ainda menor do que antes, fazendo passageiros como o pintor de paredes Carlos Alberto Vasconcelos, de 22 anos, gastar mais uma passagem para não ficar parado no ponto.


Morador de Duque de Caxias, ele precisa pegar o 388 (Tiradentes-Santa Cruz) para ir do trabalho, em Santa Cruz, para casa. Mas, como tem que esperar em média uma hora pelo ônibus direto, acaba pagando uma passagem a mais para fazer a baldeação:
- São poucos paradores. Sou obrigado a pegar o expresso e descer antes, em Realengo. Lá, pego outro ônibus até a Penha, onde pego mais um até Caxias. Além da demora, ainda gasto mais, já que o Bilhete Único só cobre duas viagens.

Mais Notícias do Rio de Janeiro
Siga o Blog Meu Transporte pelo Facebook

Em novembro de 2010, quando fez a licitação, a prefeitura prometia uma estruturação das linhas, de forma a distribuir e racionalizar as frotas. Na ocasião houve a promessa de aumentar de 20% a 30% a frota na Zona Oeste com o corte de coletivos onde a demanda fosse menor.

Mas, segundo números da Secretaria de Transporte, houve redução no número de veículos que atendem a Zona Sul e a Grande Tijuca, mas, na área onde a carência é maior e que é servida pelo consórcio Santa Cruz, não houve aumento na quantidade de ônibus e, sim, uma ligeira redução em relação a 2010.

A falta de coletivos também dificulta a vida da promotora de vendas Carla da Silva, de 27 anos, moradora em Padre Miguel, que diz "praticamente morar dentro dos ônibus". Ela é obrigada a circular por diversos bairros, visitando clientes em até dez estabelecimentos comerciais por dia.
- Não percebi nenhuma redistribuição de ônibus. Pelo contrário. Já morei na Zona Sul e sei que lá é outra história - comparou, na última quinta-feira, quando já aguardava por meia hora o 870 (Bangu-Sepetiba).
A dona de casa Damiana Castro, de 65, reclamou da linha 839 (Santa Cruz-Campo Grande), que chegaria a demorar até uma hora:
- Tem mais de meia hora que estou aqui e nada.

Respostas
A Secretaria municipal de Transporte informou que a "Zona Oeste é a região que mais preocupa a prefeitura". Por isso, realiza fiscalização constantes para monitorar a frota e a frequência dos ônibus, de modo a atender a população com mais eficácia. Como exemplo de racionalização do sistema, aponta o BRT Transoeste, ligando a Barra da Tijuca a Santa Cruz e Paciência, transportando 120 mil pessoas por dia. A implantação do BRT teria "racionalizado o sistema na região da Zona Oeste".


O Rio Ônibus também citou o BRT como exemplo de racionalização das linhas na Zona Oeste.
Confira a resposta da Secretaria municipal de Transportes na íntegra:
"A Prefeitura do Rio definiu a Zona Oeste como uma das primeiras áreas a receber o sistema de racionalização do transporte público. Como exemplo de racionalização do sistema, foi implantado o primeiro BRT da cidade, a Transoeste, que liga a Barra da Tijuca a Santa Cruz e Paciência, e transporta, atualmente, cerca de 120 mil pessoas por dia.Totalmente segregado do tráfego geral, composto por linhas expressas e paradoras, o corredor já conta com 44 quilômetros de extensão até Paciência e 42 estações em funcionamento. O BRT Transoeste está atingindo um volume de viagens cerca de 20% superior ao inicialmente estimado.

A Zona Oeste é a região da cidade que mais preocupa a prefeitura. Por isso, a SMTR realiza fiscalização frequente para monitorar a frota e a frequência dos ônibus na região, de modo a atender a população com mais eficácia. Além disso, é realizada fiscalização eletrônica nos 8.800 ônibus da cidade, por meio de GPS instalado em todos os coletivos. Dos quatro consórcios, o Santa Cruz, que atua na região, é o que mais recebe multas da prefeitura: 978 (de janeiro a julho), das 2.362 multas aplicadas nos quatro consórcios no mesmo período. A prefeitura estará continuadamente trabalhando para melhorar o transporte público da Zona Oeste e vai adotar todas as medidas cabíveis para melhorar o sistema.

Para reforçar a fiscalização, a SMTR deu início à contratação de sistema tecnológico para monitorar eletronicamente o serviço de ônibus da cidade. Com a nova plataforma será possível monitorar em tempo real, 24 horas, sete dias por semana, a frota, frequência, itinerário e velocidade média dos ônibus da cidade. No caso de descumprimento de qualquer normativa, multas serão expedidas automaticamente aos consórcios infratores. Com o novo sistema, que deverá entrar em operação no segundo semestre deste ano, a prefeitura terá melhor controle sobre a qualidade dos serviços de ônibus na cidade.

A implantação do BRT Transoeste racionalizou o sistema de ônibus na região da Zona Oeste. Nas áreas da Zona Oeste não contempladas com o BRT Transoeste, houve um aumento dos ônibus urbanos para atender a população."
Confira a resposta do Rio Ônibus na íntegra:
"Com o BRT Transoeste, quatro linhas que tinham sobreposição de itinerário com o corredor foram extintas e outras 12 tiveram seus itinerários seccionados para se tornarem linhas alimentadoras do BRT. Elas usam ônibus refrigerados com tarifa de R$ 2,75 e seus passageiros não precisam pagar novamente para ingressar corredor. Isso permite que o usuário ainda faça uma integração através do Bilhete Único Carioca ao sair do BRT na outra ponta. O BRT Transoeste transporta 120 mil passageiros/dia e alcançou 93% de aprovação em pesquisa realizada em abril.

Todos os corredores de BRT serão acompanhados da racionalização das linhas. E todos estarão conectados entre si e integrados aos demais modais. No próximo ano, deve entrar em operação o BRT Transcarioca, de 39 km com área de atuação percorrendo 14 bairros, ligando a Barra ao Aeroporto Internacional. Até 2016 será concluído o BRT Transolímpica, com 23 km, passando por nove bairros, ligando Barra e Jacarepaguá a Deodoro. A prefeitura está concluindo o projeto para a construção do BRT Transbrasil, com 32 km de Deodoro ao Centro do Rio. Todos estes BRTs priorizam a Zona Oeste, uma das regiões mais afetadas pelo transporte".

Informações: O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário