quinta-feira, 6 de maio de 2010

BRT da Avenida Brasil é tema de seminário na Secretaria Estadual de Transportes



05/05/2010 - 18h09 - Secretaria de Estado de Transportes

A reestruturação do tráfego da principal via de acesso ao Rio de Janeiro foi tema do II Seminário Técnico do Corredor Expresso da Avenida Brasil, no auditório da Secretaria Estadual de Transportes, em Copacabana. O BRT (Bus Rapid Transit) é um sistema comparado a um metrô sobre rodas e será responsável pela redução de 55% no número de ônibus que circulam atualmente na Avenida Brasil. Os trabalhos foram abertos pelo secretário estadual de Transportes, Sebastião Rodrigues, que falou sobre os benefícios logísticos e financeiros que este sistema trará ao estado do Rio.Durante a apresentação, o engenheiro Joaquim Ortiz – representante do consórcio responsável pelos estudos de viabilização e implantação do BRT – expôs três diferentes conceitos de operação analisados. Após estudos detalhados, os especialistas optaram por um modelo que ligaria o Trevo das Margaridas, na altura do cruzamento com a Rodovia Presidente Dutra, ao Terminal Américo Fontenele, no Centro do Rio, com cinco terminais e 14 estações ao longo de 20 quilômetros da via. Atualmente, 47 mil pessoas passam pela Avenida Brasil por hora nos períodos de pico. O estudo chegou a conclusão de que 58% deste público transita pelas pistas seletivas, ou seja, faz ligações diretas entre a cidade do Rio e outros municípios. Considerando a área de influência direta do Corredor, o sistema atenderá a 27 bairros, que representam uma população de aproximadamente 1.100.000 habitantes, contabilizando 760 mil trabalhadores ativos.
- O sistema contará com serviço de ônibus paradores e expressos. Os intervalos de espera poderão variar entre 60 e 180 segundos. Serão 240 veículos articulados, dotados com monitoramento via satélite, ar condicionado, isolamento termo-acústico e acessibilidade total a pessoas com necessidades especiais de locomoção. Estas modificações elevarão a Avenida Brasil a níveis internacionais de escoamento de tráfego, contribuindo para o desenvolvimento de diversos segmentos na região - explicou Joaquim Ortiz.
Outra medida anunciada foi a transferência de terminais rodoviários, como os da Avenida Chile, do Castelo e da Praça Tiradentes para o Américo Fontenelle, a fim de reduzir o excesso de ônibus no Centro e concentrar o local de partida das linhas intermunicipais. Todas as intervenções propostas estão sendo aprovadas pela Fetranspor, cujos associados terão grandes reduções de custo operacional, em decorrência da racionalização de linhas e de cerca de 950 veículos. Os cinco terminais rodoviários que atenderão ao BRT (Trevo das Margaridas, Trevo das Missões, Terminal Galeão, Fiocruz e Américo Fontenelle) serão equipados com centros de controle operacional, ar condicionado, escadas rolantes e elevadores.
- Podemos dizer que o que vamos fazer na Avenida Brasil agrada a gregos e troianos. Esta intervenção do Governo do Estado será uma grande solução tanto para a população, que passará a utilizar um transporte muito mais confortável, seguro e ágil, como para os empresários, que poderão reduzir os custos de suas operações. Nossa parceria com a prefeitura do Rio está sendo fundamental para a elaboração deste projeto, assim como a contribuição da população pesquisada, que nos ajuda a identificar as deficiências deste trecho da Avenida Brasil – contou o secretário Sebastião Rodrigues.
O seminário contou com a presença de representes da Secretaria Municipal de Transportes, da Coderte, do Detro, do Consórcio Systra/Setepla, e do BID, financiador das pesquisas que estão sendo desenvolvidas na Avenida Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário