segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Empresas de fretamento de ônibus lucram ao suprir demanda

19/08/13 - O Globo

Ao todo são oferecidos mais de dez mil assentos nos dias úteis em pelo menos 70 ônibus
Serviço é regular, mas muitas vezes é insatisfatório

Estima-se que fretamentos de ônibus custem a condomínios mais de R$ 2 milhões por mês

LUIZ ERNESTO MAGALHÃES

RUBEN BERTA 

Moradores do Rio 2, na Barra, fazem fila para pegar os ônibus fretados pela administração do condomínio: prédios da região chegam a gastar R$ 2 milhões ao mês pelo serviço de aluguel de coletivos

 Moradores do Rio 2, na Barra, fazem fila para pegar os ônibus fretados pela administração do condomínio: prédios da região chegam a gastar R$ 2 milhões ao mês pelo serviço de aluguel de coletivos Foto: Márcia Foletto / Márcia Foletto/Agência O Globo
Foto: Márcia Foletto / Márcia Foletto/Agência O Globo

Moradores do Rio 2, na Barra, fazem fila para pegar os ônibus fretados pela administração do condomínio: prédios da região chegam a gastar R$ 2 milhões ao mês pelo serviço de aluguel de coletivos Márcia Foletto / Márcia Foletto/Agência O Globo
RIO - As filas que se formam durante a semana em frente aos grandes condomínios da Barra da Tijuca, do Recreio dos Bandeirantes e de bairros do entorno para o embarque dos moradores — em ônibus alugados pelos próprios condomínios — são testemunhas de um problema de mobilidade na região. A expansão da cidade para esses bairros não foi acompanhada pela ampliação da oferta de transporte coletivo de qualidade. A ironia é que em vários casos os serviços de fretamento, que custam aos condomínios mais de R$ 2 milhões ao mês, segundo levantamento de repórteres do GLOBO, são prestados por companhias dos mesmos grupos empresariais que exploram linhas convencionais que atendem à região.

As empresas Nossa Senhora das Graças e Útil, por exemplo, estão vinculadas à família de Jacob Barata, conhecido como o "Rei dos Ônibus". Já a Reitur pertence ao grupo Real, líder das empresas do consórcio Intersul, que explora, entre outras, linhas que ligam a Zona Sul à Barra e ao Centro. Há ainda companhias que se dedicam apenas ao serviço de fretamento, como a Vênus Turística. Esta, porém, era acionista até 2010 da empresa City Rio Rotas Turísticas, uma das concessionárias da cidade. Ao todo, são oferecidos mais de dez mil assentos nos dias úteis, em pelo menos 70 ônibus. Os números foram estimados com base em informações dos condomínios.

Na teoria, esses ônibus, mais sofisticados, prestam serviço diferenciado, contratados por particulares. Eles ficaram fora da licitação de 2010, alvo da CPI em andamento na Câmara do Vereadores. Na época da licitação, a prefeitura apenas colocou em concorrência as linhas de ônibus tradicionais comuns, com ar-condicionado e frescões. Mas, na prática, os coletivos de condomínios se transformaram numa espécie de serviço paralelo ao convencional: fazem itinerários e têm pontos de embarque e desembarque semelhantes aos serviços regulares.

Apenas uma das linhas dos prédios do Bosque Marapendi (Centro-Barra, via Copacabana) tem 46 pontos autorizados pela prefeitura. Nos dias úteis, os moradores podem embarcar na Barra, a partir das 5h40m até às 20h30m, e desembarcar em sete bairros da Zona Sul, antes do ponto final, no Centro. Somente nas avenidas Vieira Souto (Ipanema) e Atlântica (Copacabana), por exemplo, existem dez pontos (cinco em cada uma). Há linhas também para a Tijuca, e alguns condomínios oferecem serviços circulares com pontos próximos a shoppings e supermercados. O acesso aos ônibus especiais é feito mediante a apresentação de documento que identifica os usuários como moradores.

Rio 2 é atendido por 33 ônibus

No condomínio Barra Bali, na divisa da Barra com o Recreio, o quadro de horários da empresa Útil mostra até a capacidade de adaptação. Na planilha, a empresa informa pontos alternativos para embarque no Centro, na hipótese de a Avenida Rio Branco ser interditada por manifestações. Já o Condomínio Rio 2, nas imediações do futuro Parque Olímpico, é atendido por 33 coletivos, que oferecem mais de cinco mil assentos diariamente em suas linhas.

— Num mundo ideal, os ônibus do transporte público deveriam oferecer a mesma qualidade dos ônibus dos condomínios. Mas não é isso que acontece. Me mudei para a Barra há 35 anos, quando os serviços de transporte regulares ainda eram mais deficientes. Os ônibus fretados eram o atrativo oferecido pelas imobiliárias — diz o síndico do condomínio Nova Ipanema, Ernesto Rodrigues.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/empresas-de-fretamento-de-onibus-lucram-ao-suprir-demanda-9604704#ixzz2cPNVghVQ 
© 1996 - 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário