domingo, 23 de maio de 2010

Eduardo Paes lança Transolímpica e promete inaguração em 2015


Enviado por Marcelo Dias - 
17.5.2010
 
| 22h02m
BRT


Encontro da Avenida das Américas com Salvador Allende, de onde partirá a Transolímpica.

O prefeito Eduardo Paes anunciou ontem o projeto para construção da Transolímpica, a via expressa para ônibus articulados e automóveis que ligará o Recreio dos Bandeirantes a Deodoro. Antes chamada de Linha Azul e Ligação C, a estrada terá 26 quilômetros e se integrará à Transoeste (Santa Cruz-Barra da Tijuca), à Transcarioca (Barra-Penha), à Avenida Brasil e à rede ferroviária, na estação de Deodoro. 

A Transolímpica terá um corredor central segregado para coletivos, com 18 estações e dois terminais, e três faixas em cada pista para carros de passeio  — que passarão por uma praça de pedágio próximo à Avenida Marechal Fontenelle, em Magalhães Bastos. O valor da passagem dos ônibus será o do bilhete único. O projeto é inspirado nos corredores de ônibus expressos (BRTs) de Curitiba.

A viagem completa de ônibus será feita em 40 minutos nos paradores e de 25 minutos nos expressos. Os coletivos irã até a estação de trem e os carros seguirão mais além, até a Avenida Brasil. O trajeto sairá do Recreio e passará por Camorim, Jacarepaguá, Curicica, Taquara, Magalhães Bastos, Sulacap e Deodoro. Os editais de licitação para construção e operação devem ser lançados em setembro, com o início da obra marcado para o primeiro semestre de 2011, com inaguração quatro anos depois e concessão por 35 anos.

Túnel contra desapropriações

O projeto prevê a construção de 30 quilômetros de ciclovia e bicicletários nos pontos de ônibus. Estima-se que a via atenda a 100 mil usuários e a 50 mil veículos por dia. A obra é considerada a maior da cidade nos últimos 30 anos. O preço do pedágio a ser cobrado ainda não foi definido. Para efeito de comparação, a tarifas na Linha Amarela custa R$ 4, em cada sentido.

Para reduzir os gastos e os transtornos com desapropriações, a prefeitura optou por construir quatro quilômetros de túneis, encarecendo mais o projeto. A prefeitura também negociará com o governo estadual a cessão de parte do terreno do Centro de Formação de Praças da PM, em Sulacap. O trajeto também cortará mais duas favelas. 

— Teremos 3 mil desapropriações na Transcarioca. Para a Transolímpica, buscamos reduzir isso. A partir da Taquara, entre as estradas do Rio Grande e da Boiúna, faremos tudo por túnel, pelo Maciço da Pedra Branca, para evitar desapropriações em uma área urbana já estabilizada, o que também diminui o impacto ambiental — explicou Eduardo Paes.

Um BRT em Curitiba, com pistas segregadas para os ônibus, com os carros transitando em pistas externas.

Passagem paga nas estações 

Tal como nos BRTs de Curitiba, os passageiros pagarão a passagem em estações tubulares, e não nos ônibus, o que reduzirá o tempo de embarque e desembarque para algo entre 30 e 60 segundos. Segundo o prefeito, o valor da tarifa será o do bilhete único. O projeto não teve o custo revelado, mas é possível estimá-lo.
Pelo traçado antigo, apresentado ao Comitê Olímpico Internacional, a via seria menor, com 15 quilômetros, e custaria US$ 483 milhões. Como seguirá pela Avenida Salvador Allende, há a previsão de mais US$ 45 milhões para o alargamento das pistas. 

— O traçado original foi desenhado em 1995, 1996, passava pelo meio de Curicica e praticamente acabava com o bairro. O morador de lá tinha muito medo disso porque dividiria o bairro ao meio e geraria desapropriações —  disse Paes, acrescentando que buscará recursos federais para a empreitada, mas que preferiu tocar o projeto através de uma parceria com a iniciativa privada (PPP):

— Preferimos não esperar ou não contar com isso (com o dinheiro federal). Com a PPP, teremos recursos privados e públicos, garantindo a implantação da via.

BRT com pista dupla em Curitiba.

Atraso de um ano

Inicialmente, a frota será composta por 60 ônibus articulados, com capacidade mínima para 160 passageiros. Entretanto, pela proposta encaminhada ao COI, essa frota teria 130 veículos — mais do que o dobro. A via será vigiada por 55 câmeras de video, terá um centro de controle para detecção de acidentes e sistema de onda livre no pedágio. 

— Será uma via importante para os atletas nas Olimpíadas, que se deslocarão entre a vila olímpica e o complexo de esportes radicais em Deorodo — diz o subsecretário de Projetos Estratégicos, Luiz Fernando Barreto.
De acordo com o caderno de encargos apresentado ao COI, a Transolímpica sairá do papel com atraso de um ano. A meta era iniciar as obras agora, em 2010, concluindo-as em 2013. Pelo calendário prometido, a Transcarioca também está atrasada. A sua construção deveria ter começado no ano passado, com término em 2014.

As estações

A localização das 18 estações ainda não está definida. O terminal do Recreio será erguido em um terreno em frente ao shopping center Barra Word, na Avenida das Américas, no encontro com a Salvador Allende.
— Onde explodiu a bomba do bicheiro! — disparou Paes, respondendo aos jornalistas.
, que terá três paradas: uma próxima à futura sede da CBF, outra em frente à Vila Olímpica e outra no Rio Centro. 

Mais adiante, haverá outra parada em uma rua a ser construída, onde hoje está a Favela Asa Branca. Depois, segue para a Estrada do Urubu, que terá uma estação. Nesse ponto, a Transolímpica segue por trás dos laboratórios farmacêuticos até cruzar a Estrada dos Bandeirantes, em Curicica, onde haverá outra parada para integração com a Transcarioca. 

Entre Curicica e Taquara, haverá mais quatro estações. Uma delas será dentro do túnel sob o Maciço da Pedra Branca. Na Avenida Marechal Fontenelle, mais uma parada. Sulacap terá uma e Deodoro a última.

Nenhum comentário:

Postar um comentário