quinta-feira, 26 de maio de 2011

Procura por transporte público cai 17% na capital fluminense nos últimos 28 anos

25/05/2011 - R7, Evelyn Moraes

Estudo do Ipea aponta que uso de automóvel subiu 17% no mesmo período 

Gráfico mostra desaparecimento de bondes, busca por ônibus e aumento da demanda por transporte individual (Fonte: Ipea)

A demanda por transporte público na cidade do Rio de Janeiro diminuiu 17% (passando de 68% para 51%) entre 1977 e 2005, e do uso de automóvel cresceu 17% (passando de 32% para 49%), segundo pesquisa divulgada nesta quarta-feira (25) pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). O estudo “A mobilidade urbana no Brasil” revela que, apesar da população ter aumentado aproximadamente 37% neste período, a capital mudou de uma mobilidade essencialmente pública e movida à eletricidade para outra que mistura a mobilidade pública e privada e que depende de combustíveis fósseis. 

Segundo Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho, técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea, além da baixa procura por trem, metrô e ônibus, o aumento do preço do diesel em relação ao valor da gasolina vem encarecendo o preço das tarifas dos transportes públicos. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o preço do diesel subiu 50% a mais do que o da gasolina nos últimos dez anos. 

- De 1999 para cá, o valor do diesel aumentou muito. Desta forma, o transporte particular fica cada vez mais barato, porque o transporte público é movido a diesel. 

Carlos Henrique critica o aumento do preço do diesel, apesar de considerar que o valor acompanha a política de alinhamento internacional.

- É preciso criar subsídios para a tarifa do diesel ficar mais barata, sem atrapalhar o alinhamento com os preços internacionais. 

Outro fator relacionado à queda pela procura dos serviços ferroviários é a política de tarifação da energia que penaliza os grandes consumidores nos horários de maior demanda, que justamente coincide com o período em que as operadoras têm que trabalhar com carga máxima para atender a população. 

Segundo Maria da Piedade Morais, coordenadora de Estudos Setoriais Urbanos do IPEA, a queda na demanda por transporte público está ligada ao crescimento desordenado dos grandes centros urbanos. 

- As cidades no Brasil cresceram desordenadamente, o que aumentou o número de vans e outros tipos de transportes, como mototáxis, por exemplo. Estes veículos são mais rápidos e acabam substituindo os serviços sobre trilhos. Não dá para colocar troncos estruturais (estações de metrô e trem) nos centros urbanos, se não houver estrutura para outras localidades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário