sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Insegurança leva passageiros a dormirem dentro de rodoviária

Insegurança leva passageiros a dormirem dentro de rodoviária

16/11/2012 - O Globp

Consórcio Novo Rio prepara espaço que poderá abrigar a futura sede de UOP

Cochilo desconfortável. Espremido num banco, o pedreiro Mauro César Souza dorme à espera do ônibus para o Piauí: passageiros improvisam de madrugada na rodoviária Fernando Quevedo / O Globo

RIO Moradores de rua, usuários de drogas, iluminação precária e sujeira são alguns dos problemas que compõem, no entorno da Rodoviária Novo Rio, um cenário nada convidativo para quem opta por deixar a cidade de ônibus em feriadões como o que começou na quinta-feira. O quadro de abandono já mexe até nos hábitos de passageiros: quem viaja nas horas antes do amanhecer agora procura chegar cedo e dorme improvisadamente em bancos ou em cima de malas dentro do terminal. Em levantamento realizado há cerca de um mês, o Consórcio Novo Rio detectou que 82% das reclamações de usuários dizem respeito a questões ligadas à falta de segurança na região. À frente das obras na área que será conhecida como Porto Olímpico, a concessionária responsável pelo projeto de revitalização da Zona Portuária prepara um espaço que poderá abrigar a futura sede de uma Unidade de Ordem Pública (UOP).

Já está quase pronta uma sede temporária para essa unidade nas proximidades da Cidade do Samba. A partir do ano que vem, vamos trabalhar no terreno que abrigará o Porto Olímpico e que terá uma grande sede definitiva para ser usada pela prefeitura perto da rodoviária adiantou o presidente da Concessionária Porto Novo, José Renato Ponte.

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria Especial de Ordem Pública (Seop), a prefeitura ainda estuda se será instalada uma UOP ou uma inspetoria comum da Guarda Municipal no local.

Até carrinho improvisado como cama

Na madrugada de ontem, a quantidade de pessoas dormindo na rodoviária à espera dos ônibus dava ao terminal uma cara de hotel improvisado. Com viagem para Paraty programada para as 3h, a gerente Juliana Jatobá, de 33 anos, improvisou uma cama. Pegou um carrinho para bagagens, colocou sua mochila como encosto e deitou. Essa foi a maneira mais confortável que ela encontrou para esperar o tempo passar. Viajando sozinha, ela preferiu chegar horas antes da partida do seu ônibus por medo da violência na região.

Eu prefiro chegar cedo por causa da violência. A região em que fica a rodoviária é muito perigosa contou Juliana, que ainda reclamou da falta de estrutura do terminal para receber pessoas que precisam ficar bastante tempo no local. O conforto aqui é zero.

As dezenas de pessoas que se espremem nos bancos também têm outros motivos para dormir na rodoviária, mas preferem se arriscar pouco do lado de fora. Traídos pela cultura brasileira de deixar tudo para a última hora, os pedreiros José Henrique de Souza, de 25 anos, e Mauro César Souza, de 36, esperaram 11 horas e 13 horas, respectivamente, para embarcar. Os amigos terminaram uma construção na Barra da Tijuca e seguiam para suas terras natais, Aracaju, em Sergipe, e Teresina, no Piauí. Eles chegaram à Novo Rio às 20h, para viajar nos ônibus das 22h e 23h, mas não havia mais passagens. Precisaram esperar até a manhã para iniciar a viagem.

Até deitamos no chão para descansar um pouco, mas o segurança mandou que levantássemos. Tentei dormir aqui neste banco de ferro, mas não consegui. E fiquei com dor no corpo contou Mauro César, que ficará pelo menos dois dias dentro do ônibus.

No levantamento feito pelo Consórcio Novo Rio, entre os 82% de reclamações relacionadas à insegurança no entorno, as principais queixas ficaram por conta de viciados em crack, táxis piratas, cambistas de passagens, prostituição e assaltos. O consórcio não quis, porém, comentar esses problemas. Sobre a segurança interna, explicou que faz o monitoramento com 55 câmeras que gravam 24 horas por dia todas as instalações do terminal, além dos 17 homens da segurança patrimonial e a presença de patrulhamento dos policiais do Posto de Policiamento em Áreas Turísticas da PM.

A Guarda Municipal explicou que monta esquemas especiais nos feriados. Ontem e no próximo dia 20, por exemplo, um efetivo de 26 homens foi programado para atuar 24 horas, em turnos, nas vias próximas à rodoviária, como Avenida Francisco Bicalho, Avenida Rodrigues Alves e Rua Equador. A assessoria de imprensa da PM informou que atua com o posto de policiamento e que são realizadas rondas constantes em todo o entorno da Novo Rio. Durante os seis dias deste feriado prolongado, são esperados cerca de 403 mil passageiros no terminal. Haverá 13.334 ônibus disponíveis, incluindo um esquema com 2.500 horários extras.

Iluminação e calçadas novas

Intervenções urbanísticas no entorno da Rodoviária Novo Rio estão sendo realizadas pela concessionária Porto Novo e devem começar a ser inauguradas nos próximos meses. O trecho da Via Binária que passará atrás do terminal será inaugurado até maio, com postes de iluminação a LED e fiação subterrânea, além de calçadas em granito. Está prevista ainda a construção de uma praça a cerca de 300 metros da rodoviária, como explicou o presidente da Concessionária Porto Novo, José Renato Ponte:

Essa área receberá prédios que vão abrigar os árbitros e parte da mídia durante as Olimpíadas. O entorno da rodoviária ganhará importância ao se tornar a porta de entrada para a Região Portuária, após a demolição da Perimetral.


Enviado via iPhone

Nenhum comentário:

Postar um comentário